História Before The Right Time - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Crônicas De Gelo e Fogo (Game of Thrones)
Personagens Aegon Targaryen, Arya Stark, Brandon "Bran" Stark, Cersei Lannister, Daenerys Targaryen, Jon Snow, Sansa Stark, Ygritte
Tags Daenerys Targaryen, Got, Jogritte, Jon Snow, Jonerys
Visualizações 327
Palavras 2.358
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Incesto, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite meus amores ❤️ Pra quem não soube, eu tive uma intoxicação alimentar ontem e fui pro hospital, falei nos comentários e agradeço a todos que mandaram melhoras! Graças a deus estou bem, passei o dia em repouso mas como tenho capítulos escritos, resolvi vim aqui alegrar a noite de vcs. Aproveitem!!!

Capítulo 25 - Capítulo Vinte e Cinco



Daenerys observava a forte tempestade que se agravava no castelo. Agradeceu por terem chegado antes, já estava na cidade a quase um mês e já era hora de começar a colocar os planos em prática. As casas apoiante, Dorne e Tyrell, não demorariam muito a chegar na cidade.

— Numa noite como esta, você veio ao mundo. – Tyrion lembrou. Adorava as histórias sobre os Targaryen quando era jovem.

— Eu me lembro dessa tempestade. Todos os cães de Porto Real uivaram a noite toda. – Varys comenta.

— Gostaria de me lembrar. – Daenerys se afasta da janela e vai até a mesa. Eles já estavam a um tempo na cidade e ela não tinha sentido nada. — Achei que seria como voltar para a casa mas não me sinto em casa.

— Não vamos ficar por muito tempo. – Tyrion tenta anima-la.

— Ótimo. – Daenerys respira fundo. Ela estava mais perto do que nunca de conseguir o tão sonhado trono. Ela observa a mesa pintada com o mapa de Westeros e vê os leões.

— Cersei controla menos da metade dos Sete Reinos. Os Lordes de Westeros a desprezam. – Varys observa a mesa, e analisa os Reinos. — Antes de você chegar, já tramaram contra ela, agora...

— Eles clamam pela verdadeira rainha? Fazem brindes secretos à minha saúde? – Daenerys ri sem humor. Ela sabia que os Lordes não a apoiaria tão fácil. — Diziam isso tudo ao meu irmão e ele foi estúpido de acreditar. – Ela observa a miniatura de um dragão na mesa. — Se Viserys tivesse três dragões e um exército, já teria invadido a Porto Real.

— Conquistar Westeros seria fácil para você, mas você não veio para ser rainha de cinzas. – Tyrion a aconselha. Por mais que a rainha agisse na maioria das vezes por vontade própria, ele sabia que ela o escutaria.

— Não. – Daenerys concorda com a opinião de Tyrion. 

— Podemos tomar os Sete Reinos sem fazer deles um matadouro. Com o apoio das grandes casas contra Cersei, ganhamos o jogo. Os Tyrell e Dorne já estão do nosso lado e são poderosos aliados no sul. 

— Perdão, minha rainha. – Verme Cinzento entra na sala. — Uma sacerdotisa de Asshai veio falar com você.

Daenerys vai até o Grande Salão, sendo acompanhada por Missandei, Tyrion, Varys e Verme Cinzento. A Rainha encara a sacerdotisa Vermelha e fica a sua frente.

— Rainha Daenerys. – Melisandre a cumprimenta na linguagem valiariano. — Já fui escrava, comprada e vendida, flagelada é marcada. É uma honra conhecer a Destruidora de Correntes.

— Os sacerdotes vermelhos ajudaram a levar a paz a Meereen. Você é muito bem vinda aqui. Qual é o seu nome? – Daenerys sabia que toda ajuda seria de bom proveito, principalmente agora que ela estava na Guerra pelo Trono de Ferro.

— Eu me chamo Melisandre.

— Ela já serviu a outra aspirante ao Trono de Ferro. – Varys comenta. Ele sabia que ela não era uma pessoa estranha, mas assim que ouviu seu nome lembrou de onde a conhecia. — Não terminou bem para Stannis Baratheon, não é?

— Não...não terminou. – Melisandre responde receosa com a reação da rainha.

— Estamos perdoando a todos que serviram a Reis errados. – Daenerys vira para encarar Varys, que entende o recado. Ela volta sua atenção para a sacerdotisa. — O Senhor da Luz não tem muitos fiéis em Westeros, tem?

— Ainda não, mas mesmo aqueles que não veneravam o Senhor, podem servir à sua causa.

— O que o seu Senhor espera de mim? 

— A Longa Noite está chegando. Só o príncipe que foi prometido pode trazer o alvorecer. – Melisandre recita as palavras da profecia que acreditava ser para Jon Snow, mas ele não conseguiria sozinho, precisaria de uma forte aliada.

“O príncipe que foi prometido trará o alvorecer” – Daenerys repete as palavras na língua comum. — Não sou um Príncipe.

— Majestade, me perdoe, mas a sua tradução está errada. – Missandei chama a atenção da rainha e todos viram para ela. — Esse substantivo não tem gênero em alto valiriano e a tradução certa seria “Príncipe ou Princesa que foram prometidos trarão o alvorecer”.

— Não é muito difícil de falar, não é? – Tyrion estranha.

— Não, mas eu prefiro assim. – Daenerys encara Melisandre. — Você acha que essa profecia refere a mim?

— Profecias são perigosas. – Melisandre admite. Ela tinha errado quando achava que era Stannis, não pretendia repetir o mesmo erro. — Eu acredito que você tenha um papel, assim como outro. O Rei do Norte, Jon Snow.

Daenerys sente como se sua respiração tivesse parado ao escutar aquele nome. Não poderia ser a mesma pessoa, a Sacerdotisa estava falando sobre outra pessoa e ela esperançosa de ser o herói que a salvou na Muralha.

— Jon Snow? O bastardo de Ned Stark? – Tyrion desperta Daenerys de seus pensamentos, ele parecia tão surpreso quanto a rainha. Melisandre concorda.

— Eu o conheci uma vez, ele me salvou. Mas ele era Senhor Comandante da Patrulha da Noite. Agora ele é um Rei? – Daenerys pergunta confusa.

— Por que você acha que o Senhor da Luz escolheu Jon? Sem contar as imagens que você viu no fogo. – Varys desconfia.

— Como Senhor Comandante da Patrulha da Noite, ele deixou que os Selvagens cruzassem a Muralha para protegê-los do perigo. Como Rei do Norte, ele uniu os Selvagens ás Casas do Norte para que enfrentem juntos o inimigo. – Melisandre se aproxima da rainha. — Convoque Jon Snow. Traga-o aqui para contar tudo que aconteceu com ele, as coisas que ele viu com os próprios olhos.

— Pelo pouco que conheci dele, ele é uma boa pessoa. Ficarei feliz em vê-lo novamente. – Daenerys sorri animada e vira-se para Tyrion. — Envie um corvo com o meu nome e convide Jon Snow, para ele se ajoelhar a Casa Targaryen e se juntar a nós.

— Minha rainha, eu gostaria de ter uma conversa com você antes. – Tyrion sussurra para Daenerys, que assente. 

— Se me dão licença. – Daenerys segue Tyrion até a Câmara da Mesa Pintada. Ela fecha a porta e o observa. — Você não gostou da ideia? Achei que simpatizasse com Jon Snow.

— Eu realmente gosto dele. Mas eu conheço os nortenhos, conheci Ned Stark e passei um tempo com ele. Não acho que Jon Snow se submeterá a rainha tão simples assim. – Tyrion decide ser sincero com Daenerys. Ele sabia da admiração que a rainha nutria por Jon.

— Ele me conhece, sabe que eu sou o melhor para Westeros, diferente de Cersei. – Daenerys argumenta.

— Ele tem tantos motivos para odiá-la quanto você. Mas não coloque tantas esperanças. Caso ele se recuse, nós teremos que pensar em outra forma de aliança, afinal o Norte é um forte aliado.

— Uma aliança com casamento? – Daenerys se surpreende. Ela não sabia o que pensar a respeito dessa ideia, ela havia ficado atraída por aquele homem mas a ideia de casar tão rápido a assustada.

— São apenas ideias. Não sei se seria bom um casamento também. – Tyrion repensa. Ele viu nos olhos de Daenerys que ela tinha gostado da ideia, essa seria a intenção se ela não acabasse se apaixonando antes mesmo de casar.

— Mande um corvo para ele o quanto antes, solicitando sua presença. – Daenerys sentiu algo no estômago ao dizer aquelas palavras, um nervosismo por ter a oportunidade de estar na presença de Jon Snow novamente.

                                        •••

— Você acha que isso realmente pertence a Tyrion? – Sansa observa o corvo que tinha chegado, com o símbolo Targaryen. — Pode ser alguém atraindo você para alguma armadilha.

— Leia o final. – Jon pede. Estava ansioso em reencontrar Daenerys Targaryen, eles não tiveram muito tempo para se conhecerem, mas sentiu uma forte indicação com a rainha.

— “Todo anão é bastardo aos olhos de seu pai.” – Sansa lê a parte pedida por Jon. — O que significa isso?

— Ele me disse isso quando nos conhecemos. – Jon vira-se para Sansa. – Você o conhece melhor do que qualquer um aqui. O que acha?

— Tyrion não é como os outros Lannisters. Ele sempre foi bom comigo, mas é um risco. – Sansa levanta a mensagem para ler um pedaço. — “Os Sete Reinos vão sofrer com Cersei no Trono de Ferro. Junte-se a nós. Juntos podemos acabar com a tirania dela.”

— Parece um encanto. – Davos pega a mensagem das mãos de Sansa. — Se pensarmos em um bando de Dothraki, numa legião de Imaculados e em três dragões, o encanto se perde um pouco.

— O que foi? – Jon percebe a mudança na expressão de Davos.

— O fogo mata os White Walkers, você me disse. O que solta fogo? 

— Você quer que Jon se encontre com ela? – Sansa pergunta indignada com o conselheiro de seu irmão. Ela não permitiria que Jon fosse para o Sul.

— Não, é perigoso demais. 

— Eu conheci Daenerys quando estava na Muralha. Ela não é uma pessoa má, tenho certeza que não negaria ajuda. – Jon a defende. Por mais que tivesse a conhecido tão pouco, e não como rainha, Jon não acreditava que ela o faria algum mal.

— Mas se o exército dos Mortos atravessarem a Muralha, temos gente o suficiente para enfrentá-lo? – Davos o questiona. Ele entendia de Guerras e sabia que eles não conseguiriam combater contra o grande inimigo com pouco exército.

                                    •••

— Esta mensagem foi enviada por Samwell Tarly. Ele era meu irmão da Patrulha da Noite, um homem da minha mais absoluta confiança. – Jon mostra o bilhete enviado por Sam para todos. Ele tinha recebido a pouco tempo. — Ele tem a prova de que Pedra do Dragão fica numa montanha de Vidro de Dragão. – Ele entrega a mensagem para Lorde Glover, que estava ao seu lado e levanta o bilhete que estava em sua outra mão. — Recebi isso uns dias atrás, de Pedra do Dragão. Foi enviado por Tyrion Lannister. Ele é Mão da Rainha, Daenerys Targaryen.

O barulho começa a dominar a sala. Jon sabia que assim que mencionasse o nome e sobrenome do anão, os nortenhos o julgariam. Mas ele conhecia, assim como Daenerys, não acreditava que estivesse sendo guiado para uma armadilha.

— Ela quer tomar o Trono de Ferro de Cersei Lannister, ela tem um exército forte e se essa mensagem for verdadeira, três dragões. – Jon percebe a mudança na expressão dos lordes mas eles continuam cochichando. — Eu a conheci uma vez na Muralha. Passei pouco tempo com ela, mas eu sei que ela é uma boa pessoa. Lorde Tyrion me convidou a Pedra do Dragão para me encontrar com ela, e eu irei aceitar.

Jon vira para encarar Sansa, que estava surpresa com a decisão do irmão. Ele sabia que ela não aceitaria mas ele apenas queria fazer o melhor para o Norte, eles entenderiam futuramente e o agradeceriam por isso. O barulho na sala aumenta e Jon se irrita.

— Precisamos desse Vidro de dragão, milordes. – Jon altera a voz. — O Vidro de dragão pode destruir os Outros e o exercito deles. Precisamos miná-lo e fazer armas com ele. Acima de tudo, precisamos de aliados! O exército do Rei da Noite cresce a cada dia. Não podemos derrotá-lo sozinhos, não temos gente suficientes! Daenerys tem um exército e o fogo dos dragões. Preciso convencê-la a lutar conosco. Sor Davos e eu vamos a Porto Branco amanhã, e depois a Pedra do Dragão.

— Já esqueceu o que aconteceu com o nosso avô? – Sansa altera a voz, afrontando o irmão. — O Rei Louco o convidou à Porto Real e o queimou vivo. Você me disse que a conheceu mas ela não o contou quem era, e você só descobriu porque seu amigo percebeu. Ela não é confiável, a pessoa que você conheceu é uma mentira.

— Sansa...

— Ela quer recuperar o Trono de Ferro e os Sete Reinos. O Norte é um dos Sete Reinos. – Sansa se perguntava como Jon não enxergava o quão óbvio era aquilo. Daenerys queria que ele entregasse o Norte para ela é caso ele se recusasse, aproveitaria que ele estava lá e o mataria. — Isso não é um convite, é uma armadilha!

— Pode ser, mas eu não acho que Tyrion faria isso. Você o conhece, ele é um homen bom.

— Majestade, com todo respeito, concordo com Lady Sansa. – Um Lorde se levanta. — Eu me lembro bem do Rei Louco. Não se pode confiar em um Targaryen, muito menos em um Lannister!

— Nós chamávamos o seu irmão de Rei. Então ele foi para o Sul e perdeu o Reino. – Lorde Glover argumenta. 

— O Inverno chegou, Majestade. – Jon se surpreende ao ver Lyanna Mormont levantando da cadeira. — Precisamos do Rei do Norte no Norte.

Jon percebe que estão todos contra a sua decisão. Ele já esteve nessa situação antes e foi morto, mas dessa vez seria diferente. Os nortenhos eram difíceis de lidar, mas uma hora iriam entender. Ele respira fundo e observa todos que estão presentes na sala.

— Vocês me coroaram Rei, eu nunca quis isso. – Jon entende que precisa ser sincero com os nortenhos, fazê-los entender o quanto é preciso ir até Pedra do Dragão. — Nunca pedi por isso. Mas aceitei porque o Norte é a minha casa. É parte de mim, e nunca vou deixar de lutar por ele, quaisquer que sejam as chances. Mas as chances estão contra nós. Nenhum de vocês viu o Exército dos Mortos, nenhum de vocês. Não podemos derrota-los sozinhos! Precisamos de aliados. Aliados poderosos! – Jon vira seu olhar para Sansa. — Sei que é um risco. Mas precisarei arriscar.

— Envie um emissário. Não vá!– Sansa tenta convencê-lo. Estava desesperada com a possibilidade de perder a única família que tinha testado.

— Daenerys é uma rainha. Somente um Rei poderá convencê-la nos ajudar. – Jon odiava ver a decepção que estava causando a Sansa, mas ele não tinha opção. — Eu preciso ir!

— Você vai abandonar o seu povo! – Sansa altera a voz e levanta de seu assento. — Vai abandonar a sua casa.

— Vou deixar tudo em boas mãos. – Jon estava certo de sua decisão e sabia que era a melhor para o Norte.

— De quem?

— Nas suas. – Jon percebe a mudança na postura de Sansa. Desde que recebeu o corvo ele tinha decidido ir até a Pedra do Dragão encontrar Daenerys e deixar o Norte nas mãos de Sansa. Ele sabia que era um risco ir para o Sul, o histórico de sua família não era um dos melhores quando eles saiam do Norte. Seria sua primeira viagem para um lugar que não era o Norte, ele estava nervoso mas ao mesmo tempo ansioso para reencontrar a rainha, Daenerys Targaryen.


Notas Finais


Gostaram do capítulo? Deixem seus comentários!!!! Um passarinho me contou que AMANHÃ TEM REENCONTRO JONERYS!!!! Então se preparem que amanhã retomaremos essa história de amor que eu estava louca pra voltar a escrever ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...