História .athazagoraphobia - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Sehun
Tags Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Sad
Visualizações 3
Palavras 858
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - .perfection


Sabe aquela sensação de culpa que você normalmente sente quando faz algum tipo de coisa que você definitivamente não queria fazer? Jongin sentia aquilo mais do que tudo no mundo. Às vezes, a culpa era transformada em vontade de ser perfeito, e ele se imaginava sendo perfeito e sendo aquela pessoa que ele sabe que a família vai amar e ter orgulho dele. Não apenas orgulho de suas notas inteiramente azuis ou da carreira que ele resolvera fazer, mas orgulho do que ele é. Ele imaginava os sorrisos nos rostos de seus pais e seus familiares e a única coisa que se passava em sua cabeça era a perfeição que ele talvez nunca alcançaria. E ele apenas sabia chorar.

Novamente, eu estou aqui. E você deve estar se perguntando quem sou eu. Sou aquela pessoa que sempre está lá para ouvir, mas nunca me vêem quando precisam. Sou visível para quem precisar de mim e apenas uma pessoa comum para quem não quiser minha ajuda. Não escondo minhas asas atrás de blusas grossas e grandes, porque eu simplesmente não as tenho. Não sou um anjo, eu sou uma pessoa normal que sabe cada detalhe dessa história, talvez até mais do que a própria autora. Você nunca vai saber minha real identidade, vou sempre ser um estranho para você, mas quando você precisar urgentemente desabafar seus problemas eu sempre vou estar lá.

Mas, vamos voltar para Jongin procurando sua perfeição. Quando ele não conseguia o que queria - que era ver satisfações nos olhos de seus parentes - ele imaginava seu coração com uma agulha à mais. Seu coração estava cheio delas, e era horrível respirar com elas. Jongin se lembrava de quando havia recebido um murro em suas costas e quando tentou descontar sua dor em si mesmo, foi agredido. Ele recebeu a dor que queria receber, mas não era suficiente. Nunca fora. Ele se lembrava do tapa que havia recebido em seu rosto por sua própria mãe, se lembrava do murro nas costas, e o pior de tudo era que ele se lembrava da luz machucando seus olhos e se lembrava das cortinas abertas.

Ele se lembrava de sentir os olhos atentos de Do Kyungsoo naquela cena e quando seus pais saíram do quarto, deixando Jongin em um estado quase traumático, ele desligou as luzes e fechou as cortinas e ficou ali, vendo o céu e alterando os olhares para a janela de Kyungsoo e para o céu que não estava estrelado e precisava chorar. Ele se perguntava se ele choraria durante a madrugada, como ele, ou se esperaria amanhecer.

Ele acordou no dia seguinte morrendo de sono e com olheiras fundas. Ele lavou o rosto com água gelada exatas três vezes para acordar pelo menos um pouco e se encarou no espelho.

"Isso é doença mental."

"Você precisa de um médico, precisa parar com suas amizades estranhas."

"Você vai viver com os braços marcados? Juro que se eu te ver assim, eu vou te arrebentar e te jogar para fora dessa casa, Kim Jongin."

E ele voltou a chorar. Mas dessa vez, não se deitou na cama e ficou lá até sua mãe chegar e lhe empurrar da cama de novo. Ele se vestiu, não falou bom dia para ninguém e apenas seguiu seu caminho. E novamente, ele sentia o olhar atento de Kyungsoo sobre si e se sentia desconfortável com aquilo. Ele chegou na escola e não se juntou à ninguém, porque não tinha mais ninguém para ficar. Ele se sentou em seu lugar e esperou a aula começar, se esforçando para ficar acordado e fazer algo bom para si mesmo.

Quando a aula começou, ele fez suas anotações e se manteve acordado, respondendo às perguntas e se mantendo atento. Mas seu corpo gritava por descanso e ele não tinha nenhuma gota de café ali com ele naquele momento. Ele não tinha nada para se manter acordado e não podia ir embora assim. Em seu intervalo, ele via Luhan em cima de uma árvore, via Sehun e Baekhyun abraçados olhando as nuvens e via Chanyeol pelos cantos, claramente evitando Sehun, Chanyeol e Luhan e apenas procurando algo para se isolar. Tipo a bebida, é isso que quero dizer.

Ele estava quase dormindo, quando sentiu algo cair em sua cabeça. Não olhou para cima e apenas focou no que estava em seu colo. Um doce. Um chocolate, para ser mais específico. Chocolates continham cafeína, e Jongin se esqueceu de olhar para cima e apenas comeu o chocolate em completo silêncio, mas feliz por dentro.

Ele seguiu o resto de seu dia aparentemente bem, e ele não queria voltar para casa mais tarde, ele queria sair andando pelas ruas, até começar a chover e ele começar a dançar e a sorrir pelas ruas. Até provavelmente ele pegar uma gripe, ou ser atropelado. As oportunidades são muitas e chances também. Mas ele não fez nada, porque aquilo não daria orgulho para seus pais.

Kim Jongin não era bom em expressar certos tipos de emoções, e seu coração chorava por isso. Ele queria que pelo menos alguém em sua vida o entendesse.

Kim Jongin se esforçava e parecia que daquele esforço nunca aflorava nada



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...