História Apenas coincidências. Ou destino? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Armin, Castiel, Dakota, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky
Visualizações 3
Palavras 1.634
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Visual Novel
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Agora me sinto melhor para fazer fics, levando em consideração que as últimas eu não sabia o que estava fazendo AHUEASFJG

Então, mais uma tentativa.

Espero que gostem!
Boa leitura meus amores ❤❤

Capítulo 1 - Saudações, Sweet Amoris!


Fanfic / Fanfiction Apenas coincidências. Ou destino? - Capítulo 1 - Saudações, Sweet Amoris!

E eu adentrava os portões da escola. Sinceramente, o que eu estava sentindo era uma mistura de ansiedade, nervosismo, medo e muitos outros sentimentos indescritíveis nesse momento, mas, o que mais se destacava era a saudade. Saudade dos amigos que eu deixara para trás, da família que eu tão apegada veria com pouca frequência a partir de agora. Tudo mudou. Espero manter-me firme e continuar como sou, não quero que toda essa pressão atinja minha personalidade e idéias. 

E quase no mesmo nível de destaque a ansiedade, essa seria a escola que eu passaria os meus próximos anos até acabar o ensino médio. E, ansiedade nesse exato momento. No presente. Agora. Meu deus, o que é que vou fazer agora? Eu não faço a mínima ideia para onde vou! 

Balanço a cabeça para não me distrair e começo a prestar atenção no que acontece a minha volta, respiro fundo e volto a minha caminhada, depois de simplesmente travar.

Olhei para os lados, tinha chegado cedo, a escola ainda estava consideravelmente vazia.

Senti um alívio, não havia chegado atrasada. Parabéns, Katryn. Desconsiderando o que havia dito antes, eu tenho uma idéia de onde ir, pelo óbvio, já estou entrando dentro do imenso prédio onde se encontra o letreiro "Sweet Amoris". 

Me deparei com vários armários azuis, havia gente em tudo que era canto, contando com o pátio onde eu estava. Que escola linda.

As pessoas se abraçavam, pulavam e pude jurar que vi algumas chorando, todos com tanta felicidades por finalmente estarem vendo seus queridos amigos. Ou namorados... — pensei enquanto me desviava de um casal aos amassos, tendo a audácia de olhar para o rosto de ambos, obviamente sem reconhecer nenhum dos dois — eu comecei a prestar atenção nas placas em cima das portas, para encontrar a diretoria, ou o grêmio.

Comecei a prestar atenção em um bando de gente perto das escadarias, eu realmente estava perdida, não sabia se tinha algo a mais contra as regras, não sei. Estava com medo de tudo dar errado.

 Começo a olhar fixamente onde ficam as escadas, mas com meus pensamentos no meu lugar de origem, a saudade estava me consumindo. Eu já não estava prestando atenção no que estava acontecendo, eu apenas estava me perguntando o porquê de estar ali, em um lugar com tantos desconhecidos, enquanto poderia estar com meus amigos. Agora é só mensagem, chamada de vídeo... Eu sei que, logo logo vão me esquecer, vão continuar sua vida... Eu deveria me desapegar também. Mas é tão difícil, essa mudança foi súbita demais para mim, mesmo com meses de antecedência sabendo que viria para cá com meus pais.

Meus pensamentos foram parados repentinamente por algo que não se acontece todo dia, meu coração pareceu até mesmo parar por um momento, por espanto e admiração ao mesmo tempo.

Um garoto estava correndo em minha direção, olhando mais para trás do que para onde estava indo, parecia desesperado. Parecia. Pois quando olhei o seu semblante, o mesmo trazia consigo uma expressão de deboche, e um enorme sorriso. O mesmo estava sem camiseta, carregando-a em mãos, com seus punhos fortemente fechados, talvez estivesse nervoso, afinal. Tinha um tanquinho muito bem definido, que após alguém ver isso, dificilmente alguma garota não se jogaria aos pés dele. E como toda escola deve estar vendo isso, esse cara pode se dar bem esse ano. 

Seus cabelos eram ruivos... Eu não conseguia tirar os olhos dele, ainda mais pelo seu estilo, uma calça preta com uma corrente ao lado, talvez seu gosto musical fosse como o meu, isso me anima.

Zonza. Sua zonza. Sai da frente, Katryn! – pensei, enquanto acordava de meus devaneios quando o garoto já estava praticamente em cima de mim, me joguei para o lado, mas não tinha escapatória. –senti meu corpo sendo jogado brutalmente com o contato de seu corpo que estava rápido, muito rápido. Rápido demais. Quando percebi, o garoto havia colocado agilmente suas mãos em minhas costas, me segurando firmemente. Senti um arrepio percorrer meu corpo com seu toque. Não sabia o que estava acontecendo, mas aquilo parecia uma competição. 

—Que merda que você está fazendo? Me solta, ruivinho! — gostoso. Ruivinho muito gostoso. Aaaah, gostoso demais, alguém me segura! Quer dizer, tirando o ruivinho que me segura agora enquanto volta a correr.

—Calma, calma. — disse ele gritando, assim como eu havia acabado de fazer, já que o garoto mal havia me pego no colo e já começou a correr.

O ruivinho entrou em uma sala, parando, já aproveitei para descer. Quer dizer, o meu proveito foi percorrer minha mãos pelo seu tanquinho, como quem não quer nada.

—Está... Aproveitando... Bem, aí? — disse o cara do tanquinho dos deuses, ofegante, como esse cara é gostoso! Gostoso, sexy, aaaah... 

Bom, faz um bom tempo que não tenho um contato com um homem, e eu preciso disso... Ainda mais quando um Deus Grego aparece como em conto de fadas na minha frente, sem camisa, com um estilo que eu amo...

—Pode acreditar, eu estou. — eu disse com uma risada forçada, na tentativa de ser infantil. — Ah... Que merda foi essa?

—Hmm... Bem direta, você. — sorri sentando em uma classe, estava com pressa mas queria admirar seu tanquinho, que eu não tirava os olhos mesmo que ele percebesse, sabia que ele estava adorando isso, e já deveria estar muito acostumado. — Por onde eu começo? Digamos que... Teria uma recompensa quem te encontrasse, e eu, queria uma recompensa.

—Por que me encontrar? 

—Digamos que nosso representante quer logo te ver e fazer a papelada, você está atrasada, a papelada demora e não é só você de nova por aqui.

—Como atrasada? Tinham várias pessoas chegando junto comigo! — disse incrédula, alternando meus olhares do seu tanquinho ao seu rosto.

—Pessoas que não precisam se preocupar com a papelada!

—Me diz, por que é que esse representante está com tanta pressa?

-Não sei. Vamos, garota. Vá questionar ele. — disse ele sorrindo para mim que continuava sem olhar direito para o ruivinho.

—Que saco... — disse bufando — Valeu ruivinho.

—Foi nada, tarada. —ele disse com um sorriso de formando, indo mais para um lado do que o outro. O que ele me disse fez um rubor se formar em meu rosto.

—Hehe. Você não viu nada. — eu disse abrindo a porta — Err... Onde fica o grêmio?

—Eu serei humilde e te levarei lá. — disse colocando sua camisa, o que me deixou com uma expressão triste. Logo mudou, reconheci no exato momento a banda que se tratava a camisa, logo, ficamos alguns momentos conversando indo para o grêmio, animados.

\---^~^---/

Chegando em nosso destino, entramos no grêmio comentando sobre erros dos músicos em alguns shows, com a conversa quase encerrada. O ruivinho sabia ser muito seco e dar patadas lindas. De qualquer forma, não sei se eu me interessaria por ele, encontrei apenas uma coisa que nos damos bem; nosso gosto musical. 

—Ruivinho? – chamei-o, estava com uma curiosidade.

—Hm?

—Que prêmio era esse?

—Bom... Te trazer foi um pedido diretamente a mim, e como eu queria fazer algo inesquecível para alguém que nos boatos é uma gatinha... Não, não. Era só porquê eu queria mostrar ao Nathaniel o quão rebelde sou – ele respondeu, terminando com uma risada cínica.


—Senhorita Katryn? – disse um loiro se aproximando de nós. Minha nossa senhora, outro gostoso.

—Hmm, seria você o representante de classe notavelmente muito apressado? – eu disse seriamente encarando-o, o mesmo não conteve uma risada nervosa.

—Me desculpe, não sei o que eles fizeram. Apenas a queria aqui até o final do dia, para acelerar-mos esse processo. Você não quer ser expulsão, estou certo?

—Com certeza. Mas me diz, o que eu tenho que fazer?

—Bom, tem algumas informações faltando. Também vamos precisar de...

Eu me ocupei bastante para terminar tudo isso, se eu tivesse chegado mais cedo teria sido melhor.

Me mantive quieta o dia todo, tirando esse pouco diálogo que tive. No recreio, tive uma surpresa, boa, pra variar.

Kentin, um ex colega meu estava na mesma escola, não pude conter um sorriso e uma animação. Kentin sempre se esforçou para estar ao meu lado e me alegrar, do jeito dele, claro. Ele é um amigo maravilhoso.

\---^~^---/

Estava indo embora, foi um dia na maior parte tedioso. Conhecia o ruivinho, Nathaniel, como ele já se apresentou e Kentinzinho. Ainda me sentia solitária, mas calma Katryn, é só o primeiro dia em Sweet Amoris. Nada demais aconteceu, apenas um Deus Grego te carregou correndo, bruscamente, nada de conto de fadas. Nadinha de contos de fadas.

Tentei procurar Nathaniel, ainda não tinha certeza que tudo estava certo, mas não o encontrei. Acabei indo cabisbaixa, por algum motivo eu queria voltar a aquela coisa maluca que foram os primeiros minutos em que eu entrei em Sweet Amoris.

—Hey, se perdeu de novo? – perguntou o ruivinho se aproximando.

—Ah, claro. Comecei a pensar no teu tanquinho e não prestei atenção pra onde estava indo.

—Você é uma tarada mesmo, sai daqui.

—Eu tenho que ir embora? Não fiz nada!

—Hmm, vamos juntos, embora daqui. Quero te mostrar um lugar.

O ruivinho me mostrou um lugar maravilhoso, o terraço da escola. Me surpreendi que ele se importou em me trazer para cá, pensei que ele não estava nem aí para mim. O encarei pensando nisso.

—Que foi? Tá apaixonada já?

—Não, idiota. Só pensando.

—No meu tanquinho de novo?

—No quanto eu me surpreendi com tudo isso – disse enquanto passávamos pelos portões da escola.

— Se surpreendeu por quê?

—Eu não sei nem sei nome, ruivinho.

—Castiel, só pra parar com essa de "ruivinho", tarada.

—Katryn pra você! – começamos a rir, então vieram vários assuntos aleatórios no caminho. Ele era divertido até. Mais surpresa ainda. Não pude deixar de comentar – Que surpresa.

—Outra? O quê?

—Te achei divertido.

—Mas isso todo mundo acha!

—Não aparentava tanto... Mas agora eu acredito um pouco – ele riu e paramos. Iriamos nos separar ali.

—Até, tara... Katryn.

—Até mais, ruivinho gosto... Castieel! – ele me olhou surpreso com tudo aquilo – eu também sei dar surpresas – disse rindo e dando uma piscadinha.

Eu simplesmente não quero esquecer desse dia.




Notas Finais


Aaaah! Já pra não desapontar vocês, o paquera de Katryn não chegou... Heheheh

Desculpem se o cap ficou muito corrido.
Critiquem, reclamem, peçam mais... Aceito qualquer coisa aí embaixo :3

Obrigada por ler até aqui!❤🌺


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...