História (...) but maybe I need you. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Emma Swan, Regina Mills, Swanqueen
Visualizações 83
Palavras 3.705
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello, babies. Vamos com a primeira one?

Sinopse: Emma sempre foi apaixonadinha por Regina, sua melhor amiga, que sempre a viu como uma irmã mais nova. E a loira tem uma ideia para fazê-la mudar de opinião sobre isso.

Classificação: +18

*a música desse capítulo é Buttons, do Pussycat Dolls*

Capítulo 1 - Buttons


Narração por: terceira pessoa

Caminhando a passos largos e apressados, Regina rompe pela porta do estúdio de dança onde Emma ensaiava. Sorri com a visão do corpo esbelto movendo-se com precisão e delicadeza. Emma estava tão concentrada que não percebe que é observada pela morena. Regina enche o peito de orgulho pela amiga. Ela tinha crescido, tanto fisicamente tornando-se uma das mulheres mais linda que já vira, como profissionalmente. Sim, havia um enorme caminho pela frente, mas Emma Swan é sinônimo de talento.

A música chegou ao fim, e Emma finalizou a dança com um charme que só ela tinha, permanecendo na última posição por uns segundos até ouvir uma salva de palmas animado da melhor amiga. O sorriso foi instantâneo, assim como a corrida até Regina, que a envolveu num abraço caloroso.

“Uau, garota!” Regina exclamou quando se separaram. “Coreografia nova?”

“O quanto você viu?” Emma confirma com a cabeça, tentando recuperar o fôlego da dança e de ver Regina assim, tão bonita. Sempre lhe causava falta de ar.

“Peguei na metade.” faz um bico charmoso. “Mas está incrível, Ems. Nunca vi você dançar com tanta paixão.” as bochechas de Emma coram pelo elogio, ainda mais por ser Regina a fazê-lo.

“Para, Regi. Assim fico com vergonha. Dancei como danço todo dia, oras.” revira os olhos e pega a garrafinha de água, disfarçando. “E você está atrasada.”

“Eu sei. Mil desculpas, Em. Kath demorou uma vida procurando as anotações daquela aula que faltei.”

“Katheryn, hum.”

“Não começa. Não aconteceu nada.”

“Só porque ela é tímida demais para te atacar.” Regina cai na gargalhada com o absurdo do que a outra acabou de falar. “É sério. Todo mundo sabe que ela é caidinha por você.”

“Eu não gosto dela assim. Só amizade.” diz, ficando séria, de repente. “Você sabe.”

“Eu sei. Mas todo mundo só é amigo pra você.”

“O que quer dizer com isso?”

“Nada, Regi. Nada.”

You look at me and I look at you

I'm reachin' for your shirt

What you want me to do

 “Quais são os planos para essa noite?” pergunta Regina, antes que o silêncio fique constrangedor e acabe com o clima entre elas.

“Bom, eu tenho uma proposta para você.” responde a loira, animando-se novamente. “Não é bem uma proposta.”

“Qual?”

“Você vai ter que confiar em mim. Não posso te contar muita coisa.”

“Eu confio.” Emma sorri.

“Conto com isso.” a loira pega uma cadeira de madeira que estava largada num canto e a posiciona no centro do estúdio. Regina acompanha tudo com o olhar e uma gritante interrogação no meio da testa.

“O que é tudo isso?” Emma não responde de primeira. “Em!”

“Sente-se.” Regina arqueia a sobrancelha de forma inquisitiva pelo tom mandão, mas fez o que a loira disse. “Você tem que relaxar, Gina. Ou não vai funcionar.” reclamou quando viu a amiga toda dura na cadeira.

“O que não vai funcionar?”

“Você faz muitas perguntas, nossa.” fugiu da pergunta e ficou atrás da morena enquanto lhe fazia massagem nos ombros. “Os músculos estão um pouco tensos aqui. Está ansiosa? Ou isso é medo?”

Don't leave me askin' for more

I'm a sexy mama

Who knows just how to get what I wanna

“Não seja boba. Do que eu teria medo?” respondeu na defensiva, dando umas tapinhas nas mãos de Emma, que se afastou rindo da resposta malcriada.

Emma virou-se para a morena e seus olhos se encontraram. Azul contra castanho. Foi então que Regina percebeu um estranho brilho nas orbes azuis e sentiu um arrepio. No entanto, não soube definir exatamente o que aquilo significava. Tudo sobre Emma e seus sentimentos tornava-se um mistério sem solução para a Mills. E, ignorando isso, sorriu para a loira que retribuiu na mesma hora.

“Certo. Vamos começar. E relaxe.” apontou o dedo para Regina dando enfase ao aviso e sorriu uma última vez e caminhou até o aparelho de música.

“Sabe, Emma…” começou, atraindo a atenção da loira.

“Sim?”

"Fico me perguntando qual será o momento em que um poste de pole dance vai cair do céu e então você estará dançando sensualmente para mim.” Emma gargalhou com a imaginação da amiga e Regina a acompanhou nas risadas, porém não fazia ideia do quão perto chegou da realidade.

“Que mente fertil, Regina! Estou impressionada. Principalmente com a parte que o poste cai do céu.” elas riem e Emma termina de escolher a música. Neste momento, aquela pequena tensão que Regina estava sentindo, desapareceu. Emma tinha esse dom de tirar toda e qualquer preocupação que a morena sentia, em poucos minutos.

Ao se voltar para Regina, Emma lhe dá um sorriso torto. “Tudo pronto aqui. Você sentada, música escolhida. Falta apenas eu vestir uma roupa adequada e… Espera!” correu até o regulador de iluminação da sala.

“O que tem de errado com a iluminação? E essa roupa é bem adequada, na minha humilde opinião.” Emma revira os olhos de forma teatral e deixa o ambiente à meia luz. Sabe aquela sensação de meia hora atrás? Então, ela voltou. Regina perguntava-se no que tinha se metido quando Emma seguiu para uma espécie de armário, não sem antes dizer:

“Se não se importar, o pole dance fica para a próxima. E, ah, outra coisa que eu ia esquecendo.”

“O que?” perguntou como quem quer nada, aparentando ser a calma em pessoa, mas na verdade, só faltava hiperventilar por dentro. Emma realmente cogitou a possibilidade de dançar daquele jeito para ela. Sossegue, Regina! Não é nada disso.

“Você não poderá me tocar em momento algum durante a dança.”

You been sayin' all the right things all night long

But I can't seem to get you over here to help take this off

Baby can't you see

“Como?” franziu o cenho, não entendendo aquela espécie de aviso. “Por que eu te tocaria? Em, o que você está aprontando?” cruzou os braços como se aquilo fosse protegê-la do que quer que Emma viesse fazer. E para sua total frustração, a loira deu de ombros e entrou no maldito armário.

Se tem uma coisa que Regina odeia, essa coisa é ficar curiosa. E Emma sabe disso. Ela estava tão brava pela falta de explicação da loira, que não notou que começava a roer suas unhas bem feitas de tanta ansiedade. Te odeio, Emma Swan! Amaldiçoou até a primeira geração dos Swan, pedindo perdão logo em seguida, pois eles não tinham culpa do que a desajuizada da tataraneta deles fazia. Olhou para as unhas destruídas e quis matar Emma pela milésima vez só naquele dia.

Soltou um suspiro irritado quando ouviu a porta sendo aberta e se ajeitou na cadeira, mas no momento em que pousou os olhos no corpo de Emma, desejou que ela voltasse para dentro do closet e pusesse as roupas anterior, que antes consistiam em uma legging preta e uma regata cavada que apenas mostrava um pouco do top rendado que usava, mas agora…

Bom, agora Emma usava nada. Ou quase nada. Um short - ou seria uma calcinha? - muito curto e muito justo, como uma segunda pele, na cor preta e uma camiseta acima do umbigo. Detalhe: sem sutiã. A boca de Regina formou um pequeno “O” enquanto acompanhava com os olhos, Emma caminhar calmamente até o aparelho de som ignorando a reação da amiga de propósito. A morena balbuciou algumas palavras, nem ela mesmo conseguia entender o que dizia, o choque estampado em sua face. Era exatamente isso que Emma queria: atordoar a presa para, então, dar o golpe final.

Parou de frente pra Regina, e a morena sentiu o coração falhar uma batida. Jesus! O que eu faço? Saio correndo? Não. Calma, Regina. Mantenha a calma. Isso. Calma!

A voz do Snoop Dogg soou nos altos falantes ao mesmo tempo em que Emma sentava no colo dela com uma perna de cada lado do corpo, olhos castanhos pareciam dois pires de tão arregalados. Sem som, a boca da Mills pronunciou “o que diabos você está fazendo?” que foi completamente desprezado pela loira que aproximou-se do ouvido da amiga e sussurrou:

“Lembre-se de que não pode me tocar enquanto danço, certo?” agora Regina entendia o porque daquele aviso. Como, pelo amor do nosso senhor Jesus Cristo, ela seria capaz de não tocar na Emma, com ela vestida com essa coisa que chamava de “roupa adequada” e que dançando sabe-se lá o que?

“Quem é você e o que fez com minha amiga?” ela conseguiu por pra fora, arrancando uma risada gostosa da loira, que reforçou o recado anterior e Regina apenas assentiu, incapaz de fazer qualquer outra coisa.

Toda a autoconfiança de Emma pareceu esvair-se quando se deu conta do que estava prestes a fazer. Mesmo assim, timidamente, apoiou as mãos no encosto da cadeira e começou com um vai e vem lento. Lento até demais, pensou Regina ao expirar forte com as mãos posicionadas na lateral do corpo que estavam rígidas com a força que empregava ao controlá-las para não por na cintura da loira e intensificar os movimentos.

Wonder, if my kiss don't make you just

Wonder, what I got next for you

What you wanna do?

Take a chance to recognize that this could be yours

Porém, não foi necessário. Swan empurrou os quadris para frente de modo que ambas suspiraram, fazendo movimentos circulares em um oito imaginário, subindo e descendo, para frente e para trás. Olhando para Regina, que continuava de olhos fechados concentrada em manter a respiração sob seu domínio, Emma percebeu o estado caótico da morena, mesmo que ela tentasse esconder isso, e sorriu mentalmente pelo feito.

A cabeça de Regina dava tantas voltas quanto os quadris de Emma. Uma parte totalmente alheio do seu cérebro pensava no quanto mais teria que aguentar daquela tortura. Pois, sim, Emma a estava torturando e da pior maneira possível. Sentiu as mãos da loira percorrendo sua pele quente, contornando as curvas delicadas da morena que foi ao céu e voltou com aquelas carícias.

Os dedos esguio de Emma passou por cima dos seus mamilos eretos e Regina controlou-se para não soltar um gemido alto e extremamente vergonhoso.

Excitada, trêmula e quente.

Muito quente. Céus!

Emma saiu do colo de Regina, posicionou as mãos nos joelhos da morena e desceu até o chão, num rebolado sensual empinando o bumbum no processo, e ao se levantar, ficou de costas para ela. Regina mordeu o lábio inferior com a visão e não suportando tamanha provocação, puxou o corpo de Emma pela cintura de encontro ao seu.

Escorregou as mãos pelas coxas pálidas da loira que imitava uma penetração entre as pernas abertas de Regina, apertando e arranhando a pele macia que tanto lhe tentava, pressionando-a fortemente contra seu sexo. Colada nas costas de Emma, passou a distribuir beijos no pescoço, ombro e nuca da loira que sentia seu corpo inteiro arrepiar-se, sem parar de rebolar em momento algum. Subiu as mãos pelas costas, barriga e seios. Sentindo a textura da pele lisa contra a sua. Deslizou os dedos de encontro ao short/calcinha de Emma que resfolegou no primeiro toque.

Now you can get what you want

But I need what I need

And let me tell you what's crack-a-lacking for I proceed

Retornou a posição anterior, e abriu os olhos, encarando aquelas orbes castanhas que brilhavam de tanto desejo. Sem que esperasse, Regina colou seus corpos mais uma vez, ditando o movimento das investidas em seu colo, infiltrando as mãos por dentro da camiseta de Emma em direção aos seios fartos e livres da loira. Emma gemeu baixinho quando Gina apertou levemente o bico e parece que foi o estopim que faltava para incendiá-las.

Regina jogou a cabeça para trás, contendo o impulso de beijar a loira, que aproveitou para desabotoar os primeiros botões da camisa e com o novo acesso livre, encheu de beijos molhados por toda a extensão de pele quente da morena. Emma circundava com o quadril na perna de Regina e subia até sua barriga, provocando ambos os sexos, obrigando Regina ora fincar-lhe as unhas nas coxas, ora na bunda ou na cintura, conforme a intensidade que necessitavam. A essa altura, a loira fazia uma trilha de chupões pelo pescoço e clavícula da morena que gemia ensandecida, sem o pudor de alguns minutos antes.

E então, Emma parou, assim como a música.

Suas respirações se misturaram e logo o ambiente ficou pesado, envolto de desejo. Mas não era o suficiente para Regina, que logo se afastou da loira, soltando um gemido de frustração ao ver o sorriso vitorioso de uma Emma extremamente convencida, descabelada e sem fôlego.

I'm telling you to loosen up my buttons babe

“Oh, meu-Emma, o que…” Regina fecha os olhos custando a acreditar no que acabara de acontecer, ou quase. “O que você fez?”

“Eu apenas dancei para você.” a loira responde na maior cara de pau, voltando a se aproximar da morena que tinha expulsado ela do colo “E outra coisa, você quebrou a única regra que eu impus.”

“Que regra?”
         “Você não podia tocar em mim, senhorita Mills.” Emma sussurra no ouvido da amiga, voltando a sentar no colo dela, envolvendo-a novamente na áurea sensual. Sem conseguir resistir, Regina permite-se ser seduzida outra vez.

“Emma...” ela chama (ou geme?) ao sentir os lábios macios na pele sensível do pescoço, provocando-a com pequenas mordidas no seu lóbulo direito. “Nã-”

“Não fuja, Regina.” pede baixinho. Emma não queria parar de jeito nenhum. Esperou tanto por esse momento e ter a amiga em seus braços era quase como um sonho realizado. Ficou de frente para Regina, colocando o rosto dela entre suas mãos e acariciou, olhando-a dentro dos olhos. “Por favor.”
            “Qual será minha punição pelo delito cometido?” a loira dá uma risada alta e gostosa. Regina sorri. Mas o momento descontraído some rapidamente quando Emma se move nas pernas de Regina, grudando seu corpo no dela, reacendendo a chama. “Ainda precisamos conversar sobre isso.” avisa. Emma apenas assente antes de beijar aqueles lábios carnudos pela primeira vez na sua vida.

A sensação tão indescritível que o máximo que poderia falar era: estou nas nuvens. O beijo que começou calmo e apaixonado, conforme os segundos passavam, incendiou o corpo das amigas. As mãos que percorria as maçãs do rosto partiram para toques e apertos nos lugares certos. Regina trouxe o corpo de Emma para mais perto, como se isso fosse possível. Queria fundir­-se aquele corpo maravilhoso. Parou o beijo para respirar, mas não abandonou a pele de Emma. Puxa levemente o cabelo da loira para trás, deixando o caminho livre a seu bel-prazer.

Emma geme baixinho com a trilha de pequenos chupões que Regina deixava em seu pescoço e clavícula, passeando as mãos pela coluna ereta da loira, pousa na bunda e dá um leve apertão. Um calafrio percorre a espinha, e concentra-se num ponto necessitado entre as pernas. “Regina, eu quero você.”

“Ah, Swan.” ri ainda com a boca colada na pele alva, e sente o corpo da loira estremecer. Para provocar, dá um beijo molhado na parte que sabia ser sensível e assoprou. Ouviu um suspiro agoniado da amiga.

“Não me torture, Mills.” e volta a beijá-la cheia de desejo.

Emma corre as mãos pelos braços da morena, passando pelos ombros, indo em direção ao decote da camiseta semi-aberta. Geme quando Regina puxa seu lábio inferior com os dentes e suga forte. Naquele exato momento, nenhuma conseguia pensar nas consequência de seus atos, tudo o que elas queriam era sentir pele na pele, explorar o máximo uma da outra até a exaustão. O suspiro agoniado de Regina seguido pela pressa em arrancar aquilo que Emma chamava de roupa foi tão forte que no segundo seguinte, não estava mais ali. Emma fez o mesmo com a roupa da amiga, arrancando fora a camisa sem delicadeza alguma, fazendo alguns botões voarem pela sala, assim como o resto. As duas se encaram, separadas por um passo de distância com Emma apenas de calcinha e Regina com a lingerie completa, arrancando respirações profundas da loira.

“Ainda temos qu-“ antes que a morena complete, Emma põe dois dedos em seu lábio, silenciando-a.

“Nós vamos, Regina. Eu prometo. Mas antes...” corre os dedos pela face da amiga e lhe dá um sorriso confiante, mas inesperadamente fica nervosa com o que viria a seguir. Regina aproveita o carinho, fechando os olhos. Também sente quando a loira infiltra seus dedos por dentro do cabelo negro mediano, segurando-a pela nuca, tão próxima que o hálito quente da outra mistura com o seu. “Você vai me deixar maluca!”

“Só... cala a boca e me beija, Swan” não foi preciso dizer uma segunda vez.

Emma choca sua boca na dela, segurando forte na cintura da morena, que arfou ao sentir o choque do seu corpo com a parede. O perfume de Regina inebriava a loira, deixando-a cega de desejo e em um nível altíssimo de excitação. Ela distribui beijos rápidos e molhados por toda a clavícula, em direção aos seios fartos e olha pra cima quando sente as mãos de Regina em seu cabelo. A morena assente, seu sutiã vai parar em algum lugar e os lábios rosados da loira estão em seus mamilos. Regina geme completamente entregue. Emma gosta daquele som. Faz uma pequena pressão e belisca, sentindo as unhas da morena em seu couro cabeludo. Ela aperta forte, pressionando a cabeça de Emma para que não se afaste. A morena não quer perder as sensações que a loira lhe proporciona.

Do outro lado, Emma procura sanar toda sua vontade de Regina e descobre que está longe disso acontecer. Suas mãos não param quietas; elas querem conhecer, sentir, apreciar aquela pele delicada e suave que se arrepia com seus toques. Um sorriso torto e extremamente sexy brota nos lábios de Emma, quando ela desce beijos pelo abdômen da morena, deixando mordidinhas nos pontos certos, segurando sua cintura com firmeza.

Os suspiros de Regina são como combustível para que Emma continue sua exploração.

“E-emma.”

“Sim?” pergunta baixinho e Regina até abre a boca para responder, mas sua voz – e qualquer pensamento coerente – some assim que aqueles lábios tocam o tecido da sua calcinha. Emma fecha os olhos ao sentir o aroma feminino que predomina por ali, enfeitiçando-a. “Seu cheiro é maravilhoso. Como você.”

Regina perde qualquer resquício de lucidez e racionalidade quando sentiu os dedos firmes da loira abaixar suavemente a peça de roupa restante até seus tornozelos e beijos molhados faziam trilhas por suas pernas torneadas até o centro pulsante. Onde Emma deixa um beijo casto e Regina estremece. “Quero você.” afirma de um jeito um tanto suplicante. “Preciso!”

“Eu também quero você, Regina.” desce a língua pelo interior da coxa firme e percorre todo o caminho sentindo o gosto da morena, até que chega onde queria. Emma apoia uma das pernas de Regina em seu ombro, carinhosamente e com um olhar safado separa os grandes lábios o máximo que consegue, vê um ponto rosa aparecer ainda mais e o envolve com seus lábios molhados que deslizam sobre ele, enquanto o suga de uma forma perfeita e delirante.

Regina tem uma das mãos nos cabelos loiros, a outra segura um dos seus seios, sentia tanto prazer que o apertava com força. Emma então subiu uma das mãos e enlaçou o outro, as pontas dos dedos encontraram o mamilo e aperta, provocando. A morena estava em um estado absoluto de prazer, por um momento pensou que estivesse perdendo os sentidos. Todas as suas extremidades formigavam. A boca e a língua de Emma Swan eram, sem dúvidas, aquilo de mais maravilhoso que ela já havia experimentado na vida.

Seu corpo tremia levemente anunciando um orgasmo até que a loira diminui o ritmo e sem tirar a boca do sexo de Regina, a mira, chamando sua atenção com o olhar, assim que a morena se distrai com aqueles lindos olhos azuis claro sente um prazer absoluto. Emma está dentro dela. Regina parecia prestes a gozar, seu corpo se mexe no compasso dos lábios, língua e dedos de Emma. O clima é de pura sensualidade e definitivamente nunca havia vivido algo parecido. Ia sentindo pequenos espasmos invadindo-a, começa a perder o controle do próprio corpo, seu estado era delirante. Quando achou que chegaria ao seu limite, sente Emma diminuir o ritmo e seus olhos abrem e no mesmo instante se questiona porque os mantinham fechados.

Ela permanecia de joelhos entre as pernas de Regina, os grossos cachos loiros emaranhados nos dedos da morena caiam em cascata pelas costas nua e alva de Emma, o olhar era fatalmente ébrio, estava tomado pelo desejo e paixão, via-se apenas um rastro do azul de seus olhos. Regina se perdeu naquele olhar, ele a sugava.

Emma sente seus dois dedos deslizarem com facilidade dentro de Regina, que geme sem pudor, delirante. Ela comia a morena com uma vontade descontrolada, mas seus movimentos eram precisos. Metia cada vez mais forte e fundo, de uma forma ritmada, escorregadia e contínua. Não eram somente estocadas, era um movimento de entra e sai ondulado que fazia seus dedos sentirem a morena por dentro, suas paredes, suas texturas, suas contrações. Regina involuntariamente ia tentando fechar as pernas; sente mais uma vez o corpo formigar. O coração batia tão forte que seu ar por um instante some, a cabeça volta-se para trás, os gemidos agora são graciosamente altos.

O sexo da morena aperta ainda mais ao redor de seus dedos, observa Regina arquear o corpo como se buscasse ar, em estado de êxtase deu uma ultima gemida rouca e alta, e se não fosse Emma segurando-a, teria despencado no chão com a força do orgasmo. Emma abaixa a perna de Regina ao se levantar e sorri com o estado que deixou a morena. Beija seus lábios ternamente, olhando dentro dos olhos castanhos que tanto amava.

“Você é surreal.” Regina comenta, ainda tentando recuperar as forças.

“E você é muito gostosa.” devolve, e elas sorriem um jeito particularmente intimo. Regina fecha os olhos, respirando fundo. “Está tudo bem, Regi?” Emma pergunta preocupada. “Eu te machuquei? Me descul-”

“Não peça desculpas pela melhor noite da minha vida.”

“Eu-“ o sorriso que cresce no rosto delicado de Emma é idêntico ao gato Cheshire de Alice no País das Maravilhas e Regina abana a cabeça, sorrindo igual. “Eu ainda não acabei com você, Regina Mills.”

 

Fim.


Notas Finais


VIVAS??????? Se sim, deixem um review ^^

Até a proxima, mores, logo volto
xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...