História Alive ✿ VHope ✿ [BTS] - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Originais
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtanboys, Bts, Vhope
Visualizações 431
Palavras 5.003
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


IMPORTANTE: Leiam as notas finais do capítulo okay??!!!!

°•°•°

Boa leitura..

Capítulo 24 - Chapter 23


Kim Taehyung Pov's


– Min Yoongi? – Questionei confuso com sua presença. O que diabos ele estava fazendo aqui?

– Olá Taehyung... – Disse com seu típico tom seco.

– Por que está aqui..? – Ele sabia que eu estava aqui? Onde está Hoseok? – Veio visitar alguém? – Perguntei. Okay, eu estava realmente nervoso.

– Eu lhe tirei daqui, não está óbvio? Bem... Tecnicamente eu já que sua mãe quem assinou o papel?

O que?

Como ele sabia?

Por que minha mãe sabia?

Minha boca se abriu para dizer algo mas parecia ter uma bolha em minha garganta, eu não sabia o que sentir ou pensar, era como se minha mente tivesse nublado completamente.

Que merda ele havia feito?!

-– Eu tenho que conversar contigo Taehyung então venha comigo. – Ele simplesmente se virou enfiando as mãos no bolso, me largando sem uma se quer resposta.

– Onde está minha mãe Yoongi?! – Questionei nervoso o seguindo para onde quer que estivesse indo.

– Vamos conversar na cafeteria.

Okay. Eu estava tenso e algo parecia arder em minha garganta.

Deus eu queria bater nele.

Eu não disse mais nada, apenas segui seus passos e saímos daquele bloco, logo indo parar no restaurante, ou cafeteria daquele lugar.

– Eu não quero comer Yoongi. – Disse sentado na cadeira em quanto o observava olhar o cardápio calmamente. - Eu quero saber... Quem lhe deu o direito de contar a minha mãe.

– Ninguém. – Soltou o cardápio na mesa me fitando e sorriu ladino por um breve segundo, logo voltando ao seu semblante sério. – Você é um garoto bem problemático. – Respirou fundo rolando os olhos.

Yoongi tinha uma aura tão arrogante, isso definitivamente me irritava.

– Não se preocupe ela está bem. - Desviou os olhos para algum lugar aleatório daquele restaurante, logo voltando a prestar atenção em mim. – Você fez um grande drama para não contar a ela, como se ela fosse te exilar por isso. – Estalou a língua.

– Eu não queria preocupar ela. – O encarei sério. – Já tem muita coisa para ela lidar. – Puxei uma folha de guardanapo apenas para ter algo movendo nas mãos, eu me sentia levemente ansioso, meu raciocínio parecia ainda mais lento também.

- Taehyung, eu prometo, ela está bem. - Suspirou tirando o papel de minha mão me fazendo fita-lo confuso.

Eu não disse nada, tudo que queria era sair dalí, ver minha mãe, Hoseok e os outros garotos. Por que as coisas tinham que ser tão complicadas?

– Yoongi eu quero ir para casa. Por que me arrastou até aqui? – Disse com a voz lenta. Definitivamente eu estava meio grogue.

– Eu quero falar sobre Hoseok. – Iniciou a fala finalmente despertando meu interesse.

Yoongi nunca foi próximo a mim. O que era isso de repente? E sobre Hoseok?

– O que tem ele? – Questionei curioso.

– Você ama ele? Soube que estão namorando. – Soltou indo direto ao ponto.

– Por que essa pergunta de repente? - Franzi o cenho com a tamanha intromissão. – Hoseok lhe contou..?

- Claro. - Suspirou. - Eu preciso saber Taehyung, me responda. - Ele tinha um semblante sério e isso era meio assustador, eu não o conhecia tão bem mas... Parecia que a qualquer momento ele me mataria.

– Eu não te devo respostas. – Não é que eu não queria responder... Eu apenas senti vontade de testar sua paciência.

Que claramente não era das maiores já que desferiu um tapa na mesa me dando um leve susto.

– Dá para parar?! Que merda! - Reclamou me encarando com certa raiva.

– Yoongi, sinceramente, eu realmente não lhe devo uma resposta. Mas sim, eu o amo, eu realmente amo Hoseok. – Manti meu olhar sério a cada palavra que dizia.

Ele não respondeu, apenas balançou a cabeça de forma concordativa em quanto olhava outro canto.

– Taehyung... – Voltou a me fitar. – Hoseok já sofreu muito por um cara no passado. – Ele sorriu fraco, um sorriso claramente triste e deprimente – Por favor não quebre o coração dele, ele não merece isso.

Yoongi me olhava com tanta sinceridade que você duvidava se era o mesmo cara que lhe dava uma patada a cada cinco minutos. Ele realmente se preocupava com Hoseok... Mas.. Eu estava surpreso. Hoseok sempre me pareceu uma pessoa fora de relacionamentos sérios, desde a primeira vez que o conheci parecia uma pessoa extrovertida e não compromissada em todo sentido da palavra. Uma pessoa que era levada pelo mundo.

Claro, quando o conheci melhor essa impressão mudou, Hoseok era romantico e carinhoso, apesar de seu fetiche aquilo não afetava sua personalidade, não era como se aquilo lhe fizesse uma pessoa grossa, Hoseok era cuidadoso e compreensivo.

É... Eu o amava.

Mas eu realmente pensei que Jung Hoseok não era alguém que costumava ter relacionamento sérios, até porque, essa foi uma das minhas maiores inseguranças quando eu – talvez um pouco precipitado – o pedi em namoro aquele dia.

– Yoongi... – Sorri fraco também com certa tristeza. – Eu sou um desastre. – Ri sem ânimo. – É como se eu me quebrasse e levasse alguns comigo. – Suspirei. – Hoseok me faz tão bem.. – Abaixei o olhar sentindo uma aflição interna me consumir. – Eu não quero machuca-lo e vou me esforçar para isso... A última coisa que eu quero é quebrar uma das poucas coisas que me fazem bem.

– Você é um bom garoto Taehyung. – Sorriu mínimo. – Faça seu melhor, cuide da sua mãe e não volte pra esse lugar. Hoseok quase enlouqueceu.

– Não era pra isso ter acontecido. – Respirei fundo passando a mão no rosto. – Ele sabe que eu saí..?

– Não.. Estávamos na casa do seu pai com a médica loirinha mas eu vim pra cá.

– Meu pai? – Franzi o cenho me perguntado porque além de Hoseok, Yoongi e Lisa também estava lá.

– Ah.. É que Hoseok tinha ido mais cedo antes, mas digamos que não deu certo... Achamos que quem sabe uma médica do hospital não o convenceria.

- Entendi... - Eu pude sentir meu coração apertar.. Fazia tempo que eu não falava com meu pai... Ele soube que eu estava aqui e ainda assim não me visitou e muito menos me ligou. Ou talvez eu esteja sendo dramático.. Isso machuca de qualquer forma... É como se eu tivesse sido esquecido.

- Eu não sei bem sobre essa situação e de qualquer forma... Eu não vim para falar disso.

- Yoongi.. - Chamei brincando com meus próprios dedos, era impossível ficar quieto. - Você pode me falar sobre esse ex do Hoseok?

É eu perguntei, não sei se tinha coragem o suficiente para perguntar diretamente a ele, ou talvez ele nem se quer me responderia e sim, eu estava curioso, talvez para saber quem era a pessoa ou quem era capaz de machucar Hoseok assim.

- Eu não acho que essa possa ser uma pergunta respondida por mim. - Me olhou soltando o guardanapo que arrancara de mim.

- Não sei porque pensei que você me responderia. - Suspirei cansado da situação.

- Converse com ele Taehyung, isso é algo que fortalece a relação de vocês principalmente em confiança. - Dizia com um tom relativamente frio, porém era nítido sua leve preocupação.

Digamos assim que eu estava surpreso, Min Yoongi, no pouco tempo que o conheci me passara a impressão de alguém sarcástico no mínimo 98,8% das horas do dia. Era surpreendente como ele demonstrava afeto por Hoseok.

Tanto que até me fazia questionar uma pouco seus sentimentos.

- Você deve estar achando que eu gosto do Hoseok né. - Questionou me analisando. Caralho ele lê mentes?

- Eh... - Desviei o olhar aleatoriamente me sentindo levemente constrangido e assim pude ouvir um riso mínimo vindo do de cabelos pretos.

- Hoseok é como um irmão pra mim. - Riu de soslaio. - Eu me importo com ele e é uma das minhas poucas famílias. - Suspirou apoiando o queixo na mão que tinha o cotovelo como apoio. - Ele também me ajudou em certas.. Enrascadas... - Riu fraco novamente.

Por que eu tinha a sensação de que isso envolvia Polícia?

Só um palpite mesmo. Parecia ser a cara dele.

- Então relaxe, eu não sou mais um cocorrente. - Riu me encarando.

- Mais um concorrente? - Franzi o cenho confuso. - Como assim?

- Taehyung.. Você tá ligado que o Hoseok é tipo aqueles típicos playboys riquinhos de fanfics clichês não é? - Sorriu de lado.

- Ya quem se importa, eu que namoro com ele. - Virei o rosto com uma falsa falta de importância. Yoongi riu de mim. Desgraçado.

- Eu tenho que ir. - Sorriu com seu típico cinismo se levantando. - Se você machucar Hoseok ele não vai ser o único machucado nessa história. - Ele continuava com aquele sorriso em quanto me ameaçava. Min Yoongi é assustador. - E eu nem estou falando apenas emocionalmente. - Sorria com certa falta de importância. - Até mais pirralho. - Acenou se afastando da mesa até ir embora.

Eu permaneci alí sentando, sem saber o que fazer. Ele realmente me ameaçou?!

[...]

Eu falei com minha mãe. Definitivamente foi complicado falar com ela, ela estava mais chateada de mim ter tentato ocultar isso dela do que ter sido internado naquele lugar pois sabia que eu não precisava.

Mas não é como se ela não tivesse se preocupado com o fato de mim ter ido para lá, considerando seu choro que apertou meu coração de forma horrível. 

Eu tinha que ver minha mãe morrer e ainda chorar por seu filho ser um merda.

Eu devia agradecer diretamente a Min Yoongi. Sinceramente eu podia esperar mais um pouco naquele lugar mesmo que eu tivesse alguns leves surtos ou aquele médico continuasse apertando meus braços. 

Definitivamente era melhor que sobrecarregar minha mãe. Eu não queria isso, eu não queria ver isso, eu não podia vê-la assim. Por que ela simplesmente não aceitou o maldito tratamento? 

Eu pensei que iria conseguir aceitar isso bem e apenas fazer meu melhor para cuidar dela... Mas isso dói. Apenas nessa visita eu nem sei o quanto chorei, chorei ao vê-la chorando por mim, chorei ao implorar para que aceitasse o maldito tratamento.

Mas é só que, simplesmente não há cura que ajude seu estado. Não em seu grave estágio.

São nesses horas que o pensamento de desistência de tudo me invade. 

Eu me odeio por isso, ser fraco numa hora que eu devia suportar o que vier. Você tem ideia do quão horrível é se sentir impotente a qualquer coisa que o mundo jogar em você? 

Não suportar a queimação e dor no peito de uma dor emocional, como se algo lhe esmagasse de dentro para fora e sua cabeça tem o dobro do peso comum.

É simplesmente insuportável. 

... 

Respirei fundo sentado no banco de uma praça qualquer que eu havia parado logo após sair do hospital, estranhamente meus olhos queimavam insistindo para chorar. 

Mas não é como se eu estivesse segurando o choro, eu apenas não conseguia, eu tinha vontade mas.. Eu não sei, me sentia agonizado e aflito desde que saí do quarto de minha mãe e logo depois de ouvir de um médico que minha mãe tinha alguns meses, talvez semanas. Eu nunca me senti tão.. Desnorteado.

Eu também não falei com Hoseok. Parece que ele nem se quer sabia que eu tinha saído, meu celular estava sem bateria já que não o desligaram após me prenderem por uma semana. 

Eu também não falei com Jin e nem Namjoon que deve estar pensando que abandonei a faculdade. 

Eu também não sei se Jimin e Jungkook reataram devido àquela confusão.

Eu mal sei a rua que estou.


- Taehyung? - Uma voz me chamou chamando minha atenção, eu olhei lentamente suspirando. 

- Jimin...

- Aonde você estava?! - Caminhou em passos rápidos até mim ficando a minha frente. - Você sumiu uma semana inteira, não foi pra aula e nunca estava em casa. 

- Ah.. - Tombei a cabeça para o lado suspirando novamente e finalmente o olhei. Eu não sabia o que dizer. 

- Você parece cansado. - Fitou cada detalhe do meu rosto. - Tae você esta bem..? Hm.. Jin me contou o que aconteceu... Com sua mãe.

- Eu não diria bem... - Ri sem o mínimo ânimo. - Mas eu to seguindo.

- Aish... - Suspirou. - Onde você esteve? Por que parece tão cansado? 

- Ya... Eu.. Aish, me internaram naquela droga de hospital novamente.

- Espera, que?! - Se sentou ao meu lado me olhando bruscamente.

- Eu não quero falar disso Jimin... Eu fiquei uma semana por lá..

- Taehyung você foi internado!

- Eu sei caramba mas eu não podia ficar lá, não com minha mãe assim! - O olhei quase em desespero. – Não é como se eu estivesse pouco me importando comigo, eu não quero ficar como antes mas... Eu não poderia ficar lá nesse estado.

- Tudo bem... Vamos falar disso depois.. Aish.. Ahm.. - Jimin parecia mais perdido do que eu. - Você já foi para casa? Falou com o Jin e o Nam hyung?

- Não.. Eu tenho que falar com Hoseok também... - Murmurei olhando a rua movimentada por ainda ser dia. 

- Hoseok? Pra quê? - Questionou confuso.

É mesmo, ninguém sabia de nosso namoro a não ser que Hoseok tivesse contado. 

O que parece não ter acontecido.

Definitivamente eu não estou afim de explicar nada.

- Ah.. Esqueça... Eu vou.. Eu não sei o que vou fazer na verdade. - Suspirei pesado sem o mínimo ânimo. 

- Você quer ir para casa? - Perguntou se levantando do banco e me olhando. 

- Eu acho que vou passar na casa do Jin.. Namjoon deve estar lá, considerando como eles são vão pensar que estou morto. - Disse cansado me levantando.

- Quer que a gente vá?

- Não pr.. Espera.. A gente? - Franzi o cenho.

- Jungkook está comigo. - Sorriu fraco. - Ele tinha ido pagar um homem que devia e eu fiquei por aqui.

- Vocês estão bem novamente então? - Encarei o loiro de forma esperançosa.

- Eh.. Sim. - Disse coçando
a cabeça. - Ele vem aí por falar nisso. - Disse olhando para o outro lado da rua sorrindo fraco.

Me virei olhando e lá estava ele, vindo em quanto mexia na carteira de couro marrom, ele ainda não havia me visto. 

- Jimi... Tae hyung! - Disse ao finalmente olhar para frente me notando alí.

- Kookie. - Jimin sorriu ao ir para o lado do maior que me fitava confuso. - Vamos acompanhar Taehyung na casa do Jin, hm? 

- Eu não quero atrapalhar o encontro de vocês. - Sorri mínimo fitando Jungkook que parecia visivelmente constrangido, confuso e com uma expressão preocupada.

- Mas... Onde esteve Taehyung? - Questionou guardando a carteira no bolso, olhando rapidamente para Jimin, logo voltando a mim.

- Aish.. - Suspirei. 

Eu não queria falar disso, me diga, o quão divertido parece ser dizer que você ficou uma semana num hospital psiquiátrico?

Jimin claramente percebeu meu desconforto.

- Jungkook eu te explico depois. - Jimin agarrou o braço do maior o puxando para si.

- Tudo bem.. - Concordou confuso me olhando.

Jungkook ainda parecia incomodado com aquela noite.

É, eu também estaria se tivesse dado um chilique por não querer uma transa a três.

Trágico porém cômico. 

- Nós vamos para a casa do Jin? - Jeon perguntou coçando a cabeça. 

- Não precisa ir comigo.. Eu posso pegar um táxi. - Sorri fraco. 

- Ya nós vamos com você sim Taehyung. - O loiro rolou os olhos indo até o meio fio da calçada, talvez na tentativa de chamar algum táxi já que fazia sinal com a mão. 

Eu apenas observei sem contestar, sabia que sendo meus amigos não me deixariam fazer nada sozinho por mais que eu implorasse. 

E foi nessa pequena distração de pensamentos que senti uma mãos em braço, apertando com delicadeza.

Era Jungkook. Ele tinha a cabeça levemente abaixada.

- Hyung... - Chamou com a voz um pouco mais discreta olhando para o lado, vendo que Jimin estava distraído atrás de um táxi.

- Eh..? - Franzi o cenho confuso com sua atitude repentina, por que todo esse sigilo..?

- Você está puto comigo? - Perguntou sério me olhando. Ele se referia a aquela noite, a noite que nós três nos beijamos e quase transamos juntos.

Deus, isso me da pesadelos de lembrar. Não que eles fossem ruins... Jungkook e Jimin por mais que eu odeie admitir eram gostosos, dois pecados andantes.

Mas eles praticamente cresceram comigo. 

Era algo totalmente estranho e fora do meu alcance, definitivamente algo que nunca rolaria, porque eu não conseguiria, seria o mesmo que me imaginar chupando meu irmão.

Se eu tivesse um, claro.

- Por que eu estaria Jeon? - Perguntei sorrindo suavemente. Mesmo que eu não estivesse em meu melhor humor.. Eu não queria fazê-lo pensar que tinha algo a mais para se resolver nesse evento. 

Afinal sua preocupação maior deveria ser em manter a confiança do Park intacta.

- Não sei.. Eu só precisava saber. 

- Jungkook.. - Me virei pra ele antes notando Jimin dando pequenos pulinhos para tentar avistar um dos carros. - Você é um homem adulto já, bom, eu acho né. - Me olhou torto. - Enfim, seja mais confiante se não vai pegar meu primeiro lugar de insegurança. - Ri fraco. - Concentre-se em manter Jimin por perto, eu já esqueci aquilo, apague isso você também... Sua tensão pode ser interpretada completamente arrada. - Apontei para Jimin de leve com a cabeça.

Jungkook ia dizer algo, apenas abriu a boca mas logo fora interrompido por um baixinho loirinho nos chamando para entrar no carro.

- Venham logo imbecis. - Chamou já entrando. Delicado ele.

Sem contestar eu dei uma rápida fitada em Jeon e segui para entrar no carro assim como ele. Eu estava em silêncio, sem o mínimo ânimo para uma conversa, Jungkook parecia mais relaxado depois de nossa breve conversa mesmo que não tivesse terminado sua fala. Isso era bom, estava segurando a mão de Jimin, brincando com seus pequenos dedinhos. 

O caminho não durou mais que dez minutos, estávamos parando em frente a casa de Jin. Saímos do carro e Jimin novamente insistiu para pagar o táxi e o que eu fiz? O completo sacrifício de não gastar do meu dinheiro. 

- Não acredito que vocês pararam o encontro de vocês só para me trazerem aqui... - Murmurei.

- Ya não era bem um encontro assim. - Riu fraco. 

- Na verdade era sim. - Jungkook disse rindo. 

- Você só tá me fazendo me sentir culpado. - Franzi o cenho o encarando.

- Jeon. - Jimin repreendeu rindo de nervoso.

- Relaxa. - Riu em quanto apertava a campainha de botão prateado. - A gente tinha que dar uma vinda aqui também.

- Aish. - Murmurei.

- Taehyung seu desgraçado!! Mas que, puta que pariu? - A voz de Seokjin soou alta e clara e foi só aí que notei que ele já havia aberto a porta. 

Seu foco estava totalmente em mim... Really? Eu apenas sumi, eu não morri ainda, e por que diabos ele está me xingando?!

Ele abriu a boca como se fosse dizer algo e olhou para trás.

- Por que está aqui? E agora? Você não tinha qu... Aigoo! - Perguntou, afirmou, sei lá, bem confuso. Espera... Ele sabia? Ele sabia onde eu estava?!

- Ahm? - Franzi o cenho sem entende-lo.

- Jin, caralho eu tava falando contigo. - A voz surgiu por trás de Seokjin, daqui eu pude sentir o susto do mais velho pelo pulo que dera e a cara de pavor que formara.

Eu também estava assustado. Não, acho que surpreso na verdade. Afinal, por que caralhos Hoseok estava bem alí??? E o pior, por que ele parecia tão puto da vida?

- Taehyung?! - Fraziu o cenho me encarando surpreso. - Como.. Como você está aqui?! - Praticamente voou naquela porta tirando Jin que ainda estava surpreso, de sua frente.

- O que.. Tá rolando? - Jungkook perguntou do nada, obviamente sem entender nada porque pelo que parece, todo mundo já sabia o que tava rolando. 

- Ah.. Eu.. - Eu não sabia o que dizer, Hoseok parecia tão puto que eu me sentia como se tivesse feito algo errado. 

Além de não ter ligado pra ele assim que saí, mas isso a gente releva, eu não tinha bateria, quem usa orelhão hoje em dia?

- Quando você saiu daquela porra de lugar. - Caminhou quase queimando o chão com a força que vinha. - Taehyung!! 

Atrás dele eu pude ver Namjoon vindo em direção a porta, ele tinha um olhar calmo, não disse nada apenas puxou o braço de Seokjin para dentro de casa, assim chamando os dois garotos que estavam ao meu lado também para dentro. Hoseok já estava de fora, à minha frente.

Okay, abandonado com uma fera prestes a me atacar.

Hoseok ainda me fitava como se esperasse alguma resposta de mim. Ele estava pegando fogo e eu não estava entendendo sua irritação. 

- Eu saí hoje... - Disse com a voz acuada. - Agora a pouco..

- O que?! - Perguntou confuso. 

- Yoongi contou para minha mãe e ela assinou. - Disse o olhando, porém agora sério, afinal se Yoongi sabia era por que um certo alguém contou. 

- Espera QUE? - Disse ainda mais surpreso, ou puto, não sei. - Yoongi? Aquele filha da puta? Ele fez o que? Desgraçado. 

- Eu pedi pra você não contar... Mas acho que todo mundo já sabe.. - Murmurei baixo suspirando. 

Hoseok me fitou, franziu o cenho, ponderou e respirou fundo.

As vezes eu esquecia que Hoseok tinha uma forte tendência a brutalidade. Eu acostumei com sua doçura... Ele não me bateria né? Estou rindo mentalmente de nervoso.

- Taehyung, você mesmo sabia que era um segredo difícil de manter. Me diga, como eu poderia sozinho, tirar você de lá sem ninguém? – Ele início a falava com um tom falsamente calmo. – A não ser que quisesse que eu desse um suborno pro Hospital, era isso que queria? Eu odeio essas coisas Taehyung!  – Ele começou a frase falsamente calmo mesmo, mas agora, mais parecia que estava gritando comigo pelo seu tom alto, sim, de novo.

Eu fiquei em silêncio, não disse nada porque não havia nada a dizer, Yoongi foi intrometido mas eu saí de lá, a reação da minha mãe foi ruim mas não tanto quanto eu pensava para afetar sua estabilidade, eu sei que ela não reagiu tão bem assim, mas no final, eu quem havia sido o mais afetado psicologicamente.

– Isso foi estressante.. Foi estressante pra caralho, ver você naquele lugar estava me tirando do sério. – Falava com um tom de voz mais baixo, se virando de costas para mim, passando a mão no rosto e no cabelo preto. 

Em quanto isso eu estava congelado, apenas o fitando de costas em silêncio. Engoli em seco e dei passos leves e lentos até o homem que usava camisa preta, eu não sabia bem o que fazer então apenas cheguei perto o suficiente e enfiei minha mão entre o buraco dos braços que formava ao ele por as mãos na cintura. Pude sentir seu corpo tensionar em um pequeno susto. 

Eu o abracei.

E alí seu corpo relaxou, tirando as mãos  da cintura em quanto eu abraçava seu corpo, sentindo o calor de nossos corpos juntos. Ele não disse nada, apenas senti seu suspiro e segurou minhas mãos que lhe abraçavam. 

Eu enfiei meu rosto na curvatura de seu pescoço, sentindo seu cheiro natural, misturado com o perfume levemente amadeirado e caro. Hoseok arrepiou-se ainda em silêncio e agarrou minhas mãos que lhe abraçavam, as tirando dalí para que se virasse para mim, ele fitava meus olhos profundamente ficando extremamente próximo, próximo o suficiente para que colasse sua testa na minha.

– Eu sei que foi uma semana mas... Eu senti sua falta. – Disse quase susurrado. – Por que você fez eu me apegar tanto a você? Que droga.. Literalmente. – Mumurou num riso fraco, quase inaudível. 

– Aish... Você quem me beijou naquela porcaria de festa. – Disse.

– Foi um ótimo beijo apesar daquilo. – Sorriu com os olhos fechados. 

– É... Acho que sim. – Resmunguei lembrando da minha situação depois daquilo. 

É o beijo foi ótimo, eu havia adorado mas minha mente insistiu em negar aquilo naquele dia. 

– Taehyung.. – Hoseok me soltou me olhando com o semblante um pouco mais sério, despertando uma certa preocupação em mim. Ainda estava realmente próximo de mim. Suas mãos foram deslizando para meus ombros e um sorriso fraco se formou em seu rosto novamente. – Aquele dia no hospital..

Ah o dia que eu imprudentemente o pedi em namoro. E não eu não me arrependo.

Somos namorados, uau, eu havia esquecido. 

Mentira eu estava ansiando para falar disso, apenas não sabia como.

– O que tem.. – Questionei com certo medo de sua fala. 

– Você estava falando sério não é? Sobre o namoro, e sobre o que sente por mim. – Perguntou claramente com mais medo que eu, deslizando as mãos pelos meis ombros.

E foi alí que eu entendi.

Hoseok não era uma pessoa insegura. Mas era insegura quando se tratava de amor. Hoseok tinha medo de amar e não ser amado, inseguro com relações e sempre duvidando se alguém realmente sente algo por ele. Talvez, provavelmente por sua ex paixão. Algum filho da puta realmente quebrou o coração de Jung Hoseok.

– Estava. – Sorri. – Eu estava falando sério Hoseok, eu... Eu te amo. – Sorri. – Eu não mentiria sobre isso.. 

Ele me fitou e sorriu, me puxando para um abraço forte. Hoseok mesmo que não parecesse era alguém sensível. Eu.. Me sinto um grande merda, por que sinto que vou quebra-lo algum dia? 

– Eu amo você Taehyung. – Murmurou durante o aquele abraço onde sorri fraco retribuindo aquele abraço tão forte quanto. 

Eu não podia deixa-lo, eu não podia quebra-lo... Você não sabera dessa promessa Jung Hoseok mas... Eu prometo não lhe quebrar... Quer dizer... Eu prometo tentar.

Apreciando o calor gostoso de seu corpo com a fragrância gostosa de seu cabelo escuro eu pude notar de longe, na janela da casa, 4 curiosos nos encarando de longe sorrindo, Seokjin com um rosto apaixonado, Namjoon com um rosto orgulhoso e Jungkook e Jimin se empurrando para verem melhor. Filhas da mãe eles estavam vendo tudo.

E foi durante aquele abraço que eu não conti o enorme dedo do meio em direção aos quatro. 

[...]


– Sua mãe está bem? – Hoseok questionou sentado em minha cama vestindo uma roupa solta que eu havia lhe dado, ele dormiria comigo, havia insistido até que eu deixasse. Não que eu estivesse achando ruim claro, roupas soltas ficavam ótimas nele, talvez até um pouco.. Sexy.

Deus, o que eu eu estou falando, por favor me matem, que merda.

– Está... Foi meio complicado falar com ela.. – Disse sem ânimo ao lembrar, esquecendo praticamente todo pensamento que estava tendo. – Ela chorou...

– Me desculpe por isso... Pediu suspirando com a cabeça levemente abaixada. 

– Relaxe.. – Sorri mínimo terminando de arrumar os travesseiros, afinal já era noite. – Foi menos pior que eu pensava.. 

– Isso não ajudou. – Riu fraco. – Amanhã ou depois vamos visita-la de novo certo? – Disse engatinhando até o meio da cama e se sentando novamente.

– Sim mas... E a empresa? Já percebi que você cuida de algumas coisas lá... – Disse o fitando e ele suspirou pesado passando a mão nos fios de cabelo escuros.

– Vamos fazer assim. – Começou a dizer com um sorriso fraco. – Você não me lembra disso e eu não te lembro que você tem que repor mais de duas semanas de matéria perdida na faculdade. – Sorriu ladino.

– Aish você acabou de me lembrar. – Revirei os olhos jogando o travesseiro que estava arrumando no canto da cama.

– Não estava valendo. – Riu.

– Ai tudo bem. – Rolei os olhos novamente me sentando na cama.

– Venha aqui. – Chamou e eu sorri fraco indo ao seu encontro na cama.

Hoseok me puxou o suficientemente perto para que pudesse segurar minha nuca, sem um único aviso, me beijando. Um selar simples e cheio de saudade, suas mãos deslizaram para meus fios, puxando de leve aos poucos que sua língua se introduzia em minha boca após eu concedendo espaço, dando início a algo mais intenso. Hoseok me beijava de forma intensa e lenta, dando a oportunidade de aproiveitarmos melhor ainda o sabor um do outro, dando pausas de selares e logo voltando ao beijo.

Minhas mãos que antes estavam na cama, subiram para que eu colocasse em seu pescoço lhe puxando ainda mais para mim, intensificando mais ainda aquele beijo, para que ele não desse pausas.

Hoseok estava calmo. Mas eu queria mais.

Me desculpem mas não dava para mentir, Hoseok sabia me excitar com um único beijo e eu já estava com saudade disso. 

No final de tudo eu sou um grande tarado e só descobri isso depois de conhecer Hoseok.

Ou talvez ele tenha me transformando nisso.

Sentia tanta falta que eu quem teve que aumentar o ritmo daquelo beijo. Tanto que eu quem teve que empurra-lo pelo ombro para que deitasse naquela cama mediana e eu sentasse em seu colo. 

– Tae.. – Chamou um pouco confuso e obviamente desnorteado.

Eu me sentia pegando fogo tão de repente, tão do nada que eu precisava daquilo. 

Me abaixei ignorando o que falaria, voltando à um beijo que não foi negado, eu segurava seu queixo com uma mão e a outra eu havia levado à seu braço.

– Hoseok.. Eu quero você. – Murmurei durante a pausa daquele beijo, lhe dando selares no lábio e em todo o rosto.

– Você.. Tem certeza mesmo? – Questionou meio grogue pelas carícias.

– Você está mesmo perguntado? – Puxei seu braço que segurava levando até minha barriga, descendo até meus shorts, até meu membro parcialmente desperto. – Por favor hyung. – Pedi com a voz mais grave possível.

Daqui eu pude senti-lo estremecer e comigo sentado em seu colo se excitar, Hoseok me olhou luxurioso de cima em baixo e mordiscou os lábios apertando meu pênis me arrancando um baixo gemido. 

Hoseok não disse nada, apenas foi rápido o suficiente para se levantar me jogando por baixo de si. 

– Eu também quero você Taehyung. – Disse com a voz levemente rouca levando sua mão por si mesmo, até barra de minha camiseta arranhando minha barriga me causando arrepios deliciosos, logo voltando a barra agora dos shorts. – Eu quero muito você. – Mordeu os lábios com certa força e enfiou a mão dentro do tecido. 

Então.. – Iniciei a fala levando minha mão até a sua que estava dentro dos meus shorts, a empurrando para que segurasse meu membro, assim fazendo, me arrancando um rouco gemido juntamente com uma mordida no lábios, só depois me dando forças para terminar a fala lhe fitando intensamente bem no fundo de seus olhos com um sorriso lascivo. – O que está esperando?


[...]


Notas Finais


RESPONDAM PLS:::

• Vocês querem que no próximo capítulo eu continue fazendo o lemon ou que já comece com eles já terminando toda a transa? ( Estejam cientes que estará sendo um dos últimos lemons na fanfic, mas não, a fic AINDA NÃO está em reta final, apenas não quero ficar preenchendo tudo com sexo pq apesar de ter certos temas pesados e ao mesmo tempo leves (bdsm) isso está bem longe do foco real da história, são apenas detalhes de gosto pessoal meu.)

É só isso.

Tem outras coisinhas mas falo na próxima vez, desculpem pelo capítulo sem muita emoção nas palavras, eu não sei o que ta acontecendo comigo.

Tem um bug q eu n to sabendo arrumar. Os meus "–" estão sendo substituídos por "-" e ta tendo muito espaço entre os.
parágrafos, isso ta irritante, então se estiver diferentes em alguns parágrafos é por isso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...