História Before Us - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Haikyuu!!
Personagens Daichi Sawamura, Koushi Sugawara
Tags Daisuga, Shortfic
Visualizações 37
Palavras 1.841
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


yay estou aqui para finalizar a fic

não tenho oq falar sobre, pois eu nem me animei tanto para escrever ela, e eu estou com outro projeto na cabeça

bom... sem delongas...
boa leitura

Capítulo 4 - Sentimento ambíguo


Já estávamos em minha casa, sentados no tapete do meu quarto, conversando coisas banais. Nós tínhamos saído depois do colégio para um restaurante, onde ficamos um bom tempo conversando sobre nossa atual relação, e como seria após o colégio.

Ficamos em silêncio, do nada, pois eu estava muito desligado, por conta do nosso encontro, onde eu propus o namoro para Koushi e ele aceitou.

-... você está ouvindo?

-A-ah... desculpa... 

Minha mente ainda reproduzia a cena onde o acinzentado me olhou corado, com seus olhos lacrimejantes e um sorriso lindo, aceitando minha proposta e me abraçando tão confortavelmente.

-Sabe Daichi... nós poderíamos morar juntos no próximo ano...- Suga soltou a idéia no ar e me surpreendi - por conta da faculdade e... você sabe... - ele falava cada vez mais baixo e a coloração na sua bochecha aumentava.

Ele não me olhava nos olhos, estava envergonhado, e fitava intensamente a revista sobre vôlei.

-Ah... s-sim... é uma ótima idéia... - Eu dizia tão envergonhado quanto ele, eu tinha percebido onde ele queria chegar com aquela proposta.

Suspirei fundo, e me aproximei lentamente dele. Retirei a revista de sua mão lentamente, num pedido mudo que olhasse em meus olhos, que logo foi atendido. Ele me fitava com olhos curiosos, mas cheios de segundas intenções. Uma aura de sentimentos intensos e ambíguos se instalou no quarto, foi como uma mágica todo aquele clima se fazer presente.

Me aproximei cada vez mais, até que tal ato se tornasse impossível, pois estávamos colados um no outro. Nossas bocas se moviam lentamente e em sincronia, era algo gostoso de se sentir e fazer. Levantei meu corpo lentamente e me pus sentado na cama, e pelo trajeto, fui puxando Suga no meu colo para se juntar a mim.

Abri os botões da sua camisa social lentamente, enquanto os beijos não cessavam. Passei a palma da minha mão na sua cintura e senti-o se arrepiar. Eu já tinha aberto toda sua camisa, e olhei para seu abdômen desnuo e apreciava a visão erótica que me era proporcionada: Suga estava com seus cabelos bagunçados, e seu rosto corado era escondido por sua mão esquerda, enquanto a direita segurava a sua vestimenta aberta procurando controle, enquanto respirava pesadamente. Estava me abaixando para acariciar seu tronco alvo, mas ele me impediu.

-Seus... pais não...es-estão em casa? - Perguntou entre arfadas.

-Sim, mas eles estão dormindo, e o quarto deles é longe do meu... - Falei baixo e rouco, lançando um sorriso para seduzi-lo - Mas é bom... que... você não faça... muito barulho... - Beijei seu tórax enquanto falava, lentamente.

Continuei as carícias, até perceber que Suga já estava nu. Eu me deliciava em contemplar seu corpo definido pelo treino, e saber que ele era meu era satisfatório. As marcas dos chupões que deixei no seu pescoço e na parte interna das coxas já estavam ficando mais fortes, e isso o deixava cada vez mais sexy. 

Decidi o provocar mais um pouco, lambia e chupava seus mamilos fortemente, enquanto masturbava seu pênis lentamente. Ele soltava grunhidos baixos e arfadas longas, enquanto sua mão estava no meu pulso tentando fazer que a masturbação ficasse mais rápida, mas era em vão.

-Da..ichi~ isso é... golpe baixo... - Ele gemia manhosamente, de um jeito que me excitava mais e mais.

Soltei um riso fraco, e abocanhei seu membro -já molhado de pré-gozo- e comecei a fazer sucções fortes. Ele reprimia seus gemidos na medida do possível, e rapidamente chegou ao seu ápice, se desmanchando em minha boca.

Ele estava ofegante, e não dei tempo para ele buscar ar apropriadamente, o beijei intensamente -aposto que ele sentiu o seu próprio gosto, mas isso não o impediu de me corresponder à altura-, e finalmente retirou minha blusa.

Parei as carícias e me dirigi para o guarda-roupa, e de lá tirei um tubo de lubrificante e um pacote de camisinha. Voltei para a cama, e o vi com uma expressão de como se me perguntasse...

-Desde quando você tem isso? 

Sua expressão apesar de estar confusa e surpresa, era um tanto quanto engraçado.

-Comprei a alguns dias...-Corei- Você sabe...

-Sim... sim... -Riu baixinho.

Desabotoei minha calça e a abaixei junto com a cuexa boxer que eu estava usando, libertando meu pênis ereto, e depois retirei as roupas por completo. Subi na cama de joelhos e sentei de frente para Suga, lhe dando um selinho demorado, logo peguei o lubrificante e passei em meus dedos, e o olhei como sinal para que ele se deitasse. E assim ele fez, deitou-se e dobrou suas pernas, deixando sua entrada rosa a mostra e a mercê dos toques dos meus dedos.

-Da última vez...-Aproximei o dedo médio do seu orifício, o tocando e lubrificado com movimentos circulares- Você fez isso sozinho... - Eu dizia de forma rouca, próxima ao seu ouvido - Tão sexy... - Sussurrei, vendo-o se arrepiar novamente. Estava me sentindo um sádico.

Eu ameaçava a introduzir o dedo, mas recuava antes de fazer. Eu assistia as expressões ansiosas de Koushi, enquanto eu mordia seu lóbulo da orelha ou a lambia.

Por um impulso, Suga segurou minha mão e se empurrou contra meu dedo. Me surpreendi com seu ato, e logo me preocupei, achando que podia ter o machucado por conta da invetida rápida, contudo, o que vi foi uma expressão contorcida de prazer e um gemido baixo.

Ele rebolava nos meus dedos, onde eu já havia introduzido mais um, e os movimentos de tesoura e de investidas eram lentos. Algumas vezes acertava sua próstata, onde o camisa 2 aqueava suas costas, e mordia os lábios inchados. Outro dedo foi colocado para dentro daquela cavidade macia e apertada, onde a pressão era grande e a dificuldade de mover os dedos estava grande demais para eu continuar.

Retirei os dedos e peguei a camisinha. Levei a embalagem à minha boca e abri de modo provocante, o que consegui resultado. A inquietação do menor era grande, ele queria tanto aquilo quanto eu. Comecei a colocar o pequeno objeto de látex, e o vi agarrar seu próprio membro, se masturbando freneticamente.

Quando coloquei toda a camisinha na extensão do meu falo, senti Suga me empurrar com força na cama, e vi ele subir no meu colo, ainda com seu membro em mãos.

-Você está me deixando louco. -Disse com um sorriso sádico, está aí o outro lado de Sugawara Koushi. 

Ele me parecia um pouco irritado, provavelmente por conta de todo esse rodeio que fiz. 

Ele se posicionou na ponta do meu pênis, e se apoiou com suas mãos no meu peitoral. Quando ele desceu, abraçando meu membro com seu interior, joguei minha cabeça ao colchão. Caralho... aquilo era muito bom.

Percebi que ele começou num ritmo ousado e um pouco rápido. As cavalgadas eram intensas, igual nossas respirações. 

-Su...suga... Você não está indo rápido demais? - Disse com dificuldade.

Ele se aproximou, deitando seu peitoral sobre o meu, e falava baixinho no meu ouvido.

-Eu estou acostumado...nghmm -Ele dizia enquanto tentava manter a cavalgada. O olhei surpreso, não peguei o ponto onde ele queria chegar. - Você... acha que eu não tive... vontade de fa-zer... isso? - Ele me dizia entrecortando as palavras - M-mas... meus dedos não... hmm... são o bastate...ah~

Suas palavras me deixaram em choque. Não em choque por ter me assustado, mas por me surpreender, por conta dele ter se masturbado me desejando.

Passei minhas mãos na suas costas. Onde uma pousou na sua lombar, acompanhando o seu rebolar, e a outra parou em seus cabelos cinzas, que puxei levemente ao levar sua face para beijar sua boca. 

Ele se levantou e começou a subir e descer sobre minha extensão. Simultaneamente, ele levou a mão novamente para seu falo e começou a fazer movimentos iguais a da "quicada". Era insana a vista que estava tendo, Suga estava totalmente erótico, e aquilo me dava cada vez mais tesão.

Sentei e abracei Suga com força. Rolei nossos corpos na cama, e fiquei por cima. Apanhei suas coxas e as deixei dobradas para que eu conseguisse investir mais fundo.

Meus movimentos estavam rápidos e precisos, acertando a próstata de Suga, e o fazendo grunhir repetidamente. Ele tentava abafar os sons que saiam da sua garganta com sua mão tampando sua boca. Elevse masturbava rapidamente, indicando que estava chegando em seu clímax, e eu também estava perto. Depois de algumas investidas, gozei, e retirei meu pênis de dento do acizentado. Vi que ele ainda não havia chegado ao seu limite, então peguei seu pênis e o masturbei rapidamente, fazendo-o soltar gemidos e arfadas baixas, já que não podia o fazer alto, e passei a beija-lo intensamente. Logo ele soltou seu líquido em minha mão, parei o beijo lentamente, enquanto tentávamos normalizar nossos batimentos cardíacos.


Após dormirmos, acordei de madrugada fui ao banheiro. Quando me olhei no espelho, vi que minha situação estava quase igual ao dia que transamos pela primeira vez. Pensei como iria explicar isso para meus pais, ou assumir nosso namoro. Estava preocupado como iriam reagir, mas independente de qual seria a reação, eu não iria me separar de Koushi.

Voltei para a cama e vi que Suga tinha acordado, ele estava deitado, mas de olhos abertos.

-Te acordei? -Perguntei.

-Sim... -Respondeu-me sonolento. - Estou dolorido...

-Desculpa... - Falei deitando na cama, junto à ele.

-Não foi nada...

Ficamos em silêncio, por algum tempo. Era constrangedor aquele clima pós-sexo, ainda mais de madrugada.

-Bom... acho melhor nós dormirmos... - Falei sussurrando, aconchegando-me nas suas costas.

-Sim... Boa noite- Ele disse, enquanto eu passava meu braço por cima do seu ombro, e ele depositou um beijo no meu braço...

-Boa noite....



Haviam se passado dois anos desde nossa graduação do ensino médio, e eu e Suga estamos morando nos limites de Tóquio, próximos à escola Shinzen. Estamos voltando para Miyagi para ver a graduação dos nossos antigos companheiros de time primeiranistas da época. Chegamos em Karasuno e logo vimos os nossos kouhais, totalmente mudados e maduros. Encontramos outros amigos, e decidimos irmos comemorar em algum restaurante.

-Haha... nem acredito que todo esse ano você foi capitão Hinata! - Koushi dizia animadamente.

-Nem me fale! Agora sei o que Daichi-san passava na nossa época! - Dizia como se estivesse sofrendo. - Ainda bem que esse ser assustador estava aqui para me ajudar! Hahaha - Falava do modo animado de sempre, apontando para Kageyama.

-Tch... - Apesar da reação do levantador atual do time, ele sorria serenamente, diferente de anos atrás, que nem fazia tal ato.

-A propósito Sugawara-san, Daichi-san... - Yamaguchi chamou nossa atenção - É verdade que vocês vão se casar?

Ficamos sem jeito em responder tal coisa, mas confirmamos e os convidamos todos os presentes. Q Quando assumimos nosso namoro na época do colegial, os meninos do time deram apoio a nosso relacionamento, eles foram muito importantes para nós.

Após muita conversa, o tempo se passou e já estava tarde. Todos se despediram e foram embora. Eu e Suga estávamos voltando para Tóquio de metrô, e conversávamos como "nossos garotos" tinham crescido. 

-"Nossos garotos", huh? - Suga falou, com um tom insinuante.

-O que foi?

-Estava pensando... e se nós adotarmos uma criança? - Me questionou animadamente, como uma mulher fazendo planos para engravidar ansiosamente.

-Não acho uma má idéia... - O respondi com um sorriso, e pude ver ele comemorar silenciosamente.

E essa foi nossa história, antes de nós, se tornamos uma família.






Notas Finais


TERMINEI PORRA AEEE A A A A A A A A AAA

queria dizer que até estou satisfeita pelo fim da fic, acho que consegui superar a história gradativamente, mas nada muito extravagante.
me diverti muito escrevendo apesar de não ter sido uma fic muito comprometida, mas bateu minhas expectativas.

estou com um projeto novo para outra fic de haikyuu (além da succumbindo) e provavelmente será uma song fic mais longa

obrigada por quem acompanhou a fic até o final, e até a próxima escrita ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...