História Brother - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Aizawa Shouta, Asui Tsuyu, Bakugo Katsuki, Lida Tenya, Midoriya Izuku, Mineta Minoru, Personagens Originais, Present Mic, Todoroki Shouto, Uraraka Ochako, Yagi "All Might" Toshinori
Tags Dabi, Izuku, Kirikami, Shouto, Tododeku, Villainleague
Visualizações 62
Palavras 1.022
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Lemon, Orange, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Shounen, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Demorei? Demorei, mas por motivos:

a) toda santa vez que eu ia escrever esse cap a porra do celular ou o próprio Spirit dava bug e eu perdia;

b) tava tendo a alma sugada pelo relatório de química (que eu não consegui imprimir, aí tive que dar o pendrive pra minha dupla correr numa lan house e trazer de tarde) (e eu realmente espero que o Wesley tenha levado, se não vou fazer o couro dele de tamborim);

c) fiz a loucura de começar outra fanfic, dessa vez uma ABO de Haikyuu (ninguém nunca escreveu uma ABO, só Mpreg, então... Partiu ser a primeira! Kkkkkkkkkk) — mais informações, vide meu perfil! 😁;

Se eu tiver mais alguma coisa que seja relevante pra falar, vou deixar nas notas finais. BJOS e boa leitura bebês! 😘😘😘

Capítulo 7 - Heavenly Fire


Fanfic / Fanfiction Brother - Capítulo 7 - Heavenly Fire

[Abra os seus olhos./ (...) / Eu sou só um pobre garoto. / Eu não preciso de compaixão. / Porque eu venho fácil, fácil vou. / E possuo altos e baixos. / Não importa para onde o vento sopre. / Nada realmente importa pra mim. / Pra mim. / (...)/  Tarde demais, chegou minha hora. / Sinto arrepios em minha espinha. / Meu corpo está doendo todo o tempo. / Adeus a todos. / Eu tenho que ir. / Tenho que deixar todos vocês para trás. / E encarar a verdade./ Mamãe, oh!/ (De qualquer jeito o vento sopra.)/ Eu não quero morrer./ As vezes eu desejo nunca ter nascido!]

(Queen — Bohemian Rhapsody; cover by My Chermical Ro mance)












[Seis anos antes]










Ok, talvez sair a essa hora tenha sido má ideia pensou o garoto, apertando a alça da pesada mochila, nervoso. Mas não tinha outra opção se quisesse sair sem ser pego; teria que arriscar-se nas ruas da noite. E se fosse atacado, poderia se defender facilmente com sua quirk, que apesar de errática, era bem quente, bastava esforçar-se um pouco para fazer a Heavenly Fire funcionar. E esse era o único problema de ser filho de quem era; a quirk de sua mãe, Coldland, acabava por atrapalhar a de seu pai, Hell's Flame, o que por consequência o classificou como uma das maiores falhas de Todoroki Enji. E Deus, como não queria ter um nome ou uma quirk semelhante a daquele homem repulsivo. Tinha pena de Shouto, que agora, sem ele e a mãe, sofreria ainda mais nas mãos daquele filho da puta — que sua avó não soubesse daquele insulto. Mas isso agora não era problema dele. Isso, — insira um pouco de conformismo aqui — não havia nada que um moleque de quase quinze anos e com uma quirk de merda pudesse fazer contra um herói profissional, por mais depravado que ele fosse.

Todoroki Eizan dobrou a esquina e desapareceu nas sombras.

Três dias depois, foi dado como morto.








[Atualmente]











Ser um vilão não era tão ruim quanto a maioria das pessoas pensam; era legal. Quero dizer, existem dois tipos de vilões: os que são por vontade própria, e os que são por necessidade. Dabi pertencia aos dois grupos. Primeiro de tudo — e que deixemos isso bem claro —, ele não era mau. Ou tão mau quanto poderia ser, afinal de contas, mesmo que fosse um vilão, ainda possuía um tantinho do orgulho heróico herdado de um passado remoto, portanto recusava-se a erguer a mão e a quirk contra pessoas mais fracas. Mas ter um pouco de humanidade em si não o tornava menos cínico, cruel ou qualquer outro adjetivo que se aplica a uma pessoa como ele. E convenhamos, ser vilão tinha várias vantagens: podia fazer o que quisesse, quando quisesse, sem ter que dar satisfações a ninguém; podia ir e vir quando queria; podia pegar o que queria, na hora em que melhor lhe convinha; não precisava suportar o olhar de desprezo de ninguém calado; podia ser ele mesmo sem ter alguém para pôr-lhe um dedo na cara enquanto dizia que era um erro, uma maldita falha. E isso, para pessoas como Dabi, era o paraíso.

Parou no sinal dos pedestres, e aguardou paciente até a luz ficar verde. Nenhum carro passou.

Assoviando uma melodia qualquer — podia-se identificar Bohemian Rhapsody, uma das clássicas do Queen, a distância  —, seguiu pelas ruas quase completamente vazias até virar numa das avenidas principais. Se bem lembrava, era naquela rua ali que ficava a tal LOVEonICE, a nova boate recém inaugurada que funcionava como escolinha de patinação de dia e danceteria para maiores a noite. Não demorou muito para ver o enorme letreiro luminoso e sentir o chão vibrando levemente com o som que vinha do prédio — que, obviamente, era praticamente selado com uma espuma acústica de quase um metro de espessura misturada a redutores de quirk; aparentemente, nem mesmo a melhor espuma de som do mercado deteria o efeito direto da quirk de um dos donos. Meteu as mãos nos bolsos do sobretudo, empinou o nariz e continuou andando.

Estava passando por um beco quando as portas de sensor do lugar se abriram e um casal um pouco bêbado de Eros saiu. Dabi teria ignorado e seguido em frente se o cabelo meio branco meio rubro de um dos garotos não tivesse lhe alertado que a dupla em vestes civis eram na verdade aspirantes a heróis. Só teve tempo de enfiar-se nas sombras do beco antes que os dois rapazes começassem a andar em sua direção, entretidos numa conversa que envolvia beijos, mãos bobas e risos.

—... Nem quero ver a cara da Uraraka-san amanhã.

— ué, por que?

— porque eu consegui me declarar pra pessoa que eu gosto e ela não, hehehe!

— ela é aquela... — Shouto parou do nada, o que acabou fazendo Izuku bater em seu peito com o puxão não intencional.

— o que foi?

— final da avenida. Vilões.

O menino de cabelos verdes seguiu o olhar do outro, e pode ver o grupo de mal intencionados se aproximando. Além das quirks, portavam barras de ferro, pedaços de madeira, tacos de baseball e lacrosse, assim como armas de fogo e correntes. E todos tinham camisetas ou tatuagens com a logo noLOVEonICE.

— o que...

— são inimigos dos gêmeos. — explicou Shouto, dando um passo depois outro para trás. — querem usar as quirks deles para o mal. Certa vez, inclusive sequestraram a Yuuna. Ela ainda tem as cicatrizes pra provar. Temos que voltar e avisá-los.

— você volta.

HAh?!

volte e não permita que ninguém saia. Por você ser conhecido dos gêmeos, provavelmente vai conseguir convencer os seguranças a fecharem as portas.

— mas Izuku...

— e depois você vem me ajudar.

— droga, eu odeio quando você resolve ser altruísta. Sempre se machuca.

— mas essa não é a essência de um herói?

Shouto sorriu, mesmo com as entranhas retorcendo-se de preocupação, e deu um selinho em Izuku antes de voltar para a boate. Enquanto corria os duzentos metros que os separavam das portas, olhava para trás.

As costas de Izuku nunca haviam sido tão bonitas ou tão dolorosas de se ver.

Restava agora a icognita chamada Dabi, que ainda estava no beco.


Notas Finais


Tá, eu sei que tá curtíssimo, mas é porque eu NÃO CONHEÇO O DABI. Ele talvez seja um dos personagens mais difíceis de desenvolver numa história, pois ele PRATICAMENTE NÃO TEM UMA. E eu não digo isso pra criticar o Hori-sensei, mas sim pra ressaltar o fato de que ele é um dos personagens mais misteriosos do mangá (só não supera o Nezu e o All Might, que convenhamos, eu ainda quero saber um pouco mais sobre o passado dele, não só sobre a quirk).

Coldland: terras frias

Hell's Flame: chamas do inferno

Heavenly Fire: fogo celestial


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...