História Cordiforme - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Jennifer Morrison, Lana Parrilla, Morrilla, Once Upon A Time, Ouat, Swan Queen, Swanqueen, Swen
Visualizações 296
Palavras 2.790
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, pessoas! Voltei o mais rápido possível. Hoje acordei com vontade de escrever e deixei meu projeto de TCC de lado, mas foi só hoje. Estou quase acabando ele, assim poderei continuar com as atualizações na quarta e sábado.
Obrigada pela compreensão, pelos cometários, pelos favoritos e a quem avisou que a história tinha sido marcada como finalizada, culpe Layla Beatriz, ela que foi louca.
Desculpem qualquer erro e até as notas finais.

Capítulo 13 - Capítulo 13.


Em seu livro, P.S Eu te Amo, Cecelia Ahern disse: “Encontrar alguém que amamos e sermos amados é um sentimento maravilhoso, maravilhoso. Mas encontrar uma alma gêmea é um sentimento ainda melhor. Uma alma gêmea é alguém que entende você como nenhuma outra pessoa, que ama você como ninguém, que estará ao seu lado para sempre, independente do que aconteça.” Era dessa maneira que Emma sentia-se, transmitia toda a felicidade através do seu cantarolar com água do seu chuveiro banhando seu corpo. Era impossível conseguir esconder a emoção de ouvir Regina abrindo seu coração, verbalizando o temido proibido. Palavras proibidas, sentimentos proibidos. Swan tinha a consciência de que nada será um mar de rosas, sua ex professora carecia de um tempo para digerir tudo que acontecia em sua vida, seus problemas, seus traumas, seus estudos.

Outros encontros aconteceram desde o memorável dia que tudo foi exposto, elas não tocaram mais no assunto; não com palavras. Os olhares e sorrisos diziam por si, tudo que junções de sílabas jamais poderia. Naquela última sexta-feira, antes de finalizar seu trabalho, Emma e Regina permitiram-se esquecer das obrigações e assistir um filme juntas, nada de cinema ou coisa do tipo, Netflix foi a escolhida. Após quase um hora lendo sinopse e buscando uma melhor alternativa de entretenimento, decidiram-se. Iriam ver Tudo e Todas as Coisas, história onde um menina sofria de uma doença que não permitia que ela saísse de casa, pois qualquer bactéria ou vírus poderia matá-la e a vida, com sua mania de fazer surpresa, lhe presenteia com o inesperado. Novos vizinhos chegam e um rapaz lhe chama a atenção, como eles poderiam viver esse sentimento? Barreiras físicas e transparentes os impossibilitam. Quão significativo é isso? Amar e não poder viver esse amor. No filme, paredes de vidros não permitiam esse contato físico. Na vida, Emma e Regina tinham as barreiras sociais e de preconceitos que  tentavam impedir. No entanto, sempre há uma solução, não?

Era sábado, Regina e Zelena iriam para um almoço com seu pai, Cora tinha viajado a trabalho e elas não deixariam que Henry ficasse um final de semana sozinho. No caminho, a ruiva percebeu que sua irmã estava inquieta, não parava de se mexer no banco, algo estava lhe incomodando e não era em seu assento.

– Regina, me fala logo o que aconteceu, não quero que você destrua o estofado do meu carro com essa sua agitação. – Questionou, assim que ela parou no sinal vermelho.

– É a Emma. – Falou de uma vez. – Eu disse que gostava dela também, e não contar isso para você me deixa assim. – Sorriu timidamente.

Antes que Zelena pudesse verbalizar alguma coisa, ouviu várias buzinas alertando-a do sinal verde. Ela nada disse, porém, antes de chegar na sua da casa de seus pais, estacionou e a morena ficou sem entender.

– Não quero ter essa conversa com você correndo o risco de mais alguém ouvir. – Tirou seu cinto e virou-se para Regina. – Minha irmã, o que você vai fazer em relação a isso?

– Eu não sei. – Encostou a cabeça no banco e fechou os olhos. – Eu a quero, e quero muito. – Respirou fundo. – Me apaixonei aos poucos, por cada vez que ela tinha uma atitude educada, apaixonada por mim. – Fitou no mais profundo dos olhos de Zelena. – Condenei tanto você e olha onde estou, apaixonada por uma aluna.

– Ex aluna, não esqueça. – Ressaltou. – Que brevemente não estará mais na faculdade e vocês poderão ficar juntas e viver esse sentimento, Regina.

– E você acha que é tão simples assim? Emma sai de lá e no dia seguinte a gente estar andando de mãos dadas? – Arqueou sua sobrancelha.

– Sei que não seria assim, conheço você. – Repousou a mão sobre a perna de Regina. – Mas, com toda essa cobrança que faz em si mesma, é claro que não teria nada enquanto a bela Emma Swan estivesse passeando pelos corredores da universidade.

– Ela tem ido lá em casa.

– Eu sei. – Mills a olhou sem entender. – Belle acabou comentando que você tem ajudado ela no trabalho, pensei que estava retribuindo o que ela fez por você em relação a srta. McIver.

– E foi por isso sim, ela não merece ser prejudicada por conta daquela situação. – Justificou-se.

– E falando nessa criatura, qual foi o acordo que Kristin fez? – Zelena voltou para sua posição inicial, seguindo o caminho até seu destino.

– Ela continuará até o final do curso, afinal falta mais um mês, só que não poderá participar da festa, apenas a colação porque é obrigatório. – Respondeu pegando seu celular que vibrou.

– E quando você irá na dra. Tâmara?

– Na segunda pela manhã, até disse à Emma que não poderia ajudá-la nesse dia.

***

Na segunda, após sair do consultório da psicóloga que marcou, Mills sentia-se um pouco melhor com todas as suas questões. Perguntou-se o porquê não fez isso antes, sempre achou que poderia lidar com tudo sozinha e não deu uma chance para um profissional orientá-la em coisas que ela mesma não via qualquer ligação. Marcou um segunda sessão para a outra semana, continuaria até conseguir encontrar-se dentro de seu próprio corpo.

Na faculdade, a professora mal via Swan, eram raras as vezes que isso acontecia, pois os horários das duas sempre entravam em conflito. Menos nas segundas e sextas pela manhã. Mills abriu sua caixa de e-mail e sorriu ao ver um de sua ex aluna, elas não tinham outro meio de contato, e isso ficou cômico com o passar dos dias. Nenhuma ousou a pedir o número da outra, tudo viria no momento certo, sem atropelos ou afobações.

Respondeu a loira, minutos depois um novo e-mail chega. Ficaram nessa troca por um bom período da tarde, as mensagens tinham conteúdos mais pessoais, e também algumas dúvidas sobre formatação final do trabalho. A professora, como o ser mais amoroso do mundo, disse que faria essa revisão sem problema algum.

Em alguns quilômetros, Emma sorriu feito boba para a tela de seu notebook. Ruby e Belle se entreolharam, elas apostaram que sua amiga ainda iria rasgar suas bochechas de tanto rir ao falar, pensar ou qualquer coisa do gênero, por causa de Regina Mills.

– Emma. – Ruby chamou sua atenção. – Para com isso, você está nos deixando com medo. – Lucas e Belle caíram na gargalhada. A loira pega um de seus travesseiros e joga nas suas amigas.

– Vocês são duas ridículas e imundas. – Seus olhos alcançam o céu.

– E você, uma mulher muito apaixonada. – Comentou Belle.

– Como se vocês também não fossem. – Revidou. – Como está Zelena, Belle?

– Mais gostosa do que nunca, hoje vou com ela no estúdio. Vai fazer uma nova tatuagem.

– Nova? E ela tem muitas? – Ruby diz pegando um dos livros de Swan.

– Em lugares que nunca irei falar, meu amor. – Belle fez a maior cara de safada.

– Ui.. Regina também tem tatuagens em lugares impronunciáveis, Emma? – Ruby questionou, mesmo sabendo que a amiga não teria essa resposta.

– Sim, ela tem uma na virilha que é linda. – Ambas a olharam espantadas. – É claro que não sei disso, né! Idiotas. – Swan ficou mesmo irritada.

– Estava só brincando, minha loira. A gente sabe bem desse vai e não vai de vocês. – Lucas sentou-se ao lado de Emma. – Espero que isso acabe logo e você possa descobrir se ela tem segredos impressos na pele. – Swan e Belle não aguentaram, entregaram-se às risadas.

– Zelena falou que a professora Mills não curte muito e que briga sempre com ela por isso, minha namorada tem cada coisa escrita no corpo, acho que minha cunhada tem até uma certa razão. – Disse pensativa.

– Belle é uma das melhores amigas de Emma, que é apaixonada pela cunhada de Belle. – Falou analisando todo cenário. – Só o Julian que não faz parte de tudo isso.

– E como vocês estão?

– Bem, ele mudou bastante desde a nossa última conversa.

– Fico feliz por isso, meu amor. – Disse Emma.

– Também fico feliz, Ruby. – Falou French.

As meninas foram embora pouco tempo depois, ambas tinham que terminar seus trabalhos. Emma tirou três semanas de folga do restaurante, estava sendo tanta coisa que ela não estava conseguindo conciliar tudo, sua avó não teve problema nenhum em autorizar, afinal, ela queria que Swan dedicasse o seu tempo apenas para estudar por enquanto, a loira que insistiu em trabalhar. Tinha ido na cozinha pegar algo para comer, ao abrir a porta, escuta a notificação de um novo e-mail, logo pensa ser Regina. Vai até seu computador, vê que não é sua ex professora, contudo, o sorriso não sai dos lábios dela à medida que lia o corpo da mensagem. Ao finalizar, seu peito pulava de felicidade, mas logo ela percebeu o que aquilo significava e um “droga” saiu de seus finos lábios rosados.

***

A estudante encontrava-se tensa na entrada do prédio de Regina, seria a última vez que iria ali, pois seu trabalho chegava ao final, tudo bem que poderia visitar sua ex professora, mas não com a frequência de antes. Subiu pelas escadas, tinha que contar uma novidade para a morena, isso era complicado, ela não sabia como falar e nem se Mills contemplaria a circunstância da maneira que Swan estava fazendo.

Tocou a campainha, seus pés batiam nervosos no chão e esse nervosismo subiu até sua cabeça quando a imagem de Fiona se materializa quando abre a porta. Swan fica sem graça, seu desejo é correr, todavia suas pernas adquiriram um peso maior que ela podia mover. Murray deu passagem para ela, foi difícil esses cincos passos.

– Srta. Swan, Regina está no banho, logo ela sai, fique à vontade. Tenho que ir agora. – A morena sumiu pela porta de entrada.

A loira sentou-se aguardando Regina sair de seu banho. Várias situações passava na cabeça de estudante. Será que elas estavam juntas? Mesmo depois de tudo que Mills tinha lhe falado semanas atrás? Depois de tantas coisas que elas conversaram sobre um possível início de alguma coisa? Emma ficou decepcionada com a morena, e isso quase a fez sair pelo mesmo lugar que entrou e nunca mais querer saber dela.

A silhueta de sua ex professora não demorou muito para se fazer presente no cômodo, usava uma calça de tecido leve e uma camiseta bem justa ao corpo. Seus cabelos molhados recaiam sobre seu rosto completamente natural.

– Bom dia, Emma. – Falou sorridente, mas logo esse gesto cessou. Viu Swan com sua cara de poucos amigos, sabia que tinha algo errado. – O que houve? – Caminhou até o sofá e sentou-se. A loira foi incapaz de dizer uma palavra sequer, Mills não entendia o porquê dessa expressão fechada da jovem, até que o nome “Fiona” brilha em sua mente. –  Está assim por conta da srta. Murray? – Swan vira seu rosto para encarar Regina. – Meu bem, não interpreta as coisas de maneira errônea. – Arrastou seu corpo para mais perto da outra. – Ela veio aqui apenas pegar uns livros dela que usei na tese do meu mestrado.

– Olha, sei que não tenho o direito de lhe cobrar nada, mesmo que tivéssemos algo sério não poderia. No entanto, não irei vestir um sorriso falso diante algo que me incomoda. – Respirou fundo. – Vocês tinham um caso, namoravam, sei lá. Daí eu chego aqui e ela está de saída falando que você estava no banho, o que vou pensar?

– Que eu e ela transamos. – Disse naturalmente. – Pensaria o mesmo no seu lugar, mas isso não aconteceu. Qualquer coisa que tinha com Fiona, acabou.

– Vocês terminaram mesmo? – Questionou.

– Não, porque não tinha o que terminar, Emma. Nunca fomos nada além de amigas que se davam prazer quando conveniente para as duas, é simples. – Suspirou, não gostava da ideia de causar esse embaraço em sua ex aluna.

– Você fala isso de maneira tão natural. – Seu tom era entristecido.

– E é natural, não fazíamos nada de imoral ou errado. – Regina toca o rosto de Swan e lhe beija na testa. – Eu gosto de você, jamais ficaria com outra pessoa, muito além de fiel às pessoas, sou fiel aos meus sentimentos.

A professora sai, volta instantes depois com um pendrive e o trabalho impresso em suas mãos. Comunica que está tudo revisado, diz ter ficado tímida ao ler os agradecimentos e saber que Emma colocou o nome de Regina. Swan aumenta alguns tons vermelhos em sua bochecha, pois tinha esquecido de tirar esse detalhe antes de enviar o material para MIlls.

***

Finalmente o dia mais esperado para um formando tinha chegado na vida de Emma e suas amigas, a colação de grau. Esta, era feita com todos os alunos do semestre que tinham concluído. A festa era separada por curso, então Emma, Belle e Ruby ficaram bastante felizes por saber que iriam a tantas festas, pois elas não perderiam esse momento uma da outra. Mesmo com todos desejando isso, a loira recusou-se a ser a oradora da turma, então esse papel seria desempenhado por Mulan.

Todos os professores estavam presentes, uma grande e bela cerimônia. Aos poucos, as atividades iam cessando, a entrega dos diplomas foi longa, afinal eram mais de 300 alunos. Na sua vez, Emma desejou que Regina lhe entregasse, mas o destino lhe colocou nas mãos de Zelena, a ruiva não perdeu a oportunidade de sussurrar no ouvido da loira um “Parabéns, futura cunhada.” A estudante busca os olhos castanhos de Regina que fica espantada pela maneira que a outra a fita e logo imagina que sua irmã falou algum absurdo dado a maneira que a ruiva sorria.

O evento acabou uma hora depois, todos estavam cansados e os professores e alunos ainda tinham tantos outros compromissos pós-cerimônia que Mills e Emma não encontraram-se mais. A família Swan em peso estava lá comemorando a graduação da loira. Seus lindos olhos esverdeados cobriram por uma camada de lágrimas com as palavras de todos, especialmente de David. Não era segredo algum que Emma sempre foi mais próxima dele do que de sua mãe, isso não a magoava, pelo contrário. Mary e Granny achavam linda essa relação de pai e filha.

O dia seguinte era a festa da loira, então tinha muita coisa para arrumar. Seu longo vestido estava em seu closet tinha alguns dias, o vestiu e ficou admirando-o. Ele era longo azul, com seu busto bem justo em tule com aplique de bordado e pedraria, sem mangas com um caimento perfeito da cintura até seus pés, era o charme especial.

Chegou a grande noite, Swan estava atrasada, pois fez e refez seu penteado diversas vezes. Ruby e Belle esperavam impacientes, até que Swan aparece na sala prontíssima.

– Uau, srta. Swan. – Disse Belle, a loira prendeu seus cabelos em um coque alto e muito bem arrumado. – Essa demora de um milênio valeu mais que a pena.

– Realmente, Emma. Você está um espetáculo, a professora Mills irá babar e não é pouco.

– Não me arrumei para ela. – Disse convicta da sua mentira parcial. Ambas a olhavam sem acreditar. – Okay, você não está 100% errada. – Revirou os olhos. – Agora vamos, estamos muito atrasadas.

Ruby se dispôs a dirigir. O caminho todo elas cantavam músicas aleatórias que tocava na rádio. A noite estava bastante fria, Swan agradeceu por ter lembrado do seu sobretudo. Não o vestiu assim que saiu no carro, ela deixou na recepção do hotel. O Park Hyatt foi o escolhido pelos graduados em gastronomia, ele era um dos mais luxuoso de Nova York, um ambiente incrivelmente moderno.

Emma conversava animadamente com seus amigos, quando sentiu uma mão tocando-lhe o ombro. Ao virar, encontra com os olhos amêndoas de Regina, seu coração bateu forte dentro de seu peito, já que não tinha visto a professora desde que chegaram, imaginou por um momento que ela não viria. A morena usava um vestido de cetim de corte justo até a cintura, após isso, ia até os joelhos um pouco frouxo. Com um decote em “U” deixando-a sensual, porém discreta. O decote nas costas tinha forma de “V”, com um pequeno lanço unindo bem ao meio dele. Um detalhe sutil e delicado.

– Regina. – Sua voz saiu carregada de amor e alívio.

– Emma. – Retribuiu em mesmo tom. – Aproveitando a festa?

– Sim, bastante. – Elas se olharam por alguns segundos de forma tão intensa, que quase esqueceram onde estavam e que pessoas passavam por elas. – Pensei que não viria.

– Jamais perderia sua festa, por favor. – Um garçom passou e Mills pegou duas taças contendo champagne. Deu uma para a loira e elas brindaram. –  A sua formatura.

– A nós duas. – Ao fim da frase, Regina adquire um rubor em sua face. Aproxima-se de Emma e sussurra em seu ouvido.

– Quarto 423. Em dez minutos. – Mills saiu sem dar abertura para qualquer questionamento da sua ex aluna.

Swan ficou paralisada com o que acabara de ouvir. Apenas avisou a Ruby que Mills a chamou para conversar, bem, foi a primeira coisa que veio à mente confusa de Emma. Ela saiu, trilhando o mesmo caminho que sua ex professora fez minutos atrás.


Notas Finais


Algo que diz que serei xingada...
Deixe suas opiniões e até qualquer dia que o tempo livre venha! Beijos e me encontre no meu Twitter @jenrrilla


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...