História 4nmstf - Capítulo 1


Escrita por: ~, ~JiHEun e ~Yoonttom

Visualizações 152
Palavras 7.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Harem, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


HELLOU PEOPLES

TURU PÃO COM VCS?

"NANA, PQ CARALHOS O TÍTULO DA FANFIC É ASSIM?"

Senta que eu explico.

Era pro título ser "Muttsu No Shisan Ni Tsuite Nanatsu No Fechi", porém é bem grandinho, nér? Então era pra ter ficado como "4NMTSF" sÓ QUE A PORRA DO SPIRIT NÃO DEIXA POR TUDO EM MAIÚSCULO ;-;

Fui rir, chorei.

Eu vou ser assassinada, esquartejada e fuzilada la la la la

Se bem que @JiHEun vai morrer junto comigo AHUAHUAHUAHUA

(Gostaria de compartilhar que a culpa é da Nanda, não tenho nada a ver com isso, sou pura de corpo e alma.)

Avisos da Fanfic no geral:

• Yoongi bottom hoje, amanhã e sempre.
• As idades são diferentes das reais, lógico.
(Yoonie - 23
TaeHyung - 23
HoSeok - 24
JeongGuk - 20
Nam - 25
JiMin - 25
Jin - 29)
• Contém lemon, MUITO lemon
• Vai ter somente sete capítulos

Avisos do CAPÍTULO:

• Feminização.
• Crossdresser.

Acho que é somente isso. Ah, sim, eu vou colocar a capa e o banner assim que der ;)

Boa Leitura~

Capítulo 1 - O Sedutor


Fanfic / Fanfiction 4nmstf - Capítulo 1 - O Sedutor

O garoto de cabelos azuis corria apressado para não se atrasar para o seu trabalho, quase xingando em voz alta por ter perdido as horas enquanto fazia uns deveres da faculdade. Não que fosse sua culpa se atrasar, mas quem compreende fórmulas inventadas há dez mil anos? Pra ser exato, só lembrou que tinha de trabalhar quando recebeu mensagens do seu chefe encapetado, cobrando-lhe uma pontualidade que todos sabiam que não tinha. Maldita hora que lhe deu seu número de telefone, o diabo não dava um minuto de descanso!

Quase se jogou no chão e agradeceu aos céus quando chegou no edifício da cafeteria onde trabalhava depois de praticamenre horas de pura – dramatização – corrida. O diabo, vulgo Park JiMin da bunda grande e cabelo vermelho ardente, não parava de lhe ligar desde que pusera os pés pra fora de seu apartamento, e se já estava estressado antes, agora estava quase colocando aquela merda no silencioso ou jogando na rua se não estivesse atrasado até pra esse tipo de cena. O local onde trabalhava era bonito e só pelo nome já se imaginava algo chique, ou caro de mais, como sempre pensou. "Repaire De Lapin Blanc" do francês "toca do coelho branco". O prédio com seus dois andares, se dividia na parte da cafeteria, com uma cozinha metálica para fazer os pedidos e espaço para os funcionários se trocarem e colocarem os dignos uniformes, e o escritório do seu chefe possuído era instalado no segundo andar, onde também era mantido os grãos de café e outras variedades de coisas. A Repaire De Lapin Blanc não servia apenas cafés, claro, nunca seria suficiente, como também doces e outras coisinhas saborosas. Não chegava a ser um restaurante ou uma lanchonete, os doces e salgados eram mais para acompanhar as bebidas, às vezes, vendiam algumas receitas especiais como parfait, itens de patisserie e baklava.

O exterior pintado em cores azul claro, branco e preto, com um toldo decorado em prata era extremamente atraente. Convidativo. Por isso a clientela nunca tinha fim e o trabalho sempre se estendia até mais tarde, rendendo mais dinheiro, é claro. A porta ficava entre duas enormes janelas, estas que iluminavam o ambiente e davam total acesso ao que se passava ali dentro, sendo feita de madeira e vidro translúcido. Impecável. Havia um pequeno degrau na porta e ao lado dele uma lousa contendo algumas informações básicas, pratos do dia e cumprimentos do dono que fingia educação. Já o interior era entre cores branco e cinza, com relances brilhosos onde se focasse. As mesas com toalhas de cores variantes entre azul claro e escuro fazendo par com as cadeiras pretas e de material delicado combinavam com o balcão e outros objetos que havia lá dentro. Park JiMin parecia gostar bastante de azul, a cor dos cabelos do atrasado Min YoonGi.

O baixinho se enfiou no local pela entrada dos fundos, despindo-se com pressa e procurando seu uniforme naquela bagunça que chamava de armário até ouvir um pigarrear dramático, virando-se para ver quem era, suspirando desiludido quando notou que o barulho provinha do seu querido – sinta a enorme ironia – chefe. Este estava apoiado ao batente da porta com o cenho franzido e batendo um dos pés no chão impacientemente, além de ter roupas emboladas nas mãos.

— Demorou bastante para chegar, hein, Min Yoongi? Achei que tivesse caído numa poça d'água e morrido afogado.

— Eu perdi a hora com a faculdade, sinto muito! — resmungou com um bico nos lábios, cruzando os braços sobre o peito nú. Era claro que queria mandar Jimin ir à merda, mas sua necessidade por sapatos novos o seguravam.

— Desculpas não repõem o tempo perdido! E não pagam o quanto eu tive que me "desculpar" porque o garotinho de cabelos azuis não estava trabalhando ainda. — disse irritado e jogou a roupa que segurava contra o azulado, deixando um suspiro audível escapar. — Vista isso logo e vá ajudar os outros, é sua roupinha do castigo hoje.

O Min segurou aquelas peças indignado com o jeito rude do diabrete ruivo e então deu atenção ao que segurava, bufando em frustração, louco pra esganar e tirar o sorriso bonito da cara do mais velho. Claro que ele faria isso consigo! O vestidinho de maid preto e branco acompanhado de meias 7/8 brancas com duas listrinhas pretas no fim e uma espécie de tiarinha de renda branca – deveras ridícula, vale frisar – estavam ali, amassados.

— Por que eu usaria isso, senhor Park?

— Porque eu quero, tem motivo melhor que esse? Tem quinze minutos. Seus sapatos estão no canto, pirralho.

Quando o diabo de cabelos vermelhos saiu, o menino não segurou o grunhido de frustração, esmurrando o nada e se livrando do resto de suas próprias roupas antes de vestir o vestidinho ridículo que o mais velho lhe mandou usar, xingando baixinho.

Aquilo era vergonhoso e um pouco frustrante. O vestido curto estava apertado contra a cintura do garoto mesmo que este fosse magérrimo e isso o incomodava. E seu comprimento então? O Min chegava a sentir medo da barra dele acabar levantando com qualquer movimento que fizesse, ou até mesmo com o vento ou os desejos malignos do Park. Pior que isso era sentir o olhar deste lhe seguindo onde fosse enquanto atendia os clientes assim que começou seu turno. Alguns – a maioria – haviam chegado a lhe confundir com uma garota e até mesmo serem ousados o suficiente para pedirem seu número de telefone, quando não o tocavam descaradamente. Abusados!

Era óbvio que não era uma garota e muito menos se parecia com uma, pelo menos era o que pensava.

Estava um pouco distraído no canto, mexendo no bloquinho onde anotava os pedidos, já que não estava ocupado com os clientes quando ouviu o barulho característico de algo quebrando em pedaços. Gemeu desgostoso, já com um frio na espinha apenas de imaginar o que podia ter sido. Foi rápido até a origem do som, afinal outros funcionários estavam ocupados com seus próprios afazeres, e quase chorou ao ver o que tinha quebrado: a preciosa porcelana do Park estava espalhada pelo chão em cacos variados, tinha certeza que ele iria descontar toda a frustração e raiva que sentia em si, porque realmente parecia que o ruivo tinha algum tipo de rixa com o de fios azuis já que não o dava um minuto de paz.

Juntou todos os cacos com cuidado e os jogou fora, além de limpar a sujeira que havia sido feita. Tinha cortado o indicador quando alcançou um dos cacos e resmungou emburrado, mas não havia sido um corte feio ao ponto de sangrar horrores então deixou aquilo ali por enquanto. O cliente que conseguiu quebrar o jogo de chá do seu chefe pediu desculpas pela bagunça e lhe pagou dinheiro mais que suficiente para comprar um outro. Jimin parecia bem tranquilo, mas o pequeno sabia que, por dentro, o ruivo estava para cometer um homicídio. Silêncio é prelúdio de tempestade. Não sabia bem o motivo de sua fixação por jogos de chá de porcelana, mas sabia que não era nem um pouco legal quando uma xícara se quebrava acidentalmente, quem dirá quase um conjunto inteiro!

— Yoongi! — chamou, fazendo o corpinho pequeno estremecer por completo. Tinha certeza que não viria coisa boa. — Você se machucou?

Quase foi possível ver a famosa tela azul na expressão confusa do Min, que arregalou os olhos miúdos e franziu a testa.

— O que disse? Acho que não ouvi...

— Estou perguntando se você se machucou, manusear vidro é um pouco perigoso e você não estava usando luvas, como um irresponsável.

— Ah... Eu apenas cortei o indicador, nada demais. E já até limpei tudo... Por que está preocupado com isso?

— Não quero nenhuma manchinha de sangue nos objetos da cafeteria e nos uniformes que sairam do meu bolso, então trate de enfaixar esse dedo, pois ainda está sangrando.

E então se afastou de novo, deixando o azulado confuso quanto à última afirmação. Ainda sangrava? Olhou para o dedo machucado e soltou um muxoxo de desgosto ao notar que estava mesmo sangrando. O lavou e colocou um pequeno curativo impermeável antes de voltar a trabalhar, desta vez cuidando em lavar e organizar as louças com atenção enquanto seu colega de trabalho, KyungSoo, as ajeitava em seu devidos lugares, os clientes já estavam indo embora. Deveriam ser quase umas sete da noite, ou mais se dependesse do tempo que passou ali grudado à pia.

— Como estão indo as coisas na faculdade, Yoonie? Tem melhorado? — perguntou KyungSoo, entretido no garfinho pequeno que pegara entre os talheres ali.

— Estão indo... Eu tento melhorar, conseguir já é um nível a mais... — murmurou, colocando mais uma xícara no escorredor e se espreguiçando, preguiçoso. — E você? Como está indo com a vida?

— Mais do que bem! Acredita que o Nini me chamou para o nosso primeiro encontro? Encontro de verdade, do tipo abrir a porta e andar abraçados! Ah, Yoonie...!

— Oh, você me disse que estavam querendo começar a ter algo há uns dias! Então deu certo? Onde vai ser?

— Ele disse que seria surpresa, então estou animado e ansioso, mas com medo, nem sei o que vestir! — o de cabelos pretos suspirou apaixonado e sorriu bobo antes de virar com uma expressão séria no rostinho fofo. — Yoongi, eu ainda não entendi por que está usando este tipo de roupa! Hoje é um dos dias especiais¹ e ninguém me avisou? Porque se for, hum...

— Dia especial o caramba! Aquele capiroto mirím me fez usar isso como punição por estar atrasado! Todo mundo se atrasa e eu sou o único que sofre com essas palhaçadas! — reclamou com um biquinho, irritadiço.

— Sério mesmo? Eu já me atrasei algumas muitas vezes e isso nunca aconteceu! Ele nem ao menos reclamava de verdade, só dizia pra tomar cuidado.

— Pra você ver! Ele deve ter algum tipo de rixa comigo, Soo! E uma bem séria! — arregalou os olhos, curioso e ansioso. — Será que eu fiz algo pra ele me odiar e não lembro, Kyunggie?! Porque se fiz, ele terá que me perdoar porque não lembro mesmo.

— Deve ser coisa da sua cabeça, Yoongi! Ele só se estressou com o atraso, certeza.

— É exatamente isso, YoonGi. Me estressei com o seu atraso. Por que teria muito contra você? — o Park alfinetou ao surgir colado ao batente da porta, jogando o molho de chaves pro de cabelos azuis. — KyungSoo está dispensado... YoonGi, queridinho, você fecha tudo... Vou lá pra cima.

O ruivo foi em direção as escadas e subiu, assobiando e rindo pro nada. Yoongi soltou um muxoxo cansado, em puro desgosto e não muito tempo depois o rosto do Park reapareceu no topo da escada.

— Ah, antes que eu esqueça! Aconteceu alguma coisa com suas roupas, pois elas não me parecem estar em bom estado! Então boa sorte. — disse, voltando a desaparecer no andar de cima, batendo a porta de forma barulhenta.

O Min franziu o cenho. O que será que poderia ter acontecido? Tudo bem, eram roupas velhas... Mas em bom estado, sim!

— Bem, Yoongi, eu já vou indo! Tenha uma boa noite! Até amanhã e me deseje sorte com o Nini!

— Ah, tchau, Kyunggie! Tenha uma boa noite também! E muuuuita boa sorte!

Cantarolou as palavras enquanto o outro saía e ficou cuidando dos últimos detalhes antes de fechar a loja e ir para a área dos funcionários, trocar de roupa e pegar sua mochila com os livros que precisam der entregues, bem urgentemente, vale ressaltar. Foi então que se lembrou das palavras do Park e ficou curioso em saber o que tinha acontecido. Esperava que não fosse nada grave, ou que só fosse exagero.

Puxou a camisa branca do canto onde estava e quase gritou em puro ódio, a peça estava completamenete suja e pegajosa. Calda de chocolate, o cheiro acusou. Grunhiu, esmurrando o armário e fitando suas calças com desgosto ainda maior. Então o Park iria se vingar desse jeitinho baixo, não é?

O pequeno grunhiu frustrado e jogou a roupa suja dentro da mochila pegando os livros na mão mesmo, os abraçando com força e resmungando. Vestiu sua jaqueta, pois o tempo estava um pouco frio e suas vestes eram vergonhosas afinal, esta era de um belo tom azul escuro e não era tão comprida, batia exatamente no seu quadril, o que garantia a ele beleza e calor. Saiu as pressas da cafeteria e foi procurar por um táxi para poder chegar na biblioteca antes de fechar, saltitando e gesticulando nervosamente sob o meio fio, completamente agoniado.

Então você provavelmente deve estar se perguntando: por que Min Yoongi está tão desesperado por conta de um livro?

O fato era que havia atrasado as entregas dos livros anteriores e, se por algum azar, atrasasse mais algum, por simples que fosse, ficaria sem poder pegar livros por um mês. E o pior era que os livros que pegava não eram somente para entretenimento, na maioria das vezes era para estudo. Agora que estava próximo da época das avaliações então, precisava muito dos livros para estudar se quisesse tirar seu pescoço da corda. Afinal, nem sempre tudo o que está na internet é verdadeiro, principalmente se está na Wikipedia.

Quase gritou de alegria alí mesmo na rua quando um táxi parou e entrou afobado no mesmo, ajeitando a mochila com pressa nos ombros e suspirando em puro alívio.

— Onde deseja ir, senhorita?

Quase assassinou o motorista do táxi ao ouvir o adjetivo feminino, mas se segurou e contou o endereço esperando que ele percebesse que era um homem por conta de sua voz grossa. O que não deu muito certo, pois pelo visto o cara devia ser um tapado por ainda não ter sacado, mas o que fazer, não é? Pediu-lhe que fosse o mais rápido quanto possível e se aconchegou no banco, emburrado.

Quando chegou à biblioteca, deu o dinheiro ao senhor sem esperar o troco e entrou na mesma desesperado, tropeçando nos próprios pés, com medo de que estivesse fechada. Por sorte isso não aconteceu, suspirou aliviado e adentrou ainda mais o local parcialmente iluminado, procurando alguém para que pudesse devolver o livro.

— Senhor Kim? É o YoonGi, o atrasado! Vim devolver uns livros, onde está?

— Ele saiu, deixa no balcão que eu já vejo! — uma voz gostosa e abafada avisou vinda do nada, fazendo o pequeno se encolher e apertar o livro. Frio, é claro.

— A-Ah... Entendi... Eu... Eu posso pegar alguns livros? Preciso estudar com eles e... —murmurou, travando na metade da frase por notar que talvez o outro nem estivesse lhe ouvindo.

— Fique a vontade! Se precisar de ajuda é só me chamar!

— Uh... E qual o seu nome pra que eu possa chamar?

Um jovem rapaz apareceu no campo de visão do Min e isso fez com o azulado ficasse paralisado, olhando-o de cima a baixo. Se a voz o fizera arrepiar, o homem o fizera se derreter, as pernas curtas tremeram e ele apertou ainda mais os livros grossos.

Aquele rapaz era mais que um deus grego! Pelos céus!

A pele clara em par com a camisa branca mal abotoada junto aos olhos e cabelos pretos já o fizeram gemer de forma muda, deliciado. Era realmente lindo o tal. Com um maxilar bem demarcado e uns bons dez ou mais centímetros maior que o Min, o garoto já podia ser considerado "O" mau caminho, caminho este que levava diretamente para o inferno e se permitisse, o menor iria percorrer aquele caminho com todo o prazer, sentando no colo do demônio que viesse buscá-lo. Céus, se ele dissesse para Yoongi ficar de quatro, ele ficaria sem questionar nada. O Min poderia parecer atirado e talvez fosse, mas quem disse que ele ligava pra isso? Deus o dera a chance de ouro de abrir as pernas e não a perderia!

— Me chamo Jeon JungKook, e você, pequena?

"Pequena"... Yoongi quase tacou todos os livros, mais a mochila e um desejo incompreensível no outro e foi embora depois dessa palavra broxante. Primeiro por estar no feminino e segundo por ele ter sido chamado de pequeno. Qual é, um metro e sessenta é pura delícia e dentro do padrão!

Tentou ao máximo disfarçar sua irritação, e sorriu falso, afetado, inflando as bochechas, magoado.

— Min Yoongi. É um prazer conhecê-lo, Jeon!

— Apenas JungKook está bom, YoonGi! — o moreno ditou com um sorriso brilhante no rosto.

O tiro que sentiu em seu coração quase o fez suspirar e esquecer a forma que ele lhe chamou. O Jeon tinha um sorriso reluzante de tão branco e seus dentinhos da frente eram avantajados, como um coelhinho fofo. Era incrível!

— Mas YoonGi, por que está com uma saia tão curta? É tarde, e perigoso pra estar andando sozinha!

— Porque se alguém puser uma mão na minha saia curta terão uma surpresinha bem desagrável. — afirmou dando de ombros e rindo travesso quando o mais alto arregalou os olhos, surpreso, pedindo desculpas repetidas vezes.

— Eu realmente não achei que fosse um garoto, eu...

— Você foi o trigésimo primeiro hoje... É normal... Pode carimbar os livros que eu trouxe enquanto eu vou procurar os que preciso?

— Ok, fique à vontade!

O Min se virou e foi até as inúmeras pratelereiras do local, correndo os olhos pelos livros com atenção. Suas pernas ainda tremiam mesmo depois do encontro com aquele deus, a respiração chegava até a falhar, imaginando o resto daqueles botões abertos. Tinha visto um anjo sem nem estar morto. Por estar perdido em pensamentos quase tropeçou, praguejando mentalmente em seguida e se endireitando.

Recomeçou a olhar os livros procurando por algum que estava precisando ou quem sabe pudesse ler nas horas de tédio. Parecia que os mais interessantes estavam todos nas partes mais altas e isso o irritou profundamente. Bufou, segurando a barra do vestido e deu alguns pulinhos tentando alcançar, parou um pouco e ficou nas pontinhas dos pés, se esticando. Lembrou então de JungKook que lhe havia dito que poderia chamá-lo se precisasse de ajuda e era isso o que faria.

— JungKook! — chamou alto. Não precisava se preocupar em fazer silêncio, pois não tinha mais ninguém na biblioteca além deles então estava tudo bem.

— Me chamou, YoonGi...?!

— Tem um livro que não consigo alcançar! Pega pra mim?

O magrelo continuou tentando se esticar ao máximo, mas realmente não conseguia. Livro desgraçado! JungKook se encontrava em um estado quase que hipnotizado, salivando e apertando as mãos nervosamente. O vestidinho extremamente curto tinha subido, deixando amostra a visão perfeita da bunda do Min com uma calcinha de renda branca entre as bandas gostosinhas.

— Hey, YoonGi...?

— Sim? — inquiriu confuso pela voz embargada e sussurrada do outro. Tão sexy.

O moreno se aproximou lentamente de maneira felina, quase que como uma pantera cercando sua presa e soprou o ar com lerdeza, prazeroso. Ficou bem ao lado do Min e pôs uma mão em sua cintura, dedilhando-lhe com devoção sentindo o corpinho menor estremecer.

— Qual o livro que você quer, YoonGi?

— E-Esse! — apontou.

A mão do Jeon antes na cintura do azulado desceu para uma das nádegas do menor por baixo das roupas, enquanto que a outra mão pegou o livro que Yoongi indicou.

— Este aqui? — apertou a carne em suas mão com força, percebendo o Min empalidecer e arfar com os olhinhos fechados. Extremamente adorável!

— Ahn... Sim, Kookie... Esse mesmo! — gemeu entrecortado antes de afirmar.

O maior sorriu safado, entregando o livro nas mãos trêmulas do pequeno e abaixando-se a sua altura. Aproximou sua boca do ouvido alheio, sorrindo ao ver alguns pelinhos da nuca do Min se arrepiarem.

— Eu dei sorte, YoonGi, prefiro garotos... E principalmente quando eles são gostosos e estão prontos pra mim. — explicou malicioso, brincando com os dedos nos elástico da calcinha do outro e lambendo seu lóbulo com maestria, ansioso. Seu primeiro dia no trabalho podia ficar melhor?

O Min arfou ao sentir outro aperto em suas bandas e seu corpo pequeno foi de encontro ao peitoral do moreno, acolhendo-se ali quase que de forma ideal. Praticamente conseguia sentir perfeitamente os gominhos do corpo do maior, os braços fortes lhe rodeando com uma mão segurando sua cintura e outra em suas nádegas apertando e as vezes brincando com o elástico de sua calcinha eram de deixá-lo tonto, respirando pesadamente.

— Eu não esperava por isso, Min. — afirmou o maior, descendo suas mãos para as coxas bonitas de Yoongi e as dedilhando com devoção, apertando a carne macia e a marcando com vontade. — Você parecia estar bem insatisfeito com uma roupa dessas, não imaginava que por baixo desse vestido você estaria usando uma peça íntima desse tipo.

— E-Eu... Até gosto um pouco desse tipo de roupa, mas eu ficaria realmente irritado se alguém que me conhecesse começasse a me chantagear por causa disso então prefiro esconder... Algum problema pra você?

— Não, não, sem problemas. — se afastou do Min percebendo que suas pernas bonitas tremiam consideravelmente. O pequeno tinha uma beleza ímpar. Era magnífico. Sorriu safado com a visão do azulado tão vulnerável e estalou a língua no céu da boca. — Eu irei fechar a biblioteca, docinho, e quando eu voltar... — deu umas risadinhas maliciosas, levando seu indicador até o queixo de Yoongi e o fazendo tirar o olhar do chão e fitar seus olhos nublados e perdidos. — Vamos ver o quão apertado você pode ser, certo?

— Não brinque comigo desse jeito, Jeon, você não sabe do que sou capaz... — resmungou baixo, apertando os olhos pequenos e tocando o membro semi desperto por sobre a saia, rindo baixinho.

Quem diria que a punição do Park iria salvar sua semana?

O menor se encostou em uma das mesas, suspirando e se tocando enquanto lambia a boca, apertando a mão livre na borda do móvel e jogando a cabeça pra trás, gemendo baixinho quando ouviu o barulho das chaves na fechadura e os passos do Jeon estalarem pelo piso do ambiente.

  — Não se toque sem mim, queridinha, que coisa feia. — o maior resmungou travesso, puxando o corpo pequeno pela roupa e o colando a si, erguendo o rostinho bonito e choroso enquanto escorregava a outra mão de volta a bunda branquela, apertando a carne com desejo palpável. — Eu posso te beijar, não é?

— Não sei porque não beijou ainda... — o Min reclamou, puxando a camisa do outro com brusquidão para abrir os botões a força e colando as bocas com um choque, sugando o inferior do maior enquanto se erguia na ponta dos pés, fechando os olhos e deixando a língua se guiar pra dentro da boca deste, enroscando-se com a do outro e brigando por espaço em meio aquilo, invadindo a camisa do mais alto com os dedinhos gelados e tocando sua pele de forma despudorada. — Deus, não imaginei que o senhor Kim não estar me faria um bem tão grande... — tirou suas mãos de dentro da camisa e passou a abrir os botões dela. — E antes que eu me esqueça, Jeon... — olhou para o maior de forma felina. — Não me chame por adjetivos femininos.

— Hm...? E como vai me obrigar a não te chamar na forma feminina, YoonGi? Vai me bater? Ou gemer pra mim? — Perguntou juntando seus corpos entre si. O maior tinha suas duas mãos nas bandas do Min, seu indicador acariciava a entrada do garoto ainda por cima do tecido da calcinha, satisfeito. — Diga, Yoonie, o que vai fazer?

Gemeu arrastado ao sentir um tapa forte ser dado em sua bunda. O moreno tinha bastante força e o Min tinha certeza absoluta que as marcas dos dedos do maior haviam ficado perfeitamente cravados em sua pele clara e macia, marcas essas que não sairiam tão cedo e ficariam ali até serem compartilhadas no Instagram.

— Ah, você não consegue, não? Quer tanto um pau se enterrando em você que não deve nem se incomodar de ser chamado de vadia! — segurou os fios azuis com uma mão, deixando o pescoço sem marcas visível. — É isso o que você é, não? Uma vadia sedenta por pau.

— Ahn... Não sou, Kookie! — gemeu quando o outro forçou as pélvis uma contra a outra, e colou sua boca em seu pescoço, selando a pele e rindo ao vê-lo arrepiar.

— Então o que você é? Hm? 

— A sua vadia...!

Sorriu satisfeito com a resposta e voltou a enfiar seu rosto no vão do pescoço do menor, beijando toda a extensão para logo lamber e assoprar em seguida, mordiscando e puxando a pele em uma sucção estalada, marcando a pele e causando arrepios que passavam por todo o corpinho trêmulo menor que o seu.

— Ei, docinho, o que acha de chupar um pirulito? — perguntou com voz baixa e grossa pelo tesão, bem próximo do ouvido de YoonGi, rindo quando o menino fraquejou e apertou sua camisa agora aberta. — Você quer, pequena?

— Não me chame assim! — reclamou, sentindo suas bochechas quentes pela vergonha e talvez raiva. — Pequena é a mãe...

O maior segurou seu rosto com uma mão, arqueando uma sobrancelha. Como seus dedos apertavam as bochechas cheinhas do menor, um biquinho adorável se formava nos lábios rosadinhos, como um bebê.

— Você não respondeu minha pergunta, Yoonie... — deixou um selinho nos lábios tão atraentes. — E sabe... Eu não gosto de falar duas vezes, principalmente nessas horas.

Se afastou do corpo menor vendo suas pernas quase falharem e ele se segurar na mesa com força. Sabia do efeito que causava nas pessoas, e naquele pequeno não era algo muito diferente, estava amando de verdade brincar com ele. Desceu suas mãos ao cós de sua calça, começando a tirar o cinto que utilizava sendo observado atentamente pelos olhos gateados do menor. O moreno largou o cinto ao lado de seu corpo, desabotoou o botão da calça e foi descendo o zíper com lentidão de forma provocativa. O Min já salivava em expectativa. JungKook abaixou a calça sem abaixar a cueca, rindo travesso e separando melhor as pernas antes de lamber os lábios provocativo e sensual.

— Que tal você vir tirar isso daqui, docinho? Mas com essa boquinha linda?

JungKook não precisou falar duas vezes. O Min se aproximou rapidamente e se ajoelhou no chão, começando a encarar o volume na cueca do maior e rindo ansioso. Dedilhou com calma, sentindo a rigidez em seus dedos, passando a massagear-lhe lentamente, fechando os olhos quando lambeu o outro ainda por cima do tecido lentamente, molhado. Afastou-se dali sem pressa e olhou de relance para o rosto do Jeon antes de por seus dedos na barra da box e abaixá-la.

O Min arfou pesado ao contemplar o falo pulsante do Jeon, salivando e resmungando em agonia. Ele era muito bem dotado, chegava a se perguntar se aguentaria todo aquele volume dentro de si sem no dia seguinte estar mancando ou com o Park no seu pé. Bom, se ele fosse carinhoso, talvez as coisas não seriam tão problemáticas. Mas era tão obvio que ele não seria.

Ouviu uma risada maliciosa vinda do maior enquanto este mexia nos próprios cabelos.

— O que tanto olha, docinho? Gosta?

— Kookie... Não vai caber! — gemeu manhoso, fazendo biquinho.

Segurou o queixo do menor, tocando seu lábio inferior com o polegar e desfazendo aquele biquinho bonito.

— Tenho certeza que vai, Yoonie, vai me engolir todinho com todo o prazer... — sorriu malicioso. — E não estou falando por onde... Vou meter com tanta força em você, ah...!

Yoongi gemeu em deleite, já imaginando como seria ter aquele falo grande indo bem fundo em sí. Mesmo com o ar condicionado, a biblioteca parecia estar mais quente que um deserto enquanto o sol ainda estava no céu e o suor já descia pelas dermes ferventes pela forte tensão sexual que se fazia presente em cada poro dos dois.

O polegar que antes tocava delicadamente o lábio inferior do azulado se enfiou na boca do menor, este que não hesitou em chupar e lamber como se fosse o próprio pau do moreno, enrolando sua língua pelo dedo do outro e apertando as coxas do maior distraidamente, os olhinhos ainda fechados. O Jeon gemeu com a obsecenidade da cena a sua frente e forçou a boca do menor a se abrir com o polegar e com sua mão que ainda estava apoiada no queixo alheio. Yoongi pôs sua língua avermelhadinha para fora sentindo a cabecinha do membro de JungKook encostar nela, não resistiu e deu uma breve lambida, como um filhotinho atrevido.

— Tsc, tsc... Tão apressado que esquece as maneiras, docinho? Como se diz?

— ... Deixa eu te chupar, Kookie? — pediu manhoso, cerrando os olhos ao erguê-los pro maior e cravando as unhas nas coxas musculosas.

O maior sorriu malicioso e tirou sua mão da boca do Min. O menor não perdeu o tempo e abrigou a glande do maior na boca, a chupando e lambendo com afinco, como o Jeon dissera, era o seu doce, o mais gostoso que havia provado e não iria desperdiçar. Deixou selinhos e pequenas sucções por toda a extensão, deixando um último beijinho na pontinha antes de começar a engolí-lo aos poucos, apoiando-se melhor no corpo do outro. Relaxou sua garganta e foi, quando chegou ao fim que quase se engasgou, estremecendo e resmungando num gemido, mas respirou com calma pelo nariz e se deixou levar. Sentiu os dedos do maior se prenderem em seus cabelos azuis e após alguns segundos, passou a se mexer indo e vindo devagar, às vezes tirava o membro só para lamber da base até a ponta e chupá-lo com força, levando uma das mãos aos testículos do outro, os acariciandos e massageando com lerdeza, atento.

— Ahn... Pare de me provocar desse jeito e vá mais rápido! — disse o maior por entre gemidos e arfadas, puxando o ar de forma barulhenta e grunhindo.

O Min soltou o membro do maior fazendo um barulhinho estalado ser ouvido, sorriu sapeca e lambeu os lábios.

— Fode minha boca, Kookie! — falou, abrindo a boca em seguida o máximo que podia.

O aperto em seus fios aumentou e o Jeon grunhiu, mordendo a própria boca e rindo sacana.

— Pra quem não é vadia, você é bem faminta, hein, gatinha?

Antes que o Min pudesse reclamar da forma que foi chamado, sua boca foi preenchida pelo membro teso do maior que fodia sua boca sem piedade alguma. Um, dois, três. Eram três segundos exatos para respirar e de novo ter sua boca preenchida com brutalidade pelo outro. Seus olhinhos estavam levemente molhados e seu maxilar doía, parecia que iria se deslocar a qualquer momento com a força que o Jeon punha em seus movimentos, sem parar de puxar seus cabelos, arrancando alguns dos fios. Se com sua boca ele não tinha piedade alguma, com sua bunda então seria a mesma coisa que dar uma presa a um leão, ele iria comê-la sem piedade e remorso algum. Iria comê-la com vontade e só sentiria satisfação. Os gemidos de JungKook eram bem estimulantes, por gemer baixo, os sons que deixavam sua boca eram grossos e carregados de tesão, completamente embriagados. Yoongi sentia o membro em sua boca pulsar cada vez mais, sabia que o maior estava próximo do ápice já que as veias grossas pulsavam em sua boca. Após uma estocada funda, o moreno foi retirando seu membro quando no meio do caminho acabou gozando e sujou os lábios e um pouco da bochecha de Yoongi de porra. O menor engoliu o que estava em sua boca e usou seus dedos para pegar o restante que havia ficado para fora, lambendo os dedos com vontade e ofegando malicioso, trêmulo e com o rosto completamente corado.

— Sabe que após gozar, demora um pouco mais para voltar a ficar duro, não é, gatinha?

Sentiu vontade em repreendê-lo por chamá-lo como se fosse uma garota, mas resolveu ignorar e apenas concordar com a cabeça, voltando com o biquinho manhoso e lambendo a virilha do outro distraidamente antes de o soltar e ser puxado pelo maior, fazendo-o se erguer do chão.

JungKook pegou uma cadeira de uma das mesas e se sentou, batendo em sua coxa, em um chamado mudo para o menor se sentar em seu colo.

— Você vai ter que se esforçar um pouco, docinho, só um pouquinho... Pelo oppa, não é? — sorriu safado, piscando cúmplice e afagando o rostinho magro do outro.

O Min acompanhou, também sorrindo malicioso, completamente embargado em prazer e tremendo nervosamente. Se sentou em seu colo de frente para ele, rebolando levemente sobre seu membro, simulou uma quicada sobre o outro e sentiu as mãos grandes se prenderem em suas nádegas, cravando as unhas ali. Yoongi pôs suas mãos na nuca do moreno e o puxou para um beijo cheio de luxúria e um tanto selvagem, as línguas se entrelaçando com maestria como se tivessem sido feitas uma para a outra. O beijo foi findado com uma mordida deixada no inferior do azulado e em seguida este deixou beijinhos sobre os do Jeon. Três dedos foram colocados em frente a sua boca e JungKook não precisou dizer o que ele tinha de fazer, pois seus dedos foram para dentro da boquinha deliciosa e aveludada do menor, que os molhava, lambia e sugava. Quando sentiu que estavam bastante molhados, levou dois dedos até a entrada de Yoongi o penetrando com os dois de uma só vez após afastar a calcinha do menino. O Min gemeu dolorido, mas rebolou sobre os dígitos longos de JungKook, ronronando e apertando os dentes sobre o seu lábio inferior.

— Você é bem apertado, Min, mas não como devia... Aposto que você se diverte brincando sozinho com seus próprios dedos ou quem sabe... — deixou um beijo molhado no pescoço alheio, deixando sua respiração bater no local e o sentindo arrepiar em seu colo, apertando ainda mais a bunda do menino e fechando os olhos após alcançar seu ouvido. — Com um vibrador bem gostosinho, não?

Yoongi gemeu manhoso ao sentir os dedos ágeis acaricarem e pressionarem exatamente em sua próstata. Os dígitos longos passaram a estocar o Min com força e velocidade. Um terceiro dedo se juntou e JungKook não esperou o pequeno se acostumar com a invasão deste, já voltando a mover sua mão com pressa. Gemia baixinho bem próximo do ouvido do maior, rebolando em seus dedos enquanto apertava os seus ombros, às vezes deixando escapar um gemido mais alto e agudo. Parecia um gatinho daquele jeito, adorável como sempre. Já conseguia sentir perfeitamente o falo endurecido de JungKook embaixo de sí e estava ansiando por algo maior e mais grosso o fodendo no mínimo naquele ritmo.

— Kookie...! — gemeu manhoso. — Eu quero mais, Jeonnie! Você... Em mim... Com tanta força... Me fode logo, vai...!

— Com todo o prazer, bebê. — estalou um tapa na coxa do menor, removendo os seus dedos sem muita vomtade. — Deita seu tronco na mesa e empina direitinho pro oppa, gatinha, ele vai foder você.

Yoongi se levantou e fez exatamente o que lhe foi dito. Deitou-se sobre a mesa, segurando nas bordinhas da mesma e sua bochecha se encontrava contra o mármore frio. Sentiu a presença de JungKook atrás de si e o olhou por cima de seu ombro, vendo o garoto cuspir em sua mão e a levar até seu membro, o masturbando como uma maneira de o lubrificar. O maior segurou no elástico de sua calcinha e a desceu, vendo ela cair nos calcanhares do Min, levantou a barra do vestido, vendo por fim a entradinha rosada e abusada por seus dedos se contraindo todinha ansiosa para lhe receber.

— H-Hey, Kook... Quantos anos você tem?

— Mais que você, pode acreditar... Agora shh...!

Rosnou, encaixando seu membro ali e deu um beijo na bochecha do menor de forma carinhosa, segurando o quadril de YoonGi com ambas as mãos, roçou sua glande contra a entrada do menor que resmungou com toda aquela provocação, se mexendo contra o outro. JungKook riu baixinho do desespero do pequeno antes de começar a se enterrar com força onde havia desejado estar desde que descobrira que não era uma garota que estava por baixo daquele vestido. O menor gemia dolorido a cada centímetro que lhe adentrava mais e mais, buscando aliviar a tensão dolorida na mesa e resmungando contra os próprios lábios, crispados. Quando entrou tudo, o maior apenas se estagnou, não fazendo nada ali, apenas começou a esperar o menor se acostumar com a dor da invasão enquanto o avaliava, satisfeito com a vista da bunda branquela do outro empinada pra si.

Quando Yoongi se sentiu menos dolorido, deu uma leve rebolada como um sinal que o maior poderia se mexer, deixando que o garoto escorregasse pra fora de si e voltasse numa estocada bruta, forte ao ponto de fazer o corpinho pequeno se mover. O moreno segurou ambas as nádegas do menor e as abriu, dando uma visão e acesso melhor para seu pau sair e deslizar de volta para o interior acolhedor do azulado em movimentos ritmado, lentos e profundos. O ritmo do garoto foi aumentando com o passar do tempo e com os pedidos manhosos de Yoongi por mais. O suor escorria pela pele de ambos e o calor era presente no local, as gotículas que escorriam pelo corpo trabalhado de JungKook deixavam-no tremendamente atraente e faziam YoonGi arrepiar. Além de lindo e gostoso, JungKook era ótimo no sexo, tinha como ser melhor? O mais alto o fodia de forma tão gostosa que poderia gozar sem nem mesmo precisar se tocar, tamanho o prazer em sentir o pau do outro indo fundo em si. O pobre Yoongi se tornara uma confusão de gemidos manhosos, pedidos por mais e gritinhos mudos, abafados com estocadas bruscas que lhe tiravam o ar e faziam os ossos vibrarem. Jeon JungKook era mais prazeroso que qualquer livro.

— Ahn... Você é tão gulosa, gatinha! Olha só como você me engole todinho sem deixar nada sobrar, o oppa está tão orgulhoso! — disse gemendo junto do Min, próximo de seu ouvido, enquanto acariciava as bandas gostosas do menino, as apertando.

O azulado gemeu insatisfeito ao sentir JungKook se retirar de seu interior, este que riu e deixou uma mordida em sua nádega esquerda, virando o menor de barriga para cima e colocado deitado em cima da mesa. O Jeon o deixou vergonhosamente aberto, expondo a entrada abusada do garoto totalmente aos seus olhos. Este rodeou o local e enfiou um dedo antes de depois se enfiar de novo e tirar o dígito dali. JungKook voltou a ir com força e brutalidade contra o corpinho que subia e descia, acompanhando os movimentos selvagens que o Jeon fazia. Algumas pequenas lágrimas saíam de seus olhos, mas não eram de dor, eram graças ao prazer sufocante, que o fazia retrair os dedos dos pés e salivar, gemendo sem nexo, completamente extasiado. Suas mãos se encontravam nas costas suadas do maior, as arranhando por baixo da blusa e causando uma pequena ardência em JungKook, que apenas revirava os olhos ocasionalmente e puxava a própria franja.

Depois de praticamenre cinco estocadas fortes e violentas, o Min não conseguiu mais segurar e gozou gemendo arrastado, completamente manhoso. JungKook grunhiu ensandecido com o aperto gostoso do menor contra seu pau e não aguentou mais, também gozando, mas dentro do interior quentinho, e agora molhado, do azulado. Deixou um beijinho delicado em sua testa e se retirou com cuidado do menor, começando a se vestir. Quando o pequeno se colocou de pé, ainda tremendo e ofegando, completamente entregue, alguns segundos depois o maior viu seu líquido esbranquiçado descer por suas pernas bonitas cobertas pelas meias brancas. Poderia ficar excitado novamente só com aquela visão maravilhosa do Min. Porque, nossa, Min YoonGi era uma verdadeira gatinha.

— Yoonie, fique de costas para mim, sim? O oppa vai resolver isso pra você.

 O azulado pendeu a cabeça para o lado sem entender, mas obedeceu. JungKook pegou um lenço que tinha guardado em sua calça. Se abaixou e usou o pano para limpar o sêmen que escorria daquele lugarzinho que havia amado abusar, brincando com a língua entre as coxas pálidas vez ou outra.

— Agora sim, você está limpinho, docinho. — disse, levantando seu vestido e beijando sua bunda marcada por seus dedos vendo o menor estremecer com seu toque. — Tão vulnerável e adorável... — murmurou, suspirando pesado. — Eu poderia te comer de novo aqui e agora, você sabe, não é?

— É, mas eu estou cansado, Kookie! Você acabou comigo! Seu bruto! — choramingou manhoso, se afastando do moreno para pegar sua calcinha e vestí-la novamente, cuidadoso.

— Não fique se empinando assim, desse jeito não tem sanidade que aguente!

O Min riu divertido, negando com a cabeça e ajeitando a peça no corpo.

— Desculpa, Kookie-ah!

Yoongi pegou sua mochila e seu livro, após o moreno autorizar a retirada, e saiu com o maior acompanhando-lhe até a saída. Deviam ser umas onze da noite, quem sabe até mesmo meia noite. JungKook olhou receoso para Yoongi, franzindo o cenho bonito.

— Não quer que eu te leve para casa? É perigoso sair sozinho de noite. Eu tenho uma moto e um capacete extra.

— Não, não precisa! Não quero incomodar! Sem contar que ninguém iria estuprar um menino como eu assim que vissem o que eu tenho no meio das pernas!

— Isso é o que você pensa... Metade das pessoas que eu conheço te comeria, a força ou não, sem nem precisar pensar. Me espere aqui! — o maior avisou, saindo dali com pressa enquanto ajeitava os próprios cabelos.

— Eu estou de saia! Não vou subir numa moto!

— Eu empresto um casaco pra você cobrir, agora pára de reclamar!

O Min bufou frustrado, fazendo um biquinho fofo em seus lábios bonitos e cruzando os bracinhos. JungKook ao ver o biquinho não se segurou e roubou um selinho do menor que corou mais que um pimentão e lhe bateu no braço rapidamente, emburrado, e o maior não fez nada além rir da fofura do menor. YoonGi era uma vadia fofa no fim das contas.

O menor sorriu levemente e colocou o capacete, subindo na moto atrás de JungKook e abraçando a cintura do maior após vestir o casaco, o arrumando em sua cintura. Contou-lhe o endereço e o segurou com mais força, apertando o abdomên definido, com certo medo da velocidade em que estavam.

— Acho que mesmo se eu fosse sozinho, eu iria voltar para aceitar sua ajuda! — falou alto por conta do vento.

— Por quê?

— Eu acabei dando mais do que devia para o taxista e não sobrou dinheiro o suficiente para pagar um outro, sim, eu faço coisas estranhas. 

Ambos os dois riram. Estar com o moreno foi ótimo e Yoongi descobriu da melhor maneira que JungKook era fofo sim, um doce, esforçado, e acima de tudo um sedutor nato. 


Notas Finais


Dias especiais¹: não lembro como funciona as cafeterias da Coréia, mas a do Jimin é parecida com aquela cafeteria que a Misaki de Kaichou wa maid-sama trabalha. Ou seja, tem dias que os funcionários vestem roupas diferentes dos uniformes por conta dos dias especiais, pode ser tanto roupa de época, usar óculos mesmo não precisando, fazer crossdresser, se vestir de gatinho e etc.

Espero que tenham gostado!

Fizemos esse cap com muito amor COF COF e putaria COF COF (sim, muito amor e empenho, mas os outros serão melhores porque vão ser tudo que eu mais gosto, just this -JiEun)

Kissus de açúcar da _Nana_chan! ( ˘ ³˘)❤

Beijos não de açúcar da Ji porque eu sou amarga =♡=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...