História Beside You - Capítulo 22


Escrita por: ~

Visualizações 15
Palavras 1.157
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey you!!

Boa leitura.

Capítulo 22 - Capítulo 22


Fanfic / Fanfiction Beside You - Capítulo 22 - Capítulo 22

Pov Elizabeth



Poucos minutos depois,Alena seguiu para o banheiro e Alexander voltou para nossa mesa,soltando todo o ar possível,mas eu ainda sentia o olhar do jovem Blind em minha direção.

Amanda e a irmã voltaram juntas,sentaram-se e ficaram se encarando por alguns segundos,imagino que tenham discutido um pouco.

—Quer ir embora? —Meu marido indagou,eu neguei,não havia necessidade disso. —Alena minha filha,achei que você tinha entendido quando conversamos.

—Eu sei pai,eu só fiquei,sei lá,surpresa. —Ela respondeu,segurava-se para não olhar pra trás,já Amanda podia vê-la,assim como eu.

—O irmão dela,não para de olhar pra cá. —Amanda também resolveu encara-lo,previ o que eles chamavam de treta. —Vou perguntar o que ele perdeu aqui.

—Filha,controla esse gênio por favor. —Pedi segurando o riso,pedi algo impossível,admito.

Decidimos que por hora,seria melhor esquecermos o episódio ocorrido,voltando a nos concentrar no almoço.

Pov Camilla


—O que houve? —Indaguei Daley,já que meu irmão permanecia vez ou outra encarando a mesa do diretor financeiro do Borussia,embora eu também tivesse achado estranha a atitude da filha dele de ficar parada de frente a nós com os olhos arregalados.

—Já olhou pra alguém e teve a impressão de já tê-la visto em algum lugar? —Assenti. —Sou eu com aquela mulher.

Segui seu olhar e vi a quem ele se referia,era bonita,e tive quase a mesma sensação,junto com uma paz,acabei prendendo meu olhar no rosto dela,coisa que eu não fazia sempre.

A moça ao lado dela também olhou pra nós,um pouco emburrada,mas assim que me viu,deu um sorriso mínimo,ao qual retribui sem graça.

—Posso saber pra quem é esse sorriso? —Juan questionou cruzando os braços sobre o peito,quase matando sua mãe e meus irmãos de rir.

—Pra mocinha naquela mesa. —Apontei discretamente,como ele estava de costas,virou-se para olha-la,gastou alguns segundos observando e depois fez o mesmo comigo.

Sua atitude foi tão suspeita que Marta acabou fazendo o mesmo,com o cenho franzido,ela encarou o filho,como questionamento ao que estava acontecendo.

Olhei a hora,eu deveria ir pra fundação,hoje íamos finalmente ver se o casal Kalluwey iria mesmo adotar Gwen,Sophie estava muito triste por perder uma das coleguinhas.

Me despedi de todos,Anne decidiu ir pra casa,então eu a deixaria lá.

Meu dia não podia ter sido melhor,depois que deixei minha irmã em casa,fui pra fundação e pude sim olhar na cara da Angelina e soltar o desejado eu avisei.
Os Kalluwey adotavam crianças para depois coloca-las para trabalhar,com a ajuda de uma outra mulher,eles apresentavam uma casa boa,vida estável e família feliz,por Deus Meredith me ouviu e pediu para verificarem o casal mais de perto,com a denúncia feita contra eles,logo estariam presos e talvez tivessemos mais crianças e adolescentes por aqui.

—É isso que eu acho injusto,as vezes uma pessoa solteira tem mais condições de criar uma criança do que um casal. —Concordei com Dora,então a assistência social achava que uma mãe solteira ou viúva não poderia criar os próprios filhos. —Lembro quando você chegou aqui,não faz muito tempo,mas a senhorita mudou algumas coisas.

—Talvez eu faça pelos outros o que gostaria que fizessem por mim,não sou hipócrita à ponto de pedir que não façam comigo algo que farei a elas depois,não precisamos ter desvio de caráter ou ser estabanada na vida para sermos humanos,não existem pessoas perfeitas,isso é coisa de contos de fadas,tenho meus defeitos Dora,mas eu só os mostro pra quem me tira do sério,não engulo sapos e nem levo desaforo pra casa,se me atacar,eu vou devolver. —Falei tudo sem pausar,vendo a cozinheira me olhar confusa. —Desculpa,só precisava desabafar.

Eu estava passando por uns pequenos conflitos,inclusive de personalidade,andava tendo momentos de puro egoísmo em alguns casos,mas ninguém estava vendo isso,nem mesmo Juan,a quem ultimamente eu andava exigindo muito,quis proibir meus amigos de serem amigos de quem eu não estava tendo muita afinidade,ou seja,estava agindo pior que criança.

Pedi licença deixando a cozinha,passei por várias crianças que brincavam umas com as outras e também pude ver o trio Gwen,Sophie e Aurora,as três se fecharam entre elas e estavam juntas o tempo todo.

—Você anda distraída de novo,o que está acontecendo? —Nath me questionou,estavamos arrumando os livros que as crianças estiveram lendo.

—Eu acho que a tpm vai atacar,eu ando fazendo muitos questionamentos internos,eu tô confusa. —Admiti,algo que eu ainda não havia feito nem pra mim. —Minha bipolaridade está aflorada.

—Eu acho que você tá grávida! —Onde eu clico pra calar a boca dela?Devo tê-la lançado um olhar muito mortal,pois a mesma engoliu seco e se desculpou. —É,provavelmente seja tpm mesmo.

Minha atenção foi tomada para o celular quando notificou uma mensagem.

Camilla,precisamos conversar.

Melissa.

Confesso que aquela mensagem me preocupou,marquei a tal conversa para a noite seguinte,voltando minha atenção para minhas tarefas.

Naquela mesma noite,decidi conversar com meu pai,por ser um pouco mais durão,diferente de dona Yvonne,senhor Danny não ficava de preocupação,então ele sempre foi a melhor opção para se ouvir umas verdades. E eu precisava delas.

Talvez você esteja sobrecarregada,muita coisa na cabeça,faculdade,fundação,seus irmãos,namoro e agora tem Elizabeth,dá um tempo filha,você vai acabar surtando e magoando pessoas que te amam. —Ouvi cada palavra,realmente eu me preocupava com tudo isso,queria ver todos bem e acabava esquecendo de mim,ou não,queria que os outros lembrassem de mim quando eu mesma deveria fazê-lo. —Só pra você saber,sua mãe pretende ir te ver no seu aniversário. Eu também claro,queremos festa.

—Também quero!Vou cutucar o Daley. —Respondi rindo e pude ouvir meu pai fazer o mesmo.

Quando encerramos a chamada,eu já me sentia um pouco mais leve,então resolvi tomar um banho bem demorado.

Enchi a banheira,conectei meu celular no pequeno som no banheiro e deixei minha playlist tocar. Cantei com Robbie Williams,Nirvana,U2 e Red hot chilli pepers,até que a água já estivesse fria.

Eu já estava deitada,lendo um pouco,mais uma vez pedi a senhora Maclay o dia de folga,compensaria depois,mas eu precisava daquilo,também não iria à faculdade,talvez um dia fosse o suficiente para repor minhas energias e por fim,me desconectei das redes sociais,as vezes eu lia umas babaquices e indiretas que me estressavam e quase me faziam revidar,ou faziam.

O sono me dominou,então me entreguei a ele,desejando que o dia seguinte fosse melhor.

Pov Elizabeth



Melissa estava quieta,como se pensasse no que dizer,Bastian e Alexander conversavam alheios ao clima que se estabeleceu,não entendi muito do que estava acontecendo,mas se ela nos chamou,algo de importante era.

—Meli,se está pretendendo deixar seu irmão viúvo,tá no caminho certo,quer me matar de curiosidade? —Alena como sempre cortava os climas de tensão.

—Tudo bem! Sei que não tenho esse direito mas,na noite de natal você disse algo sobre os colares que deu as meninas,que havia outro,original,que você deixou com alguém,23 anos atrás. —Senti minha cabeça rodar,meu coração acelerar e Alexander nos fitar tenso. —Eu sei quem é essa pessoa,vi esse colar com ela,uma garota,de 23 anos,abandonada na porta da família adotiva,com os seus olhos,sorriso da Amanda e uma pitada de humor da Alena. —Acho que não precisaria responder,as lágrimas desciam por meu rosto a cada palavra dita. —Ela é sua filha?Camilla Blind,é sua filha?

—Sim,ela é. —Foi tudo que consegui responder.


Notas Finais


I'm sorry guys!

Sei que tô enrolando pro encontro real delas,na realidade já está até escrito e eu tive que me segurar pra não chorar igual cabrita véia...midira.

Possivelmente entraremos na reta final da estória,mas nunca se sabe,sou mei lokona.

Kusses!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...