História 1997 (Imagine Jeonghan) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Junghan "Jeonghan", Personagens Originais
Tags 1997, Cupido Sem Assa, Idade Não Importa
Visualizações 336
Palavras 3.272
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como disse vou continuar postando.
Boa leitura!

Capítulo 1 - Fodam-se os números!


Fanfic / Fanfiction 1997 (Imagine Jeonghan) - Capítulo 1 - Fodam-se os números!

Imagine Jeonghan

 

S. Coups on

 

Nós devíamos estar fazendo coisas mais produtivas que estar sentados em baixo de uma arvore fazendo nada. 13 amigos atoa e em silêncio, quando a preguiça bate é o ó. Alguns de nos quer dizer a maioria foi se despedindo e indo embora, eu iria também se não tivesse reparado na cara de sonso do Jeonghan. Contornei a árvore e fui ver o que ele tanto olhava com admiração ou inveja? Não sei dizer.

-- Ei o que tanto olha? – olhei na mesma direção e vi um casal rindo e se divertindo e ouvi um suspiro do meu amigo.

-- Saí dessa a garota é comprometida, isso dá problema!

-- Mas eu não estou interessado na garota. – falou simplista sem desviar o olhar da cena.

-- O garoto também é comprometido. – disse apenas como uma observação, que fez meu amigo olhar estranho pra mim.

-- Estou apenas invejando o momento deles, não eles em si. Quero um encontro mais não sei como arranjar um, ainda mais pra agora. – ele nunca foi muito ligado em sair em encontros, vejo que todos tem seu momento de quero uma namoradinha (o).

Ia dar alguns conselhos quando meu celular tocando e era minha prima me atormentando pra falar dela pro Jeonghan. Pera Jeonghan é isso, junta os dois e soluciono dois problemas de uma vez só. Desliguei agora não da priminha vou ajeitar o seu lado.

-- Talvez eu possa lhe ajudar. – digo sorrindo.

-- A claro, você se não sabe é solteiro meu amigo. – diz em deboche.

-- E por o caso o cupido é comprometido? – talvez fosse, mas eu não sei nunca ouvi. Tirei uma risada do meu amigo que agora prestava atenção no que eu ia dizer em seguida.    

-- Qual são as especificações sobre a garota? – era apenas o ouvir falar dizer que eu conheço alguém que se encaixa e marca o encontro dele e minha prima, o resto é com ela.

-- Não sei muito ao certo, mas alguém que seja carinhosa, delicada mais não cheia de Mimi mi que sorria muito, que saiba cuidar das pessoas. Tem que ser mais velha do que eu. Que saiba ser tudo isso, mas que no fundo tem alguém sexy dentro. – Pelo que ele disse minha prima até dá pro gasto, mas o problema está no, “mais velha”.

-- Acho que tenho alguém em mente vou ligar pra ela e já te falo. – saí correndo pro mais longe possível dele que ficou gritando pera aí.

Ligação

-- Sua caquinha de cachorro, por que não atendeu antes?  - nossa como ela é doce.

-- Estava falando com o Jeonghan, (ela começou a gritar não permitindo a continuação) Calmo? Okay. A oportunidade surgiu mais há um problema.

-- Que problema? – ela vai surta.

-- Ele quer uma garota mais velha, e você é dois anos mais nova. É melhor desistir. – ouvi algumas coisas caindo, deve ser o choque em não caber na descrição do crush.

-- Desistir uma ova. É simples meu priminho arranja o encontro e eu minto a idade, depois que eu conquista-lo eu conto a verdade pode ser? – literalmente isso vai dar muita merda.

-- Você que sabe, mas isso vai dar confusão.....

-- Shhhhh, para de agourar e vai fazer seu papel de cupido com a asa quebrada.

-- Okay, mas qual vai ser a sua idade?

-- Fala que tenho 25 anos.

-- Você bebeu? Você acabou de fazer 20 anos (Seu nome), sua cara não vai condizer.

-- Só faz o que estou mandando, okay obrigada te amo, quando marcar me liga pra fala onde e que horas.

Ligação off...

Essa louca desligou na minha cara. Deve ter ido fazer uma sessão de beleza. Voltei e ele ainda estava lá.

-- Nem vou perguntar nada. – disse como se não quisesse se irritar.

-- Então vai querer o encontro? – se ele disser não, minha prima arranca minha cabeça pela expectativa falsa.

-- Quantos anos ela tem e foto. – ele não desiste desse negocio de idade não.

-- Ela tem 25 anos. – digo mostrando sua foto e torcendo pra ele não desconfiar de cara.

-- Ei mais ela não é sua prima? Pensei que fosse mais nova, não tem cara de 25 anos. – ótimo pra que mesmo eu falo da minha família com ele ne.

-- É que ela se cuida muito por isso ela tem essa aparência de que tem menos.

-- Certeza que vai ser uma boa encontra-la?

-- Eu apoio essa ideia. – sorrio pra passar confiança.

-- Okay então pode marca, manda mensagem de quando e onde, vou deixar o lugar por sua conta. – saiu rindo esse garoto viu.

-- Mais é folgado mesmo, na verdade os dois. – deixei sair um suspiro de alivio, afinal meio caminho já estava andado agora é com eles.

(Seu nome) on

Estar feliz em minha situação atual é pouco, finalmente a oportunidade que tanto esperei. Espero que ele não suspeite logo de cara que estou mentindo sobre minha idade. Talvez tenha a chance de conquista-lo antes. Meu primo marcou em um hotel, pelo menos teremos privacidade pra conversar e caso eu leve um fora não terá tantas testemunhas da minha infelicidade. Ele disse que aprontou um jantar isso dá medo, porque sei que pelo menos de mim ele vai cobrar.

Estava pronta, estou adiantada, senhor porque eu tenho tanta ansiedade mesmo?

Mas mesmo assim, me encaminhei até o local combinado e subi primeiro, quando entrei no quarto vi que S.Coups caprichou mesmo. Sentei, mas estava tão eufórica antes que agora mais calma estou amuada querendo encostar algo, não me fiz de arrogada e sentei na cama, quando ele chegar eu levanto.

Acabei deitando, estava demorando, acho que vim cedo demais. Balançando as pernas sem nada pra fazer, não queria pegar o celular e eu não trouxe um livro comigo. A bolsa era pequena demais.

-- Desculpe a demora, você está entediada... Mas logo isso mudará. – quando ouvi a voz de anjo dele, mas que depressa levantei. Fiquei envergonhada por estar de vestido com as pernas daquele jeito e deitada na cama, o pensamento que me vem é que eu esteja me oferecendo. Argh!

-- Boa noite meu nome é (...) – digo colocando minha mão pra frente em sinal de apero de mão que ele logo aceita sorri com o contato a mão dele é tão macia e quentinha.

Sentamos a mesa e fiquei surpresa em realmente ter algo gostoso e comestível. Ele realmente estava tímido.

-- Acho que podemos ficar confortáveis, na companhia um do outro, podemos falar de algo que lhe agrade, até você estar mais confortável perto de mim. – eu estou sorrindo tanto que me admira ele não ter ficado com medo.

-- Tem algo que estou confuso, sabe? – tentei parecer indiferente será que está falando da idade? Ou de eu parecer uma oferecida na cama.

-- Com o que exatamente? – comi um pouco da comida e subi meu olhar ao seu que vagava pelo meu rosto.

-- Você não parece ter 25 anos. – sabia, modo atriz ativado. Limpei a boca com um guardanapo.

-- Obrigada, é bom saber que o cuidado com a minha pele não sendo em vão. – sorrio pra dar confiança.

-- Ah sim, você realmente aparente ser mais jovem. – ele tocou minha pele e pareceu gostar. Sorriu. Fiquei envergonhada, mas não abaixei meu rosto porque atitudes de mulheres mais velhas são mais confiantes.

-- Você se cuida mesmo, sua pele é bonita seu rosto é bonito e pelo que vejo não há muita maquiagem. – disse rindo e passando seus dedos um no outro constatando que não havia sinal de maquiagem neles.

-- Mas uma vez obrigada. Alias alguma vez já lhe disseram que você parece um anjo? – mesmo envergonhado, não recuou.

-- Eu tenho uma voz também. – ele confiante é tão sexy.

-- Melhor ainda. – acabei rindo, estávamos flertando assim mesmo?

-- Mas me diz o que você almeja em um relacionamento? – queria ser direta, eu quero um relacionamento, não gosto de fazer coisas em vão.

-- Acho que alguém pra estar comigo, e cuidar de mim. Saber que posso ligar pra alguém, que haverá datas que terei companhia e não mais ficarei sozinho, sair pra buscar conquistas e saber que tenho alguém pra comemorar o sucesso. E não apenas isso também quer ser isso pra alguém. – alguém chama um padre eu quero casar.

-- Concordo com você. A gente chama agora ou depois? – ele me olhou confuso.

-- Quem?

-- O padre! Quero casar com você agora. – começamos a rir, ainda bem que ele viu graça, nas minhas palavras sem graça.

-- Você é divertida, você se encaixa bem. – ele deve estar falando da descrição da garota, pensando nisso estou curiosa.

-- Porque a garota ser mais velha que você é um critério tão importante? – aquilo realmente eu queria saber. Se eu terei chances ou apenas tenho que aproveitar bem hoje porque quando isso acaba, não sei se isso vai afetar, mas ele parece ser bem determinado com isso.

-- Porque preciso de alguém mais madura, que tenha mais responsabilidade e que possa cuidar de mim, eu quero ser mais cuidado do que cuidar. – mas isso diferentes idades consegue fazer.

-- Mas uma garota mais nova pode muito bem acertar nessas coisas. – ele sorriu e com o dedo indicar fez movimentos de que não.

-- Disse bem uma garota mais nova eu procuro mulher e pelo que vejo agora você é a mulher. – senhor. Estou experimentando sensações múltiplas tristeza e alegria.

-- Mudando de assunto, do que você gosta? – troquei de assunto antes que as respostas dele ferissem mais ainda meu coração. Porque até quando irei conseguir esconder minha verdadeira idade.

-- Tipo o que? – pensei...

-- Vamos começar pela comida.

-- Acho que comidas que contenham frango e bife são minhas preferidas. E a sua? – respondeu minha perguntar e nem se quer pensou que minha mudança de assunto tenha sido estranha.

-- Acho que gosto de tudo um pouco mais minha comida predileta está relacionada a doces. – ele torceu o nariz. Ri disso.

-- Não sou tão fã de doces.

-- Que pena um dia podíamos compartilhar um. Mas okay né. – acabei rindo disso.

Já havíamos acabado de comer, e já falamos de muitos assuntos está na hora da partida. Levantei e ele logo me seguiu.

-- O que você está pensando?

-- A você não gosta de doce, e sou um doce de pessoa. – ri de mim mesmo, mas parei com a aproximação dele.

-- Mas pra você abro uma exceção. – segurou meu rosto em suas mãos, mas senti meu corpo tremer, aos seus lábios se encontrarem com os meus. Passei os braços pelo seu pescoço o trazendo pra mais perto, entreabri meus lábios e recebi de bom grado sua língua, e em uma dança as duas bocas entrando. Não resisti e encostei ainda mais meu corpo ao seu, levei minha mão aos seus cabelos sedosos e os puxei, ouvindo um murmúrio de satisfação. Terminamos com selinhos.

-- Você faria uma loucura comigo? – perguntou ofegante pelo beijo, puxei todo ar que pude e respondi da maneira mais sincera.

-- Todas que você quiser. – respondi sentindo suas mãos enlaçarem minha cintura. Ofeguei com o contato.

-- Vamos aproveitar a cama. – conforme ele andava eu afastava pra trás sabia que eu estava indo pra cama, e era o que eu mais queria no momento. Ele tomou meu silêncio como um sim. Quando chegamos á cama, caímos para trás ele por cima de mim, abri as pernas, ele se encaixou entre elas.

Iniciamos um beijo urgente que não pouparam mordidas e puxões, minhas mãos não param quietas, como poderia? E nem as dele. Retirei sua camisa, arranhei suas costas. Acho que a ansiedade era tanta, que logo me vi nua, e com ele não foi diferente.

  Mas não pude conter, troquei nossas posições ficando por cima. Fui distribuindo beijos do seu pescoço descendo cada vez mais, até chegar a seu membro rígido. Deixei um beijo casto ali arrancando um ofego dele. Fui até a minha bolsa, e na pressa joguei tudo no chão e peguei a camisinha, fui até ele e eu mesma coloquei nele, e sem deixar ele me colocar por baixo. Encaixei seu membro em minha entrada e lentamente desci, arrancando gemidos de ambos.

Colocou suas mãos em minha cintura, e com maestria eu descia e subia, por algumas vezes não consegui segurar os gemidos e arfares pra mim, com as mãos apoiadas em seu abdômen diversas vezes arranhei sua pele quando ia fundo em mim. A força do seu aperto na minha cintura deixarão marcas, provando amanhã que isso não foi um sonho.

Jeonghan levou a mão ao meu seio, acariciando os bicos, joguei a cabeça, sem me segurar, isso está bom demais, aumentei velocidade visto que logo chegaríamos ao extremo, quando senti o formigamento em meu ventre aumentar e os gemidos de Jeonghan serem audíveis capturei seus lábios nos meus, deliciando e absorvendo o seu prazer, quando explodi em extasse perdendo as força do movimento, Jeonghan nos girou ficando por cima dando estocadas fortes e rápidas, colocando a cabeça no meu pescoço agarrei-me a ele já que minhas sensações foram prolongadas e mais um pouco ouvi seu gemido, e seu corpo cair sobre o meu ofegante assim como eu.

Saiu de mim indo jogar a camisinha usada fora. Deitou-se ao meu lado. Acariciando minha barriga.

-- Vai embora?

-- Será que podemos ficar? – perguntei em resposta.

-- Quer ficar? – perguntou trazendo-me ao aconchego do seu corpo.

-- Estou sem forças e vontade de sair daqui. – digo sorrindo feliz.

Logo adormeci e suponho que ele também.

<><><><><><><><><><><> 

Jeonghan on

Acordei com o sol batendo na minha cara e sem coberta (Seu nome) pegou toda pra ela. Acabei rindo disso. Levantei, logo teríamos que sair. Coloquei minha roupa de volta, quando fui acorda-la, achei a bolsa dela toda jogada com as coisas espalhadas, bagunceira. Recolhi suas chaves, outra camisinha, e sua carteira de identificação. Mas algo me chamou atenção.

1997

                    1997

1997

Porra! Ela não é mais velha, por isso essa cara de nova. Como fui cair nessa. 2 anos mais nova. Senhor e agora? Foi a melhor noite que tive com uma mulher e arruinado por um ano. 1997 eu lhe odeio.

Vou sair sem ela saber, e sumir. Mentiras, e isso logo no primeiro encontro. Mas antes que eu pudesse fazer isso ela estava sentada na cama, com a coberta tapando seu corpo nu, que tanto amei e marquei ontem. Seu suspiro derrotado indica que ela sabe o que está havendo.

-- Você mentiu sua idade? – estava indignado e porque raios eu queria gritar e chorar?

-- Não posso negar você viu o documento. – ela parecia saber o que aconteceria a seguir estava conformada e isso me irritou.

-- Foi tudo planejado? – digo com a voz carregada de amargura.

-- De certa forma sim.

-- Que merda e falei que você é a mulher da minha vida, mas na verdade você é apenas uma garota, por isso prefiro mais velhas. – seu olhar parecia mais magoado. Mas ela riu.

-- Você não sabe de nada e fica falando asneiras! Você não tem noção o quanto esperei e chateei o S.Coups pra falar de mim pra você, desde o dia que lhe vi, gostei de você e quando a oportunidade surgiu essa foi á solução, você desistiria fácil assim por um número? – ela falava controlada mais eu via em seus olhos o quanto aquilo doía.

-- E você queria construir algo com mentiras?

-- Eu pensei que quando passasse um tempo isso não importaria mais, só que me enganei você nunca vai superar isso. Pode ir, pelo menos não terei arrependimentos eu tentei. E você está enganado, eu sou mulher. – ela levantou tirou sua bolsa da minha mão e se vestiu.

-- Aonde você vai? – tinha coisas que eu gostaria de falar ainda.

-- Jeonghan ouça bem, eu não sou do tipo que é deixada pra trás e fica olhando as costas da pessoa e choramingando-o o que deu errado. Sou do tipo que ergue a cabeça e segue em frente, sem remorso você fez sua escolha, desejo que você encontre essa mulher pra cuidar de você. – e assim saiu. Sem tchau, apenas ouvi seus passos ficarem cada vez mais distantes como o nosso adeus.

<><><><><> 

Dias se passando depois do ocorrido;

1° dia: que se foda foi apenas sexo.

1° semana: ela mandou bem, mas deve ter melhor.

1° mês: seu cheiro, sua imagem nua, seus toques, sua voz gemendo, porrrrrraaaa, não saí da minha cabeça.

2° mês: seu sorriso, porque agora parece tão tentador dividir a droga de um doce com ela.

3° Ela não sai da minha cabeça, porque toda vez que penso nela, algo no meu peito comprime.

OBS: descobri ser saudade, porque diabos eu estava com saudade de alguém que tive apenas por uma noite!

4° mês: odiando assumir, mas isso não sai da minha cabeça, por um momento tenho que desabafar. Estou apaixonado.

Mais não vou dar o braço a torcer apenas volto atrás se ela vir e se desculpar primeiro. “Seguir em frente” até parece que a ouço falar de novo e meu coração gela e penso em ir atrás dela. Mas meu orgulho fala mais alto e claro o medo da rejeição também. Literalmente fui um babaca, mas agora eu sou um babaca apaixonado.

S.Coups on

Esses dois orgulhos, eu mesmo terei que resolver essa situação, já que nenhum deles se move, se eu não fizer nada capaz de nunca mais se falarem. Mas deixa comigo eu não brinco em ser cupido. Rsrsrs.

Jeonghan on

Estava vendo um filme romântico e me empanturrando de sorvete quando ouço baterem em minha porta. Quando saí apenas encontrei um bilhete. E quando li, senti a felicidade invadir meu corpo.

Jeonghan, desculpa por tudo.

Vamos nos dar uma segunda chance.

No mesmo lugar e hora.

Corri pra me arrumar, eu preciso estar mais que perfeito pra ela. Isso foi o que pedi aos deuses.

Dessa vez fui eu que cheguei antes, e logo fui atingido por ótimas memorias.

Quando ela entrou parecia acanhada. Estava linda. Não resisti em abraça-la, e inspirar seu cheiro.

-- Senti saudades. – quando ela proferiu essas palavras foi impossível não atacar seus lábios, com a vontade que estava de tê-la em meus braços novamente, a imprensei na parede, tirando tudo aquilo que ela podia me oferecer, e ela retribuía da mesma forma.

Deixei sua boca e comecei a beijar seu pescoço, ela estava entregue a mim, fui descendo minha mão até chegar a barra da saia, onde adentrei, afastei a calcinha pro lado, passando meu dedo indicador e sentindo sua umidade sua excitação e desejo por mim, assim como eu estava duro por ela. Inseri o dedo médio, o colocando e tirando, enquanto maltratava e acariciava seu pescoço com beijos e mordidas, peguei um ritmo de entrar e sair nela, arrancando gemidos longos eu queria que ela se desfizesse em meus dedos.

-- Ohhhh, graças aos céus você se comunicou primeiro. – parei os meus movimentos, mas continuei com o dedo nela.

-- Como?

-- Você mandou o bilhete. – ela agora olhava em meus olhos.

-- Não você mandou. – eu disse firme, mas logo suspeitando do que ouve, quando fui me afastar, ela passou uma perna pelo meu quadril impossibilitando meu afastamento.

-- Isso não importa, com certeza foi o S.Coups. Mas agora... – deu uma pausa mordendo os lábios.

-- O que? – falei hipnotizado por essa cena. E ela sorriu maliciosa.

--Cala boca e me faça sua! – ataquei seus lábios e a única coisa que eu pensava em dizer é fodam-se os números!  


Notas Finais


Comentem. E me sigam para poder receber todos os imagines que estão por vir. Beijos e obrigada.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...