História Cartas - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Deiita, Narusasu
Visualizações 451
Palavras 1.442
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi!

Mais um capítulo.
Nesse veremos um pouco da história do Sasuke.
O próximo capítulo provavelmente sairá na próxima sexta-feira.

Capítulo 2 - Meu Único Amigo


Fanfic / Fanfiction Cartas - Capítulo 2 - Meu Único Amigo

Sasuke Uchiha:

 

Maio, 2007:

 

“Eu sou esse tipo de pessoa. Eu tenho sete anos. E você? Gostei de você Itachi, seja meu amigo.

Ass: Deidara Uzumaki”

 

- Sasuke? O que houve meu filho? Por que essa carinha triste?

- Mamãe... quando eu vou sair daqui? – perguntei e ela me olhou triste.

- Logo meu amor. Logo você sair daqui e vai poder brincar como as outras crianças. – ela falou, com os olhos marejados, me dando um beijo no topo da cabeça.

- Mamãe... pode colocar uma coisa no correio pra mim? – perguntei e ela deu um sorriso.

- Claro meu amor. O que é? – ela perguntou curiosa e eu peguei meu caderno e um lápis e comecei a escrever a resposta para a última carta que Deidara havia me mandado.

- Uma resposta. Acho que fiz um amigo. – falei e o sorriso dela se alargou.

- E você vai escrever pra esse amigo? – ela perguntou e eu assenti e ela se sentou na cadeira ao lado da minha cama – Então essa carta tem que estar linda. Escreve com essa caneta aqui, bem colorida. – ela falou, me entregando uma caneta laranja e eu sorri e escrevi a carta, entregando a ela no final e ela pegou com um sorriso, dizendo que iria colocar no correio. Ela parecia agora tão feliz quanto eu.

 

Março 2012:

 

“Finalmente pedi a Hinata em namoro e ela incrivelmente aceitou. Ela é tão linda, eu gosto tanto dela, queria que você a conhecesse. Aliás, eu queria conhecer você. Por que não podemos nos conhecer pessoalmente?

Ass: Deidara Uzumaki”

 

- O que houve otouto? – Itachi perguntou e eu suspirei.

- Deidara tá namorando. – falei e ele sorriu fraco.

- Você gosta desse garoto, não gosta? – ele perguntou e eu senti as minhas bochechas pegarem fogo.

- Não, não é isso nii-chan. Ele é meu único amigo. – falei envergonhado e ele foi até a minha cama e apertou as minhas bochechas, como sempre faz quando eu estou envergonhado.

- Você é tão fofo Sasu. Você não sabe mentir. – ele falou e eu suspirei, se ele soubesse que eu minto a anos... por carta e claro, é só o meu nome, mas mesmo assim é mentira. É claro que eu sei que se fosse pessoalmente essa mentira com certeza já teria acabado, como o Itachi disse, eu não sei mentir, minha cara sempre denuncia a mentira.

- Tá.... eu... posso gostar um pouquinho dele. – falei, com certeza mais vermelho que antes e ele deu um grande sorriso e pulou no meu pescoço, em um grande abraço, dando um beijo forte no meu rosto em seguida.

- Ai nii-chan, isso dói. – falei e ele riu e me soltou.

- Desculpe otouto, é que você é fofo demais e eu não resisto. – ele falou, ainda sorrindo – Mas voltando ao seu “amigo” – ele falou, fazendo aspas com os dedos – por que não fala pra ele que gosta dele?

- Não. Ele não precisa de alguém problemático como eu, que pode morrer amanhã. – falei e ele ficou sério.

- Sasu, você não vai morrer. Quantas vezes eu vou ter que dizer isso? – ele falou e eu suspirei.

- Tá nii-chan, desculpe. Mas de qualquer forma, ele disse que tá apaixonado pela namorada. – falei e ele voltou a sorrir.

- Com certeza ela não é tão linda e fofa quanto você. – ele falou e eu dei um sorriso fraco.

- Mas é uma garota. – falei e ele iria falar mais alguma coisa, mas eu interrompi, dizendo que não queria falar mais nada e ele somente suspirou e concordou.

 

Junho 2015:

 

“Hoje dormi com um garoto, foi diferente, mas eu gostei. Acho que gostei até mais do que das garotas que fiquei. Estou começando a achar que sou gay. Você não tem nada contra né? Não quero perder meu melhor amigo. Como você está?

Ass: Deidara Uzumaki”

 

- Que sorriso lindo é esse? – minha mãe perguntou, toda feliz, hoje eu finalmente sairia desse hospital, parece que finalmente o tratamento deu certo e por isso ela estava radiante, talvez até mais do que eu.

- Ele é gay. Deidara. – falei e ela sorriu feliz.

- Então parece que você tem chance otouto. – Itachi disse, com um sorriso malicioso, que me fez ficar vermelho.

- Como assim? Que história é essa? O que meu filhote tá escondendo que eu não sei? – meu pai perguntou, entrando na brincadeira também, me deixando ainda mais envergonhado.

- Você não sabe otou-san? O Sasu é apaixonado a mais de três anos por esse tal Deidara com quem ele se corresponde. – Itachi falou e eu quis me enfiar em um buraco e não sair nunca mais.

- Por que não falou Sasu? Eu te dava umas dicas. – meu pai falou, rindo e eu senti todo o meu sangue ir para o rosto e ele riu e me deu um abraço – Eu tô brincando filho, não precisa ficar envergonhado.

 

            Eles continuaram rindo por mais algum tempo e logo meus tios e meus primos chegaram. Todos estavam radiantes, acho que eu nunca tinha visto minha família tão feliz quanto naquele dia. É claro, você não deve estar entendo nada né? Deixa que eu explico então.

            Minha família nunca foi rica, mas nós tínhamos o suficiente pra viver confortavelmente. Meu pai era administrador e minha mãe era pedagoga, mas ela abandonou a profissão que tanto amava quando eles descobriram que eu tinha leucemia quando tinha três anos, queria passar mais tempo comigo, ela não saía do meu lado.

            Minha família toda ficou desesperada quando descobriram a doença, meus pais, meu irmão, meus tios e primos, todos, eu era o bebê da família. Meu pai se afundou em dívidas. Ele trabalhava dia e noite pra poder me colocar no melhor hospital da cidade. Nós quase não o víamos, mas ele sempre arrumava um tempinho pra ficar comigo e ler um livro pra mim, ele adorava ler pra mim, mesmo cansado.

            Meu irmão teve que aprender a se virar sozinho desde os seis anos, porque o papai passava quase todo o tempo trabalhando e a mamãe no hospital comigo. Quando nenhum dos dois dormiam em casa, ele ia dormir na casa do tio Madara ou do tio Izuna, mas pra ele tava tudo bem isso, ele adorava ir pra lá e brincar com nossos primos, Obito e Shisui.

            Eu nunca tinha ido à escola antes, porque passava metade do mês no hospital e a outra metade em casa e quando ficava em casa, eu me sentia muito fraco até pra me levantar.

            Eu via pela janela do meu quarto, as outras crianças brincando e correndo e me sentia triste. Brincava sozinho no meu quarto, ou com Itachi e meus primos que iam pra lá sempre que podiam. Nunca tive amigos, porque não saía de casa, a não ser que fosse para o hospital, por isso não conhecia ninguém e por isso mesmo me senti super feliz quando vi a carta do Deidara, dizendo que queria ser meu amigo. Eu nunca falei pra ele, mas ler as cartas dele me dava forças pra continuar com o tratamento. Ler aquelas cartas era o que me deixava mais feliz, eu quase pulava de alegria cada vez que recebia uma carta dele e ficava ansioso quando não recebia e com o tempo eu acabei me apaixonando por ele, mas não podia falar nada, não queria perder meu único amigo e também nem sabia se algum dia eu iria me curar, então eu me conformava em ser só o amigo e ficava feliz quando ele contava todo alegre, que tinha ficado com alguém. Eu queria que ele fosse feliz, mesmo que não fosse comigo.

            E agora, dez anos depois que ele enviou a primeira carta, nós iríamos pra Konoha, porque meu pai foi transferido e eu poderia conhecer ele. Porém, pra conhecer, eu teria que dizer a verdade, teria que dizer que menti. Mas eu tenho medo. Mesmo depois que terminei o tratamento e fui pela primeira vez à escola, não consegui fazer amigos e acabei me isolando. Todos me achavam estranho, feio, eu entendo, naquela época eu estava realmente horrível, muito magro e sem cabelos. Todos na escola me ignoravam e eu me sentia excluído. Tinha sonhado em ir à escola por anos e quando finalmente consegui, odiei cada segundo lá dentro.

            O Deidara foi o meu único amigo de fora da minha família durante toda a minha vida e se eu contar a verdade e ele não me perdoar, eu não sei se eu vou aguentar. Mas eu preciso falar a verdade, não gosto de mentiras, me sinto mal e eu quero conhecê-lo, mas tenho medo. Eu realmente... não sei o que fazer.


Notas Finais


É isso.
Como disse anteriormente, o próximo capítulo sairá provavelmente na próxima sexta-feira.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...