História Crystal Frost - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Cisco Ramon, Detetive Joe West, Dr. Harrison Wells, Dr. Martin Stein, Dra. Caitlin Snow, Iris West, Personagens Originais, Wally West (Kid Flash)
Tags Barry Allen, Caitlin Snow, Crystal Frost, Danielle Panabaker, Granielle, Grant Gustin, Savifrost, Savitar, Snowbarry, The Flash
Visualizações 219
Palavras 4.124
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oeee galeura...
O episódio passado não foi tão ruim, mas não vou encaixar Crystal nele e o episódio de ontem foi o melhor da season... Sério, eu até consegui simpatizar com a Íris. Gostei de verdade...
*RALPH VAI APARECER NA FIC, MAS VOCÊS SABEM COMO ELE ENTROU NO TEAM E ETC ENTÃO EU NÃO PRECISO REPRODUZIR AQUI (Até porque to na corda bamba com o Ralph, ele é muito ridículo, mas ep passado até que foi engraçado)
Só era esse aviso mesmo... Aaaaah, capítulo que vem, talvez não tenha muito sobre o ep e eu saia da linha da série.
Aaaaah²: A roupa da Crystal nesse capítulo é uma blusa-polo cinza azulada com algumas florzinhas. Uma calça jeans preta e uma bota também preta, quase que um Matching Clothes com a Frost... É isso mesmo.

Capítulo 5 - 405 - Girls Night Out


Fanfic / Fanfiction Crystal Frost - Capítulo 5 - 405 - Girls Night Out

- Não acha estranho Amunet ainda não ter vindo atrás de nós? - Pergunta Crystal enquanto seguiam pelo corredor. Já havia alguns dias que Crystal e Caitlin voltaram ao antigo apartamento de Caitlin. - E o mais estranho ainda ela e você criarem o soro para impedir meu crescimento? - Caitlin suspira. 

- Esqueça a Amunet, eu tentei recomeçar com a ajuda dela e eu não devia ter feito isso. 

- Devia ter ido para a casa da vovó. Ou melhor... Ter ficado lá. - Caitlin rola os olhos. - Porque você foi, mas veio embora e se aliou à Amunet.

- Carla só é boa para você, pra mim não. 

- Você é fria... - Caitlin para bruscamente observando a porta. - Cedo de mais? - Crystal direciona seu olhar para porta. A frase rabiscada dizia "Sentimos sua falta, volte logo". Crystal arregalou os olhos. - Falando no diabo.

 

[[...]]

 

- Tem certeza disso? Só por que a Íris pediu? - Pergunta Crystal sentada na cama. Caitlin inibiu se olhando no espelho. 

- Não vai acontecer nada de mais... - Diz Caitlin tentando convencer mais a si mesma do que a filha. 

- Ela odeia rosa... - Diz Crystal. 

- Eu sei... Ela está adormecida agora. 

- Sério? - Caitlin assentiu. – Agora vocês sabem por uma a outra pra dormir?

- Sabe as regras não sabe? – Caitlin pergunta ignorando a pergunta da filha.

- Não sair, não atender ao telefone, não atender a porta e não chamar pelo Barry porque hoje é uma noite para eles se divertirem e esquecerem os problemas. - Caitlin se aproxima. 

- Se precisar usar os poderes... 

- Eu não vou... - Diz confiante. - Vai logo curtir a noite... Eu vou curtir a minha vendo Stranger Things. - Caitlin ri e beija a testa da filha. - Divirta-se. E não se preocupe comigo. - Caitlin ainda pensou em ficar, Crystal ainda não tinha noção do seu poder, ela era uma criança, mas ela já havia ficado sozinha antes, tudo bem que Amunet não estava atrás delas, mas Crystal é inteligente, saberia resolver os problemas, olhou para Crystal uma última vez e saiu do quarto.

 

[[...]]

 

Os vizinhos deviam estar surdos a essa altura. Crystal ouvia a trilha sonora de Grease no mais alto volume. Ela não sabia o porquê, mas tinha um amor pela música Summer Night e adorava cantá-la quando estava sozinha.

Ela não ouviu as batidas na porta, estava na cozinha colocando a pipoca em um pote. Apenas ouviu um barulho estrondoso e com o vaso de pipocas em mãos correu até a sala parando em seguida ao observar a mulher à sua frente. Encarou boquiaberta a mulher e olhou para a porta que estava no chão.

- Ah qual é? - Ela resmunga. - Acabamos de nos mudar. - Choramingou e a mulher sorriu.

- Quanto tempo... Snowball. - Crystal torce o bico e troca o sustento do peso do corpo para o outro pé.

- Amunet...

 

[[...]]

 

- Porque é que eu estou algemada? - Crystal pergunta ao capanga de Amunet. Norvok.

- Pra você não tentar nenhuma gracinha. - Ele aperta a algema.

- Vocês estão esquecendo que eu manipulo mentes, então se eu quisesse, eu já teria fugido.

- Não brinque comigo, criança. - Diz ele se aproximando de Crystal tentando intimidá-la. - Posso fazê-la pagar pelo que sua mãe me fez.

- A minha mãe fez algo com você? De novo? - Ela pergunta rindo. - Tem gente que não aprende a lição. - Crystal nega ainda rindo. - Amunet foi à minha casa, conversou comigo, ameaçou vender a minha mãe e acabar com minha vida caso eu não saísse com ela estando boazinha e resolveu passar um pouco de tempo com a meta-humana favorita dela, mas... Por quê?

- Eu não vou te dizer... - Diz ele se levantando e dando as costas para Crystal.

- Ta, então avisa para ela que eu não uso mais os poderes.

- Você não usa? - Pergunta se voltando para Crystal.

- Qual parte do: Eu manipulo mentes, então se eu quisesse, eu já teria fugido você não entendeu? - O capanga a encara furioso, mas não podia machucá-la, Crystal era de grande valor para Amunet, ela queria a garota intacta para o seu plano, então ele apenas saiu de lá. O cristal do colar começou a brilhar novamente e Crystal o tirou de dentro da blusa com a mão que não estava algemada, ela franziu a testa e continuou a encarar o acessório que agora apenas piscava. Ouviu um barulho e escondeu o colar novamente.

- O que tem ai? - Pergunta Amunet com seu sotaque britânico.

- Não é da sua conta. - Crystal responde e Amunet sorri e se abaixa ficando frente a frente com Crystal e a encarando analisando cada detalhe. - Você é maravilhosa. - Diz Amunet. - Tem poderes maravilhosos e é extremamente linda.

- Você não faz o meu tipo. - Amunet ri.

- Sabe Crystal, quando eu conheci a sua mãe... Eu sabia que ela era magnífica, mas eu não sabia sobre você. Oh não... Ela me escondeu isso, mas quando eu a conheci, você parecia ter uns seis anos... Até os dentes de leite estava trocando. - Amunet se levanta e fica de costas para Crystal.

- Aonde você quer chegar?

- Sua mãe queria ajuda e ela teve ajuda, fui eu quem a ajudou com o soro, Crystal. Quer dizer, sua avó foi de grande valor, mas quem tinha o que era preciso? Eu mesma.

- Eu sei e o que você quer? Um agradecimento? - Crystal diz impaciente.

- Quero o que sua mãe me deve. - Ela se vira para Crystal novamente. - Eu a ajudei e em troca, ela me ajuda... - Amunet cruzou os braços. - Eu preciso dela, você e ela são as mais valiosas que eu tenho. - Crystal encarou Amunet ainda sem entender. - Ela é poderosa, Crystal, assim como você. - A vista de Crystal ficou turva e escura e imagens embaçadas passaram por sua mente. Era a sua mãe e o seu pai, ambos poderosos e gloriosos, comandando absolutamente tudo, todos os temiam e todos os obedeciam, sua mãe estava radiante e seu pai não ficava diferente, próximo à eles uma garotinha loira, de costas para ela, mas de frente para Savitar, que se abaixou e acariciou o rosto da menina, ela não conseguiu ver o rosto dela, mas não precisava, sabia quem ela era. Sua visão voltou ao normal e agora ela via Amunet à sua frente sem entender o que acontecia, mas com a postura inabalável. Crystal arfou e fechou os olhos com força sem saber o que aconteceu.

- O que fez comigo? - Ela perguntou.

- Eu? Eu não fiz nada... - Diz Amunet. - Não ainda... - Amunet sai da sala e deixa Crystal sozinha ainda tentando entender o que acabara de acontecer. O capanga dela logo voltou e retirou a algema da barra de ferro e algemou as duas mãos de Crystal. 

- Vamos... - Ele segura o pescoço dela e a leva para o lugar onde sua mãe estaria, mas o homem iria a mando de Amunet apenas para chamar Caitlin, Crystal seria a isca. 

 

[[...]]

 

A festa não a mais animada, apenas quatro mulheres tentavam se divertir, Caitlin bebeu do seu champanhe e do de Cecile, ela estava nervosa e preocupada. A conversa sobre a novidade que era a gravidez de Cecile não parecia muito interessante para Íris que encarava Caitlin como se assim saberia o que estava acontecendo.

- Alguém pediu um striper? - Caitlin engoliu em seco com o homem parado à sua frente. Ele não era um striper e ela sabia disso. 

- MÃE... - Crystal entrou correndo pelo outro lado. - O cegueta está... - Crystal encara o homem. - Ta, me atrasei... Fui... - Ela iria sair, mas o homem a puxou de volta pelo colarinho da camisa, as mãos dela ainda algemada. 

- Quem é ela? – Pergunta Felicity apontando para Crystal e encarando as mulheres.

- Crystal, filha da versão malvada da Caitlin com a versão malvada do Barry. – Felicity encara Caitlin sem entender e a mesma respira fundo tentando se acalmar e acalmar Killer Frost que despertara.

- Amunet quer você. - Diz o homem autoritário. 

- Caitlin... Você conhece esse cara? - Pergunta Íris. 

- Preciso que venham comigo. - Diz o homem outra vez. 

- Não iremos a lugar algum... - Diz Crystal.

- Por favor, me diz que isso faz parte da atuação. - Pede Cecile cochichando para Felicity. 

- Se for está demorando muito... Tira tudo... - Diz Felicity e o homem deixa seu olho de vidro cair na taça de champanhe. - Eww... - Resmunga Felicity. - Eu quis dizer as roupas e não seu olho. 

Do olho dele saiu uma cobra. Todos que estavam no ambiente gritaram e fizeram cara de nojo. Caitlin virou a mesa para cima dele, Felicity pegou uma cadeira e bateu nas costas do homem e Íris tentou acertá-lo com uma bandeja, Crystal aproveitou a distração para tentar novamente fugir, mas o homem agarrou a perna dela com a cobra que saía de seu olho, Crystal caiu e foi arrastada. Aquilo foi o que precisou para Killer Frost acordar. "Vamos nessa!" diz Caitlin na cabeça dela. 

- Eu estava esperando para te ver de novo... - Diz ele. Crystal ainda estava presa. 

- Sério? - Caitlin retira a penugem azul que envolvia o seu pescoço. - Então eu posso te dar outra cicatriz. - Ela se aproxima. Ele larga Crystal para atacar Frost e é nesse momento que Crystal se levanta e corre, Frost lança uma névoa forte o suficiente para derrubá-lo e o faz cair pela janela.

- Mama Frost... Você arrasa. - Ela diz sorrindo para a mãe e se vira para a janela. - VÊ SE APRENDE AGORA. - Crystal grita e se vira. Frost encara as roupas que usa e faz uma careta. 

- Eu odeio rosa. - Diz ela.

- Eu disse para a Mama Cait e ela não me ouviu... Onde ela está? - Crystal pergunta com preocupação, Frost apenas pega a garrafa de champanhe e bebe direto do gargalo soltando o ar gelado pela sua boca, mas rapidamente, antes que pudesse dizer ou fazer algo, algo envolve o pescoço de Crystal e ela segura com as mãos ainda algemadas. - Eita... Tchau mãe! AAAAAAAAAAH. - Crystal é puxada para fora da janela. 

 

[[...]]

 

Já com as roupas trocadas, Frost caminhava segura e confiante até a boate de Amunet, ela entrou e seguiu pelo corredor, quando um homem asqueroso tentou toca-la, ela se virou com raiva e começou a congelar seu pulso. 

- Desculpa, eu pensei que tocar sem permissão era o que você queria. - Ela largou o homem que gemia de dor e continuou a seguir pela multidão de pessoa que dançavam e bebiam. Chegou ao grande segurança que fazia a guarda de Amunet, Norvok e consequentemente, Crystal. - E me deixe passar ou vai ter a sensação do que é ter um líquido gelado em seus globos oculares. O homem apenas sorriu.

- Querida, você está aqui... Deixe-a entrar. - Diz Amunet e o segurança abre passagem. 

- Oi mãe... - Diz Crystal, ela não estava mais algemada. 

- Amunet... - Começa Caitlin. Amunet se levanta e vai até ela. - Da próxima vez que falar comigo venha você mesma, não mande o cegueta para me atacar e usar minha filha como isca.

- Você começou uma luta? - Começa. - Eu já disse Norvok. É meu terceiro mandamento favorito. Nós sempre dissemos... 

- Nunca começar uma luta que você não pode terminar. - Completa Caitlin. 

- E isso, minha querida, é porque você é minha favorita. - Diz Amunet. 

- Eu achei que eu era a sua favorita. - Diz Crystal. Amunet olha para Crystal atrás dela e em seguida se vira para Caitlin.

- Você sempre me escuta. - Diz Amunet.

- Aparentemente, você não... Eu saí Amunet. 

- Saiu de onde? - Pergunta Amunet. - Saiu de órbita, saiu do armário... Existem vários termos pra sair. - Amunet cruza as mãos. - Venha comigo... Tenho algo que pode nos deixar rica. - Norvok puxa Crystal pelo colarinho e a empurra em direção aonde as mulheres irão. A conversa entre Amunet e Frost era desinteressante aos olhos de Crystal. Havia um homem magro e acorrentado de uma forma pior que Crystal estava. Em certo momento Crystal se perdeu e ela só notou quando Íris entrava entre Frost e Amunet e discursava, Norvok soltou Crystal que correu em direção à Frost. E elas saíram do local.

- Devo pará-las? - Pergunta Norvok.

- Não... Deixe elas acharem que podem ir embora. - Diz Amunet.

 

[[...]]

 

Fugir... Era isso que Frost iria fazer, era, sobretudo, proteger Crystal. Crystal era um grande trunfo para Amunet e Caitlin e Frost sabiam que ela queria vender a Crystal, a garota era poderosa e de grande valor.

- Está atrasado. - Diz Frost achando ser o homem que a levaria embora dali em segurança com Crystal, mas era Amunet. Crystal arregalou os olhos e engoliu em seco.

- Eu vim na hora certa. – Amunet joga sua bolsa de metais no chão. Os metais que ela usava em brigas. – O quê? Estava esperando um meta diferente? – Crystal e Frost se encaram. – Ninguém escapa de mim, Frost. – Amunet esticou sua mão e os metais vibraram e se prenderam à sua mão, formando uma espécie de luva e montando pedras que acertaram Crystal e Frost e as duas caíram no chão. Como se pensassem em sincronia, as duas se levantam e usam os poderes de gelo, mas Amunet foi mais rápida e criou um escudo com os metais, se protegendo do ataque. Crystal queria usar os outros poderes, mas era perigoso e ela ainda não sabia o que era capaz de fazer, também não queria matar Amunet. Amunet revida arremessando pequenas lanças de metal contra Frost, cortando o seu braço e fazendo a loira cair, ao mesmo tempo em que os metais formava outra pedra, que acertou em cheio a cabeça de Crystal, não forte o suficiente para fazê-la desmaiar, mas para deixá-la tonta. – Você achou mesmo que eu deixaria você fugir por essa fenda até o pôr-do-sol? Você me deve sua vida e a vida de sua filha. – Amunet puxa Frost pela jaqueta, Frost a encara assustada, Caitlin despertou dentro dela e agora as duas compartilhavam de tal assombro. Crystal tentou se levantar, mas estava fraca e perdida de mais para isso e só pôde encarar a mãe ser socada várias vezes até retornar a ser Caitlin completamente e cair desmaiada no chão. – Eu sempre pego o que me devem... – Diz Amunet. O momento de distração com a polícia foi o que Caitlin precisou para se levantar e mesmo fraca, pegar Crystal e fugir, o mais rápido que pôde. Mas estando fraca, não pôde ir muito longe, ela apenas se escondeu e esperou que Amunet se fosse para voltar para S.T.A.R. Labs. Após cuidar do ferimento na testa de Crystal, ela cuidou do seu, limpou o corte em seu braço e retirou o pedaço de metal do seu membro.

- Quer ajuda? – Crystal se oferece.

- Não... Tudo bem. – Diz Caitlin.

- Por favor, mãe... – Caitlin permitiu. Carla ensinou a neta a suturar feridas e ela com a sua inteligência, aprendeu rápido. Frost agora dormia, Caitlin e Frost haviam conseguido esta tática, assim nenhuma ficaria sabendo o que a outra fazia e Frost não resmungaria quando Íris começava a falar, Caitlin sabia que Frost jamais machucaria Crystal, afinal, Crystal era mais de Frost do que de Caitlin, e ela aprendeu a confiar em sua versão loira. Encarando Crystal completamente concentrada e suturando o seu ferimento, Caitlin pensou o quanto essa história pode ter sido agradável e boa para ela. Crystal era um pouco dela, um pouco Frost e o essencial, havia tudo de Barry. Afinal, Savitar era uma parte quebrada de Barry, ambos já foram o mesmo um dia os acontecimentos o fizeram mudar. No inicio, ela julgava Crystal um castigo, um peso, um erro, algo que ela não queria e que a lembraria de momentos ruins, tentou controlar Frost, mas não conseguiu, Frost queria aquela criança e estava determinada em protegê-la. Quando Crystal nasceu, Frost não poderia estar mais feliz, e foi então que Caitlin percebeu que Crystal era algo que uniria as duas e por isso hoje, as duas vivem em ‘harmonia’ no mesmo corpo, uma sem querer dominar a outra, mas Caitlin ainda temia Frost. Muitas e muitas vezes Caitlin se perguntava se Crystal tinha por ela, o mesmo que tinha por Frost.

- Você sabe que eu te amo, não é? – Crystal suspira.

- Sei... E eu te amo também, sabe disso...

- Às vezes acho que você ama mais a Frost. – Diz Caitlin.

- Bom... Frost pode ser mais... – Crystal pigarreia. – Legal... Liberal... E... – Ela dá de ombros finalizando o trabalho e se sentando no colo da mãe. – Atrevida... Mas você é protetora, carinhosa, e mesmo quase me trancando na pipeline para garantir que eu não use meus poderes... – Caitlin ri. – Você também é legal... – Caitlin beija a bochecha de Crystal e envolve seus braços em volta dela. Mas aquele momento entre mãe e filha é interrompido por Íris. Crystal se afasta. – Acho que vou contar minha história para Felicity. – Ela diz se retirando da sala e deixando Caitlin e Íris a sós.

 

[[...]]

 

Felicity, Íris e Cecile descobriram a localização de Amunet, mas Caitlin estava com medo de ir, portanto ficou no laboratório com Crystal. Caitlin pensava onde  havia se metido, seu olhar estava distante enquanto estava sentada em sua cadeira.

- Mãe? – Crystal a chamou enquanto estava de frente para ela. Caitlin levanta o olhar. – Desculpa... – Caitlin fica sem entender. – Você estava apanhando feio, você e a Frost apanharam feio e eu não fiz nada, só usei os poderes de gelo que herdei da Frost... – Crystal desviou o olhar. – Se eu usasse a telepatia ou...

- Hey... – Caitlin se inclinou para frente e acariciou a bochecha de Crystal. – Tudo bem... Você não se sente segura com os seus poderes... Eu entendo. – Caitlin suspirou.

- Mas eu podia...

- Crystal... – Caitlin a interrompe. – Está tudo bem... Você está bem, eu estou bem e é isso que importa... – Crystal deu meio sorriso. – Sabe por que eu não queria que usasse os seus poderes? – Crystal passa a prestar mais atenção, mas  tudo fica escuro e quando as luzes voltam, Caitlin estava sozinha na S.T.A.R. Labs e apenas um bilhete em cima da mesa.

“Você sabe que ela me pertence.”

 

[[...]]

 

- Ta, porque é que você não gosta de mim? – Pergunta Crystal acorrentada no fundo do baú de um caminhão. – E porque eu estou acorrentada aqui igual Jesus na cruz? – Amunet se aproxima com um homem de terno e naquele momento Crystal começa a se debater já entendendo que estava sendo vendida.

- Mostra o que sabe fazer... – Amunet ordena, mas Crystal nada faz. Amunet encara Norvok e ele acerta um soco no rosto de Crystal, cortando o seu lábio inferior. Ela levanta a cabeça e com o auxílio das mãos, faz o homem flutuar por alguns metros. Ele ri e grita eufórico.

- Essa garota é mais do que eu pensei... – Sussurra Felicity.

- Ela tem várias habilidades. – Íris sussurra de volta. Ambas com as armas apontadas. Norvok acerta outro soco, mas dessa vez no estômago de Crystal. Ela estava indefesa e Íris se perguntava onde estaria Caitlin naquele momento. – No três... – Felicity assentiu. – Um... Dois...

- Três... – Eles ouviram outra voz. Dois dos seguranças as pegaram e as levaram. Cecile esperava algum sinal ou alguma ordem de dentro da van, quando percebeu o que acontecia.

- Eu me lembro de você... – Diz Amunet. – Você é a garota do bar...

- Oh não... – Diz Cecile dentro da van, observando o monitor.

- Íris? – Crystal a encara confusa. – Você veio mesmo.

- Oh... Vocês se conhecem? – Diz Amunet olhando de Crystal para Íris.

- Ela é minha futura madrasta-tia, de uma forma meio torta. Aliás foi ela quem matou meu pai que tem a mesma cara do irmão noivo dela.

- Oh... Então estamos em família. – Amunet encara Íris, mas a postura dela não caiu. Íris continua confiante.

- Ei, Amunet... – Era a voz de Caitlin. – Isso é entre você e eu. – Caitlin para um pouco distante de Amunet. – Deixe minhas amigas e minha filha irem e eu voltarei a trabalhar para você.

- Ah é muito tarde para isso... – Diz Amunet começando a andar. – Você sabia o preço quando pediu minha ajuda... O preço era ela, sabia o que aconteceria com ela caso saísse... Desculpa. – Amunet se vira. – Cuidem dela. – Os capangas apontam suas armas para Caitlin.

“Crystal está machucada!” – Frost alerta em sua mente. Ela estava irritada. Podiam fazer qualquer coisa, exceto tocar na Crystal. – “Eles não vão leva-la... Me deixa sair, Caitlin... Rápido.” Caitlin apertou os olhos com força e gritou. A névoa saindo de sua boca e derrubando todos os capangas. Em meio a fumaça de gelo, Frost novamente surgiu, Crystal sorriu com a visão.

- Oh... Olá... – Diz Amunet esticando sua mão para os metais novamente. – Eu não queria matar ninguém hoje. – Amunet aponta para Frost, Íris e Felicity já se posicionavam atrás dela. Amunet atirou pequenas lançar contra elas e Caitlin criou um escudo protetor com o gelo, as protegendo do fogo cruzado. – MATEM-NAS. – Amunet ordena e seus homens começam a atirar.

- Eu não sei se isso vai aguentar muito tempo. – Diz Frost. Enquanto isso, Crystal toma coragem e usa sua telecinese. Com o poder de seu pensamento, a garota levanta um dos homens do chão e o lança contra o outro, o problema é que eram vários. Íris e Felicity ordenaram Cecile e quando tudo estava certo Frost usou seus poderes novamente e destruiu a proteção, jogando contra os homens de Amunet. A loira então sorri da expressão de Amunet. A mulher do sotaque britânico começa a andar em direção à Frost.

- Você e eu poderíamos ser deusas...

- Eu já trabalhei com um Deus. Acima dele. – O colar de Crystal brilhou novamente. Agora ela estava em um lugar escuro, a luz era escassa, na verdade, ela girou e encontrou uma armadura, poderia até ser assustadora, mas Crystal não estava com medo. À frente a armadura, estava Frost, sua postura tensa.

- Você e eu podemos ser deuses, livre da dor e do sofrimento humano, tudo o que precisa fazer... – A armadura aproxima seus rostos. – É matar a garota. – As imagens se turvam novamente e Crystal está de volta encarando Amunet que levantou seu punho com os metais em direção à sua mãe, Íris e Felicity, mas o metal é puxado pra cima e Amunet não consegue trazê-los de volta. Cecile havia ativado o magnetismo do lugar onde estavam. Elas olham para cima e sorriem. Frost forma um icecicle em sua mão.

- Não é tão assustadora sem os seus brinquedinhos não é? – Diz Frost se aproximando de Amunet. Ela levanta o Icecicle, pronta para atacar Amunet.

- PARA. – Grita Íris. – Caitlin, para.

- Eu não sou Caitlin... – Diz Frost.

- Mãe... Não... – Diz Crystal fraca, mas isso só aumentou a ira de Frost.

- Eu nunca estarei livre se ela não morrer. – Completa Frost.

- É o oposto disso... – Íris tenta mais uma vez. – Você é livre, agora.

- Mãe... – Crystal chama mais uma vez. – Não tem que fazer isso... Não a machuque, por favor. Se fizer isso sempre será uma assassina.

- Não precisa fazer isso, Caitlin... Você decide quem você é. – Íris diz mais uma vez.

- Deixe-a livre, mãe... Não se iguale. – Frost encarou Crystal, ela tinha um olhar diferente, não mais admiração, ou amor, era medo? Sua filha estava com medo dela?

- Da o fora daqui. – Diz Frost deixando seu Icecicle cair no chão.

- Você pode ter me vencido hoje... – Começa Amunet. – Mas eu prometo que um dia eu irei arruinar algo valioso para você. – Amunet encara Crystal mais uma vez antes de fugir e Norvok a seguindo. Íris pega um enorme alicate e corta as correntes de Crystal.

- Aguenta firme... – Diz Íris cortando uma corrente. – Está tudo bem agora. – Crystal agora livre das correntes corre até Frost que a abraça e beija a sua cabeça.

- Estou orgulhosa de você. – Frost viu novamente o brilho no olhar de Crystal e sorriu de canto. Congelou as algemas da corrente, as quebrando e abraçando Crystal novamente. – Mã... – Crystal não termina, seus braços caem da cintura de Frost, seu corpo amolece e seus olhos se fecham. 


Notas Finais


Próximo capítulo terá expicando um pouco mais sobre a gestação de Caitlin/Frost e porque q ela não ficou com a mãe dela.
Alguma teoria sobre o colar que Savitar pediu para Caitlin entregar para ela?
O CAPÍTULO PASSADO TEVE 20 COMENTÁRIOS AAAAAAA MUITO OBRIGADAAAAA
_ @luamariano (3x) (que eu amo muito já)
_ @JMessyMind (Minha soulmate ela)
_ @Julyh26
_ @gih_horansg
_ @iamlostwolf
_ @SnowBarryBR (4x) (Mari sua linda)
_ @Jujuzitah
_ @marigomes00
_ @Evil_Is_Better (2x) (Minha outra soulmate)
_ @Cellami
_ @ItaloCalixto
_ @LequinhaSMHPT
_ @AneLyma
_ @snowbarry1

Obrigada também aos 41 favoritos, eu amo vocês e... Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...