História A Escolha do Amor - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags A Escolha Do Amor, Ame Sem Medo, Escolha Amar
Visualizações 7
Palavras 735
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Sétimo ato da história, será que vai rolar beijo entre Leandro e Andreia?

Capítulo 7 - Ato 07 - Uma excelente companhia numa linda noite


Depois que acabou o culto, eu me levanto e saio do templo. Vou naqueles banquinhos perto das árvores e fico ali pensando: o que irá acontecer depois que esse retiro acabar? Léo não mora aqui em São Luís e quanto tempo ele vai continuar morando em Grajaú? Como vai ficar a minha relação com o Lucas já que eu deixei de amá-lo? Ah, foi melhor assim, acho que no futuro isso não irá dar certo. Meus pensamentos foram interrompidos por alguém me chamando:

- Andreia? - era Léo.

- Oi Léo, você me assustou.

- Desculpa, eu tava te procurando.

- Como eu não te achei, aliás, você estava conversando com Talyssa, vim aqui passar o tempo.

- Posso ficar aqui?

- Pode. - digo meio sem jeito.

Ele se sentou ao meu lado, e começamos a conversar. Ele ria sem jeito e eu também. Eu falava com ele sobre vários assuntos, até sobre futebol. Ele me pergunta qual time eu torço. Falei que é Vasco. Ele ficou surpreso.

- Nossa, pensei que você fosse flamenguista, você tem cara de ser flamenguista.

- Deus me livre! - começo a rir - e você? Qual é o time que você torce?

- Eu sou palmeirense.

- Sério? Pensei que você fosse flamenguista.

- Não mesmo - ele riu - pelo menos você não é corintiana.

Eu olho pra ele e começo a rir, ele também ri. Foi tipo eu e Steffany quando encerramos algum assunto. Olhamos uma para outra, e rimos uma da cara da outra, assim foi comigo e com Léo. Paramos de rir e trocamos olhares por um tempo. Eu sorrio e suspiro profundamente. Ele chega mais perto e me abraça, eu retribuo o abraço e depois deito minha cabeça no ombro dele.

- Eu me sinto tão bem quando estou ao seu lado - digo.

- Eu também minha linda.

- Esses quatro dias estão sendo ótimos pra mim, daqui a dois dias vamos voltar a realidade.

- Nem me fala.

- Quando você vai voltar para Grajaú?

- Minha linda, eu não sei, mas enquanto eu estiver aqui, vou aproveitar cada momento ao seu lado.

Tiro minha cabeça do ombro dele e o abraço. Nos olhamos por bastante tempo e aproximamos os nossos rostos. Será que ele vai me beijar? Tomara, queira Deus que sim. Mas o momento do quase beijo foi interrompido por Beto e Rayssa:

- Léo, já está tarde, vamos embora. - diz Rayssa.

- Tá bom Ray, já vou Andreia. - ele me abraça e beija meu rosto.

- Até amanhã Léo. - sorrio e aceno.

- Tchau Andreia - diz Rayssa.

- Tchau Ray, tchau Beto. - digo.

- Tchau. - diz Beto.

Léo foi embora e voltei para o meu quarto. Tomei banho e me vesti para dormir. Fui me deitar e nem falei com ninguém, porque meu sono está pesado demais.

No dia seguinte, acordei, meus olhos estavam ainda pesados. Levanto meio grogue e dou bom dia para todas.

- Bom dia, Andreia, acordou com uma cara. - diz Duda.

- Mermã, todos os dias são assim, acordo muito cansada, mesmo quando durmo bem.

- Estranho, muito estranho.

- Dheia, parece que você está dormindo em pé, acorda mulher! - diz Steffany.

Eu começo a rir e jogo meu travesseiro em cima dela. As meninas começam a rir. Fui me levantar pra tomar banho e escovar os dentes, mas antes disso, elas se levantaram e me abraçaram e quase me derrubaram. Depois, elas se afastaram e fui tomar banho e escovar os dentes.

Depois, fomos tomar café juntos, meninas e meninos. Pra dizer que não fiquei calada, eu ri de cada besteira que elas falaram. Mas não disse nada além de rir. Rayssa e Beto chegaram e se sentaram junto com a gente. Beto ficou me olhando e rindo da minha cara por conta do quase beijo entre eu e Léo. Eu apenas baixei minha cabeça, e depois fomos ao templo. Depois que acabou o culto, enquanto não chega a hora do almoço fui sentar naquele mesmo lugar em que estive ontem a noite. Chegou Steffany lá, e começou com as gaiatices dela.

- Ei, Dheia, eu vi você num maior clima romântico com Léo.

- Shiu! Abafa o caso.

- E aí, você já disse o que sente a ele?

- Ainda não, sinto que ainda não é o momento.

- Tá certa.

- Por enquanto é só amizade.

Encerramos a conversa e fomos pegar nossos pratos pra irmos a fila do almoço. Enquanto comia, pensava se esse relacionamento futuro é da vontade de Deus ou não, mas espero que sim, Deus é quem sabe.


Notas Finais


Poxa vida, pensei que ia rolar beijo, mas tudo tem seu tempo. E esse pessoal que não pode ver um homem e uma mulher juntos. Eu hein, não percam os próximos capítulos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...