História Attraction — what's behind a smile? - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Allbulletproof, Bts, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin
Visualizações 247
Palavras 2.595
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Leiam as notas finais, é bem importante!

Capítulo 5 - Understanding


Fanfic / Fanfiction Attraction — what's behind a smile? - Capítulo 5 - Understanding

— Você está bastante ocupado essa semana, Jimin — disse Yoongi, enquanto mexia em alguns papéis — Campanhas e alguns eventos também.

Jimin assentiu, bebericando seu café quente, enquanto olhava o movimento na rua. Havia se passado alguns dias que não bebia ou saia de casa, até porque, Jungkook estava sempre lá, cuidando dele de forma indireta. Indireta porque o guarda-costas havia se afastado dele desde do último dia que passaram juntos — a noite em que Jungkook havia lhe oferecido um refúgio. Jimin não estava bem e isso não era visível para seus amigos; aqueles que não tentavam lhe compreender e que queriam apenas enxergar um garoto mimado.

Namjoon havia se afastado e Jimin até entendia o motivo, estava ciente de que o restante estava ao seu lado, apenas porque aquele era o emprego deles. Seria questão de tempo, até Jungkook pedir demissão, porque era isso que acontecia; Jimin afastava as pessoas e afastava o melhor delas em relação a ele. Se nem a própria mãe aguentava o filho, porque pessoas que não tinham a obrigação, aguentariam?

Ele estava ansioso, ansioso pelo fato de que Jungkook estaria com ele durante todo o evento que teria a noite, e embora não estivessem dialogando — além do profissional —, Jimin não deixava de se sentir seguro ao lado dele, não deixava de estar paz quando Jungkook chegava todos as noites para lhe zelar — mesmo que ainda tivesse sendo tratado como um animal a ser domado; o guarda-costas lhe passava sensações que nunca mais havia sentido, sensações boas e atrativas.

— O que faremos depois do almoço? — perguntou, remexendo a salada no prato quase cheio — Por favor, não quero fazer nenhuma entrevista.

— Você não está em condições de fazer entrevistas, Jimin — respondeu Yoongi, sendo compreensível — Me certifiquei de responder o necessário por você.

~×~

— Não perca o controle hoje, Jimin — disse Seokjin, enquanto encarava o acinzentado pelo espelho da grande penteadeira de seu quarto — Não quero ter que brigar com você, então, por favor, não me decepcione.

— Sim, hyung — respondeu Jimin, cabisbaixo, enquanto Taehyung lhe arrumava o cabelo — A que horas saímos?

— Daqui a meia hora... Jungkook já está nos aguardando — Seokjin saiu do quarto, fazendo Jimin encarar a própria imagem do espelho, imagem daquele que não tinha a mínima vontade de ir no tal evento, onde estariam modelos famosos e grandes fotógrafos.

— A roupa que a marca nos enviou veio num manequim que é um número a menos que o seu — disse, Taehyung, tirando da cruzeta e entregando para Jimin, que ainda estava com roupão — A calça pode ficar um pouco apertada, não deu tempo para que fizéssemos a troca.

A calça era de couro, mas não era um couro qualquer; era um couro sustentável, algo novo para o mundo da moda. Jimin tinha que a vestir com uma camisa preta com detalhes, e no próprio evento, faria uma sessão de fotos apenas com a parte de baixo. Não era intimidador para ele, já que estava acostumado a fazer ensaios mais sensuais — embora não gostasse de se expor tanto.

— Só não faça movimentos bruscos ou ela pode rasgar — disse Taehyung, num tom brincalhão, arrancando um riso baixo de Jimin — Me desculpe por estar tão distante de você nos últimos tempos, não quero que pense que estou afastado porque não quero ser mais ser seu amigo.

— Tudo bem, Tae... Não precisa se desculpar — disse Jimin, sorrindo e fechando a camisa de botões — Sei que devo ser um estorvo para vocês e não posso obrigá-los a estar do meu lado o tempo todo.

— Só é cansativo ver você se auto destruindo, eu te amo e não posso suportar te ver desse jeito. Se precisa de ajuda, nos fale... Só não tente buscar apoio na bebida ou em qualquer outra que possa te fazer mal.

Jimin abraçou o amigo, dando espaço para algumas lágrimas, aspirou o ar profundamente, antes de dar a ele um sorriso. Ele entendia que não podia ser egoísta, sabia que seus amigos também passavam situações complicadas por causa dele, então, mesmo que tentasse, não conseguia se chatear com todo o desprezo que vinha recebendo por parte deles.

— Prometo tentar mudar — disse, lembrando das palavras de Jungkook. De uma maneira boa, o guarda-costas fazia com que Jimin tivesse a vontade de ser diferente, porque ele trazia consigo, a sensação de liberdade que tanto procurava — Agora vamos, antes que Seokjin nos puxe pelas orelhas.

Ao sair na sala, Jungkook estava lá, pensativo e olhando distraído para fora da janela. Vestido perfeitamente em seu smoking, com os cabelos penteados para trás e seu perfume masculino — que Jimin logo reconheceu como sendo o perfume ''Invictus'' -, estremeceu sob o olhar penetrante que o moreno dera, tirando dele um suspiro e certas bochechas coradas, já que ele o analisava dos pés à cabeça.

E não tinha como Jungkook desviar o olhar, pois seus olhos pareciam estar hipnotizados pela beleza de Jimin — não que ele não fosse belo naturalmente, mas era indiscutível o quanto estava sensual com aquela roupa e com os cabelos jogados graciosamente para o lado. E ele tentou, tentou afastar-se do acinzentado durante toda a semana que se passou, tentou não sentir vontade de cuidar e reparar nos detalhes tão perfeitos dele.

Não que fosse um sentimento comum para tão pouco tempo, mas ainda assim não podia negar para si mesmo o quanto Jimin parecia tão delicado e frágil.

— Podemos ir? — disse Seokijn, impaciente, batendo os pés contra o assoalho branco — Não podemos nos atrasar.

— Certo, vamos — disse Jimin, depois de recobrar-se e piscar os olhos inquieto, vendo o moreno abaixar a cabeça e sorrir minimamente de lado. Aquele tipico sorriso que te deixa desestruturado, pensando no quão uma pessoa pode ser terrivelmente sedutora apenas com um gesto.

O caminho para o evento fora estressante, Seokjin não para de ditar o que Jimin deveria ou não fazer e isso estava lhe entristecendo, fazendo-o ficar ainda mais ciente de que ninguém confiava nele o bastante — mas entendia, visando o fato de que nem ele confiava em si mesmo.

Batendo os dedos contra as pernas, nervoso e ansioso por coisas que mal sabia, tentando falhamente não se sentir sufocado com todos aqueles comandos. Queria muito, muito mesmo tacar o dane-se, abrir a porta do carro e correr em qualquer destino que não fosse a própria vida. Queria correr na contramão, desviando de qualquer caminho que o levasse a aquela maldita vida.

Foram recebidos por enxurradas de fotógrafos, e Jimin como um bom ator que era, tratou de pôr em seu rosto e melhor sorriso, sabendo que todos ali queriam isso dele. Jungkook lhe segurou pela cintura, desviando do alvoroço que se formava, empurrando com certa força as pessoas que tentavam avançar em cima dele.

Era loucura para o moreno toda aquela bagunça, era demais entender que tudo aquilo era direcionado a Jimin. Compreendeu que mesmo estando rodeado de tantas pessoas, ainda assim, não fazia com que o espaço que havia dentro dele fosse preenchido — porque aqueles que estavam ali, os fotógrafos, queriam apenas um pedaço para que pudessem lucrar.

E não, não se importavam se Jimin estava bem ou não, se queria ou não fotos, ou espaço. Na verdade, entendiam que todo famoso que escolhia aquela profissão, deveriam estar preparados para aquilo. Contudo, ele não queria e não havia escolhido aquela vida – Jimin vivia aquilo por pura pressão.

Assim que adentraram o evento, Jungkook viu o sorriso do acinzentado morrer, sentindo a respiração dele ser solta bruscamente, quase que vacilando. Os olhos amendoados estavam brilhantes, porém tristes, e as mãos pequenas juntas e entrelaçadas em frente ao corpo.

O alívio que Jimin sentira não durou muito tempo, sendo puxado pelos braços por um dos organizadores — que já conhecia — do evento.

— Vamos! Está atrasado! — Fora arrastado, olhando para trás, suplicando com os olhos para o guarda-costas, sendo seguido por Taehyung.

— Acostume-se, a fama tende a ser sempre assim... Não há tempo para porquês — disse Seokjin, ao aparecer ao lado de Jungkook, com uma taça de champanhe nas mãos, mostrando estar familiarizado com toda aquela loucura que se encontrava dentro do grande salão enfeitado minimalistamente.

Alguns minutos se passaram, quando todas as luzes foram apagadas e somente a do palco se manteve ligada. Jungkook manteve-se em seu posto ao lado de Seokjin, perguntando-se aonde estaria Jimin. Seus olhos o procuravam com preocupação, mas logo encontrou o alvo, desfilando lindamente pela passarela que havia no meio do salão, apenas com a calça de couro que vestia e com o tronco nu, dourado e brilhante a mostra.

Não parecia o Jimin frágil que conhecia, parecia alguém selvagem e que sabia que o que estava fazendo. A expressão dele era sedutora e feroz, pisando suavemente, cruzando os pés um na frente do outro, requebrando o quadril de forma que o enlouquecia, piscando lentamente para não perder nenhum detalhe.

— Vamos esperá-lo na saída do camarim — disse Seokjin e jungkook assentiu rapidamente, ao ver Jimin caminhar de volta para dentro das cortinas. Ele estava perdido, porque jamais esteve em um evento tão grande. Não sabia muito o que fazer ou onde ficar, então, apenas seguiu todos os passos e ordens do empresário.

Esperou, esperou por bons minutos e Jimin não saia do camarim como deveria ter feito para voltar ao evento, enquanto todos os outros modelos já estavam circulando pelo salão. Seokjin estava impaciente com a espera, e sob a ordem, Jungkook entrou na sala de porta preta, varrendo os olhos pelo local iluminado e bagunçado, chamando pelo nome do acinzentado algumas meses, não sendo respondido.

Pelo reflexo do espelho, pôde ver um homem grisalho sair de uma porta que deduziu ser o banheiro. Ele tinha um sorriso estranho no rosto e pareceu nervoso ao vê-lo ali, saindo rapidamente do camarim. Jungkook franziu o cenho e desabotoou o paletó, correndo em direção ao banheiro, escutando fungadas e uma respiração sôfrega em uma das cabines.

Abriu a porta, encontrando Jimin ainda somente com a calça, circulando as pernas com os braços, sentado no chão do banheiro, balançando-se freneticamente para frente e para trás, puxando o ar pela boca, com os olhos arregalados e cheios de lágrimas. Ele tremia, balbucia como se estivesse pedindo socorro para respirar.

Jungkook ajoelhou-se no chão, segurando com as duas mãos ao rosto dele, olhando bem nos olhos vermelhos, que transmitiam pavor e tristeza. Conhecia bem aqueles sintomas, reconheceu todos os eles porque sua mãe sofria disso. Jimin estava tendo um ataque de pânico, tendo dificuldades para respirar e pedindo socorro silenciosamente com o olhar, enquanto as duas mãozinhas seguraram fracamente a camisa de botões de Jungkook.

— Olhe para mim, Jimin — disse, ainda segurando no rosto dele, vendo o olhar do outro vacilar — Foque em mim, nos meus olhos, somente neles e na minha voz — pediu alto e sério, sabendo que precisava ser firme para que pudesse ajudar — Você está seguro e não está sozinho... Estou aqui você, está me vendo? — perguntou, vendo-o assentir, sentindo as pequenas mãos tremerem — Continue olhando, tudo bem? Vai passar... Está passando — falou calmamente, acariciando as bochechas pálidas com as duas mãos e colocando as testas, fazendo com que Jimin fechasse os olhos e sua respiração ficasse mais fraca.

Quando viu que ele estava um pouco mais calmo, tirou o paletó e vestiu em Jimin com cuidado. Levantando-o em seguida do chão, segurando-o pela cintura, com a intenção de tirá-lo daquele inferno que ele mesmo considerou como sendo um. Com calma, andou até a saída, encontrando Taehyung, Seokjin com semblantes sérios e preocupados.

— O que aconteceu? Ele bebeu? — perguntou Seokjin exasperado, fazendo Jungkook ficar incrédulo, entendendo que realmente, todos os que trabalhavam com Jimin, pareciam não se importar com o real problema dele. Segurou com mais firmeza o menor nos braços, antes de responder.

— Não, ele não bebeu... Porém está passando mal, então vou levá-lo daqui o mais rápido — respondeu curto e grosso, recebendo um riso de deboche.

— Ele não pode e não irá sair daqui... Jimin ainda irá fazer as fotos e cumprir com o trabalho dele — Seokjin nem ao menos se preocupou em olhar a face destruída do acinzentado, muito menos tentou descobriu o que havia se passado — Estou farto da falta de comprometimento dele, farto de sempre tentar acobertá-lo.

— Sou pago para cuidar da segurança dele, então, se me der licença... — Deu as costas para os dois, que ficaram sem reação, passando sem educação pelas pessoas que dançavam alegremente pelo local, tendo em vista um único objetivo; protegê-lo a todo custo.

~×~

E quando Jimin já estava devidamente confortável em sua cama depois de um banho, Jungkook lhe entregou um chá e um calmante natural – que fizera questão de comprar no caminho de volta. Tirou a gravata apertada, bagunçando os cabelos e ficando em pé ao lado da cama dele. Estava tudo uma bagunça, pois não era assim que imaginou trabalhar, porém, jamais diria em voz alta o quanto estava perdido com tudo aquilo.

Jimin olhou para o moreno, recebendo um sorriso reconfortante em troca, imaginando o quanto devia estar virando a vida de Jungkook dos pés a cabeça. Quanto terminou de tomar o chá, sentindo mais calmo pelo efeito do rémedio, a lembrança do que passara voltou a mente, engolindo seco e fechando os olhos com força — como se ajudasse a apagar o que vi, ou melhor, quem viu.

— Jungkook... Sei que não devia estar te pedindo isso, mas... Você pode ficar aqui comigo? — Seu tom saíra como suplica, movendo os dedos uns contra os outros — Posso lhe pagar por isso, se desejar... Só não quero ficar sozinho.

— Eu não quero o seu dinheiro... Não quando você me pede algo assim — Jungkook riu sem graça, colocando as mãos nos bolsos e então Jimin assentiu, sorrindo em seguida — Eu não te deixaria só de qualquer maneira, sabendo o que você passou hoje.

— Quer sentar aqui? — Jimin deu espaço e Jungkook caminhou até a cama, sentando-se na beira.

— Quer falar sobre o que aconteceu? — perguntou Jungkook, olhando nos olhos de Jimin, segurando em sua mão direita com delicadeza, tentando passar conforto, e o viu negar quando seu semblante se tornou triste oura vez — Você quer alguma coisa?

— Você... Faria cafuné em mim? — perguntou Jimin, um tanto baixo, mas que deu para Jungkook ouvir, sorrir e assentir — Meu pai sempre me acalmava dessa maneira quando eu me sentia triste.

— Bem, vou tentar ser um bom fazedor de cafuné então — Jungkook escorou-se na cama, batendo nas coxas para que Jimin deitasse sua cabeça ali, vendo-o se aninhar rapidamente como se fosse um gatinho querendo carinho. Sorria enquanto acariciava os cabelos macios e um pouco úmidos, que exalava um cheirinho cítrico e adocicado, pensando no quanto estava ferrado por estar se apegando tanto a ele.

A verdade era que tanto ele como Jimin, estavam entrando em uma atração. Contudo, não era carnal ou uma atração que se ligava a algo físico; era algo sentimental, inexplicável e que nem o próprio coração conseguia entender. A atração ia bem além do que paixão, ela transmitia proteção e carinho, e acima de tudo, compreensão.

Jungkook compreendia Jimin com todas as coisas que ainda não eram claras para ele; ainda assim, compreendia inteiramente e sinceramente.


Notas Finais


Oie, gente!

Vou explicar o que aconteceu pra vocês do porquê da demora em todas as minhas fanfics:

- Estava em semana de Enem (odeio), mas ainda assim mantive tudo atualizado. Só que nesse domingo tudo desandou comigo, só Jesus mesmo.

1) Não consegui dormir, indo fazer a prova sem ter pregado o olho.
2) Peguei engarramento mesmo tendo saído cedo ( Quem mora em Manaus sabe que se chove, tudo para nessa cidade)
3) Sobre a chuva: Eu a peguei, e não foi uma simples chuva, foi temporal, trovão e com direito a enchente ( Já que tive que sair do carro e correr a pé até a unidade da prova)
4) Peguei e chuva toda e fiz a prova pingando como se a chuva ainda estivesse comigo.

5) E por ultimo e o mais importante e trágico: MEU CELULAR QUEIMOU, MORREU, FOI EMBORA POR CAUSA DA CHUVA.

Tô triste? Tô triste... Mas vou pensar no lado positivo que nem uma pessoinha me disse, que todo esse azar pode me dar uma boa nota nessa prova.

Enfim, por isso demorei e vou demorar até ter um celular de novo.

ps.Pra completar, acordei com as costas e pescoço travados.

Então é isso, me perdoem a demora, mas sei que vocês irão entender. Esse capitulo já estava pronto e consegui recuperar porque meu word é logado no meu email (Então ele salva tudo). Alias, to usando o computador do meu irmão.

VOCÊS GOSTARAM DO CAP? me digam por favor, vocês sabem o quanto sou insegura com essa Fanfic.

Beijos, amo vocês e SAUDADES!

PERDOEM OS ERROS, SE TIVER!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...