História Chuva de Novembro - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Rap Monster
Tags Chuva De Novembro, Drama, Imagine, Namjoon
Visualizações 104
Palavras 1.353
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoinhas, como vocês estão? Alguém aqui fez o Enem? Foram bem? Espero muito que tenham indo bem na prova ^^

Um dias desses estava no Youtube e eis que me surge uma recomendação de uma música nova do Projota, Canção pro tempo, então me lembrei de quando eu gostava muito dele e ouvia suas músicas, então sem nada pra fazer fui ouvir as músicas dele e eis que a música Chuva de Novembro me inspira a criar essa one.

Então, já estão ligados que ela é baseada na música Chuva de novembro, certo? kkkk

Considere meu presente pós-Enem pra vocês <33

Boa leitura ^^

Capítulo 1 - Chuva de Novembro


Fanfic / Fanfiction Chuva de Novembro - Capítulo 1 - Chuva de Novembro

Instintivamente acordo depois de uma noite mal dormida. Recuso-me abrir os olhos e encarar o novo dia que nasceu diante de mim, ao invés disso, tateio o outro lado da cama em busca dos seus cabelos ondulados no lençol, na esperança de que você esteja adormecida ao meu lado, porém, tudo que sinto é o frio e o vazio ao meu lado. A ficha então cai e me forço a abrir os olhos preguiçosamente.

Suspiro pesadamente, as nuvens escuras no céu transformam o dia em nublado, algo normal na época de outono.

Estico minhas pernas no colchão e foco meu olhar no calendário em cima do criado mudo. A data tão esperada está circulada de caneta vermelha e um sorriso imenso brota em minha boca ao saber que o dia é hoje.

Ao lado do calendário está um porta-retrato com a nossa foto. Meus olhos fitam seu lindo sorriso e me perco nele por alguns segundos. Será que você pensa em mim tanto como eu penso em você? Será que seus os dias se tornam triste sem mim assim como os meus sem você?

Um dia sem você é triste. Uma semana é maldade. E não vou deixar que um mês exista nessa linha de raciocínio.

Acordar, levantar, trabalhar, chegar em casa e dormir, são coisas sem graça se não tenho você no final do dia. Baixei aquele filme que você disse que era bom, O menino e o mundo, mas ele não é tão bom se não tiver você ao meu lado, assistindo-o comigo.

Percebo que nada é tão bom quando você não está aqui.

A casa não tem a mesma cor, comer não tem a mesma alegria e, minha cama não tem o mesmo calor sem seu corpo abraçadinho com o meu.

Tudo culpa dessa distância, que me impede de te ver, de ter você ao meu lado.

Levanto da cama em um pulo, determinado em encerrar meu dia com seus lábios contra os meus. Pego minha melhor roupa no armário, vasculho dentro das gavetas aquelas amostras de perfumes para ir ao seu encontro e arrumo meu cabelo do jeito que você gosta, mesmo que no final você vá bagunça-lo.

Pego minhas economias de meses de suor e trabalho duro e coloco dentro da mochila pronto para sair de casa.

Meu peito queima por dentro, na ansiosidade em lhe ver. É inevitável, tudo ao meu redor melhora quando estou ao seu lado, eu sinto vontade de ser outra pessoa, de ser melhor para você.

Você provoca o melhor de mim que eu nem sabia que existia.

Olho o céu coberto pelas nuvens escuras e consigo projetar sua imagem na janela do seu quarto, sorrindo, feliz que o dia esteja fechado – já que você sempre se sente mal no calor –com um copo de café na mão.

No caminho da rodoviária eu paro na floricultura, atrasar uns dez minutos para te comprar uma flor não é o fim do mundo, rodeo a frágil flor entre meus dedos ao imaginar você abrindo a porta, deparando-se comigo com uma rosa não mão esquerda e na outra uma poesia que pretendo escrever dentro do ônibus, sei que você gosta dos meus poemas, ainda mais quando é direcionado a você.

As horas nunca esperam, ela passa tão rápido quanto nossa vida, sempre com pressa e sempre querendo estar na frente, e ela não tem piedade de ninguém, nem mesmo de mim.

Corro para a rodoviária passando entre milhares de pessoas andando para lá e para cá, apressadas, preocupadas, cansadas, estressadas. Puxo o capuz da minha blusa, tampando minha cabeça das gotículas de chuvas que aos poucos começam a engrossar.

 

Novembro sempre chove a tarde.

E hoje a chuva está bolada.

Mas, não me importo de ser molhado por ela se isso no final me fizer chegar até você.

 

Na rodoviária eu compro uma bolacha, salgadinho, 2 refri e a passagem para Seoul.

Já dentro do ônibus, estou sentado na poltrona com minha mochila no colo, vendo as montanhas pela janela. Enquanto o motorista faz toda sua rota até o nosso destino final, eu vou refletindo sobre todas as coisas ao meu redor, minhas frustrações e meus problemas, vou lembrando também da nossa discussão de ontem.

Eu não queria ter dito aquelas palavras, não queria que você pensasse que não me importo, porque eu me importo, não queria que pensasse que não quero ter você, porque é tudo que eu mais desejo.

 

–Ah! Então é isso? Eu não significo nada para você? Nosso relacionamento é nada então? –sua voz do outro lado da linha soa irritadiça.

–Não é isso que eu quis dizer.... –respiro fundo, puxando os cabelos para trás. –Tenta me entender...

–Não quero entender nada. –me interrompe. –Mas, acho que está na hora de você tomar uma decisão, eu não quero ficar num relacionado passageiro, em algo que futuramente vai ter ponto final...

–O que isso quer dizer?

–Que se você me quer tanto assim como diz, então está na hora de você provar que pode ser meu homem.

 

Apoio minha cabeça no vidro da janela por onde o aguaceiro escorre, aperto os olhos não deixando as coisas ruins me dominar em um dia tão belo. Eu sei que sou um inútil, sei que sou apenas um menino que não consegue nem sustentar a si mesmo e, sei também que jamais seria bom o suficiente como aqueles mauricinhos para tu casar.

Mas, eu amo você e acredito que meu amor por ti é mais precioso que todo dinheiro do mundo.

Mesmo que tudo impeça de provar que te mereço, quero demonstrar que o dinheiro pode ‘tá pouco, mas que a alegria não tem preço.

E foi acreditando nisso que entrei nesse ônibus, mas talvez eu seja apenas um bobão com uma rosa na mão.

Olhando para a chuva, ela parece o reflexo do estado do meu corpo e, eu espero que quando te encontrar eu faça essa chuva parar.

Pego meu celular de dentro da mochila e lhe escrevo uma mensagem de texto, avisando-a que tô indo, e te pedindo pra ir lá para me esperar.

 

Sei que você deve estar ocupada, mas estou indo lhe ver e espero que você possa ir na rodoviária me esperar.

Te amo, princesa.

Namjoon.

 

E você que nunca disse que me amava, apenas responde:

 

Ok.

 

A cada segundo a tempestade aumenta, nessa poltrona, a cada minuto que eu cochilo, eu acordo com o coração na mão. Janela embaçada pela temperatura, impede minha visão do lado de fora. Eu fecho os olhos e praticamente sinto o gosto do seu beijo sobre minha bochecha.

E eu pensando em você nesse momento, aproveito o tempo para criar mentalmente uma declaração para um pedido de casamento. Peguei toda minha economia e comprei a aliança em segredo. No fundo da mochila eu retiro a caixinha preta, dentro dela está o anel que você sempre olhava na vitrine da joalheria e que você dizia para suas amigas que gostaria de ganhar. Juntei moedinha por moedinha, para poder mostrar que, por mais que eu seja apenas um menino, posso te fazer sorrir.

De repente tudo perde o rumo, tudo sai dos trilhos.

Eu ouço um barulho. A aliança caiu da caixinha, tudo balançando. Todos estão gritando desesperadamente, tudo está girando. Tento chamar seu nome, mas meus lábios nem se mexem.

Meu corpo é arremessado para longe. Barulho da chuva. Pneu. Escuridão. Não consigo processar nada, mas agarro forte a rosa na lama, sentindo minha mão arder.

Eu sabia que era para longe essa viagem, mas não tinha imaginado que seria para tão longe assim.

 A um metro de mim, meu celular toca, é você me mandando mensagem. Sinto meu corpo preso nas ferragens, sem conseguir me mexer, apenas sentindo a latejante e ardente dor em minhas pernas, coluna e pescoço, porém, acho que nada dói tanto como meu coração nesse segundo.

Eu queria apenas ver você mais uma vez, sentir seu abraço, seus lábios, seu cafuné, sua voz, eu só queria você pertinho de mim.

As lágrimas caem do meu rosto, sei que você me escreveu algo, mas fecho meus olhos sem saber o quê.

 


Notas Finais


Esperem que tenham gostado!

Digam o que acharem, quem sabe eu não traga mais ones desse jeitinho ^^

Boa noite meus amores <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...