História Crónicas De Uma Teikou (Interativa) - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Akashi Seijuro, Aomine Daiki, Kagami Taiga, Kise Ryouta, Kuroko Tetsuya, Midorima Shintarou, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Nijimura Shuuzou, Personagens Originais, Shougo Haizaki
Tags Akashi, Aomine, Comedia, Haizaki, Himuro, Interativa, Kagami, Kise, Kuroko, Midorima, Momoi, Murasakibara, Nijimura, Personagens Originais, Romance
Visualizações 33
Palavras 1.779
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, FemmeSlash, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, mil desculpas pela demora, mas tive várias provas importantes (e ainda vou ter mais semana que vem) para as quais eu precisava estudar, então meio que deixei isso de parte durante um pouco.
Mas eu não esqueci de vocês, no worries!

Capítulo 9 - Sonecas são as melhores amigas do homem


[Yamada's POV]

O jogo estava realmente disputado, não havia como prever quem sairia vitorioso. Eu nem lembrava mais contra quem estava jogando, estava apenas concentrado em ganhar. O video game nem era nada por aí além, um joguinho de luta qualquer que não devia nem valer seiscentos ienes, provavelmente comprado em segunda-mão ou encontrado ao abandono. De qualquer jeito, a origem não importa, o que importa é a competição. Além do mais, eu estava com uma vontade louca de quebrar a cara do qual-é-o-nome-dele, porque ele chegou se achando o melhor e apostando com todo o mundo como ninguém ganharia dele naquilo.

Surpresa, surpresa: agora, eu estava vencendo.

Dei um sorriso de lado um tanto presunçoso, mas que não ficou lá por muito tempo. Por mais que odeie admitir, o ranhoso é realmente bom nessa merda.

O tempo estava acabando e os poucos segundos em que relaxei, depois de ter estourado um quarto da barra de HP do idiota, foram o suficiente para ele me pegar desprevenido e agora estávamos praticamente empatados.

5. Debrucei-me sobre o controle, em direção ao ecrã da TV. 4. Um pontapé giratório e o meu avatar saiu voando até à outra ponta do pequeno mapa. 3. Ele veio na minha direção para dar o golpe final, mas consegui desviar a tempo. 2. Um combo de quatro hits depois e estou outra vez na liderança. 1-

— YAMADA! - grita uma voz bem do meu lado; dei até um pulo na cadeira, tão grande foi o susto que apanhei.

Olhei em volta, um pouco perdido. Sala de aula? Cadê o meu video game?

— O cochilo foi bom, presumo eu - o professor estava bem do meu lado, com cara de poucos amigos. Aí me toquei, eu estava no meio da aula.

Ouvi alguns risinhos à minha volta, mas não me preocupei em olhar.

— É, foi bom mesmo. Pena que acordei - respondi bem na letra. Obviamente, o professor não gostou muito da minha atitude e convidou-me a sair da sala. Ele nem me mandou falar com o Diretor, já devia estar cansado de o fazer e os pequeno sermões não terem efeito algum.

Arrumei as minhas coisas e saí, sem sequer querer saber.

No entanto, estava com um pouco de fome. Olhei o relógio e vi que estava quase na hora de almoço. Na verdade, a aula iria terminar em cerca de quinze minutos. Ele não podia ter-me deixado dormir mais quinze minutos, não?, bufei, irritado. Caminhei até uma das máquinas de vending que a escola tinha e comprei pequeno pão para comer antes do almoço.

Quinze minutos depois, o toque anunciava o fim das aulas do período da manhã e o começo do intervalo de almoço. Dirigi-me à cantina e sentei-me numa mesa sozinho, apenas com a minha comida.

Tudo estava sereno e bom, até a cadeira à minha frente ser arrastada e alguém se sentar nela. Veja, eu não sou uma pessoa muito sociável, nem apelativa ao olhar alheio, então não é muito normal alguém tomar a iniciativa de se sentar comigo para comer. Mas quando levantei o olhar e vi uma garota de cabelos e olhos rosados na minha frente, sorrindo alegremente, não pude deixar de pensar: Ah, claro...

Abri um sorriso pequeno, quase impercetível.

— Momoi-san - cumprimentei. - Tudo bem?

Ela piscou algumas vezes, um pouco confusa, mas depois voltou a sorrir.

— Ora, eu que deveria perguntar isso, Yamada-kun! Você que estava dormindo na aula e foi apanhado. É o que..? A terceira vez essa semana? Você deveria ter mais cuidado - e fez aquela expressão que eu conhecia tão bem: inflou uma das bochechas, os braços cruzados e o olhar um misto de reprovação e preocupação.

Suspirei. Momoi sempre fica assim quando eu durmo nas aulas ou estou casualmente jogando alguma coisa no celular durante a aula inteira.

Então, eu notei uma outra figura do lado da Momoi: uma garota baixinha, de pele pálida, com longos cabelos roxos lisos presos numa maria-chiquinha e olhos do mesmo tom; a primeira coisa que eu pensei quando olhei para ela, no entanto, foi (uma pequena informação: eu não sou pessoa de notar isso logo de cara, não me tomem como um pervertido, mas há certos casos que não dá para ignorar e esse era um deles) tábua.

Ignorando esse pensamento, encarei a menina com uma cara nada amistosa e arqueei a sobrancelha, como se estivesse questionando quem ela era o que queria ali. Se ela percebeu a mensagem, não deu bola, porque apenas continuou com a mesma expressão impassiva.

Momoi deve ter notado a minha hesitação em responder, pois logo se apressou a apresentar-nos:

— Ah, Yamada-kun, essa é Akemi-chan, ela é da nossa classe! Eu já conhecia ela, porque já somos da mesma classe desde o ano passado, por isso não se preocupe. Ela pode parecer meio petulante e às vezes até é esquentadinha, mas é boa pessoa! - Satsuki continuava alegre como sempre. Se ela não estivesse ali, não olharia duas vezes para a outra garota, mas, bem, eu estava tentando ser um pouco mais legal na frente de Momoi, só porque ela é uma pessoa genuinamente boa.

Engoli uma resposta seca que estava prestes a escapar-me da boca e tentei ao máximo dirigir-lhe um olhar relativamente normal:

— Oi.

Foi curto, mas foi.

Momoi percebeu o meu esforço e soltou um riso baixo, tapando a boca com a mão, com medo que eu levasse a mal. Não levei, já estava habituado à personalidade dela.

Desmentindo a minha teoria anterior que ela tinha me ignorado porque ou não estava nem aí para mim ou não queria arrumar confusão, a menina virou-se para Momoi, com um olhar perdido.

— Quê? - depois olhou para mim - Ah, olá!

Momoi arqueou uma sobrancelha, um sorriso divertido alargando-se nos seus lábios. Olhou na direção que a mais baixa examinava tão atentamente e viu que se tratava de Murasakibara, o cara alto do time de basquete no qual Satsuki é assistente e do qual ela sempre fala. O rapaz de cabelos roxos segurava quatro pacotes grandes de Hi-Chew. Mas não era um Hi-Chew qualquer, era o especial da Teikou, que só era vendido em duas semanas aleatórias por semestre e esgotavam no momento em que a cafetaria abria. Em vez de ser só a guloseima normal, o pacote original era aberto e cada caramelo era mergulhado em doce de leite e coberto por bolacha caramelizada. Depois de devidamente embalados, estavam prontos a vender. Acredite ou não, isso era um grande sucesso e aquela bosta era boa pra caralho.

Observei mais atentamente para a garota do meu lado. Agora que reparo bem, o olhar dela parecia mais desejoso do que qualquer outra coisa. Satsuki também devia ter percebido isso, pois não demorou a esticar-se na cadeira e chamar o amigo, alto e bom som, de modo que toda a cantina olhou na nossa direção para ver o que se passava.

Abanei a cabeça, negativamente. Ela nunca muda.

— Mukkun! - exclamou quando o gigante chegou do nosso lado. Ela já ia pronta para continuar, mas a tal Akemi adiantou-se.

— Atsushii... - começou, de um jeito um tanto manhoso. Murasakibara olhou para ela como se fosse apenas mais uma quarta-feira normal.

— Ah, Ake-chin.

— Nee, Atsushi, você não me poderia dar... Não sei, talvez um desses pacotes de Hi-Chew..? Eu tenho aqui alguns doces também que posso partilhar com você, mas hoje não cheguei a tempo de comprar nem um desses Hi-Chew especiais - pediu, num tom meio choroso, e posso dizer que eu realmente fiquei com pena dela. Eu não tenho pena das pessoas, muito menos porque elas chegaram tarde e não conseguiram comprar um pacote da edição super-limitada de uma guloseima qualquer, mas foi que inevitável. Parecia quase mágica.

— Ehh... - fez uma expressão tanto aborrecida como um pouco irritada. - Mas são meus doces. Aka-chin comprou para mim - agora ele estava até indignado.

Revirei os olhos. Aquele realmente não é o tipo de pessoas que eu gostaria de ter à minha volta. Despedi-me de Momoi e fui embora, já que já tinha acabado de almoçar. Decidi ir tirar um cochilo debaixo de uma árvore qualquer antes das aulas da tarde.

(...)

[Haizaki's POV]

Sabe aquele momento em que você pensa que conseguiu trapacear o capeta e os associados dele? Aquele momento em que você relaxa e baixa a guarda. Pois é, foi nesse momento que eu senti um monte de livros ser largado à bruta na minha barriga, roubando-me o fôlego.

— Puta merda! - xinguei, provavelmente mais alto do que deveria.

— Linguagem! - advertiu a garota do meu lado, que me encarava com as mãos apoiadas na cintura.

— E de quem é a culpa, mesmo, Shion? - rosnei de volta. Os livros eram pesados, porra.

— Sua, Haizaki - soltou um leve sorriso, que logo sumiu dando lugar à sua sempre tão impassiva e enigmática expressão.

Revirei os olhos. Não tem piada alguma tentar arrumar briga com Shion, ela nunca se descontrola. A coisa de jogar os livros em mim é o mais longe que uma brincadeira sua vai. Essa menina não sabe se divertir nem me divertir.

— Porque você não volta lá para o seu senpai e me deixa em paz.

— Porque você vai ficar aqui dormindo a tarde inteira ou fazendo sabe-se lá o quê se eu for embora. Isso para não falar que se o Shuuzou te encontrar, você vai ser literalmente chutado até à sala ou até ao treino, dependendo de quando ele te encontrar.

— Ui, estamos conversadores, hoje - provoquei, mas, mais uma vez, Shion não deu bola. Rangi os dentes e soltei um grunhido um tanto alto. - Que saco, eu só quero dormir um pouco antes do período da tarde. Mas claro que você tinha que vir encher o saco. Se não fosse você, seria a outra aberração ou o Nijimura. Vocês não têm mais nada que fazer com as suas vidas, não?

— Hum... Eu já almocei, portanto não, não tenho.

Dessa vez soltei um grito que abafei com a jaqueta do uniforme. Eu até conseguia lidar com o outro demónio, mas com ela eu não consigo. É irritante e frustrante.

— Que merda - xinguei, mais uma vez. Dessa vez, Hazuki não comentou, simplesmente revirou os olhos.

Uma coisa era certa: Shion não iria embora se não me levasse junto. Ela podia ser muitas coisas, mas mãe-galinha era definitivamente a qualidade (ou defeito, na minha opinião) merecedora de prémio. Exasperado daquilo tudo e não querendo ter que lidar com ela, nem com Nijimura, caso ele realmente aparecesse (o que era o mais certo), dei-me por vencido. Hazuki pareceu um pouco surpresa, mas não comentou. Apenas sorriu e me acompanhou até à nossa sala.

 


Notas Finais


A cara do Murasakibara que eu estava tentando descrever é tipo essa daqui: https://pa1.narvii.com/6377/77be2c927f0ddd9a3eab5bae555154d2289c5169_hq.gif

Sei que o capítulo não é grande o suficiente para compensar a demora, mas eu realmente não pude me concentrar em escrever nos últimos dias. Me desculpem.
Mas bem, o que acharam do capítulo? Eu tive que fazer pesquisa de doces japoneses, porque eu realmente não conhecia nenhum e daí eu encontrei esse caramelos com sabores de frutas chamados "Hi-Chew". Não sei como chamam aí no Brasil, mas quando eu era pequena chamava de "Sugus". Nem lembro se era o nome da marca ou um nome qualquer do qual os meus avós se lembraram.

Então, hoje conhecemos mais um personagem original: Yamada Rakku, personagem do @BloodTitan . Espero tê-lo retratado bem, tal como a Akemi e a Hazuki. Qualquer incoerência que encontrem ou algo que vocês não gostem ou achem que está mal interpretado, por favor digam para eu retificar!

NO PRÓXIMO CAPÍTULO VOU FAZER ALGO DIFERENTE, EU ACHO. (Se não for no próximo, no a seguir)
Só avisando e.e

Como sempre, qualquer erro que encontrem, por favor avisem. Eu não gosto de deixar as minhas histórias com gralhas nem erros de ortografia ou sintaxe ^^'

Espero que tenham gostado do capítulo e vou tentar postar o próximo o mais rápido possível.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...