História A Garota Nova...(Reescrita) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Colegial, Hentai, J-hope, Jimin, Jin, Jung Kook, Namjoon, Original, Sexo, Suga, Suspense, Taehyung, Triângulo Amoroso
Visualizações 34
Palavras 1.757
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Se tem uma coisa que nunca muda, é eu me enrolar pra postar cap
Serio
Desculpa
Kkkkk
Mas eu trouxe aqui um capítulo feito do fundo do meu kokoro pra vocês!
Espero que gostem!

Capítulo 2 - O grande jantar


-Merda! - Exclamo ao tropeçar de novo no corredor- Olha, se existir um prêmio para pessoa mais desastrada do ano, eu venço viu- Falo mexendo nos cabelos em frustração.

-Nada disso, eu ganharia de você de levada- Namjoon interfere.

-Oque você tá fazendo aqui o themonio? - Falo o olhando.

-Ah qual é Annica, está óbvio que ele veio pra te provocar.-Ana diz me cutucando e Namjoon sorri.

-Olha só, já basta eu ter que te aturar no refeitório, me deixa fazer minha digestão em paz-Falo apontando o dedo para o maior.

-Ah, qual é marrentinha- Ele me empurra pelo ombro.

-Tu me chamo de que? - Paro com tudo no meio do corredor, puxando Ana comigo já que nossos braços estavam enganchados.

-Marrentinha- Ele fala curvando o tronco para me olhar nos olhos com certo ar de zoação- Fazer oque se eu sou baixinha- bufo dando um peteleco em sua testa.

-tá querendo fazer uma visita VIP pro céu? Te dou uma passagem só de ida- Ergo a mão como se fosse bater no mesmo que se encolhe.

-Eu só digo que já shippo- Ana fala batendo palmas.

-Colocaram açúcar na sua grama hoje que você perdeu o único neurônio que tinha sua jumenta? - Falo a empurrando, Ana ria sem parar da minha situação.

-Nervosa ela- Namjoon ria junto e eu bufo, quando estava pronta para tirar uma basuca do centro do meu orifício anal para atirar neles, o sinal do fim do intervalo bate.

-Vocês foram salvos, mas na próxima vez, eu corto oque vocês chamam de pescoço... - Falo bufando e os dois riem- Além do pescoço eu corto outra coisa sua também o themonio- Namjoon cobre disfarçadamente a parte da frente da calça e eu sorrio jogando meu cabelo pro lado e seguindo para o corredor da sala.

(...)

O sinal para a saída finalmente bate, eu acordo meio atordoada de meus próprios pensamentos, levanto da carteira pegando minha bolsa e saíndo, assim que chego na saída vejo Ana acenar para mim com Namjoon do lado. É sério? Aquele cara vai estar em todo lugar que vá agora?

-Vamos? - Ana pula alegre me puxando pelo braço.

Em meio ao caminho Ana conversava com um garoto que se juntou a nós no caminho, o mesmo sorria para tudo que ela falava. Se eu empurrei ela em cima dele pelo menos umas três vezes no meio do caminho? Que isso... Pffff

-Humm sinto que estou esquecendo de algo... - Murmuro

-Oque? - Namjoon sai de seus pensamentos e me olha.

-Tava pensando alto-falo ainda com a sensação de estar esquecendo algo.

-Fala sozinha agora? - Ele pergunta

-Não, estou falando com meu amigo Jacinto, tá vendo ali aqui do lado não? - Aponto com a mão para meu lado esquerdo vazio que dava para a rua.

-Grosseira- Ele bufa com um leve bico.

-Brigada! - Falo de modo sarcástico, andávamos todos de boa quando um carro anda devagar ao nosso lado, Namjoon se aproxima para perto de mim na defensiva e vejo jimin( O garoto que eu grande sheroqui Roumes descobri o nome após ler em seu crachá da escola) fazer o mesmo com Ana, o vidro é baixado revelando alguns dos caras do clube de Basquete aonde Namjoon joga.

-Hey, você é a Annica não é? Que tal darmos uma voltinha en? - Eles lançam olhares maliciosos para minhas pernas descobertas pela saia curta do colégio. Quando estava pronta pra mandar um dedo do meio e sair andando, Namjoon intervém com a mão em meu ombro.

-Acho que ela não precisa de companhia além da minha Chanyeol- O garoto que até agora não sabia o nome revira os olhos erguendo o vidro novamente e saindo com o carro. Namjoon sorri vitorioso ainda com a mão sobre meu ombro.

-Ok... Agora me larga- Falo batendo três vezes em sua mão.

-Não - Ele fala sorrindo, estava pronta pra devolver quando outro carro para buzinando ao meu lado.

Mas que merda! Será possível que nenhum garoto consegue pensar que não é porque as meninas estão usando saias que elas vão dar pro primeiro que aparecer?

-Olha aqui eu... - Na hora que viro para falar com a pessoa do carro ao lado, consigo ver um único rosto...

-Ah... Oi pai

(...)

-Sério isso Annica Menato? Você não me disse estar namorando! E mal chegou na nova escola! Agora eu sei o porque você querer ter ido lá e... - Estendo a mão para o lado de maneira que meu pai parasse de falar.

-Primeiro pai, por favor, dirige que eu não quero morrer hj. Segundo, ENTENDA QUE EU NÃO ESTOU NAMORANDO NINGUÉM! - Falo berrando.

-Abaixa a voz pra mim! Hoje é um dia importante e não quero me estressar. - Ele exclama.

-E eu posso saber o motivo de tal importância? - Falo de modo que pudesse demonstrar meu profundo desinteresse e tédio.

-Simples, minha nova namorada vai lá em casa, sendo assim terá de se comportar e não agir como uma mal educada uma vez na vida! - Ele bufa.

-ATah, você sabe que eu sou sempre educada! - Falo sorrindo.

(...)

-Oi pessoa desconhecida que só está interessada no dinheiro do meu pai- Falo passando reto esbarrando no ombro na mulher que havia estendido a mão e ficou plantada com cara de idiota na sala, subo as escadas para tirar aquele maldito uniforme.

Coloco meu bom e velho moletom escrito "I'm your babygirl" apenas para irritar meu pai que odiava que eu usasse ele, coloco uma calça jeans rasgada para não dizer que estou mau arrumada para um jantar tedioso em que mais uma mulher tenta roubar meu pai.

Desço as escadas já recebendo um puta de um olhar que dizia "Conversamos mais tarde" do meu pai, sem olhar na cara da mulher me direciono a cozinha abraçando Marcia que parecia estar meio desanimada.

-OH meu bebê, porque você tá assim hum? - Falo e ela ri.

-Essa cena não deveria ser ao contrário? - Ela pergunta ainda rindo, me separo dela a encarando.

-Por que?

-Quem deveria estar chamando quem de bebe aqui era eu, e quem deveria perguntar se quem está bem era eu também- Ela explica e eu dou de ombros

-Você tá mudando de assunto! - exclamo.

-Nao é... - Ela começa a falar mais um ser de saltos e vestido vermelho lá no ânus entra na cozinha.

-Annica querida, seu pai está te chamando para a sala de jantar- Ela sorri e eu te viro os olhos.

-vai ter que fazer muito mais do que me chamar de querida- beijo a bochecha de Marcia e me dirijo a mesa passando reto novamente pela mulher.

-Me desculpe pela falta de educação da minha filha Daiana- Meu pai me lança um ar de reprovação sentando na mesa.

-Tudo bem querido, ela apenas não está preparada para alguém assumir o papel da mãe - Ela diz sorrindo para mim e eu bati na mesa. Meu pai me olha assustado.

-Você não vai assumir o papel de ninguém aqui, sabe por que? Porque eu não fui com a sua cara de putiane- Me levanto da mesa sem pedir permissão a meu pai subindo, consigo ouví-lo chamar-me várias vezes pelo nome mais não ligo em momento algum. Corro para meu quarto pegando uma foto de quando eu era pequena e minha mãe me segurava sorridente. Oque ela acharia disso? Uma mulher tentando roubar o lugar que era pra ser dela se a maldita doença não tivesse-a matado? A raiva que eu sentia naquele momento por aquela mulher lá em baixo era tanta que a vontade de chorar era maior que eu.

Deixo as lágrimas descerem pelo meu rosto e abraço a foto contra meu peito, a porta do meu quarto é aberta brutalmente.

-Olha aqui pai, se você pensa que eu vou pedir desculpas pra aquela- Sinto uma ardência em meu rosto repentina, encaro a mulher parada ao meu lado furiosa.

-Oque você pensa que está fazendo sua vadiazinha? Pensa que não reparei o quanto tenta estragar minha noite com seu pai? Eu não vim aqui pra ser humilhada pra uma bastarda feito você, saiba que seu pai e eu estamos juntos e não há nada que você possa fazer, sabe por que? Porque eu serei a mulher que a coitada da sua mãe nunca foi capaz de ser- Me levanto diferindo o mesmo tapa no rosto da megera.

-Minha mãe pode estar morta, mas não vou deixar você falar de alguém que nem ao menos está aqui para se defender, se meu pai quer ficar com você, tudo bem, mas não pense que vá conseguir algo comigo. Por que se eu quisesse me envolver com piranhas, eu entrava em água doce. - Passo esbarrando por ela novamente descendo as escadas, minha raiva estava maior que tudo e as minhas lágrimas voltavam a descer, passo por Márcia sem que ela me veja, caminho até a portaria pedindo para que César abrisse o portão, ele não me questiona e simplesmente abre. Assim que saio esbarro de cara com uma pessoa.

-Desculpa- Falo me afastando e abaixando a cabeça enxugando as lágrimas disfarçadamente.

-Parece que só nos encontramos em desastres, e essa é a primeira vez que você me pede desculpas. - Levanto o rosto vendo Namjoon sorrindo para mim, mas assim que repara na minha situação fica sério se aproximando.

-Você tá chorando? - Ele me pega pelo ombro, mas o empurro.

-Me deixa namjoon- Falo, mas o mesmo segura meu braço de novo me colando contra seu peito.

-Oque você tá fazendo? - Pergunto confusa pelo ato repentino.

-Nem eu sei... - Ele diz me apertando mais, por mas que eu não fazia ideia de quem era aquele idiota que eu mal conhecia, aceitei o abraço, pois era com certeza, o que eu precisava no momento.

-Annica?! - Meu pai sai correndo pra fora de casa olhando para os lados atrás de mim.

-Só acho que você não quer voltar pra lá, então vem. - Ele me puxa pelo pulso e eu corro ao seu lado para longe de casa, meu pai não me viu correr então não veio atrás.

(...)

Chegamos ao parque da cidade, Namjoon me puxa até um lugar alto aonde havia uma linda cerejeira, ela era grande e caia folhas por conta do inverno. Assim que andamos mais para frente olho para baixo vendo carros se preparando para correr, com garotas bonitas- Se lê oferecidas, já que eu com um moletom enorme tava com frio, elas então de short lá no cu, não diriam o mesmo- sorrio para Namjoon que me chama com a mão para segui-lo.


Notas Finais


Bye bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...