História A garota que mudou minha vida - SaTzu - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias TWICE
Personagens Sana, Tzuyu
Tags Sana, Satzu, Twice, Tzuyu
Visualizações 94
Palavras 1.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - Fim de SaTzu?


Minha omma passou a nos visitar frequentemente,era estranho.

- Filha! - Hyuna me chamou e eu fui até ela,coloquei as mãos no bolso do casaco preto e me joguei no sofá. - Posso te perguntar uma coisa? - Assenti e ela continuou: - Me perdoa?

- Pelo o que exatamente? 

- Tudo. Por ter te expulsado de casa,por ter brigado com seu pai na sua frente naquele dia e...

- Hyuna. - Interrompi - Você não sabe o quanto doeu ser expulsa de casa pela mesma mulher que me pôs no mundo. Eu fiquei tão mal,imagine.

- Eu errei. Errar é humano.

- Eu sei que errar é humano. Mas por uma parte foi bom para você já que se livrou de um peso nas suas costas.

- Eu amo você,Tzuyu - Suspirou e me olhou - Agora,esqueça dos seus problemas,esqueça da pirralha chata e vamos nos divertir. 

- Espere...O que você disse,Hyuna? - Queria que ela repetisse para eu ter certeza do que ouvi. - Que eu esquecesse da pirralha chata? - Como se tivesse vontade própria minha mão foi ao encontro de seu rosto.

- O que você fez!? - Ela levou sua mão até sua bochecha esquerda que estava vermelha - Eu continuou sendo sua omma,Tzuyu! 

- Soo-an continua sendo minha filha, estando aqui ou não. - Umas lágrimas rebeldes insistiram em cair - Vai embora daqui,por favor.

Ela me olhou como se quisesse me matar pelo olhar,passou por mim e saiu.

[°]

Seis horas da noite e Sana não tinha chegado,normalmente ela chega as cinco.

Comecei a ficar preocupada,andava de um lado para o outro e roía as unhas.

Onde será que ela estava?

Tentei inúmeras vezes ligar para ela e só dava caixa postal. As horas foram passando, a preocupação aumentando e nada de Sana chegar.

Naquela noite eu não jantei,não consegui dormir nem por um minuto.

Por volta das uma da manhã ouvi batidas na porta,batidas fortes,parecia que a pessoa do outro lado queria derrubar a porta.

Levantei pedindo a Deus que fosse Sana,girei a chave e abri a porta. Não era ela...

- Jackson? - Estreitei meus olhos e ele sorriu fraco. - O que você quer uma hora dessas?

- O assunto é sério, envolve a Sana. - Seu sorriso desapareceu e ele ficou com uma expressão séria. 

- E-Entre. - Dei espaço para o garoto entrar,assim que fez isso fechei a porta.

- Olha,eu não vim fazer você brigar com Sana mas eu preciso te contar. - Respirou fundo e continuou: - Eu estava numa boate  não muito longe daqui e vi a Sana lá...Ela estava bebendo descontroladamente e beijava todas que estavam a sua frente. - Meu coração errou uma batida,demorei um momento para processar tudo o que eu acabara de ouvir. - Ela envolveu-se em uma briga com um garota porque estava aos beijos com a esposa dela e - Ele ficou calado e olhou para mim.

- E...? - Meus olhos estavam cheios de lágrimas,deixei que todas elas escapassem - Fale,por favor.

- Como Sana estava muito bêbada não conseguiu se defender, eu tentei passar por todas aquelas pessoas mas sempre que tentava eu era empurrado para trás. Ela apanhou muito e foi levada para o hospital.

Puta que pariu,hein. Por que essas coisas ruins tem que acontecer comigo?

- Q-Qual hospital? 

- Eu te levo,vamos - Tranquei a porta quando saimos e entrei no seu carro. - A outra mulher foi levada para a delegacia,não teve nenhum ferimento diferente da Sana.

Fiquei calada e encostei minha cabeça na janela.

- Acho que eu seria mais feliz se eu não a tivesse conhecido. - Pensei alto.

- Como assim?

- Hãm?Nada,só estava a pensar alto.

- Tudo bem,estamos quase lá.

[°]

Estavámos na recepção,ai Deus como eu odeio hospitais!

Ninguém nos dava notícias sobre Sana.

- Doutor. - Jackson se levantou quando viu um médico aproximar-se de nós. 

- A senhorita Sana está bem. - Ele sorriu - Podem entrar na sala,se quiserem - Assentimos e o homem saiu de lá.

- Você vai entrar,Tzuyu? - Balancei a cabeça,afirmando - Eu vou com você.

Entramos e Sana estava acordada observando cada canto daquela pequena sala.

- O que aconteceu? - Ela perguntou e eu a ignorei,eu só estava ali por estar mesmo mas não queria falar com ela.

- Longa história Sana,fique calada e quieta que é melhor. - Jackson disse e sentou- se na outra poltrona que tinha na sala.

- Minha cabeça está doendo. 

- Mais um motivo para ficar calada.

Então um silêncio invadiu o cômodo, não era um silêncio agradável, pelo ou menos não para mim.

A minha vontade era bater na Sana,arrancar-lhes os cabelos e quebrar todos os dentes! A raiva estava a me consumir aos poucos.

[°]

- Obrigado, Jackson-  Ele deu-me um abraço e um beijo na bochecha.

- Por que eu estava no hospital?Por que o Jackson estava lá? - A mais velha falou quando eu fechei a porta e sentou-se no sofá.

- Você é ridícula, Sana! Nem imaginas a vontade que eu estou de te bater até tu irdes novamente para o hospital.

- Hãm?O que eu fiz? - Estreitou os olhos como se estivesse a tentar se lembrar de algo.

- Bebeu pra caralho, beijou todas e se envolveu numa briga por ter ficado com uma mulher casada. Só isso! - Meu tom de voz aumentou e a raiva acabou por me consumir.

- E-Eu fiz isso...?Me desculpa. - Encarou o chão. 

- Olha,eu não quero brigar com você,então tchau.

- O quê?

- Acabou,Sana. Simplesmente acabou. - As lágrimas inundaram meus olhos. 

- Como assim?Você não pod...

- Posso! - Interrompi ela e fui para o quatro,joguei minhas roupas dentro de duas malas e logo terminei. - Adeus.

- Por favor,amor não faz isso.

- Não me chama de amor. - Puxei as malas com dificuldade até a porta e sai.

Eu não sabia para onde ir,eu não tinha para onde ir.

Nunca que minha omma deixaria eu ficar na casa dela.

Nayeon se casou com Jihyo e elas se mudaram para Daegu. 

Dahyun não fala mais comigo porque acha que eu guardei rancor dela por conta do acidente que aconteceu com Soo-an. 

Mina,Momo,Chaeyoung e Jungyeon estão viajando. 

Vou ficar na rua?É isso mesmo?

Eu não tinha mais lágrimas para chorar.







Notas Finais


Gente
Imaginei a minha bebê Tzuyu querendo espancar alguém.
Imaginei a Sana,aquela coisa fofa,beijando todas e brigando.
Ahhh, essa minha imaginação.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...