História A Concubina Do Princípe -Jelsa - Capítulo 13


Escrita por: ~

Visualizações 102
Palavras 1.487
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Hentai, Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 13 - Capítulo 12


Fanfic / Fanfiction A Concubina Do Princípe -Jelsa - Capítulo 13 - Capítulo 12


Rapunzel já estava explodindo de tanta raiva, ela simplesmente não estava disposta a querer uma coisa dessas. Ah, como ela não aceitaria. Andava para um lado e pro outro com as mãos na cabeça, sua pele clara estava se tornando avermelhada e suas sombrancelhas uniram-se enrugando sua testa. Seus dentes rangiram com ferocidade batendo uns com os outros. Seu vestido de ceda branco longo com fios dourados, batiam no chão alvoroçados entre suas pernas que andavam aceleradas e firmes sobre o chão. A menor ouviu uma risada abafada e olhou na direção da porta de seu quarto.

-Problemas com o príncipe?. -Soou com um certo deboche fazendo Rapunzel fechar a boca e se recompor, retornando a sua postura séria e intimidadora.

-Aquela vagabunda está tomando posse do que é meu!. -Seu grito foi substituído em uma voz embargada e chorosa. Ela odiava chorar, odiava se lamentar, mas sua raiva era tanta que uma lágrima caiu de seu rosto sendo tirada rapidamente pela mesma.

-Acredite em mim, raiva não vai te levar em nada. -Suspirou. -Vingança talvez. Astrid caminhou pelo quarto olhando ao redor como se procurasse evidências nas paredes.

-E se... -Rapunzel abriu um sorriso esperançoso e retomou a falar. -E se o príncipe tivesse um filho?.- Astrid a olhou rapidamente juntando as sombrancelhas confusa pela resposta da loira a sua frente.

-O que quer dizer?.- Um sorriso cínico brotou nos lábios de rapunzel.

-Engravidarei de Jack frost. -Falou destemida. Astrid riu alto fazendo rapunzel a encarar brava.

-Desde que aquela loirinha finginda foi escolhida para ser a nova escrava de Jack, ele pareceu mais convicto em chamar ela mais vezes para o quarto e te deixou de lado, acha mesmo que engravidaria dele?

-Fácil. -sorriu.- É só seduzi-lo pedindo para que se deite comigo, afinal, sou a escrava preferida dele. -Falou convencida.

-Será? .-Suspirou sentando na cama. -Haddock não tem olhado para mim, e tem recusado a dormir comigo!. -Gritou aflita.

-Tudo por culpa de quem?. -Perguntou fingindo ser solidária.

-Daquela ruiva insignificante! .-Falou irritada se levantando.

-Então está feito, farei Jack dormir comigo assim como você fará com Haddock.

Ambas as duas sorriram.

∞∞∞

Elsa se sentia livre caminhando pelos corredores do palácio, tudo era maravilhoso, exceto não ver sua família. Estava morrendo de vontades de abraçar sua mãe seu pai e ana, sentia falta de comer o ensopado de frango que tanto gostava de comer feito por sua mãe.

Passava dias agonizantes se perguntando diversas coisas que vinham a mente, mas é claro que não fazia questão de compartilhá-las, quem alí estaria disposto a ouvi-la falar sobre a saudade que tinha em voltar para casa?

Mérida foi uma das últimas pessoas com quem falaria, afinal, não sabia em qual quarto ou cômodo do castelo ela estaria, sentia uma imensa vontade de vê-la novamente, mas sabia muito bem que não podia, o palácio era dividido em partes para ambos os dois princípes. Para ver Mérida tinha que ser escrava de soluço, coisa que se recusaria a fazer. Nesses últimos dias a loira só passeava e voltava para o quarto, esse era seu dia diariamente, não podia sair para fora do palácio conhecer o mundo à fora e nem respirar ar puro das plantas. Estava cansada daquilo.

Depois de uma caminhada pelo corredor estêncil ela anda até uma imensa abertura de uma sacada, de lá podia ver todo o reino e suas 'surpresas', era tudo muito lindo e encantador aos seus olhos, um imenso jardim recheados de flores o colorindo por inteiro. Não podia se esquecer das imensas árvores rosas de sakuras, definitivamente era primavera e as plantas não perdiam tempo para desabrocharem.

Puxou o ar com força sentindo tranquilizar seu corpo, com isso recebeu um atencioso ar gélido levando seu vestido azul bebê contra as aberturas de suas pernas. Era um vestido confortável até. Era fofo e bonito, para sua sincerade era mais confortante que as peças que ganhava todo os dias em seu quarto, estava cansada de tanta roupa recebida, era muitas. Até tinha perdido a conta. Suspirou pesadamente assim que percebeu que ficou um tempo razoável alí grudada em seus pensamentos. Recusava-se em sair dalí, porém tinha que fazer contra sua vontade, dois guardas apareceram alí com armaduras tingidas à prata a fazendo se encolher.

Fora segurada pelos braços com pouca força e prensada contra a parede branca, elsa começava a soar frio, o quê eles iriam fazer com ela? Era só isso que vinha em sua mente. Paralizou quando viu o primeiro tirar o capacete, o ruivo sorria maliciosamente para a mesma que, se encolhia ainda mais chegando o corpo contra a parede assustada.

-Hans.... -Falou com a voz baixa e embargada. O ruivo apenas sorriu maldoso a virando de costas de frente para parede. Prendeu seus braços para trás com certa pressa e violência fazendo a mesma soltar um gritinho baixo. Seu corpo tremia violentamente sob o peso do maior.

O ruivo dispensou o outro guarda e finalmente estavam sozinhos. Elsa tentava se debater e falhou miseravelmente. O maior levou os braços da loira para cima e com a outra mão abriu seu vestido, assim que o abriu por inteiro ele mesmo trincou o fecho de sua calça botando seu membro duro para fora e elsa soltou um grito após ser abafado contra a parede.

Não tinha forças para lutar contra, estava imobilizada. Seu grito foi abafado novamente contra a parede assim que o membro do ruivo pairou em seu ânus o colocando totalmente dentro de sí. Sentiu as lágrimas quentes cairem freneticamente sobre seu rosto e seus olhos fechavam-se com força tentando acreditar que aquilo só era um terrível pesadelo e que, a qualquer momento estaria fora dele assim que os abrissem.

Sentia cada pulsação vinda debaixo, cada estocada que o ruivo dava era dolorosa, pois não sentia prazer algum . Queria vomitar depois daquilo, pois não parecia acabar nunca, era uma, duas, três estocadas e o ruivo ainda não havia acabado. Suas lágrimas debatiam-se contra o chão escuro e limpo, tremia-se incontrolávelmente.

Assim que as estocadas acabaram-se, sentiu um enorme peso sair de dentro de sí assim como seu líquido branco que foi jogado em suas costas nuas. Caiu ajoelhada sobre o chão e sua garganta coçava de tão seca que estava, seu rosto havia secado por conta das inúmeras lágrimas. O maior levantou suas calças e agachou-se ao lado da loira pálida, lambeu sua bochecha e sorriu malicioso.

-Eu poderia fazer você me dar um maravilhoso boquete, mas infelizmente tenho que voltar ao trabalho. -Sussurou risonho. Elsa que, parecia encarar o chão freneticamente, o olhou por míseros segundos, seu olhar emitia raiva, mágoa, tristeza e nojo.

-Oh, não me olhe assim, você sabe que eu não vou acabar resistindo.-Elsa o olhou mais uma vez e ele se irritou por sua petulância.-Quer saber?!.-Gritou.-Você vai me pagar um boquete daqueles!

Elsa se debatia e gritava até que ele deu um tapa em seu rosto, a marca de seus dedos ficaram marcadas na pele branca da garota. Ouviu outro guarda o chamando e ele a olhou novamente antes de ir embora.

-Escute-me bem, se contar alguma coisa se quer para aquele Principezinho de merda, você sofrerá as consequências.-Falou e saiu pela porta sendo seguido por outros guardas.

A loira decidiu-se rapidamente se lavar. Foi correndo pelos corredores e adentrou a sala de banho, entrou em uma das banheiras ainda chorosa pelo ocorrido e começou a se lavar, se debatia jogando água por todo o corpo, estava enojada. Lembrava-se de hans muito bem, ele não parecia ser tão rude com ela antes, mas depois ele simplesmente a maltratou. Sua respiração estava alterada e seu peito batia forte, estava soando dentro d'água.

Depois de ficar um bom tempo na imensa banheira de sais de banho, saiu pegando um pano enrolando-se nele. O tapa fora bem forte, e já como sua pele era tão clara, a marca dos dedos do ruivo ficaram expostas avermelhadas em seu rosto. 

Andou até o quarto e deitou-se. Ficara pensando como contaria pro príncipe sobre essa marca em seu rosto, ele iria ficar furioso? Ela nunca havia gostado de confusão ou brigas desnecessárias.

Seu peito doía, parecia levar um soco no estômago, estava tão abatida quanto já era. Seus lábios não haviam cor e olheiras tomaram seus olhos. Jack voltaria na manhã seguinte e se a marca não saísse? Sentia-se suja, suja por ter deixado isso acontecer, mas também o que ela poderia fazer? Não era mais forte que o ruivo. Se culpava a cada minuto por isso.

∞∞∞

O ruivo adentrou o quarto com passos firmes e parou assim que a viu sentada sobre a cama , com um sorriso cínico nos lábios.

-E então?.-Hans gargalhou ao olhar a expressão  da loira com dúvida, sentando-se ao lado dela e beijando seu pescoço alvo pela camisola fina e branca de um tecido leve e aconchegante.

-Está chorosa, fiz tudo que me pediu.-Suspirou rindo.-Uma mão lava a outra, e é exatamente isso que estou fazendo por você ter me livrado de morrer aquele dia.

- Ótimo, Que tal uma recompensa extra?.-Sorriu maliciosa o jogando pelo os ombros sobre a cama e sentando em seu quadril.

-Uma boa idéia.


Notas Finais


E ai, o quê acharam do capítulo?
Deixe nos comentários! ♡

Sinto muito por demorar, é por uma boa causa toda essa demora, pois assim que obtenho inspirações eu crio mais um capítulo novinho! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...