História ::: Capa Vermelha ::: - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Chanbaek, Demonios, Drama, Fadas, Hunhan, Kaisoo, Krisoo, Poderes, Romance, Sete Pecados Capitais, Shadowhuner, Sulay, Taoris, Xiuchen
Visualizações 63
Palavras 4.100
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Inhaí, chegueeeeeeeei
Desculpem pelo meio atraso.
Cap um pouco mais grandinho que os outros.
Espero que goxtem, a capa do cap é a imagem do Instituto.
Boa Leitura
Nos vemos nas notas finais.

Capítulo 7 - Instituto, Antigo amigo e Confusão


Fanfic / Fanfiction ::: Capa Vermelha ::: - Capítulo 7 - Instituto, Antigo amigo e Confusão

 

- MAS EU CONHEÇO ELE! ME DEIXA ENTRAR AGORA! - O jovem Do, foi acordado por esse grito estridente.

Kyungsoo, viu-se completamente desnorteado, não sabia onde estava, muito menos como chegou ali. Forçou a memória e lembrou-se de que falaria com Jongin, sobre seu passado, não muito distante. Até que sentiu o cansaço tomar conta de si e desmaiar, foi entregue a escuridão total, e a última coisa que se lembra, foi de ter braços segurando-o.

Mas agora, parecia uma criança perdida no meio da floresta, sem os pais. Era uma espécie de sala retangular, um tanto extensa, e com várias camas. Havia uma fileira de camas na sua frente, e ao seu lado direito e esquerdo. Ao lado esquerdo de cada cama, havia um pequeno criado mudo, que tinha uma bandeja prateada, e alguns frascos sobre ela. O local, era de cores claras, mais especificamente branco-gelo.

Havia pinturas de anjos com arpas, no teto. As camas, eram de ferro e da cor branca. Os lençóis, não eram diferentes do resto do local, eram tão brancos, que chegavam a doer na vista. As portas da sala, eram duplas, da cor de orvalho. Havia também grandes janelas, pelas quais raios solares passavam e despertavam ainda mais o jovem Do.

"Oh! Você acordou." Só após essa fala percebeu, que sua fiel amiga estava ao seu lado. "Está melhor depois de descansar?" E com um manear de cabeça, concordou. "Espera, vou chamar o Jongin" Já iria se levantar quando um baque foi escutado.

- AHHHHHH! EU SABIA QUE ERA VOCÊ!!! - Um serzinho baixinho, entrou pela porta correndo em direção ao menino Do. Que arregalou os olhos, ao ver quem era.

- Desculpa, Kyungsoo. - Disse Jongin, um pouco rosado. - Eu juro que tentei para-lo, mas ele dizia que te conhecia. Ele começou a gritar, e disse que ia embora, mas quando eu fui abrir a porta, ele me estapeou a nuca e correu pra dentro. - Completou, recebendo um sorrisinho meio debochado, da parte do garoto de olhos grandes. Que agora era abraçado com força, pelo outro baixinho.

- Ahhh, você não sabe como fiquei animado, ao ouvir as fofocas. - Disse o garoto acastanhado, que abraçava o Do. O mesmo o olhou, para ver como estava e percebeu o semblante confuso, do garoto com olhos de coruja.

- Que fofocas? - Perguntou o amorenado, que foi ignorado pelo mais novo baixinho, que abraçou o D.O. Com ainda mais força. - Ei, não o abrace assim, ele ainda está se recuperando. - Afirmou, tentando tirar o acastanhado de cima, de seu amigo.

- Mas eu conheço ele, e aposto que você nem sabe o que ele já passou. - Afirmou o acastanhado, convicto, mas foi contrariado por um manear de cabeça, vindo do garoto de pele acobreada. Logo fechou a cara. - Não importa. O que importa é: que eu finalmente encontrei ele, de novo.

- Também é bom ver você, "Vagalume" - Disse Kyungsoo, rindo da expressão fechada do outro ao ouvir o apelido, que lhe foi dado a um certo tempo atrás.

"ESPERA ELE É O 'VAGALUME', AQUELE QUE VOCÊ AJUDOU?" Perguntou Mirai, recebendo um aceno positivo. "AHHHH, EU SENTI TANTA A SUA FALTA. TANTA FALTA DO SEU SORRISO, DO SEU JEITO HUMORADO, DA SUA BUNDINHA GOSTOSA...-"

- Chega, Mirai. Vai deixa-lo constrangido. - Ralhou seu dono, vendo como o rosto do garoto à sua frente estava corado. - Aliás, que fofoca é essa que você falou. Ah! E por favor, faça o favor de se apresentar. - Disse, apontando para Jongin, que via toda a cena sem entender bulhufas.

- Certo. Oi, seja lá quem for você. Me chamo Byun Baekhyun, mas pode me chamar de Baek. E sobre essa fofoca, é só o que estão falando nos corredores daqui da enfermaria. - Contou, sentando-se na cama em que Kyungsoo, estava deitado. Olhando o mesm,o esperando algum sinal para dar continuidade, que logo foi dado. - Estavam dizendo que: um garoto, com a cor da pele um pouco mais acobreada, chegou ao Instituto. Estava carregando nas costas um menino pálido, pequeno e com uma capa vermelha. E ainda estava sendo acompanhado, por uma criatura estranha. - Falou, vendo um olhar indignado de Mirai, direcionado à janela. - Eles estavam dizendo, que essa criatura era uma espécie de hibrido. Meio coruja, meio gato, e não era muito grande. Daí eu pensei: "Ué, e se for o mesmo garoto miúdo, com um grifo-coruja, que me ajudou a algum tempo atrás?". Por isso perguntei, pra Deus e o mundo, onde o garoto meio moreno e esse garoto miúdo, tinham entrado. E aqui estou, eu. Fim da história, crianças. - Falou, dessa vez observando o semblante cansado, do Do.

- Entendo. Meu nome é Kim Jongin. Mas me chame apenas de Jongin.

- Certo, Jongin. Ei Soo, como tem passado, depois que me ajudou? - Perguntou, o baixinho, levemente interessado. Afinal, o outro já havia salvo sua vida. Nada mais justo do que se preocupar, com o mesmo.

- Fui transformado em preso. Eu não podia sair mais, a não ser pelas missões. E eu nunca ia sozinho. Mas chegou um dia que eu fiquei sufocado, e enfrentei a megera da Krystal, entretanto acabei de "castigo". - Informou fazendo aspas com as mãos. - Ela revirou a cabeça do cara responsável por mim, dizendo que eu iria tentar fugir e ia conseguir. Então ele me prendeu no porão, ele a deixou responsável por minha alimentação e bem estar. Mas como esperado, ela me deixou sem nada. Até que eu consegui fugir, ela tentou me pegar e eu pulei do alto de uma cachoeira. - Revelou, vendo as sobrancelhas do baixinho à sua frente, quase se juntando ao couro cabeludo. - Mas a Mirai, me salvou. Depois, foi a vez do Jongin, me salvar. - Continuou, olhando para o amorenado e sorrindo. O sorriso mais sincero de agradecimento, que poderia dar. - E agora, eu estou aqui.

Os meninos continuaram conversando, até Kyungsoo, sentir-se tonto. Baekhyun, resolveu chamar uma enfermeira. A mesma, disse que pode ter sido por ele ficar sem se alimentar, e logo, logo levaria a refeição do garoto. Não demorou, para a mesma entrar toda sorridente. Era uma menina, de aproximadamente 15 anos, parecia a mais gentil de lá. Após Kyungsoo se alimentar, três vezes, vale ressaltar, continuaram a conversar. Mirai se aconchegou no colo do dono, seus instintos de gato sempre atacavam, quando algo ruim que acontecesse com seu dono, passava.

- Kyungsoo, como você conheceu o Baekhyun? - Perguntou o mais alto, dentre os três.

- Bom... Eu o conheci por acaso... - Comentou, desenrolando uma história, que prendeu a atenção do garoto de pele acobreada. Jongin, adorava saber sobre Kyungsoo.

* Flashback *

"- Muito bem, vocês três irão comandar a missão. É em uma aldeia, que fica a dois dias daqui. - Ditou o Pecado da Luxúria. Kyungsoo, já havia participada de várias missões de captura de demônios ou humanos com poderes, para o exército dos pecados capitais. Mas era a primeira vez que iria sem um líder. Era a primeira vez que seria "O Líder", de uma missão. Mirai não poderia fazer muita coisa, já que estava com a asa machucada, desde a última missão.

Ele, Krystal e Chanyeol, seriam os responsáveis pela missão ser bem sucedida. E isso, deixava-o inseguro, por ser o único a não possuir poderes. Krystal, possuía o poder de adquirir os poderes dos outros. Era muito útil, já que quando ela pegava em algum ser, adquiria as habilidades dele, e o mesmo ficava muito fraco, talvez por perda de energia. Chanyeol, era um verdadeira "tocha ambulante". Em dias muito frios, Kyungsoo ficava colado ao corpo de Chanyeol, era melhor que qualquer roupa de frio, ou qualquer lareira.

Já estavam prontos, para partir rumo a tal aldeia. Krystal, travava roupas de couro preto, e como penteado usava o cabelo preso em um rabo de cavalo. O protegido do Pecado do Orgulho, trajava calças da cor negra, e um casaco da cor vinho. Já Kyungsoo, estava com vestimentas pretas, com exceção de sua capa vermelha, que sempre o deixava com cara de uma criancinha, indefesa e inocente.

Começaram a andar rumo a carruagem. Pretendiam sair antes do nascer do sol. Krystal, logo após sentar-se no banco da carruagem entregou-se a um sono profundo. Chanyeol ficara fazendo imagens de animais com fogo, e Kyungsoo pôs-se a ler um livro, com Mirai em seu colo. O Sol nasceu, e Krystal não despertara de seu sono. Francamente essa garota deveria estar sob os ensinamentos do Pecado da Preguiça. Pensara, o D.O, fazendo Mirai soltar uma risadinha fraca.

- Afinal, por queeles querem tanto esse garoto dessa aldeia? - Questionara o Do, após devorar um livro dá espessura de um palmo, após o fim primeiro dia de viagem.

- Segundo as conversas que escutei...-

- Suas orelhas biônicas, conseguem detectar tudo mesmo, não é? - Debochara Kyungsoo, interrompendo o protegido do Orgulho. Recebendo uma careta em forma de resposta.

- Engraçadinho. Mas continuando, pelo que eu escutei, é um garoto um tanto forte. Ele parece ter um irmão, que é totalmente o contrário dele. Os dois não têm pais, um cuida do outro. Acho que o querem, pelo seu poder. - Constatou, o orelhudo. Recebendo a pergunta "E qual é, Channie?" do menor, derretendo-se todo por ouvir tal apelido. O Do não costumava ser carinhoso, o mesmo nem se deu conta de ter falado de forma fofa, praticamente as palavras saltaram de sua boca. - Bom eu não sei qual dos dois irmãos ele quer, provavelmente o que for mais forte. Um tem o poder da Luz, e o outro o poder da Escuridão. Eles são bem unidos, pelo jeito marrento, que ouvi o Taehyang falando.

Chanyeol gostava do baixinho, foi a primeira pessoa a lhe enfrentar, mesmo sabendo quem ele era, e estando alterado.

Sim, alguns dias depois Kyungsoo se estabelecer na casa da Luxúria, Chanyeol arranjou uma briga com sua treinadora. O motivo? O Pecado Do orgulho, não deixou que Chanyeol, fizesse o que estava querendo, e o deixara falando sozinho. Alguns minutos depois o Do apareceu, e Chanyeol queria descontar sua raiva no menor. Mas não o fez, pelo contrário. Ele gritou com o D.O. e levou um puxão de orelha, mostrando que não se intimidaria com ele. E Chanyeol, teve de engolir o seu Orgulho, coisa que não foi fácil, para pedir desculpas ao mais novo.

- Já estou ficando cansado, de ficar sentado com a bunda nesse estofado, você não, Kyungsoo? - Perguntou tentando descontrair, o que não era de fato uma mentira. O Park odiava, ficar parado por muito tempo. Lhe dava agonia. Como resposta recebeu um aceno negativo, da parte do Do. - Como não, Soo? Estamos sentados a horas e horas.

- E você deveria estar aproveitando, porque daqui a algumas horas vamos ter que estar gastando energia lutando, com as pessoas daquela aldeia. Por isso, você deveria estar guardando energia, Park. - Declarou, procurando em sua bolsa algum livro de poemas.

Isso mesmo, por incrível que pareça o Do ama poemas. Até tem seu próprio livro, mas só escreve no mesmo quando tem inspiração, coisa que não tinha naquel carruagem.

Passadas algumas horas, Krystal já estava desperta, e já havia se alimentado, assim como todos os presentes dentro daquela carruagem. Logo tiveram que descer, o caminho não permitia a passagem do veículo, e teriam de ir a pé.

- Estamos perto da tal aldeia, consigo sentir o cheiro de humanos. - Comentou Chanyeol, fazendo Krystal revirar os olhos. Estava começando a amanhecer e logo, logo iria começar a cair neve. Por isso, Kyungsoo tratou de colar-se ao corpo do Park. E o maior não negaria que gostava de ter o corpinho miúdo do outro colado ao seu, era praticamente o único momento em que podia sentir o cheiro de cereja que emanava do outro. Passaram algumas horas caminhando e logo avistaram a entrada da aldeia.

- Chegamos. - Anunciou Krystal. - É muito difícil a entrada de demônios, por isso eles podem ficar facilmente assustados e entregarem log o garoto que queremos de bandeja.

- Ou então, lutarão pela proteção dos aldeões. - Comentou o Do. - Você por acaso, não acha estranho uma aldeia, nas entranhas de uma densa floresta, quase não ter ataques de demônios? Aposto que eles tem alguma forma de defesa. - Completou, vendo a outra bufar, e Chanyeol dar um afago em seus cabelos. Chanyeol era muito orgulhoso, o que é de se esperar já que seu responsável é o Pecado do Orgulho. Mas ele sempre ficava de cabeça baixa, quando o Do lhe dava sermões, e pedia desculpas. Uma vez chegou a se ajoelhar, pois o Do ficara sem falar consigo durante uma semana inteira.

Prosseguiram na caminhada, até ficarem a alguns passos de estar dentro da aldeia. E agora, Kyungsoo, entendia o porquê de a aldeia não ter tantos problemas com demônios. Porteiros. Espíritos guardiões, zelavam pela segurança e bem estar dos aldeões. E os três, estavam de frente para um. O Espírito da Raposa. Ela com certeza barraria qualquer demônios de baixo nível ou de nível médio. Mas não conseguiria barrar Chanyeol.

Krystal, jogou algo na direção do espírito, que acabou por desaparecer do local. Deveria ser algum amuleto de apreensão de espíritos. Entraram sem nenhuma dificuldade. E foram a procura do tal garoto. Krystal sacou de um bolso, uma esfera e ditou as palavras Luz e escuridão, a mesma logo mostrou o rosto de dois garotos. A menina tinha muitos artefatos místicos, que tornavam as missões muito mais fáceis.

Procuraram com os olhos pelos garotos, e quem os avistou fora Chanyeol. Seguiram na direção dos irmãos, que até eram muito parecidos. E novamente, Krystal, sacou um outro objeto. Era oval. E mostrou o rosto de um dos garotos.

- É ele, ele é o mais forte. O mais novo. Do poder da escuridão. - Ditou a garota, apontando para o garoto. - Seu nome é Baekbeom. É melhor irmos logo, quanto mais cedo o pegarmos, mais cedo voltamos. - Dito isso, começou a invocar os demônios, para que seu trabalho de captura fosse facilitado.

Cerca de vinte demônios foram invocados. Mas como o D.O havia dito, os moradores não entregariam o menino assim tão fácil. E a luta começou. Muitos dos aldeões possuíam poderes. Chanyeol e Krystal lutavam, mas o D.O permanecia parado no lugar, apenas observando. Não queria sujar as mãos de sangue. Muito menos machucar pessoas inocentes, era errado.

Apenas observando, até que seus olhos captaram os movimentos do garoto que deveria ser capturado. Nuvens de fumaça negra, saiam das mãos do garoto. E Chanyeol também percebeu. Tanto é que correu na direção do garoto tocando as mãos na fumaça gerando um rastro de fogo, que logo começou a se alastrar pela aldeia. Conseguiu imobilizar o garoto, mas não o irmão dele, que tentou lutar.

Mas falhou. Logo Krystal foi na direção de Chanyeol, amarrando as mãos de Baekbeom, com alguma corda enfeitiçada. E novamente o outro irmão tentou lutar, dessa vez contra a garota, que puxou uma faca e tentou cravar no pescoço no rapaz.

Tentou. Pois não conseguiu, já que Kyungsoo, que até então apenas observava a cena, a impediu.

- Não deveria mata-lo. Ele só está tentando impedir de levarem o irmão. - Explicou, mesmo sabendo que não mudaria nada para a garota.

- Não me importa ele tentou me machucar, e você deveria estar do nosso lado. Não do lado deles. - Ditou, com um tom de nojo na voz. - Vamos me solte, vou mata-lo.

- Não vou te soltar. - Gritou, chamando atenção para si. Logo suspirando, tentando retomar a calma. - E se dessa vez deixássemos o garoto? - Perguntou, recebendo um olhar de ódio vindo da outra.

- Você só deve estar ficando louco. Gastamos dois dias de viagem para que quando chegássemos, fossemos embora de mãos vazias?

- Eu me responsabilizo. Falarei com Taehyang. Direi que obriguei vocês a voltar atrás, ou qualquer outra coisa. Mas dessa vez deixe-os quietos e vamos embora.

- Por que você tem que ser assim? - Indagou, completamente indignada. Chanyeol, apenas observava tudo, ainda segurando o mais novo dos dois irmãos. - O que te faz querer protege-los? O fato de serem humanos? O fato de inocentes? Não deveria estar do lado deles, deveria estar do nosso lado. Mas já que quer tanto protege-los, fique. Fique na droga dessa aldeia, e não volte pra casa. É tudo que eu mais quero que aconteça, que você suma da minha vista e não apareça nunca mais. - Dito isso se soltou do aperto que seus braços estavam tendo, por conta do Do, e virou as costas saindo e pisando duro. Kyungsoo fez sinal para que o Park soltasse o garoto, e assim o fez. Quando já estava prestes a ir junto de Chanyeol, Krystal virou-se de supetão apontando uma adaga para Kyungsoo.

- O que acha que vai fazer Krystal? Não pode mata-lo. Taehyang acabaria com a sua raça, se fizesse isso. - Ralhou Chanyeol. Mas mesmo com esse aviso, a garota não parou de apontar a adaga no rumo do jovem Do.

- Eu falei pra você ficar aqui, com esses imprestáveis. Você não fará falta mesmo. - Declarou abrindo um sorriso de lado.

- Se você quer tanto isso eu posso até não voltar... - Comentou, vendo a garota fazer sinal para um demônio pegar Baekbeom. - Mas o garoto você não leva. - A mesma iria protestar, mas o D.O, lhe lançou um olhar mortal. Que dizia: "Se continuar com isso, serei obrigado a acabar com você." E a garota apenas virou de costas, puxando o braço de Chanyeol junto. Antes de passar pela entrada da aldeia, Chanyeol murmurinhou algo, para o Do. Ele disse que voltaria para busca-lo.

Após isso, Baekbeom correu para abraçar o irmão. E algumas pessoas agradeceram Kyungsoo por não deixar levarem o menino, já outras murmuravam que ele deveria ter envolvimento com demônios.

"Ei Soo, o Channie vai voltar pra nos buscar, não vai?" Perguntou Mirai, vendo o semblante sério do dono. O mesmo apenas disse um: não sei. Os irmãos se aproximaram da criatura mágica e do dono.

- Obrigado por não deixar meu irmão ser levado. Ele é a única família que eu tenho. - Disse o mais alto. - Você pode ficar o tempo que precisar na nossa aldeia. A propósito me chamo Byun Baekhyun, e este é meu irmão Byun Baekbeom. - Falou apontando para o menor. - E você, como se chama?

- Kyungsoo. Do Kyungsoo. Sua aldeia é muito cobiçada, por possuir aldeões com poderes inusitados. Devem tomar mais cuidado, seria melhor por sentinelas na entrada. - Cometou, vendo o outro concordar.

Kyungsoo passou cerca de quatro dias, que foram o suficiente para ele criar uma amizade divertida com Baekhyun. Seu irmão, Baekbeom, era mais fechado. Mas ele completava o irmão mais velho. Eram perfeitos, juntos. Mas não eram nada, separados.

Como prometido, Chanyeol voltou para buscar Kyungsoo. Que a contragosto despediu-se do mais novo amigo. Mas cerca de uns meses depois os Pecados Capitais reorganizaram um ataque a aldeia e levaram o irmão mais novo de Baek. Sem Kyungsoo saber, pois se ficasse sabendo iria interferir."

- E foi assim, que eu conheci o Baekhyun. - Terminou de contar a história vendo um sorrisinho brotar nos lábios carnudos do mais alto. Que dera bastante risada das interferências de Mirai na história, sempre que Kyungsoo não citava seu nome.

- Certo, acho que você já está reabilitado. - Comentou o Byun. - Então levante-se, que eu vou te mostrar o Instituto. Bom pelo menos espero, já que as avaliações já são amanhã. E eu preciso treinar também. - Completou, vendo os olhos já grandes de Kyungsoo, ficarem enormes. Fato que fez Jongin dar uma gargalhada divertida com a situação do outro.

- Ei "Soninho", você dormiu por dois dias inteirinhos. - Disse o Kim, se divertindo com as feições assustadas do outro. - Aliás se ainda der tempo, você poderia treinar comigo. Aposto que seria um ótimo professor. A propósito, Mirai me contou sua história. E eu sinto muito pela sua mãe.

- Não sinta, já me acostumei com a dor da perda dela. Agora resta você se acostumar com a perda do seu pai. Certo, BaekHyun. Me mostre o que puder do Instituto, até o meio-dia. Depois disso, irei treinar com Jongin, até ele se cansar de mim. - Falou divertido, vendo o rosto do amorenado tomar um tom rubro.

E assim se deu o dia de Kyungsoo. Com Baekhyun mostrando os locais, lojas, restaurantes e outros estabelecimentos, à Kyungsoo. Com Jongin e Mirai, os seguindo para todos os lados. Quando deu meio-dia, o jovem Do despediu-se do jovem Byun. E pôs-se a procurar algum local e treinamento.

A maioria estavam cheios de estudantes natos, e novatos. O Do e o Kim, andavam despreocupadamente, até que um garoto esbarra em Kyungsoo.

- Olhe pra onde anda baixinho. Não quero ter que sujar minhas mãos com seu sangue. - Ameaçou, não recebendo nenhuma reação do menino Do. O mesmo apenas o olhou com tédio e continuou sua caminhada, carregando Jongin junto. - Você não tem noção do perigo mesmo, não é? - Disse agarrando a gola da capa vermelha escarlate, de Kyungsoo. - ME RESPONDA!!! - Gritou, chamando a atenção de alguns alunos, que treinavam uns com os outros. Um garoto alto, parou para ver o que se passava. Até mesmo, achou engraçado o jeito marrento do menorzinho. Esse garoto pequeno, é capaz de não durar muito, com esse temperamentozinho. Acho que hoje, ele vai ter os ossos quebrados, pelo Min-ho. Pensou, prestando ainda mais atenção, já que ninguém se metia com Choi Minho.

- Você é que não sabe com quem está se metendo. Se eu fosse você, soltava a minha capa. Odeio quando agarram ela. - Ditou em tom ameaçador. Vendo o outro garoto a sua frente, com um olhar debochado, direcionado a si.

- Acho que você não está em condição de fazer ameaça, novato. Veja só, se me pedir perdão de joelhos, eu até penso na ideia de: não quebrar sua cara, agora. Deveria evitar a humilhação.

- Meu orgulho seria ferido. - Comentou risonho, vendo uma cara brava se formar nas feições do garoto.

- Não sabe quem sou? Sou Choi Minho, um dos garotos mais ricos do Instituto, e também um dos melhores lutadores. Vai mesmo querer arranjar briga comigo, baixinho? - Ralhou, apertando ainda mais a capa contra os dedos. Recebendo um olhar furioso, de Kyungsoo.

- Já disse para soltar minha capa. Você é quem deveria evitar a humilhação que passará, se eu me irritar agora. - Falou, elevando mais a voz. Fazendo com que murmurinhos surgissem.

O Choi, não o obedeceu. Então Kyungsoo, mandou Jongin sair dali, caso contrário poderia se machucar. O menor se soltou do aperto, soltando uma risadinha debochada. Minho tentou lhe acertar um soco, mas Kyung desviou-se, acertando um soco na mandíbula, do mais alto. Logo após, acertou uma cotovelada no rosto do outro, que pôs a mão no local machucado. O jovem Do, aproveitou esse momento de distração de seu oponente, e lhe acertou uma joelhada no estômago. Minho caiu no chão, gemendo de dor.

- Eu falei para evitar a humilhação. Te avisei que não sabia com quem se metia. Que isso sirva de aviso, para não se meter mais no meu caminho. - Falou, levantando o olhar para Jongin. O mesmo observava tudo maravilhado. - Vem Jongin, você disse que iríamos treinar. Tenha essa luta, como um exemplo, que estava fora da lista de ensinamentos. Agora, vamos. - Completou, agarrando na mão do amorenado. E tentando sair do centro daquela pequena multidão, que formou-se, pela luta rápida.

- Você ainda vai me pagar, seu desgraçado. Vou acabar com você. - Minho gritou entredentes, recebendo um olhar animado de Kyungsoo.

- Pelo visto você está querendo uma revanche, não é mesmo? Sinto muito, agora não poderei lutar. Tenho que ensinar algumas técnicas de luta, ao meu amigo. Mas quem sabe depois, eu não acabe com você de novo? Nos vemos por aí. "Um dos melhores lutadores", nem pude me divertir com essa briguinha boba. - Deu ênfase, as primeiras palavras.

O garoto alto observava tudo atentamente, reconheceu que o baixinho lutava bem, muito bem. Tomara que ele sobreviva até amanhã. Quero ver até aonde ele vai. E com esse pensamento, viu Kyungsoo e Jongin afastarem-se. Com o menino amorenado enchendo o outro de perguntas. 


Notas Finais


Oie, espero que tenham gostado.
Comentem o que acharam, e se gostaram favoritem.
Kissus.
Desculpes se tiver qualquer erro


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...