História Confused Dreams - Imagine Suga - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO, Got7
Personagens Ashley Benson, Bae Suzy, Barbara Palvin, Chanyeol, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Lisa, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Rosé, Suga, V
Visualizações 321
Palavras 1.823
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


mais um capítulo genteee
obrigada pelos comentários e pelos favoritos, amo vocês!!!

❤❤❤

Capítulo 3 - Three


Fanfic / Fanfiction Confused Dreams - Imagine Suga - Capítulo 3 - Three

3

 

Kim (s/n) Points Of Views

 

No dia seguinte, acordei cedo com o despertador, deveria me arrumar para a reunião que haveria. Me levantei e tomei um banho de banheira, ficando ali alguns minutos, vesti um vestido rodado branco com um decote comportado, ele valorizava minha cintura e meus seios, como a Lanna gosta, calcei um salto preto e cacheei meu cabelo, para ficar como o dela, fiz uma maquiagem básica e sai do quarto, descendo as escadas e encontrando o pai dela no hall de entrada.

- está linda, filha. – sorriu e eu retribui

- obrigada, papai. – respondi, imitando o tom firme de Lanna – vamos? – perguntei, o vendo assenti.

Em poucos minutos chegávamos ao local da reunião. Era uma área aberta, como um jardim, cheio de flores e algumas mesas e cadeiras brancas espalhadas pelo local, uma perto da outra, as cadeiras tinham detalhes em espiral bem detalhados, e as mesas estavam cobertas por forros cor de pêssego. Kim Jondae, pai de Lanna, mantinha a mão direita em minhas costas, me guiando até uma das mesas, algumas já estava ocupadas por homens e suas esposas ou filhas.

Eu estava sentada na cadeira, Jondae havia ido conversar com algumas pessoas importantes, senti uma mão no meu ombro e virei a cabeça um pouco para o lado, vendo um garoto de cabelos castanhos claros e com roupa social, ele se inclinou um pouco e sussurrou no meu ouvido.

- por que uma garota bela e rica como você dança em uma boate como aquela, senhorita Kim?

Arregalei os olhos e engoli em seco, senti o garoto se afastar e me levantei, olhando para trás, ele ia em direção a uma parte mais afastada do jardim, eu iria segui-lo, mas ouvi Jondae chamar por Lanna e suspirei, indo até lá.

- o que houve, minha filha? Está pálida. – afirmou, alisando minha bochecha com o polegar esquerdo.

- nada, papai. – respondi, forçando um sorriso – só preciso ir ao banheiro. Já volto. – ele assentiu e continuou sua conversa com os homens, enquanto eu me afastava e andava em passos rápidos na direção em que o garoto havia ido, ele estava encostado em um muro, haviam arbustos com rosas brancas e rosa claro por aquele lado.

- Como você sabe? – perguntei, ele me olhou e sorriu de lado.

- vi você entrando, se apresentando, e vi você saindo. – respondeu simples - sim. E você dança bem, a propósito. – ele disse, cruzando os braços. Eu suspirei e baixei a cabeça.

- o que quer? – perguntei, com a voz um pouco baixa, ele relaxou um pouco os ombros e pendeu a cabeça para o lado, franzindo o cenho.

- hum? – ele perguntou confuso, eu levantei meu olhar, o fitando com os punhos cerrados.

- o que você quer de mim? – perguntei, já nervosa – sexo? Dinheiro? Vamos, diga o que quer!

- Ya! Eu não sou assim. – ele disse, parecendo indignado – não quero nada de você, Lanna.

Ele bufou e desviou o olhar ao me ver fita-lo com o olhar confuso.

- eu não quero nada. Repetiu, cruzando os braços novamente, parecia nervoso - Eu descobri por acaso e resolvi te contar que eu sabia. – ele disse.

- ah, sim. Você simplesmente descobriu que é a Stripper mais cobiçada da cidade e resolveu me contar que sabe? Ah, faça-me o favor. – eu disse, passando as mãos nos cabelos e os bagunçando um pouco.

- se não quer acreditar o problema é seu. – ele deu de ombros – não quero nada de você. Apenas que me conte como se meteu nisso tudo.

- você... Está falando sério? – perguntei, o fitando, minha voz saiu baixa e eu o fitei, ele me fitava também, me olhando como se falasse “dá para parar de pensar essas coisas de mim?”.

- sim. – respondeu, descruzando os braços – me conte.

- por que... Você está fazendo isso? – perguntei e ele me fitou confuso

- como assim? – tombou a cabeça para o lado

- você sabe meu segredo. Pode me ameaçar, contar para alguém que lhe pague uma fortuna, mas não está fazendo isso. Por quê?

- não sou como as outras pessoas. Não preciso de dinheiro, tenho o bastante. – deu de ombros – agora me conte. – disse, parecia curioso.

Eu sorri e o abracei. Ele se assustou um pouco, mas devolveu o abraço, eu o apertei ainda mais.

- obrigada. – sussurrei e apertei o abraço, alguns minutos depois nós nos separamos – vá à minha casa hoje, não posso te contar aqui. É perigoso.

- tudo bem, Lanna. – ele sorriu

- ah... – coloquei uma mexa de cabelo atrás da orelha e me afastei um pouco – eu não sou a... a Lanna. – disse e o fitei

- não? – perguntou, confuso.

- sou gêmea dela, eu acho. Não crescemos juntas. Trocamos de lugar ontem a tarde. – resumi e ele arregalou os olhos, entreabrindo a boca.

- sério?! – sorriu – que maneiro. Sempre quis ter um irmão gêmeo. Como é?

- é legal, eu acho. – não sabia responder sua pergunta. Não cresci com Lanna, não sabia como era ter uma irmã, e muito menos gêmea.

- tenho que ir. – olhou seu relógio – estou atrasado. Meu pai vai me matricular uma escola nova.

- então tchau. – sorri e acenei, vendo-o retribuir e sair dali, dando uma corridinha básica.

- namoradinho novo, (S/N)? – ouvi uma voz e olhei para o lado, arregalando os olhos.

Min Yoongi.

Eu nada lhe respondi, apenas me afastei,  dando alguns passos para trás.

- o que faz em um lugar como esse, estrangeira? – perguntou sarcástico, ele andava em minha direção, só cessou seus passos quando estava próximo o bastante para ouvir minha resposta.

- nada. – respondi, seca – o que ouviu? – ousei perguntar, mesmo que baixo.

- apenas que ele estava atrasado. – deu de ombros e me fitou, sorrindo sarcástico e tombando a cabeça para o lado – quer dizer que além de feia é puta? Essa é nova para mim. – riu, sua risada me dava medo, assim como ele. Eu posso responder e desafiar Yang Mi, mas Min Yoongi já me provou do seu veneno uma vez, não o desafiaria novamente – deu para o Jimin e agora para o Jeon? - tsc, tsc, tsc. – ele me fitou, negando com a cabeça, fingindo desapontamento – está enganando o garoto? Dizendo que é rica? O que disse para que ele te abraçasse? Quanto o pagou? – ele perguntava irônico. Nada respondi, apenas cerrei os punhos e trinquei o maxilar.

- não disse que era rica e nem o abracei. Ele só não é como você. – respondi baixo, rangendo os dentes

Ele me fitou com um sorriso irônico nos lábios.

- e como eu sou, Kim? – se aproximou, o sarcasmo estampado em seu rosto pálido, eu nada respondi, então ele segurou meus ombros e me balançou com brutalidade, chacoalhando meu corpo e bagunçando meus cabelos – responda! – mandou alterado

- você é desprezível. – respondi, o olhando nos olhos, meus olhos já se enchiam de lágrimas, mas nenhuma lágrima caia – Ele não me trata como você me trata e eu vejo nos olhos dele que ele nunca seria capaz de falar nenhuma palavra de tudo o que você já me disse, Min Yoongi. O que eu sou para você, afinal? – perguntei, enquanto ele se mantinha inexpressível diante minhas palavras, mas logo um sorriso cínico brotou em seus lábios.

- uma diversão. Uma coisa para extravasar a raiva. Nada mais. – ele disse, se afastando de mim e passando a mão direita em seus cabelos loiros

- eu tenho nojo de você, Min Yoongi. – eu disse, murmurando baixo, e ele me fitou, seu rosto era inexpressível, mas seus olhos transmitiam ódio.

Ele se aproximou de mim e me deu um tapa no rosto, um tapa tão forte que me fez cair no chão, me ergui e o fitei de baixo, o rosto vermelho pelo tapa e os olhos marejados pela raiva.

- você tem nojo de mim? – riu irônico - Eu tenho nojo de você. O que você é para ter nojo de mim? – perguntou, me analisando de cima a baixo, com uma expressão de cinismo em seu rosto - Eu tenho nojo até de encostar em você. – ele disse, enquanto eu apenas o fitava.

Ele me olhou pela última vez e saiu dali, levei minha mão até o meu rosto e permiti que as lágrimas rolassem, me levantei, com as pernas bambas e tirei os saltos, saindo correndo dali, os tecidos de seda fina do meu vestido voavam, mas eu continuei correndo por aquele jardim, me afastando cada vez mais do local onde todos estavam, me sentei na sombra de uma árvore a abracei minhas pernas, começando a chorar de verdade.

 

Kim Lanna Points Of Views

 

Naquela manhã, eu havia acordado com alguém batendo na porta do apartamento. Me levantei e fui até a mesma, a abrindo. Era Taehyung. Amigo da (s/n). me surpreendi quando ele  me abraçou.

- não faça mais isso. eu fiquei preocupado, idiota. – me permiti sorrir e retribui o abraço. Era bom saber que ela tinha pessoas que se preocupavam com ela.

Separei o abraço e o fitei, com um pequeno sorriso nos lábios.

- quer entrar? – perguntei e ele assentiu, dando um pequeno sorriso.

Nós entramos no apartamento, fechei a porta, vendo ele se sentar no sofá, eu fui para o quarto da (s/n, deixando ele ali. Tomei um banho e vesti uma roupa confortável, um short jeans e uma regata branca, saindo do quarto em seguida, Taehyung estava na cozinha, fazendo alguma coisa para comermos, provavelmente miojo, já que ele, segundo o que (s/n) me disse, não sabe cozinhar nada.

- oi, (S/N). – ele disse, se virando para me encarar. O castanho observava o miojo ferver antes de eu entrar na cozinha – não vai para a escola? – perguntou, tombando a cabeça para o lado.

- não me sinto muito bem. – sorri forçado e me sentei no balcão, ele assentiu e voltou a observar o miojo, ele trajava o uniforme escolar. – tá fazendo miojo para o café da manhã? – perguntei rindo e ele me fitou, com o rosto corado e coçando a nuca.

- queria fazer algo para você comer, mas já que está doente, eu fico aqui com você. – disse.

- NÃO! – gritei sem querer e ele me fitou com o cenho franzido – quer dizer... eu estou bem. Não precisa faltar por minha causa, TaeTae. – o chamei pelo apelido, (s/n) disse que ele sempre faz as vontades dela quando ela o chama assim, não custa tentar, ele apenas me fitou desconfiado e não disse nada, apenas assentiu e voltou a “fazer” o miojo.

Depois de comermos, ele me ajudou a lavar a louça e foi para a escola. Fui até o quarto e vesti uma calça jeans e uma blusa sem manga listrada em preto e branco, um tênis branco e alisei meu cabelo, para me parecer com (s/n).

Saí do apartamento e fui em direção à casa de Jimin, o encontrando virando a esquina para ir à escola.

- Jimin! – gritei seu nome

Continua...


Notas Finais


foi isso!!!
não esqueçam de comentar, pessoas do meu coracãozinho!
❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...