História .athazagoraphobia - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Sehun
Tags Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Sad
Visualizações 2
Palavras 1.133
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 16 - .true tears


Uma vez, ouvi uma mulher dizendo que as lágrimas são tão verdadeiras quanto palavras. Eu ri e pensei comigo mesmo que ela estava errada, porque nas novelas as pessoas choram e falam coisas falsas. Anos depois, me questionei a mesma coisa e percebi que as pessoas eram falsas e não se arrependiam de muitas coisas que faziam, porque pensavam que isso faria bem para elas. Era uma madrugada de domingo, e naquele dia eu fora em um bar e vi um cara de cabelos castanhos que se denominava Park Chanyeol. De longe, bebericando minha bebida, vi que ele tinha um rosto pensativo e triste, como se alguém o tivesse magoado, deduzi. Intrigado, me aproximei dele e o observei por um grande período de tempo, até que ele me encarou de volta.

"Por que me encara tanto?" Ele perguntou, com a voz um tanto quanto brava. Mas eu não me importava com o tom de voz, na verdade eu não me importava com nada.

"Porque acho que você tem algo que precisa dizer." Respondi quase que na mesma hora.

"E você é psicólogo por acaso?"

"Não." Respondi. Oras, eu de fato não era, mas meus amigos me diziam que eu era bom com conselhos, mesmo eu discordando e dizendo que eu nunca sabia o que fazer em certos tipos de situação. Mas, eu não sabia a situação dele, então era bom eu saber antes de dizer que não sabia o que fazer, certo?

Chanyeol ficou pelo menos uns 5 minutos encarando seu copo de bebida e se questionando se devia ou não conversar comigo, uma pessoa desconhecida que do nada havia aparecido em sua vida, querendo saber dos seus mais recentes problemas, sem se importar se eram de família ou de amor. Não existiam muitas pessoas como eu, que escutavam sem julgar, e quando brotavam uma pessoa assim em sua vida, ninguém nunca aproveitava e se questionava. Acredito que existe certos níveis de tristeza, e o ponto máximo era quando elas contavam tudo para qualquer um a sua frente. E nunca era a pessoa certa.

Do nada, o olhar de Chanyeol mudou. Havia ficado com um jeito mais frágil, mais triste, como se tivesse se lembrado de alguma coisa. E ele de fato, havia se lembrado mesmo, eu concluí isso depois de ter ouvido sua história. Ele abaixou o rosto no balcão e ficou assim por minutos que eu não contei e quando se levantou, seu rosto estava molhado e as lágrimas escorriam como um rio de seus olhos puxados.

Aquelas eram as lágrimas mais verdadeiras que havia visto. Elas saíam de um modo verdadeiro dos olhos de Chanyeol, como se ele tivesse realmente que liberar aquelas lágrimas. Ele não queria chorar ali, sabia que não queria, mas você não pode conter seu choro quando ele precisa urgentemente sair, mas você não deve chorar por tudo. Isso não é sinônimo de fraqueza, claro que não, mas chorar por tudo me fez ficar mais triste ainda.

"Eu..." Chanyeol estava fungando e se embolando com as palavras ao mesmo tempo. Eu precisei de alguns grandes copos de água para fazer ele parar de se embolar e se acalmar. "Eu...eu fui tão filho da puta, eu fui tão idiota...e agora eu não tenho mais ele, ele se esvaiu de meus dedos, ele foi como areia escorrendo pelos meus dedos. Eu me odeio."

"Primeiro, me conte a história desde o começo."

Eu sei que você quer saber a história. Por isso, vou contá-la agora.

Chanyeol era um cara estranho, pelos olhos dele é claro, eu não devo julgar alguém assim por uma mera história triste. Ele mesmo se considerava estranho. Ele começou contando que gostava de um garoto em sua faculdade, que era como um boneco de porcelana de tão lindo, de acordo com ele. Ele tinha seu rosto de porcelana e quando eles viraram amigos, o sentimento que Chanyeol sentia só se intensificou e ele pensava nele em suas horas vagas. Mas ele tinha um segredo, um segredo que só uma pessoa sabia e que tinha contado para todos. Chanyeol dormia com garotas quase que constantemente por um motivo que ele mesmo não sabia, ele apenas sentia vontade extrema de dormir com alguém e simplesmente dormia. Estou sendo extremamente formal, não gosto de falar sobre essas coisas e as palavras que Chanyeol usou não foram nem um pouco educadas.

Voltando a história, Chanyeol pensava que se finalmente confessasse seus sentimentos pelo garoto do rosto de porcelana ele se livraria daquele vício que o atormentava. E foi isso que ele fez: confessou seus sentimentos e lhe roubou um beijo e o sentimento se aflorou no garoto de rosto de porcelana. Chanyeol me disse claramente que os lábios daquele garoto tinham gosto de baunilha. Eles namoraram, e enquanto isso, um garoto de coração quebrado gostava secretamente dele e chorava em seu quarto todas as vezes que tinha essas decepções amorosas tristes. Chanyeol, depois de certo tempo, terminou com o garoto de rosto de porcelana pois percebeu finalmente que aquilo não fazia bem para o garoto de coração quebrado. Mas isso só piorou as coisas e o garoto de coração quebrado só sabia chorar, até que ele parou de chorar por muito tempo e seu coração até havia parado por simples e preciosos minutos. Chanyeol teve que me contar detalhadamente o suicídio do pequeno garoto triste, e ele só sabia chorar.

O final da história era que Chanyeol não era bom com palavras e isso resultou no garoto de coração quebrado havia finalmente encontrado alguém que colasse seus cacos e o fizesse feliz e ele se sentia triste porque não era ele. E quando ele terminou, eram apenas chorava em silêncio e eu sinceramente não sabia se ele queria a verdade ou apenas um ombro amigo. No fim, eu não sabia o que dizer e eram quase 4 horas da manhã. Mas não haviam palavras para ser ditas e Chanyeol estava quase dormindo ali. Eu fiquei ao seu lado o tempo todo, para ele não pensar que ele havia contado tudo para um cara desconhecido com outros interesses em seus segredos, ou para um simples anjo que sumia de dia e aparecia de noite, consolando desconhecidos.

Talvez eu fosse realmente um anjo, mas aquela talvez não fosse minha função.

"Chanyeol, você tem as lágrimas mais verdadeiras que eu já vi a minha vida inteira." Comecei depois de muito tempo em silêncio. "Você realmente o ama, e se sabe disso, insista nele. Mas não ame cegamente, isso vai fazer você cometer loucuras indescritíveis. Ame e se regule, ou pode se machucar se todas as respostas forem 'não'. Você me entendeu?"

"Entendi. Obrigado, cara" Ele disse e me abraçou. Abracei ele de volta e considerei minha missão feita, saindo rapidamente daquele bar e seguindo a estrada com o sol nascendo atrás de mim.

Eu deveria saber que Chanyeol não ia seguir meu conselho. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...