História Behind the scenes - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Dustin Henderson, Eleven (Onze), Lucas Sinclair, Mike Wheeler, Personagens Originais, Will Byers
Tags Fillie, Finn, Millie, Serie, Strangers Things
Visualizações 242
Palavras 2.161
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


oi gent a capa ainda não ta pronta eu prometo que já já fica ok

Capítulo 1 - Meet my girlfriend


O dia estava ameno, nem calor nem frio, era o dia perfeito para Finn Wolfhard, daqueles que se não tivesse outros planos para hoje, sairia pelas ruas com sua bicicleta e atenderia qualquer pessoa que lhe parasse. Seu humor era o melhor quando o dia estava assim, sentia-se no dever de melhorar o dia de cada pessoa que estivesse em sua frente. Mas neste dia em questão, Finn estava no carro de carona com seu pai, passariam para pegar a Gwen Matarazzo, sua namorada, e então a levariam para os estúdios.

Hoje era um dia maravilhoso, pois começava às gravações para a segunda temporada de Strangers Things, iria apresentar Gwen para os seu amigos e com sorte, iriam adora-la. Finn sentia-se nervoso com essa parte em especial. Apresentar Gwen a Millie parecia algo difícil, pois Gwen tinha um temperamento explosivo quando se tratava de Millie. Finn não entendia, sabia que era pela garota ser seu par romântico na série, mas ele sabia como separar as coisas, se não soubesse, como estaria namorando Gwen e não a doce Brown? Definitivamente entender as mulheres é difícil, o Wolfhard penava assim enquanto mantinha sua cabeça encostada no vidro do carro observando atentamente todos os detalhes vidro a fora.

— Finn, no que tanto está pensando? parece alheio... — era a voz do senhor Wolfhard. A mesma voz que tirou Finn dos pensamentos na mesma hora.

— Estou pensando no cast. Estou com saudades deles, pai. — Não era de todo uma mentira que fora contada, Finn estava realmente pensando no cast, mas especificamente na Brown.

— Sabe, quando eu tinha a sua idade, meu filho, eu não tinha essa coisa de ser artista, longe de mim. — entre a fala, o Wolfhard mais velho presente naquele carro sorriu, como se estivesse sendo transportado para o seu próprio passado. — Mas eu tinha meus melhores amigos, e as vezes me vejo em você, Finn. Eu sempre fui muito ligado a eles, e você me parece apegado a essas crianças. — Finn sentiu a mão de seu pai em seu ombro, mas continuou a olhá-lo com admiração. — Eu espero que você não se desligue deles por causa dessa sua namorada, não cometa o mesmo erro que eu cometi na sua idade.

O silêncio se pôs entre os dois, cada um imerso em sua própria bola de cristal com pensamentos. O senhor Wolfhard imerso em seus próprios erros passados, e Finn tomando suas próprias confusões e notas em sua cabeça. Finn não podia errar, não podia magoar seus amigos, sua namorada, desapontar seus pais e todos a sua volta. Eles queria ser o melhor, sempre teve vontade de ser o melhor em qualquer coisa. Tanto na sua vida quanto na sua carreira. Era algo que ele tinha prometido a si mesmo quando fez o vídeo para a primeira escalação da série. Jurou que se tivesse a oportunidade de trabalhar em algo importante, algo significativo, mesmo que seja só uma série adolescente, seria o melhor. Erros não estava presentes em seus planos.

Ao olhar para o vidro novamente, Finn tentou voltar a admirar cada parte do bairro em que estavam, mas não conseguiu por muito tempo, pois avistou a casa de sua namorada. Um sentimento apreensivo surgiu em seu peito e o pequeno tentou ignorar. Deveria ser apenas hesitação, ele devia estar confuso com que seu pai lhe disse e o medo de errar estava ali presente naquele momento por referências às palavras de seu pai. Não podia ter medo. Medo não era algo que Finn Wolfhard sentia. Então ignorou todos os avisos de seu próprio corpo e coração, saiu do carro e foi encontrar sua namorada. Arrumou a camisa branca com estampa em quadrinhos que estava vestindo e então sua mãos voou até seu cabelo, arrumando alguns fios rebeldes do cabelo encaracolado que tinha. Quando se julgou apresentável, tocou a campainha da imensa casa e esperou por exatos dois minutos. Quando o interfone finalmente lhe respondeu, a voz suave de sua sogra soou baixo para ele.

— Olá, quem é?

— Olá senhora Matarazzo, sou eu Finn, vim pegar a Gwen para irmos para os estúdios. Ela lhe contou? — Finn respondeu tranquilamente.

— Oh, sim. Espere um minuto ela já está descendo! — Por fim o interfone soou mudo.

Finn se virou para lançar um sinal positivo com o dedo para o pai que já estava buzinando no carro. Menos de um minuto se passou depois desse pequeno sinal e o som do portão sendo destravado soou. Finn deu seu melhor sorriso para a garota que estava descendo pelas pequenas escadas. Finn Wolfhard estava encantado com a menina mais nova em sua frente, e para falar a verdade, não tinha como não se encantar com Gwen. Seu corpo era marcado em cada centímetro daquele vestido rosa de florzinhas sem que deixasse-o vulgar, porém deixando todos terem a consciência que suas pernas e suas coxas não aparamentavam a idade que a menina tinha.

Gwen era mais nova apenas um ano que Finn. Suas mãos, tão proporcionais ao corpo todo, segurando uma pequena bolsinha branca, que provavelmente guardava o celular e coisas de menina, como batom e quem sabe as chaves. Mas Finn não deixou sua mente vagar pelo que a bolsa escondia, na verdade nem se tentasse conseguiria, pôs agora que sua namorada já tinha descido quase todos os degraus, seu rosto foi revelado. Completamente em sintonia, até mesmo seu sorriso meio torto era em sintonia com o resto de sua face pálida. Sua pele era exoticamente branca, chamando a atenção por em pequeno contraste com gola do vestido, quase não sobressaia nada.

A menina era dona de uma beleza incrível e indescritível. Seus cachos castanhos quase ruivos caiam por cima de seus ombros a deixando mais encantadora ainda. Ah, Finn sentiu raiva pela menina a sua frente ser tão bonita. Era tão agradável olhar Gwen Matarazzo que simplesmente não cabiam palavras para descrever a imensurável beleza de tal menina. O que um menino apaixonado não pensa, não é mesmo? Ao terminar seu pequeno devaneio sobre como meninos apaixonados eram as coisas mais bobas do universo, sentiu como se existissem borboletas voando pelo seu estômago, fazendo vento com suas pequenas asinhas, deixando a barriga de Finn fria. Mas ele sabia, era apenas sua namorada quem havia acabado de chegar ao seu lado. É, não tinha jeito, Finn estava apaixonado e se sentiu completamente otário e feliz com esse pensamento.

— Finn! — A Matarazzo exclamou, soltando um sorriso de orelha a orelha, aninhando seus braços no pescoço e seus dedos na nuca de Finn.

— Gwen, você está bonita! — Sentiu em seu pescoço um pequeno peso e automaticamente sorriu, deixando os dedos bagunçarem um pouco do cabelo da menina que estava em seu dorso.

— Você está maravilhoso como sempre! — levantou seus olhos do pescoço de Finn e o olhou nas iris de seus olhos.

— Vamos? — Finn disse, já não aguentava mais a buzina do carro de seu pai tocar por ali e os atrapalhar.

A menina concordou, sua mão desceu até a de Finn procurando seus dedos para entrelaça-los, quando consegue o feito, começa a andar com a cabeça empinada e um sorriso lindo no rosto. Chegando no carro, Finn como bom cavalheiro que é, tratou de abrir a porta para que Gwen entrasse. Ainda com um sorriso bobo no rosto, Finn se dirigiu ao banco de carona e entrou no carro com eles.

O senhor Wolfhard engatou em uma conversa com a garota e o menino presente entre eles engatou em uma conversa imaginária com Millie. Ele tinha que saber como disfarçadamente pedir que Millie não mexesse tanto com ele hoje, Gwen não gostaria nem um pouco. Millie era sua melhor amiga e tinha por mania, provocar-lo o tempo todo com a história de beijos e até mesmo dos fans que os apoiavam. No whatsapp os nomes deles estavam como “Mike” e “El” e existia também um grupo do cast do qual o nome era “as velas de fillie” os amigos deles sempre acharam que algo a mais acontecia entre eles, mas Finn e Millie nunca pensaram desse jeito. Era confortável como estavam e ninguém sentia falta de nada. Bom, Finn nunca perguntou a Millie se ela se sente assim também, mas ele imaginava que sim, já que Millie nunca tentou fazer ou falar algo a mais com ele além da amizade e das coisas do set.

As nuvens começaram a aparecer e foi aí que Finn se desligou por completo da conversa que estava rolando no carro. Cada vez que avistava uma nuvem, Finn imaginava com que ela se parecia, o garoto era muito distraído, se avoava com qualquer coisa, se um avião passasse por eles ali, Finn já estava pensando em como estaria lá em cima, para onde os passageiros iriam, mas em um piscar de olhos Finn já mudava o pensamento e agora pensava em como estava com fome ou simplesmente ficava entretido contando o número de carros vermelhos que passavam por ele. Para ele qualquer coisa estava boa, de qualquer jeito se sentia confortável, então os pensamentos variavam entre sorrisos, fome, carros, falas, cenas, filmes e por aí vai.

Quando se deu por conta de si, já estava entrando nos campos de filmagem, Finn virou seu rosto para a garota sentada no banco de trás e lhe ofereceu um sorriso que lhe foi retribuído com um maior ainda. O senhor Wolfhard estacionou na calçada, pois ele não ia ficar por ali, então deixou as crianças dentro do set e voltou o seu caminho sorrindo igual um bobo por estar feliz que seu filho tenha voltado a ter o que fazer as tardes e largasse o videogame um pouco. Finn agarrou a mão de sua namorada novamente entrelaçando os dedos dela aos seus, espetando que isso o ajudasse com o nervosismo. Sentia sua barriga ronronar de nervoso.

O momento assustador de apresentar Gwen a Millie estava chegando e cada vez Finn se sentia menos preparado. Boa parte dos atores já estavam enrolados com algo sobre a série então não dava para os atrapalhar para uma coisa tão fútil como apresentar sua namorada. Os irmãos Duffer estavam em uma mesa no meio do campo de filmagens, entretidos com o que uma garotinha de cabelos meio encaracolados falava, Brown.

Os cabelos de Millie estavam deslumbrantes, o vento não os deixava parar quietos, o que fazia os fios curtos e meio encaracolados como um anjinho ficarem balançando para lá e para cá. Suas mãos se movimentavam em extrema vontade como de estivesse muito entretida ali falando com os escritores. Finn duvidava que ela realmente não estivesse animada, foi ela quem ficou por uma semana na contagem regressiva para a volta das gravações. Millie era sempre comprometida e animada com o trabalho e isso era uma da coisas que atraía Finn a garota.

Gwen ao seu lado já estava meio desconfortável por ter parado de repente, então apertou os dedos de Finn para que ele acordasse e voltassem a andar, o pedido sútil da garota foi concedido pelo mais velho e eles voltaram a se aproximar dos irmãos e de Millie. Matt Duffer quando encontrou Finn com os olhos, sorriu e acenou, alertando todos da mesa que Finn havia chegado. Millie se remexeu a cadeira sentindo-se um pouco de desconforto por ter visto Finn de mãos dadas com uma outra garota, mesmo já sabendo que Finn estava namorando por causa das fotos postadas em seu perfil oficial no instagram.

Quando o casal chegou a mesa, Finn cumprimentou todos como devia e deixou um beijo estalado na testa de Millie como era de costume para os dois, não pensou que isso podia incomodar sua namorada, mas quando voltou a olhá-la, encontro-a mordendo os lábios por ciúmes e com isso Millie sorriu de ladinho disfarçadamente.

— Pessoal, essa é Gwen Matarazzo, minha namorada! — exclamou voltando a ficar do lado da tal garota e sorrindo para todos em sua volta.

— Olá! Tudo bem?

— Oi, como vai? — os Duffer falaram quase juntos e como sempre deram uma batida na mão um do outro sorrindo como bobos, coisas de irmão, pensou Finn.

— Oi, gente. Eu estou bem, e vocês? — Gwen sorriu ligeiramente ainda se aninhando com Finn.

— Olá — Millie soou, despertando a bolha que a conversa dos três tinha se formado.

— Gwen essa é a Millie — Finn apresentou com cuidado as garotas.

— Pode me chamar de Eleven se preferir, aqui dentro do set eu nunca deixo de interpreta-lá. — Millie completou e Finn de imediato não percebeu a verdadeira intenção com as palavras da garota e por isso completou.

— El para encurtar — Imitou a fala de seu personagem e lançou um de seus sorrisos mais verdadeiros para Millie.

— Bom, olá Millie, como vai? — A voz de Gwen soou um pouco ríspida e de imediato Finn percebeu que fez merda e entendeu a fala de Millie. Respirou e inspirou cansado, pois hoje o dia seria longo e teria que aguentar provocações implícitas entre conversas das duas garotas. Se é que podiam chamar de conversas, né? Pareceriam mais alfinetadas do que conversas.


Notas Finais


eh isto ok. beijos e deem amor para a fic


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...