História Contrato Inviolável - Capítulo 15


Escrita por: ~

Visualizações 200
Palavras 1.697
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Fluffy, Harem, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá!
Bom dia!!! Boa leitura <3

Capítulo 15 - Filho de peixe


Fanfic / Fanfiction Contrato Inviolável - Capítulo 15 - Filho de peixe

 

 Se tinha uma coisa que descobri amar com todas as minhas forças nesses últimos dias, era aqueles olhos grandes, lindos e todo expressivo e a mordidinha nos lábios em um tique aflito que eu achava a coisinha mais fofa do mundo nele. Meu namorado, meu Yuto.

A outra era que eu tinha sangue Campone mesmo e era possessiva. Arg.

Contudo, eu tentei ser o mais discreta possível ao fazer meu pequeno baby parar de dar tão na cara e deixar de exibir para deus e o mundo que tinha uma queda penhasco pelo meu primo mais velho. Fiz um pequeno show para atrair os olhares dos pais dele e disfarçar o quase ataque de tremedeira dele ao ver meu primo. Yuto era emocional e não sabia esconder o que sentia, aqueles olhos eram um livro aberto que eu amava ler, mas sabia que precisava controlar de um jeito ou de outro. Os pais dele eram gaviões, isso eram!

Ok, Chin era bonito, na verdade ele era lindo e alienado sobre aquilo, meio como o Yuto mesmo, o que eu cheguei à conclusão que fazia um par bem fofo, se conseguíssemos juntar os dois, porque sim, eu e JYJ sacamos na primeira troca de olhar a química entre os dois, porém tínhamos dois grandes problemas. Primeiro: eram os cinco anos de diferença entre os dois - Se com três os pais do Yuto já piraram, imagina cinco anos? Mas JYJ tinha uma ideia e eu aprovei. O segundo problema era a mania doida do Chin de achar que era o mais velho e por isso responsável por todos nós como se fosse um pai de todos. Ele via o Yuto como mais um priminho fofo que tinha que cuidar… Era um tio Channy versão dois misturada com tio Suho. Uma loucura, todos sabíamos que ele meio que se sentia culpado de ter sido tão bagunceiro quando criança e agora queria se redimir, porém aquilo era extremo. E Chin era extremo, não tinha meio termo com ele, era seu único defeito.

E Yuto o queria, por isso ele ia tê-lo. A não ser que Chin não quisesse mesmo namorar, mas… eu tinha minhas dúvidas se aquele carinho todo não tivesse uma pontinha de interesse. Isso era algo que ainda tínhamos que investigar e o acampamento seria o momento perfeito. Tínhamos um plano e muita gente na execução.

Ia dar certo.

Chin terminou o abraço de boas-vindas e eu segurei de novo o Yuto com a desculpa de manter minha mão na dele, mais como apoio do que outra coisa, Chin tinha um poder forte nele, mais do que eu tinha… Era mesmo fofo de ver.

— Vamos entrar?

Perguntei solicita olhando para o pai biológico que me olhava como se pudesse me queimar viva. Era ciúme, eu tinha certeza, mas eu também o entendia, Yuto causava aquilo na gente, era quase forte demais para lutar contra, além disso ele me causava simpatia por ser a cara do tio Kai, ou a versão mais nova e galante dele. Os pais do Yuto eram quase sócias dos tios Kim, era engraçado e eu queria saber como minha família ia ver aquilo. Com tanta gente nesse mundo imenso minha família tinha que ser parecida até nos nomes com a dele?

Era muita coincidência… Ou não. Podia ser destino, minha mãe acreditava ser destino.

— Haram…

Ele disse ainda meio perturbado e eu quase mordi a bochecha dele ali mesmo. Céus, porque ele tem que ser tão mordível? Se controla Bi, se controla.

Era meu mantra mental e foi assim que continuei ao convidar meus sogros para dentro e os tios e tias do Yuto também. Aquele seria um almoço louco. tinha certeza… Mas o plano principal era convencer os senhores Kim a deixar o Yuto acampar com a gente.

Foco nisso Bi, foco nisso.

 

☺♀♥♂☺

 

 

— Ele é a coisa mais fofinha do mundo, não é?

Michelle disse para Amber, ambas olhando pela janela do último andar do prédio, sala de reunião da casa, o novo membro da família chegando com sua filha se fingindo de controlada.

— Ele é – Sua irmã cravou os olhos no casal - A cada dia que passa ela fica mais como a mamãe, você não acha?

Amber disse com olhar pensativo e Michelle suspirou. Sentia aquilo também. Bianca era como a Lady Campone sem o gênio ruim e ambição furiosa. Uma versão legal da mãe delas, na verdade.

— Um sub fofinho com uma mini lady Campone… é meio irônico – Brincou acabando por empurrar a irmã de leve – Diga que sou um gênio, anda, pode dizer…

— Você é a louca da família Mimi, se contenha! - Amber resmungou, mas por fim sorriu de canto – Que aliás ainda quer assaltar o cofre dos seus maridos.

Michelle rolou os olhos e deu de ombros:

— Channy resolveu o problema imediato, eu quero resolver o problema permanente. E claro, agora quero nossa vila de volta.

— Sua Vila de volta significa revelar para deus e o mundo que nenhum de nós morremos. É isso mesmo que quer, esse escândalo todo?

— Qual é Amber? Você me conhece, eu posso dar um jeito nisso, e seu garoto de recados topou me ajudar.

— Claro que topou, você quase seduziu o pobre com essa lábia dos infernos…

— Que aliás é a cara do Yifan. Só que versão morena, jovem e sem vergonha! Olha, o cara agora é o melhor no que faz, você tinha razão, podemos usá-lo…

— A intensão era usar da ajuda dele com você sabe quem, não com o assalto ao cofre da joalheria! As indústrias de cosméticos das loucas Kim, esse devia ser nosso foco!

— Detalhes. Podemos fazer os dois, afinal é nosso mesmo, podemos fazer o assalto cibernético em você sabe quem e o físico, em você sabe onde. Não é como se não soubéssemos de memória cada recanto da casa azul.

— Michelle, as vezes eu penso que você não tem juízo algum!

— Isso é sua parte Park falando, senhora Campone? Eu tenho o cérebro do ratinho na minha mão e pela nossa família eu não tenho receio algum de usá-lo. Mas é você quem bate o martelo. Podemos reaver tudo que é nosso sem envolver a mãe do Channy nisso. Mas você é quem sabe - Michelle se escorou no vidro da janela e encarou a irmã – Eu só sou a executora, certo?

Amber suspirou e se afastou dali dizendo tensa:

— Vamos almoçar, conversamos sobre isso no jantar.

— Okie!

E ambas saíram de lá para receber os convidados. Deixando uma sombra bem escondida na cortina dos fundos da sala, para trás.

 

☺♀♥♂☺

 

Junho nunca se sentiu tão sem graça quanto ao ter de ajudar o garoto sem memória, apelidado de Ariel pelas crianças – Sim, seus sobrinhos eram uns pimentinhas, para ser legal com a nomenclatura! – Bem, em ajudá-lo a conhecer comidas.

Ele aparentemente nem se lembrava dos nomes dos alimentos… Aquilo era nível gravíssimo e Nick não sabia como ajudar, na verdade Channy quis adotar o garoto e os Kim aceitaram – Só para variar claro, o que Channy não queria que não ganhava? – Na verdade não entendia como ele se tornou o “guardião do Ariel” Mas o fato era que ele ficou encarregado de ajudar o jovem com as atividades básicas de uma pessoa, principalmente comer.

Porque ele era médico, porque ele era legal e gentil – Segundo os babys – e porque ele tinha paciência – Argumentação inviolável das crianças de novo.

Junho tinha desconfianças de que o garoto devia ter seus vinte e tantos anos, devido a arcada dentaria já adulta e formada, além de todos os sisos que ele tinha. E ele também parecia saber muito sobre peixes e coisas do mar, o que o tornou amiguíssimo da Mia. Outra viciada em National Geografic além de ter hábitos esquisitos com água.

Mas quem não tinha hábitos esquisitos na sua família gigante? Se tinha alguma família muito esquisita nesse mundo era a deles. Então era só mais um membro, certo?

Certo, seria, se o Ariel não mexesse com tudo nele.

Junho era como os amigos só que ele e seus irmãos não tiveram a sorte que os outros tiveram e por isso não casaram até agora. Ser os únicos daddys solteiros era um pouco difícil, mas depois de todos os anos se tornou até comum. Todos tentaram arranjar babys para eles, de uma forma ou de outra, mas nunca deu certo, especialmente no Brasil, especialmente para eles que eram bissexuais. Não aconteceu, e quando alguém era atrativo, nem todos seus irmãos sentiam o mesmo.

Desistiram por fim, de verdade. Jess dizia que o baby deles, feito para eles, especial, um dia viria, era só que ainda não era a hora e por algum tempo ele até concordou… Não mais. O tempo para aquilo passou, pensava, já não aconteceria… Até agora.

Agora era como se todo o seu ser o forçasse a tirar a cegueira e enxergar o garoto sem memória diante de si, acontece que ele e seus irmãos tinham o dobro da idade dele. Talvez mais que o dobro… Não era certo…

Aliás não era só isso e Junho ficava enumerando os contras daquela situação a cada hora do dia. Idade, falta de memória dele, inocência com o mundo, falta de senso de perigo… Era como uma criança em um corpo adulto. Ia contra todos os seus princípios éticos.

Por isso ainda que sem graça, inibia todas as ideias descabidas e fingia não sentir e não saber, assim como todos seus irmãos.

Ariel estava fora de alcance. Simples assim…

— Eu gosto de alga.

Ele disse animado desistindo outra vez dos hashis e pegando as algas com a mão mesmo. Junho sorriu de canto enquanto Ghan olhava meio bravo o novo integrante da família bagunçar a tigelinha de missoshiro.

— Ariel! Com a mão não, né!

Ele olhou culpado para o baby que ajudava Jess no almoço e Junho desviou os olhos para não levar bronca também, Ghan quando queria era um general.

Então sentiu o olhar curioso e animado sobre si e se voltou para o garoto dos seus sonhos impossíveis:

— Sim, bebê?

— Gosto de algas.

Repetiu sorridente e Junho fechou os olhos derrotado.

Aquilo era castigo divino? Só podia ser…

— Que bom Ariel, que bom!

 


Notas Finais


Beijocas!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...