História Bill e Dipper: A história não contada - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Bill Cipher, Dipper Pines, Gideon Gleeful, Mabel Pines, Personagens Originais
Tags Bill, Bipper, Dipper, Falls, Gravity, Yaoi
Visualizações 79
Palavras 2.293
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Fiz um capitulo especial com tema Halloween espero que gostem....

Capítulo 19 - Halloween


Dipper on~

É véspera de Halloween, as crianças da cidade estão entusiasmadas para pedir doce nas casas, os jovens marcando festas e encontros, mas na cabana dos mistérios o foco é bem diferente. Stan decidiu fazer algo temático para esse dia, somente para conseguir chamar mais turistas e conseguir mais dinheiro, e claro que eu e todos na casa teríamos que trabalhar. A ideia foi simples, fazer uma caminhada pela floresta onde estariam marcados em qual lugar eles deveriam passar, e eu, a Mabel, o Bill e o Soos nos esconderíamos nesse percurso para assustar quem passasse.

A Mabel ficou responsável por ajudar a arrumar a fantasia para todo mundo e a maquiar, ela ficou o dia inteiro responsável por isso enquanto eu ajudava o tio Stan a atender os turistas que visitaram a cabana de dia, Soos e Bill foram arrumar algumas coisas na floresta que podiam se uteis.

O dia passou rápido a noite já tinha chegado e todos já estavam com suas roupas, Bill estava de fantasma, Soos de vampiro, Mabel de Samara e eu de Zumbi. Cada um foi para seus postos em uma parte do percurso, a ordem foi Soos, Mabel, Eu e Bill, a floresta a noite já dava um pouco de medo, mas ela parecia mais escura e assustadora que o normal.

Cheguei ao ponto que eu tinha que ficar e me escondi atrás de uns arbustos, fiquei ali pensando o quanto seria legal se realmente conseguiria assustar alguém, imaginava um casal saindo correndo ou duas amigas gritando, estava até pensando em como iria abordar cada pessoa.

Enquanto ninguém passava, ficava imaginando em como seria com o Bill, se ele arruinaria tudo, mas acho meio difícil afinal ele está de fantasma para ele que flutua, não parece ser muito difícil, se bem que depois de conseguir quebrar várias coisas na loja ou na cozinha somente querendo limpar, não seria novidade.

Foi quando senti um vento bater em minhas costas e ouvir os barulhos que as folhas das arvores faziam, mas com a escuridão só se ouvia os sons, era impossível ver, a lua cheia tinha iluminado o caminho até aqui, no entanto as nuvens o cobriram a ponto de não enxergar nada.

Mesmo depois que o vento já tinha passado ainda tinha um dos arbustos atrás de mim que ainda se mexia, meu coração gelou. O que poderia ser? Eu estava sozinho... Mesmo se gritar não adiantaria nada, meu corpo começou a soar frio, mesmo desesperado ainda observava o que iria sair. As folhas cada vez ficavam mais agitadas até que um coelho pulou do meio dos arbustos, quando percebi que era algo inofensivo finalmente pude respirar fundo. Meu coração demorou a se acalmar, o quão idiota eu sou, eu estou aqui para assustar os outros e sou eu que estou saindo assustado.

Depois de um tempo.

Já tinham passado três grupos de turistas, como eles viam com uma lanterna era fácil saber quando estavam chegando, eu aproveitei a ideia do barulho nos arbustos para chamar a atenção e depois saia rastejando, isso estava dando certo grande parte das pessoas se assustavam.

Enquanto esperava o quarto grupo chegar, ouvi o mesmo barulho no mesmo arbusto, dessa vez algo estava diferente, o barulho era muito maior e quanto mais se aproximava mais folha mexiam. Meu coração gelou novamente, mas dessa vez eu não conseguia olhar e fechei meus olhos com a maior força possível, não conseguia imaginar qual monstro ou animal sairia dali não conseguia imaginar.

De pouco em pouco o barulho ia ficando mais próximo, quando chegou próxima de mim o suficiente o barulho parou, eu só pensei  “ eu vou morrer! Eu vou morrer! É hoje que vou morrer”, mas senti uma coisa gelada encostando no meu ombro, minha ansiedade explodiu e eu dei um grito, junto com ele eu abri o olho.

- AHHHHHHHHHH!

- Por que você gritou?

- O que? É você? Ai meu coração! Que susto... eu quase morri aqui. – tentava falar ofegante- Você tem que parar de me dar susto...

- Eu não preciso nem me esforçar, você já leva susto por qualquer coisa, já passou da hora de parar de se assustar tão facilmente, até você quando mais novo não levava tanto susto. – Não tem como retrucar.

- Eu sei..... Mas depois de anos começamos a ter mais consciência das coisas....... Mas mudando de assunto o que você está fazendo aqui, Bill?

- Lá estava chato então vim ficar aqui.

- Se o Stan ficar sabendo ele vai virar uma fera.

- Não estou muito preocupado com isso. – ele voou até um tronco de uma arvora e sentou colocando as duas mãos atrás da cabeça com uma posição bem relaxada, mas se ele fizesse algo errado à culpa seria minha por ter colocado ele dentro de casa.

Ficamos ali uns cinco minutos em silencio enquanto esperávamos os próximos turistas, mas nenhum passava, até que o Bill quebrou o silencio, e por ele estar ali eu estava bem mais relaxado também.

- Dipper, vamos fazer algo enquanto esperamos? Você escolhe doce ou travessuras?

- O que? – Ele virou para mim e começou a descer da arvore.

- Eu acho que vai ser travessuras.... Agora você não tem a desculpa de que estamos na sua casa.

- Mas e o turista.... estamos aqui trabalhando.

- E quem se importa com isso? Vamos mais pro meio da floresta. Hoje você não escapa! – Ele chegou muito próximo de mim e me beijou.

- Tivo Stan vai me matar..... – Eu não estava negando, esta querendo isso também..... e como agora ninguém ia nos incomodar era um momento perfeito.

Nós ficamos ali na beira do caminha nos beijando, e tentava recuperar o folego entre os beijos, ele ia com calma descendo sua boca para meu pescoço..... Aqueles movimentos já estavam me deixando excitado e ele também.

Bill me pegou com força e me fez entrelaçar minhas pernas em sua cintura e me apertou entre ele e uma arvore, nós já estávamos imersos na sensação e no desejo, nós começamos a tirar a blusa um do outro e Bill já tinha tirado minhas calças e ele já estava tirando a dele.

Foi quando ouvimos um grito bem de longe se aproximando muito rápido pelo caminho dos turistas, eu estava curioso para saber o que estava acontecendo, mas Bill me puxou para esconder atrás da árvore para que pessoa não nos visse, quando ela passou gritando, no entanto uma coisa não estava certa.

- Aquele não era o Soos? – Perguntou o Bill.

- Era.... não era para ele estar assustando as pessoas ao invés de sair correndo assim?

- Falou o que deu um grito há minutos atrás.

- Cala boca. – Agora era aquele momento que não sabia se iria ver o que estava acontecendo ou se ficava com o Bill, mas olhando para como estávamos e que não teríamos mais oportunidades como essa, além de já estarmos duros eu decidi ficar ali. Eu sei que isso é errado... Amigos e família são mais importantes, mas pensando como o Soos é, era algo bobo... Se fosse algo sério ele estaria gritando me procurando, mas ele estava assustado. – Vamos mais para fundo da floresta para ninguém nos ver.

- Sério? Achei que iria atrás dele saber o que era. – Ele não conseguiu disfarçar sua felicidade.

- Por quê? Se quiser eu vou atrás dele.

- Não... não.... Vamos para fundo da floresta continuar.

Nós fomos, chegamos a um lugar onde tinha uma arvore grande e colocamos nossas roupas dependurada em um dos galhos baixo dessa mesma arvore, e me sentei entre algumas raízes que saiam da terra, Bill voltou a me beijar e continuou de onde tínhamos parado, não demorou para ficarmos duros novamente.

Com mais calma e cuidado o Bill começou a enfiar um dedo de cada vez no meu anus, quando chegou no segundo ele moveu o dedo em um lugar tão sensível que me forçou a soltar um gemido.

- Então é ai seu ponto.

Ele começou a tocar cada vez mais no mesmo lugar que me fazia gemer mais, não demorou muito que eu gozasse.

- Nossa! Esse foi rápido. Você estava se segurando assim? – Eu não queria responder, mas fazia tanto tempo desde a última vez que acabou acumulando.

Ele continuou tocando e depois aumentou os dedos até perceber que podia enfiar, foi quando ele tirou uma camisinha do bolso de sua calça que estava próximo.

- Você já estava esperando por isso? Foi planejado?

- Não podemos perder uma oportunidade. – Ele voltou a me beijar, colocou a camisinha e enfiou em mim e começou a mover, minha mente começou a ficar em branco, eu tremia de excitação, cada gesto, o calor do Bill parecia que estava marcando e grudando na minha pele, parecia que eu estava me derretendo.

Depois de ter feito várias vezes recobrei meus sentidos, nós concordamos que tínhamos que voltar para a Cabana, eu falei para o Bill não ir junto comigo, já que a Mabel podia desconfiar de alguma coisa e ele esperar um pouco para depois ir. Chegando em frente a cabana vi uma movimentação de carros e turistas muito alta, eu ia perguntar para a Mabel mas ela já estava vindo em minha direção

- Dipper! Onde você estava? – A Mabel veio correndo.

- Por ....

- Tudo bem não precisa dizer nada. – Ela me interrompeu.

- Que?

- Eu já descobri onde você estava...

- Como?

- Com esse chupão de todo tamanho no seu pescoço, não tem o porquê de perguntar. – Ela disse apontando para meu pescoço e eu em um movimento rápido coloquei minha mão tampando e ao mesmo tempo estava vermelho de vergonha.

- Onde está o Bill?

- Daqui a pouco ele aparece. Mas que confusão é essa com os turistas e o Soos ali? – Os turistas estavam apertando a mão do Stan parecendo felizes, enquanto o Soos estava em um dos cantos abraçando as próprias pernas de forma deprimida e tinha uma ambulância  saindo da cabana. – Parece que eu perdi muita coisa.

- Lembra daquele monstro que você levou para a cabana naquela vez que eu substitui o Stan, para os turistas verem uma criatura de verdade, aquele metade demônio e metade trasgo, que você chamava de “Trasgônio”.

- Lembro sim aquele que se olhar nos olhos dele, você vê seu pior pesadelo, o que tem?

- Então parece que um desse apareceu no caminho e por sorte não atacou nenhum turista, mas depois de ver seu pesadelo eles desmaiaram e a ambulância veio buscar, além do Soos também ter visto e ficado naquela situação.

- E aqueles que estão com o Tivô Stan? Eles parecem bem felizes....

- Isso que eu queria te perguntar...

- Como assim?

- Bem eles passaram por mim e eu dei um susto neles e não foi nada diferente, mas depois que passaram por mim eles falaram que o susto foi muito realista e realmente ficaram com medo, mas que gostaram bastante. O tivô Stan não me deixou perguntar, porque não queria perder os clientes, que deram muito dinheiro para ele.

- Eu não faço ideia.... eu e o Bill... cof*cof*... fomos pro meio da floresta e não vimos ou ouvimos nada. – Ela estava segurando para não rir do meu nervosismo. Nós ficamos ali observando eles entrarem em um carro e irem embora.

- Agora não vamos poder saber o que foi que eles viram......

- Vai lá ver.

- Por que você não vai? Não era você que gostava de aventura e mistérios de Gravity Falls.

- Eu não, eles falaram que era assustador e parece real, e se não era eu e o Bill com certeza é real, meu fascínio por mistérios não chega a tanto, eu tenho amor a minha vida.

- O que vocês estão fazendo aqui? – Apareceu o Bill atrás de mim. Só de saber que minha irmã já estava sabendo o que estávamos fazendo há alguns minutos atrás me deixou com vergonha e vermelho. – Por que o Dipper está ficando vermelho?

- Bem.... Ele está com vergonha de falar, mas ele falou que não era para você deixar marca do que estavam fazendo em lugares tão a mostra. – Falou a Mabel.

- Mabel!! – eu disse em um tom para ela ficar quieta.

- Marca? Onde? – Mabel apontou para o meu pescoço, mas eu estava com a mão ali. Bill segurou meu braço e o puxou para baixo fazendo a com que a área ficasse exposta. - Nossa eu nem percebi que tinha feito isso, eu estava tão excitado que fiz sem pensar, desculpa. – Eu fiquei em choque por um momento, mão acredito que ele falou isso, e como se fosse natural.

- Bill!

- O que?

- A minha irmã esta aqui. – Eu olhei para a Mabel e ela estava muito sem graça e sua bochecha avermelhada.

- E dai? Ela já sabe que estamos juntos.

- Esse não é o probl...

- Dipper! Bill! Parabéns! – Fomos interrompidos pelo Stan que vinha se aproximando – Os turistas adoraram vocês!! – O Bill me olhou com uma cara de muito confuso.

Eu cochichei no seu ouvido “depois te explico”, estava rindo de sem graça sem saber como reagir.

- Vocês não vão falar nada? O que vocês fizeram?

- Um mágico nunca revela sua arte hahhahhahah – Sorria de nervoso.

- Muito bom Dipper! Bom trabalho! – Tivo Stan falava batendo na minha cabeça. Ele se virou e foi em direção a casa com aquele bolo de dinheiro na mão, e contando ele com um sorriso no rosto.

- O que foi isso? Achei que chegaria aqui e você estaria levando uma bronca por sair do seu trabalho.

- Eu também, mas o que importa é que deu tudo certo no final.

Fim....

 


Notas Finais


Final de período estarei ocupada e não sei quando poderei postar mais capítulos então não darei uma previsão do próximo capitulo, mas sempre quando eu tiver um tempinho continuarei escrevendo, e tentarei postar o mais rápido que der.
Bom Final de semana!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...