História Bad Decisions - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Eleven (Onze), Mike Wheeler, Personagens Originais
Tags Eleven, Fillie, Finn, Mike, Millie, Stranger Things
Visualizações 111
Palavras 1.438
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaaaa demorei bem pouco né? Gente eu tenho tanto coisa para falar que vou começar com calma.
1- Obrigado pelos +21 favoritos em menos de uma semana (VOCÊS SÃO TOP DEMAIS)
2- Obrigado pelo apoio em todos os caps isso me ajuda muito 😄
3- Vou ficar uma semana ou mais sem postar por contas das provas da minha escola
4- Provavelmente (n sei muito bem) postarei The Purple Future essa semana

Boa leitura ❤

Capítulo 25 - Now or Never


Fanfic / Fanfiction Bad Decisions - Capítulo 25 - Now or Never

Finn chegava no quarto segurando as duas caixas pretas enormes e pesadas mas para ele aquilo era moleza. Quando entrou no quarto, as luzes estavam apagadas e só havia velas por todo quarto. Velas vermelhas aromatizantes, seu cheiro era de morango e framboesa. Algo muito convidativo.

— Millie? — a chamou, percebeu que a porta do banheiro estava trancada e foi até lá — Millie você está aí? Que porra é essa aqui fora?

A porta se abriu, junto com a boca de Finn ao ver como Millie estava. Ela o empurrou com uma mão até a cama onde a mesma ordenou que ficasse sentado e assistisse o 'show' que iria fazer.

Millie usava roupas de dança do ventre. Estava consideravelmente linda. Um top dourado cheiro de pedras roxas e detalhes em prata, algumas correntes para dar beleza ao seu busto. Sua saia violeta era 'desfiada' o que deixava suas pernas aparentarem mais sensuais. Usava alguns aderessos no cabelo, mas desapareciam comparados a roupa que usava. Seus brincos de ouro reluziam seu rosto deixando-o mais leve e maduro.

Finn não conseguia se mexer, apenas admirá-la internamente. A raiva que sentiu, desaparecia junto com algumas gotas de suor que desciam lentas em seu pescoço. Uma música começou ao fundo, trazendo-a para a frente de Finn.

Millie soltou um sorriso percebendo os olhares dele sobre ela. A mesma se posicionou no centro de frente à Finn. Ela começou com movimentos lentos na cintura, e foi acelerando conforme a música. Sua mão conduziu os movimentos com a coxa fazendo a dança parecer mais lenta e sensual.

Ela mordeu o lábio, isso fez Finn sentir algumas partes do corpo reagirem de forma não muito boa. A mesma contraiu a cintura fazendo-a ir e voltar ao ritmo da música. Millie já rebolava lentamente transformando uma cena quase em slow-motion. Desceu as costas com as mãos ainda no ar e Finn quase arfou em vê-la assim.

Ela deu um passo à frente ainda mexendo as cadeiras da cintura. Millie usava sua sensualidade para fazer conquistá-lo denovo, no fundo ela estava agradecendo por ter tido essa ideia. Virou-se, logo seus movimentos foram voltados ao seu traseiro indo e voltando acompanhados pelo balanceado dos ombros. A música, tinha batidas calmas o que fazia-a desacelerar os movimentos.

Quando a música chegou ao seu fim, Millie se aproximou de Finn e sentou-se em seu colo. Ela o encarava com a sua típica cara de provocação, enquanto mordia seu lábio inferior.

— Eu te quero, Finn — ela sussurou, mordendo o lóbulo de sua orelha. — Mas a pergunta é: você me quer também?

Finn continuou com o silêncio. A fitava com intensidade. O seu orgulho não deixava-o responder. Ela sentiu-se um pouco tola, tinha feito tudo aquilo para Finn a desprezar no final. Não aguentaria aquela humilhação, ninguém nunca na vida à humilhara, não seria agora que isso iria acontecer.

Brown desceu de seu colo, e andou até a porta o banheiro onde ficaria trancada, tentando esquecer de seu fracasso. Mas porém sentiu algo puxando seu braço. Era Finn. Ele a queria também. Não hesitou em beijá-la, puxou sua cintura com certa violência e grudou os corpos. O beijo já estava intenso, suas línguas travaram uma batalha em que elas dançavam livremente, fazendo Finn precisar demais dela. Mais de Millie Bobby Brown.

A prensou na parede. Os beijos não cessaram. Como Millie tinha saudades daqueles beijos de tirar o fôlego. Brown se tocou que não podia ficar longe dele, mesmo se quisesse, ele a puxava como um imã.

Finn a alisou, passando a mão por todos os lugares livres. Eles separaram os beijos ofegantes, ele não perdeu tempo e distríbuiu os beijos quentes no pescoço de Millie. A pele dela estava convidativa demais para Finn. Ele deu seu primeiro chupão no ponto central do pesocço de Brown. Ela arfou segurando nos cabelos macios de Finn.

Aquilo estava bom demais para Millie, o jeito que ele a tocava, fazia seu interior tremer por inteiro. Cada vez mais ela o queria, e ele precisava mais dela. Hoje a mesma o deixaria no comando para fazer o que quiser com ela.

— Finn — ela gemeu — Você tá no comando, hoje eu sou só sua... — voltaram aos beijos calorosos. Wolfhard se agilizou ao jogá-la na cama. Millie sorriu com a atitude inesperada dele. Ele tirou sua jaqueta preta e a jogou em algum lugar do quarto. Em um passe de mágica sua camisa havia parado no chão. — Meu homem...

— Seu homem — ele a beijou nos lábios pressionando seu queixo. Millie o envolveu por completo, sendo fisicamente como emocionalmente. Ela sentiu falta dos braços calorosos dele, de quando mordia seu lábio no final dos beijos, todos os pequenos detalhes que fazia-o especial. Pela primeira vez, Matt não lhe veio na cabeça, conseguiu esquecê-lo completamente por um momento.

Finn desabotou seu top dourado com facilidade e jogou longe, para encontrá-lo depois seria difícil. O clima estava tão quente entre os dois que já soavam, pelo pescoço, rosto e busto. Ele se aproximou de Millie, olhou-a nos olhos com intensidade, estava lendo-a.

— Eu gosto de você, Millie — acariciou seu queixo fazendo-a morder seu lábio. "Eu também gosto de você Finn, agora me beija logo caralho" sussurou para ele em seu ouvido, fazendo-o rir. — Seu desejo uma ordem

Aproximou seus lábios e a beijou calmamente, a urgência tinha desaparecido, os dois queriam sentir um ao outro cada vez mais. Ele desceu os beijos para o final de seu pescoço indo para o busto descoberto. Ainda tinha uma camada fina de protetor de seios, que o fez xingar mentalmente aquela 'bobagem'.

— Calma, eu tiro isso — Ela se ofereceu, tirando os com calma mas Finn queria urgência. Ele bufou, Millie percebeu sorrindo. — Como você é apressado! — soltou sua típica gargalhada, fazendo-o beijá-la novamente.

Quando Millie tirou tudo que impatava o trabalho de Finn, ele avançou sem autorização apalpando o seio esquerdo. Ela arfou apertando os lábios, colocou suas mãos nos cabelos rebeldes dele. Toda vez que se movia, Millie apertava elas contra a raiz de seu cabelo.

Finn apressou seus passou chupando o seu seio direito. Com a mão esquerda alisando a cintura de Millie, a mesma sentia as sensações que ele lhe causara. Ela enterrou suas mãos em seu rosto, levantando levemente, ele parou o que fazia para encarar Millie nos olhos.

— Me desculpe — ela sussurou, encarando aqueles olhos brilhantes. Sentiu seu peito doer. Estava derramando seu orgulho para fora, ela nunca pedia desculpas. Por nada.

— Me desculpe também — ele levou suas mãos até o rosto de Millie, acariciou e depois a deu um selinho. — Quer esquecer isso por algumas horas?

Ela assentiu se entregando totalmente a Finn, continuaram o que faziam com muita mais urgência. Millie estava disposta à fazer tudo por ele, mesmo que na teoria eles não tivessem nada. Finn faria o que fosse para vê-la feliz nem que arriscaria sua própria vida para isso.

*

Ela estava agarrada em seus braços sob a banheira. Os dois tragavam pelo banheiro e sorriam um para o outro. Wolfhard beijou sua nuca, seguido de uma tragada, e soltou no ar. Millie deixou o cigarro na pia do lado, olhou para Finn e ajeitou-se por cima.

— Eu tenho uma pergunta para você — ela acariciou os cabelos molhados de Finn.

— Qual — se apoiou suas mãos na sua cintura e sorriu maliciosamente. Os dois estavam mergulhados na banheira, com a água escorrendo pelo corpo. Os dois decidiram tomar banho quente depois de transarem, os mesmos cansados queriam relaxar com a presença um do outro.

— O que somos? — ela soltou fazendo Finn encará-la confusa mas sem o sorriso engraçado no rosto.

— O que quer que sejamos? — ele a apertou contra seu peito, fazendo-a arfar, Millie mordeu o lábio com o movimento inesperado.

— Tudo — beijou-o ferozmente. Ela passou as mãos para o seu rosto dando ênfase ao beijo molhado que compartilhavam. Ela separou derrepente frustando Finn. — Eu quero saber se vamos ser algo sério.

Millie, eu te amo — ele sussurou em seu ouvido. A voz grossa e um pouco rouca a fez arrepiar. Ela arregalou os olhos não esperando essa declaração tão cedo, mas não reclamou ao contrário ela, amou ouvi-lo dizer isso.

Eu te amo também, Finn — eles deram um selinho demorado. Ela mordeu o lábio, e Wolfhard continuou.

— Vamos fazer isso direito — ele se ajeitou na banheira ficando sentado e assim de frente com Millie — Quer namorar comigo, princesa? — ela abriu um sorriso seguido e de uma comemoração interna. Ela mordeu o lábio e assentiu.

Lógico, seu idiota 


Notas Finais


Aaaaaa como eu amei fazer esse cap, juro para vcs é um dos meus fv. Se vcs não leram minha nova fic vão lá ler https://spiritfanfics.com/historia/the-purple-future-10849397 Se chama de The Purple Future, espero que gostem.
Se gostaram desse cap (como eu) me conte nos comentários

Até a próxima ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...