História And you said you had my back - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Marco Reus, Mats Hummels, Robert Lewandowski
Personagens Marco Reus, Mats Hummels, Personagens Originais, Robert Lewandowski
Tags Dortmund, Futebol!, Marco Reus, Mats Hummels, Robert Lewandowski
Visualizações 123
Palavras 2.851
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Esporte, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Segunda parte da noite...

Capítulo 5 - Life's too short to even care at all - parte 2


Fanfic / Fanfiction And you said you had my back - Capítulo 5 - Life's too short to even care at all - parte 2

Mats POV

-TE-QUI-LA. - Subotić chegou com seis copos na mão e Schmelzer com uma garrafa inteira da bebida - Vamos fazer uma brincadeira. Cada um vai responder a uma pergunta, maaaaaas, a pessoa tem 3 segundos pra responder. Se demorar mais que isso, vira. Quem topa?

Todo mundo se entreolhou e pensou.

-Ok gente, se a gente já tivesse brincando todos vocês teriam que beber. - Subotić continuou.

-To dentro. - Marcel falou.

-Também. - Marco pegou um copo.

Eu, Marina e Carol ainda não tínhamos nos decidido.

-Por que não? - Marina se juntou aos meninos.

Olhei bem para ela, que me olhava com um lindo sorriso.

-Vamos então. - também peguei um copo.

-Carol? - Marco levantou um copo na direção dela.

Carol pegou o copo da mão de Marco e se sentou na mesa.

-Essa é minha galera. - Neven encheu o copo de todo mundo - Vamos começar por ordem alfabética. Carol que vai começar, pergunta pra qualquer um o que quiser, a pessoa reponde no tempo ou bebe. Aí a pessoa que respondeu faz a próxima pergunta. A mesma pessoa não pode ir duas vezes na mesma rodada, todo mundo tem que responder.

-Cara, isso é confuso. - falei.

-Espera até estar cheio de tequila na cabeça. - Marco falou para mim.

-Tive uma ideia. - Marcel se pronunciou - Se a pessoa que for responder fizer dentro do tempo, a pessoa que perguntou que bebe.

-Carol, pode começar. Escolhe a pessoa, pensa na pergunta e manda.

Carol olhou para cada um de nós e pensou bem.

-Marina. - todos nós olhamos para ela - Qual seria o nome do seu primeiro filho?

-Robb. - eu respondi antes e todos me olharam com dúvida, exceto Marina, que me lançou um sorriso.

-Toni. - Marina respondeu rápido e riu - Pode beber.

Carol virou o copo e fez careta.

-Subotić. Você namoraria Hummels ou Schmelzer? - Marina pensou rápido.

-Hummels. Schmelzer é mais baixo que eu e acho que ficaria estranho. - Subotić também não demorou para responder e Marina virou o copo.

-Schmelzer. Com quantos anos você perdeu a virgindade?

-Eu tinha 17 anos se você sabe disso. - ele riu para Subotić.

-Só queria que todos na mesa soubessem. - Neven falou e virou copo.

-Mats. - Marcel olhou para mim - Quanto tempo você não transa com alguém?

Me senti meio desconfortável com a pergunta mas sei que Marcel não fez por mal, ele já estava meio bêbado.

-Desde que terminei com Cathy, então quatro meses.

Marina ficou me encarando e eu tentei decifrar o que a expressão do seu rosto significava.

-Agora você só pode perguntar pro Marco porque Carol tem que ser a última. - Subotić explicou.

-Marco, o que você faria se algum jogador ficasse com sua irmã? - fiz a pergunta para Marco, mas fiquei olhando para Marina.

-Primeiramente, eu mataria ele. Depois, eu mataria ele de novo.

Virei meu copo ainda olhando Marina.

-Última pergunta da rodada. - Subotić falou.

-Caroline, você tem namorado? - Marco perguntou direto.

-Tenho. - Carol nem hesitou em responder e Marco virou seu copo.

-Muito bem. Agora pelas minhas contas, a Marina, como foi a primeira a responder naquela hora é a primeira a perguntar.

-Não sei o que perguntar. - Marina riu - Ok, pensei em algo. Schmelzer, você já traiu alguma namorada?

Marcel pensou por um tempo.

-TRÊS, DOIS, UM! PODE BEBER MARCEL. - Subotić gritou.

-PERA EU JÁ IA RESPONDER. - Marcel tentou se defender.

-REGRAS SÃO REGRAS. - Marco encheu o copo de Marcel.

Ele virou o copo e fez careta.

-Vou responder mesmo assim, nunca traí nenhuma namorada. Marco. - Marcel se virou pra ele - Defina sua amizade com Götze.

-Isso não é uma pergunta. - Marco falou.

-Você entendeu. - Marcel falou.

-Entendi, mas continua não sendo uma pergunta. - Marco falou rindo.

-Ok, como você definiria sua amizade com Götze?

-Mário é meu bromance, eu admito. - ele respondeu e todos riram.

Marcel virou mais um.

-Carol de novo. - Marco riu - Há quanto tempo você namora?

-Namoro com Marcio há 4 anos.

Marco virou o copo.

-Nome interessante. - Marco riu - Deve ser chato ficar tanto tempo com a mesma pessoa. - ele continuou.

-Ok esse não é o jogo, vamos continuar. - Subotić falou - Carol, sua vez.

-Mats, porque você e Cathy terminaram?

Mais uma pergunta complicada.

-A gente brigava muito e meio que ela arrumou outro cara. - respondi rápido.

-Desculpa, eu não sabia. - Caroline falou.

-Sem problema. Agora vira o copo. - falei para descontrair.

-Só sobrou Subotić né? - o próprio fez que sim com a cabeça - Já pensou em sair do Borussia?

-No início sim porque eu queria voltar a jogar na Sérvia depois de ficar um pouco famoso, mas agora não penso mais. - virei meu copo de novo - Marininha, já ficou com algum amigo do seu irmão?

-Não! - Marco respondeu.

-Legal Marco, mas ela tem que responder.

-Não. - Marina repetiu a resposta do irmão - Pode virar Neven.

-Marco vira também porque respondeu quando não era a vez dele. - Neven encheu os dois copos.

-Hummels também respondeu quando não era a vez dele na primeira rodada e não bebeu nada.

-Verdade. Mats bebe também. - Subotić encheu meu copo.

Nós três viramos.

-Minha vez de começar. - Marcel falou já meio bêbado. - Marina, com quem da mesa você ficaria?

Marina arregalou os olhos e todos esperaram pela resposta.

-Ué. - ela riu - Ué.

-Você sabe que já passou três segundos né? - Caroline riu também.

Marina virou o copo e fez careta mais uma vez.

-Carol... - ela começou a perguntar.

-Peraí, peraí. - Subotić interrompeu - Não vai responder?

Ela olhou para Neven, olhou para Marco, que estava com uma cara de poucos amigos, e em seguida olhou para mim.

-Se ela bebeu, não precisa responder né. - falei para o sérvio.

Pisquei para Marina, que sorriu para mim.

-Justo. - Subotić fez uma careta.

-Então, Caroline. - Marina continuou - Não sei o que perguntar.

Marco estava bastante interessado na nova amiga da irmã e isso era evidente.

Ele levantou, falou alguma coisa no ouvido da irmã e voltou ao seu lugar.

-Se você quer saber, pergunte você. - Marina falou para o irmão.

-Não posso porque não é minha vez.

Todos nós queríamos saber sobre o que os irmãos Reus discutiam, então Subotić abriu a exceção.

-Já que a Marina não sabe a pergunta, Marco pode perguntar.

Marco sorriu e olhou para Carol.

-Você é virgem?

-Não. - Caroline sorriu meio irônica para ele - E você?

Marco virou o copo e respondeu.

-Claro que não. - foi a vez de ela beber.

-Mats. - Marco se virou para mim - Por que perguntou o que eu faria se algum jogador ficasse com minha irmã?

Levei mais de três segundos para pensar em uma resposta.

-Pode virar Mats. - Caroline falou rindo.

Virei o copo com alegria de que não teria que responder, mas Marco ainda ficou me encarando.

-De novo, só posso perguntar pro Subotić né? - me virei para ele - Quando você vai apresentar alguma namorada pra gente?

-Nunca. - Subotić falou rápido.

-Nunca? - Marina perguntou.

-Subotić já teve algumas namoradas e nós nunca conhecemos nenhuma delas. - Marcel falou.

-Por que não? - Marina perguntou ao Neven.

-Vai ter que esperar sua vez minha querida. - Neven respondeu - Marcel, já não tá na hora de ir pra casa?

Schmelzer estava sentado apoiado com a cabeça na mesa e quando ouviu seu nome, levantou a cabeça sem sequer abrir os olhos.

-Claro que não. Mais uma rodada.

Nessa de a cada pergunta alguém virar o copo e mais as cervejas de mais cedo, a verdade é que ninguém estava bem. Todos na mesa já estavam com sintomas fortes de álcool na cabeça.

-Quem começa agora? - Caroline perguntou.

-Marina? - Subotić olhou no papel que ele mesmo estava escrevendo - É a Marina.

-Ah gente seilá. Qual foi a coisa que você mais se envergonha na vida?

-Você tá perguntando pra quem? - perguntei pra ela.

-Pra quem quiser responder. - ela riu.

-EU. - Marcel levantou a cabeça mais uma vez - Depois de uma festa do Borussia.

Eu, Subotić e Marco já começamos a rir porque sabíamos o que Marcel ia contar.

-Foi no meu primeiro título alemão. Eu tava tão feliz e queria comemorar, então fui bebendo a noite toda. Eu já não lembro de mais nada, só de uns flashs. Sabem a Emma? A mascote do Borussia. Então, ela tava lá. Eu só lembro de ter roubado a cabeça e ter colocado em mim e sair correndo gritando que eu era uma abelha. Depois lembro de ter vomitado dentro da fantasia e ter devolvido pra Emma.

Marina e Caroline começaram a rir desesperadamente.

-Não é algo de que me orgulho. Eu roubei a Emma. - Marcel continuou - Marcinho, por que tem tanto ciúme da sua irmã?

-Porque alguém tem que cuidar dela já que ela não se cuida sozinha.

Marina olhou para Marco com raiva, mas não falou nada.

-Marina. - Marco começou a falar.

-Não pode ela, ela já foi essa rodada. - Subotić falou, mas Marco ignorou e continuou.

-Por que você me odeia tanto? - Marco olhava pra irmã.

-Eu não te odeio Marco.

-Claro que odeia. Está escrito na sua cara agora mesmo, na verdade, está escrito na sua cara todos os dias.

Marina levantou e foi em direção a uma saída. Marco levantou para ir atrás dela, mas o segurei.

-Subotić, pega um táxi e leva os três pra casa. Eu cuido de Marina.

-Eu cuido dela Mats. - Marco falou.

-Cara, você não tá bem. - falei para ele.

-NÃO CHEGA PERTO DA MINHA IRMÃ. - ele começou a falar mais alto.

-Marco, vamos, por favor. - Caroline falou para ele.

Ele me encarou por uns segundos.

-Desculpa cara, eu não to bem. Não deixa ela ir sozinha. - Marco falou e foi com os outros.

Fui atrás de Marina e logo a encontrei. Ela estava na rua, tentando chamar um táxi, mas quase nenhum passava. A noite estava fria e ela apenas se abraçava tentando se esquentar.

-Seu casaco, pequena. - ela se virou para mim - Você não vai conseguir um táxi agora.

-Eu só quero sair daqui. - ela disse colocando o agasalho.

-E ir pra onde?

-Qualquer lugar que não seja a casa de Reus.

-E você quer ficar vagando nesse frio por Dortmund? - ela me olhou - Vem comigo.

-Pra onde?

-Vamos lá pra casa e depois te levo pra sua.

-Eu não tenho casa em Dortmund.

-Então depois te levo pra casa de Marco.

-Mats, não vou pra lá. - ela permaneceu imóvel.

-Então você fica lá em casa. - ela me olhou mais uma vez.

-Não quero atrapalhar.

-Pequena. - a segurei de frente para mim - Eu não vou te deixar aqui sozinha. Ou você vai comigo ou eu fico com você aqui.

-Nesse frio?

-A escolha é sua. - sorri para ela.

-Vamos então.

Eu não deveria ter pego o carro no meu estado, mas não achei outra opção. A cada minuto que passava, a cidade ficava mais fria. Então, fui dirigindo devagar até chegar em casa.

Abri a porta para Marina, que mesmo de casaco, parecia estar com mais frio que eu.

-Deixa eu aumentar esse aquecedor.

-Eu odeio essa cidade. - ela disse se sentando no sofá - É sempre esse frio deprimente.

-O frio não me afeta tanto. - sentei ao seu lado.

-Na Itália, os dias eram alegres. Você olhava pela janela e via o dia sorrindo para você. Agora eu olho pela janela e vejo universo rindo da minha cara.

-Me conhecer não melhora nada a cidade? - sorri para ela.

-Claro que melhora. -ela suspirou - Eu só to com raiva da vida. Viver com Marco é um verdadeiro inferno.

-Marco te ama.

-Claro que ele me ama, eu sou sua irmã. - ela riu - Mas a gente não foi feito pra conviver. Marco sempre quer mandar em todo mundo, eu vivendo às custas dele então, ele acha que é meu pai.

-Ele tenta te proteger.

-Eu não preciso de proteção.

-Claro que precisa. Não se faça de durona.

-Olha quem fala. - ela olhou para mim e riu.

-O que tem eu?

-No dia em que a gente se conheceu, você tava todo quieto, todo na sua.

-Eu sou assim. - rebati.

-Não é não. E pelo visto você não é muito de falar dos seus problemas.

-Que problemas? - olhei sério para ela.

-Ah, seilá. Qualquer problema. - ela desviou o olhar.

-Cathy?

Ela não falou nada, apenas me olhou de novo.

-Ela não é como Voldemort, eu posso falar o nome dela. - eu ri para ela - Se tem algo que você queira saber, pode me perguntar.

-Você não se sente a vontade para falar dela.

-É esquisito lembrar de alguém que você namorou por tanto tempo e agora não significa nada pra você.

-Você ainda gosta dela?

Eu estava completamente encostado no sofá e Marina estava meio de lado, virada para mim.

Olhei para frente e voltei a olhar para ela.

Ela estava muito bonita. Seus cabelos estavam soltos e suas bochechas um pouco rosadas ainda por causa do frio.

-Eu amava a Cathy e estava disposto a ficar com ela. Mas ela simplesmente arranjou outro e eu tive que deixá-la ir.

-Ela é muito otária. - eu ri olhando para ela - Sério, quem não gostaria de estar com um cara como você?

-E você? Tem algum otário?

-Além de Marco? - nós rimos - Tinha um cara na Itália, que eu gostava muito, foi meu primeiro namorado assim sério. Marco nunca acha que os caras são bons o suficiente para mim. Só que na Itália, não tinha Marco.

-E o que aconteceu?

-Bem, ele ficou com minha melhor amiga lá e acharam que eu não ia saber. - ela deu de ombros.

-Que merda.

-Ele me pediu desculpa, disse que queria estar só comigo, mas terminei.

-Por que você não perdoou?

-Porque ele me desrespeitou. E eu não tinha mais confiança nele. Eu não quero uma vida onde eu vá fazer minhas coisas pensando se meu namorado está me traindo ou não.

-E por que você voltou pra Alemanha?

-O restaurante que eu trabalhava fechou. Eu fiquei quebrada de grana, com o coração partido e sozinha. O que eu faria?

-Desculpe falar isso, mas fico feliz com o que aconteceu. - ela sorriu para mim.

-Obrigada.

-É sério. Eu... a gente nunca te conheceria se você ainda tivesse na Itália.

Meu celular começou a tocar. Levantei para pegar o aparelho que ficou em cima da estante.

-É o Marco. - falei para ela e atendi - Oi cara.

-Ainda está com minha irmã? - ele falou meio sonolento.

-Ela não queria voltar pra casa, então trouxe ela pra minha.

Esperei um verdadeiro escândalo da parte do Marco, mas me surpreendi.

-Entendo, amanhã assim que buscar meu carro lá no bar eu busco ela.

-Sem pressa, ela vai ficar bem aqui.

-Valeu, Mats. - ele encerrou a ligação.

-Ele vem te buscar amanhã. - falei e ela jogou a cabeça pra trás.

-Que saco. Mats, posso morar aqui? - sorri pra ela.

-Eu adoraria, mas já estaríamos abusando da boa vontade do Reus. - ela sorriu olhando pro nada - Agora pequena, vem descansar um pouco. Tem um quarto lá pra você.

-Não precisa se incomodar.

-Marina, você não acha que eu vou deixar você dormir no sofá né? - ela me olhou - Vamos lá pra cima.

Mostrei o quarto para ela, que ficava ao lado do meu.

-Vou pegar umas roupas mais quentes pra você.

-Mats...

-Nem adianta.

Saí do quarto e entrei no meu. Peguei uma calça moletom e uma blusa minha qualquer para ela. Fui no armário e peguei uma camisa do Borussia que tinha meu número e meu nome atrás.

Voltei ao outro quarto e ela estava sentada na cama me esperando.

-Isso aqui é pra você dormir. - entreguei a roupa para ela - E isso aqui é pra você usar no jogo sexta.

Ela abriu a camisa e viu que era do Borussia.

-Não vou no jogo, Mats.

-Ah você vai sim. Você não faria essa desfeita comigo.

-Eu não ligo pra essas coisas.

-Então vai pra se divertir. Sua amiga disse que iria com você. É um jogo importante pra gente.

-É amistoso de pré-temporada.

-E é algo muito importante porque... a gente... treina.

Ela riu com minha enrolação.

-Vou pensar com carinho.

-Já é um começo. E se você for, já sabe o que usar. - apontei para a camisa - Boa noite pequena.

A abracei e dei um beijo no topo da sua cabeça. Ela ficou na ponta do pé e me deu um beijo no rosto.

-Boa noite Mats. Obrigada por hoje.


Notas Finais


Beijos da batgirl ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...