História A companheira do alfa supremo - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saga Crepúsculo
Tags Alfa, Lobos, Prometida
Visualizações 92
Palavras 1.556
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Fantasia, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpa a demora, espero que vocês gostem desse capítulo.

Capítulo 4 - Romeu e Julieta?


    Petter: Santa lua!

   Disse Petter entrando em meu carro e eu logo fiz o mesmo.

    Colin: Eu falei que você iria encontrar a sua companheira logo.

     Petter Agora eu te entendo cara. Eu estou até arrependido de já ter transado com várias meninas. Por que você não falou com a sua companheira? Se você quer alguma coisa precisa pelo menos falar um oi.

    Ligo o carro e começo a seguir o carro das nossas companheiras.

     Colin Eu sei, não entendo o que aconteceu. Eu tinha feito um roteiro perfeito para saber o que falar para minha amada mas, na hora não consegui abrir a boca.

     Petter: Você abriu mas, só para babar.

      Colin: Cala a boca, eu nunca tive problemas assim com garotas mas, eu vou consertar isso. Estamos seguindo elas. 

      Petter: Não sei se elas vão gostar disso. Provavelmente vão pensar que somos loucos.

      Colin: Não vão não..

      Depois de um tempo elas pararam em uma loja de instrumentos musicais. Estacionei meu carro um pouco longe do delas para evitar que elas descubram que estamos aqui mas, algo me diz que elas já sabem.

      Entramos na loja e já avistamos nossa companheiras. Melissa estava tocando piano e Ana estava olhando os violões. Me separei de Petter para ele poder ficar sozinho com sua mais nova e eterna amada e para que eu pudesse fazer o mesmo. Me aproximei de Melissa, ela estava tocando uma música linda mas, eu não conhecia essa música e olha que eu praticamente conheço todas as músicas.

       Ela chamou uma vendedora e falou que levaria aquele piano. Era um piano magnífico e pelo brilho que seus magníficos olhos tinham, ela tinha amado. Agora já sei que minha lua gosta de música e toca piano. 

       Tanto eu tanto Petter estávamos mantendo uma distância um tanto quando gigante para que elas não nos vissem. Pude notar que essa tal Ana estava apaixonada por um violão mas, ela não o comprou. Ela foi até Melissa e logo foram pagar pelo piano. Petter veio em minha direção.

          Petter: Vou comprar aquele violão! 

          Colin: Você nem toca violão, besta.

           Petter: Ana quer esse violão! Ela só não o comprou porque já gastou todo o dinheiro que ganhou em seu aniversário com um álbum de uma banda. Eu usei a minha super audição para ouvir isso. Irei comprar para ela e deixar em sua casa.

           Colin: Mais uma vez, você é burro? Nem sabe onde ela mora.

            Petter: Eu sei sim! Uma idosa veio falar com ela e falou que estava se mudando para a rua xxxx e que a tinha visto lá e perguntou se ela também mora lá e ela respondeu que mora na casa xxx.

           Colin: Cara você tá virando um psicopata.

           Ele deu de ombros e assim que as meninas saíram da loja ele foi comprar o violão. Elas fizeram várias paradas em lojas. Compraram muitas coisas. Pelo jeito são coisas para decorar o quarto de Melissa. Sua última parada foi na livraria da cidade. Melissa estava olhando a prateleira de livros e leu em voz alta..

            Melissa: “Aqui, sim, aqui mesmo fixar quero meu eterno repouso, e desta carne lassa do mundo sacudir o jugo das estrelas funestas. Olhos, deve mais uma vez; é a ultima. Um abraço permiti-vos também, ó braços! “

             Colin:  ”Lábios, que sois a porta do hálito, com um beijo legítimo selai este contrato sempiterno com a morte exorbitante.”

              Melissa: “Vem, condutor amargo! Vem, meu guia de gosto repugnante!

              Colin: “Oh tu, piloto desesperado! lança de um só golpe contra a rocha escarpada teu barquinho tão cansado da viagem trabalhosa. Eis para meu amor.”

             Recitamos as últimas palavras de Romeu antes de beber o veneno um para o outro. Não conseguimos tirar o olho um do outro. Realmente sentimos as palavras. 

           Melissa: Shakespeare...Wow. Você deve ser um grande fã.

           Colin: Digo o mesmo sobre você. Serias tu a minha Julieta?

           Melissa: e serias tu o meu tão doce Romeu? Diga-me a resposta e deixarei de ser uma Capuleto. 

           Colin: Então eu lhe digo minha amada que irei trocar-lhe o sobrenome para Montecchio mas, que nosso final será completamente diferente.

           Melissa: E como ele seria? 

           Colin Não morreríamos, iríamos permanecer ao lado um do outro eternamente.

           Melissa: Devo lhe admitir doce Montecchio, gosto muito mais desse final.

           Colin: Então, iremos torná-lo realidade..

           Melissa: Está tarde doce Romeu...preciso voltar para a casa de meu pai.

         Disse olhando as horas é fazendo um sinal para sua amiga que estava conversando com Petter. Ela se virou.

          Colin: Espere! 

           Digo pegando em sua mão e fazendo ela se virar.

           Colin: Quando lhe verei novamente doce Capuleto?

           Melissa: Pelo o que eu percebi hoje, você dará um jeito...

            Disse indo embora junto de sua amiga.

            Petter: Eu to muito apaixonado!

             Diz colocando a mão em meu ombro.

             Colin: Somos dois meu doce amigo.

              Ele retirou a mão de meu ombro.

             Petter: Iiiii! Tire esse doce daí ! 

            Colin: Você é muito idiota. 

             Petter: Vamos! 

              Colin: Pra onde seu louco?

             Petter: Entregar meu lindo presente para a minha linda amada.

            Colin!: Não! Primeiro vamos naquele lugar que uma vez fomos com a nossa antiga turma da escola.

           Petter: Aquele onde podemos assistir varias filmes de época em uma sala muito assustadora?

            Colin: Esse mesmo! 

            Digo o puxando até meu carro. Assim que chegamos no lugar que de acordo com o Petter tinha salas de cinema assustadoras, nos entramos e pedimos para assisti Romeu e Julieta.

           Petter: Mano, tu tá muito gay...

           Colin: Falou o Cara que passou o caminho inteiro escrevendo um roteiro de como pedir a Ana em casamento. Só pra te lembrar, você conheceu ela hoje.

           Petter: Só por isso! Você não está na lista de convidados.

           Colin: Cala a boca que o filme já começou !

           Horas depois....

            Petter: Por que esse filme tem que ser tão triste? 

             Disse chorando e meio que me abraçando.

             Colin: Eu sei, Eu sei. Fica calmo. Nós assistimos esse filme 3 vezes só hoje mano.

             Petter: Eu não consigo imaginar uma família tão horrível que privaria seus filhos da coisa mais maravilhosa da vida, o amor.

             Ele continua me abraçando.

             XXX: Licença, estamos fechando. O casal vai ter que se retirar.

             Colin: Casal o cacete! Sai daqui demente!

             Digo tirando Petter de perto de mim e o fazendo cair no chão.

             Petter: Precisa agredir? Desgraça!

             Pagamos a conta e para a alegria de meu beta, finalmente fomos na casa de Ana.

           Colin: São 4:47 da manhã! Duvido que ela esteja acordada.

           Ele não me escuta simplesmente sai do carro apertando a campainha e deixando o violão junto de um cartão na frente da casa e logo em seguida voltando para o carro, correndo igual uma cabra. Depois de alguns minutos Ana apareceu no portão com cara de cu, ela deve ter odiado a ideia de tocar sua campainha quase as 5 da manhã. 

          Ela leu o bilhete e com uma cara de surpresa e assustada ela o deixou no mesmo lugar e saiu correndo para entrar de volta em sua casa.

           Petter: Oxe! Esse violão foi caro! Não vai ficar assim.

          Disse saindo do carro novamente, pegando o violão e escalando a janela de sua companheira. Logo ele voltou.

         Colin: Acho que ela pensou que você era um psicopata. O que você fez?

         Petter: Deixei o presente mais caro de toda a minha vida em cima de sua cama. Pude ouvi-la falar que queria muito pegar o violão mas, que estava receosa que quem tinha dado ele pra ela fosse um assassino. 

          Colin: Afinal, o qu você escreveu no bilhete pra deixá-la tão assustada. 

           Petter: nada demais. Eu escrevi: “ te segui hoje e vi que queria esse violão. Ficarei de olho em você minha linda. Por favor aceite meu presente que foi comprado com muito carinho.”

           Colin: Entendi o motivo dela ter ficado tão assustada. 

            Petter: cala-te! Você que não sabe reconhecer um homem romântico!

            Colin: Vai nessa iludido...

            Nós retornamos para a alcateia. Fui em direção ao meu quarto e nem lembrei que tinha “alugado” o livro Romeu e Julieta na biblioteca. Estou ficando muito viciado. Abri o livro a para a minha surpresa tinha um bilhete...

                                         “Me liga xxxxxxxxx

                                                        “Sua Julieta””

         Santa lua! Ela me deu seu telefone! Não perdi tempo e já liguei.

           Melissa: Alô?

          Disse com voz de sono. Provavelmente eu a acordei.

          Colin: Desculpe por te acordar...

           Melissa: Você não me acordou...estou acordada faz algum tempo. Fico feliz de por ter encontrado o meu bilhete.

           Colin: Lhe digo o mesmo. Posso saber o que está te perturbando e fazendo perder o sono.

            Melissa: Não é nada muito importante. Só fiquei intrigada por ter encontrado um lobo e você esses dias. 

            Colin: Interessante. Perdoe-me por fazer-te perder o sono.

            Melissa: Está tudo bem, gosto de pensar em você. Pelo menos por enquanto. Acho que terei que desligar.

            Colin: Por que ?  

            Digo completamente triste.

            Melissa: Minha amiga Ana tá quase morrendo. Ela acha que tem um maníaco atrás dela. 

          Dou risada por dentro.

           Melissa: posso falar com você amanhã? Bom, quer dize, posso falar com você mais tarde?

        Colin: Mas é claro, focarei te esperando ansiosamente.

         Melissa: Bom final de noite Colin.

        Colin: Para você também minha lua.

        Logo em seguida ela desliga. 

       Colin: Você é tão idiota Petter! 

       Digo em voz alta e começo a rir igual a um maluco.


Notas Finais


comentem o que você acharam S2 S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...