História Damned Soul - Justin Bieber - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Alma Condenada, Belieber, Chaz, Chris, Criminal, Fanfic, Fanfic Criminal, Hailey, Jaxon, Jazzy, Jeremy, Justin Bieber, Nolan, Pattie, Policial, Ryan, Selena
Visualizações 170
Palavras 1.884
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Misericórdia, eu estou de volta, e dessa vez é super sério, me desculpem por demorar tanto.
TEM ALGUÉM AQUI AINDA? Scrr.
Gente eu escrevi o cap escutando as seguintes músicas (quase até chorei)


https://youtu.be/v8REsUPbC2Y

https://youtu.be/YzFI1RtNJHo

https://youtu.be/AFfnUJIgfd0

https://youtu.be/C4_7uqgJXTI

Capítulo 27 - Faça um bom proveito da sua nova família feliz.


CHLOE MONREY'S. 


Ok, ok. Eu sei que estou me precipitando demais. Justin está me levando para a surpresa que ele me disse ontem. Eu estou tão nervosa, será que ele cansou de mim e vai me matar? Socorro! 

Tá, mentira! 

— Amor, para onde vamos mesmo? – pegunto.

 Eu sou curiosa mesmo, e admito.

— Chloe, sério,  fica quietinha. – grosso deveria ser apenas o seu pau, otário. 

— Aí tá, grosso! 

— E grande. 

— Puta frase bosta, Justin. Pelo amor de Deus. -- falo e ele me mostra o dedo do meio, me fazendo rir. 

— Trouxa... – ele resmunga. 

— Trouxa? Sou mesmo.

Ele revira os olhos e para o carro em frente a um lugar, na verdade, no Burguer King.

— Graças a Deus, eu estava morrendo de fome – digo. 

— Claro que estava, do jeito que é ogra. – ele retruca me fazendo bufar –Espere aqui. – ele fala/ordena e saí do carro. 

— Ok. – resmungo e pego meu celular verificando se não tem nem uma mensagem de Charles, ele se disponibilizou para ficar com Joe hoje, ele não bate bem da cabeça, ainda com uma criança junto. Da até medo. 

Logo Justin volta com uma sacola e a coloca em meu colo, ligando o carro e voltando a fazer o percurso lá. Começo a mexer na sacola e acho: duas cocas, dois hamburgers, e um saco de batatinhas, o que me fez sorrir boba. 

— Saindo da dieta... Nossa, nossa em. – digo o provocando, ele odeia que fale de seu "segredo". 

—Por um acaso você é minha nutricionista? Não é, então... – ele fala grosso me fazendo olhá-lo feio – Desculpa, é que eu to nervoso. 

—  Não precisa ser grosso desse jeito né, que saco. 

Só essa semana eu me peguei pensando algumas vezes se foi o certo que eu fiz, não digo que foi errado eu "contar" a Justin sobre Joe e Rudo mais, mas voltar com ele, voltar a relação que tínhamos no passado. E era uma coisa tão boa, mas sempre, em todas as hipóteses acabavam os brigando. Todas as minhas lembranças há uma briga nossa. Isso me deixa frustrada. Não queria que fosse sempre assim. Um relacionamento normal, uma família normal, seria muito bom para mim, não só para mim como para Justin e Joe também. 

Meu filho vai crescer no meio de roubos, tiroteios, sequestros? Eu passei por isso em minha infância e não quero isso para ele. Mas não posso confrontar Justin sobre isso, não agora. Quero que Joe tenha um bom estudo, boas notas, passe em uma faculdade e um emprego digno de um homem correto. 

Ou pelo menos: O primeiro dos Bieber a ser um homem correto. 

Saio de meus pensamentos com Justin tocando meu braço, o olho e ele faz um sinal para que eu saia do carro, e assim eu faço, levando comigo a comida, lógico. 

Não sei muito descrever o lugar em que estamos, é meio que no meio do mato. Mas um mato bonito, sabe? 

Olho em volta tentando distinguir o lugar em que estamos, tem flores e árvores, mas não é nada como um bosque encantado, jamais. Justin me estende sua mão, fazendo com que eu segure na mesma. Ele começa me guiar entre as árvores, até pararmos onde há um tronco caído. É quase igual à um banco, bem improvisado. 

Ele se senta tirando uma coca da sacola, a abrindo. Eu faço o mesmo. 

— Vai ficar ai, em pé. Até eu falar tudo o que eu tenho que falar? – ele termina seu gole e diz – Sente-se. 

Assim faço, não porque ele mandou, lógico. 

— Chloe... Como você sabe, eu mantinha um "relacionamento" – faz aspas com os dedos perto da cabeça, ao pronunciar a palavra – Com Megan... – falou o nome da vaca, ai eu já estranho – Não me olha assim... 

— Assim como? – jogo verde, sei muito bem o que ele quis dizer. 

— Como se soubesse que está por vir uma grande merda. – ele fala, me fazendo arquear as duas sombrancelhas. 

— Está por vir uma grande merda? – replico suas ultimas palavras. 

— Sim, quero dizer desde já que não foi por esse objetivo que eu te trouxe aqui, ok? – por que caralhos ele ta enrolando? 

— Mas fala logo, Justin. – já to ficando nervosa. 

— Eu mantinha um "relacionamento" – Faz aspas novamente – Com a Megan e ela me disse mais cedo que está grávida. 

E com isso eu travo total. Meu santo Deus, não acredito que isso está acontecendo mesmo. Sério? Ele é burro? Ele não sabe que existe uma porra que chama C A M I S I N H A S ? Que coco ele tava na cabeca? Primeiro eu fico sabendo que ele disse que ama ela, segundo Kendall quando estava me atualizando, agora mais essa? É karma, só pode. 

— Fala alguma coisa, me xinga, diz que me odeia, que me acha um lixão humano, mas fala alguma coisa, porra. – balanço a cabeça levando meu olhar da árvore em nossa frente, até ele.

— Você realmente é um lixo humano. Aí Justin, sério? Grávida? Como você pode acreditar isso? – falo, ainda na esperança de que tudo seja uma boa mentira da parte dela. 

— Ela me disse que estava passando muito mal... 

— Passando tanto mal que na festa do nosso filho estava se acabando na bebida, né. É ressaca. 

— Chloe, me escuta. Tem uma grande possibilidade, bem grande. 

— Então que mande ela pra puta que pariu, ter esse bebê longe de mim. – sei que isso é um absurdo, mas não vou aguentar isso tudo não. 

Me faço de forte, mas é cada bad que nos passa. 

— O que? Como assim? Chloe agora eu tenho a chance de ver um filho crescer, nascer, dar os primeiros passos, falar a primeira palavra. Tudo o que eu não tive com você – ok, essa doeu. 

— Então ok. Fica com seu filho, que eu fico com o meu, em outro lugar. No máximo em outro estado – ele faz uma cara de quem não acredita – Eu não fico aqui acompanhando essa palhaçada. E PORRA, PARA DE TACAR NA MINHA CARA QUE VOCÊ NÃO VIU NADA DE JOE. É A PORRA DA CULPA DO SEU MALDITO PAI, QUE TENTOU ME MATAR COM O SEU FILHO NA BARRIGA. 

— Não precisa gritar. Chloe, eu só estou pedindo para que espere ela ter esse bebê e podemos... Podemos cuidar dele e... 

— Não! Não podemos – me levanto atordoada – Eu não vou aceitar isso, não vou. Assim que voltarmos para a mansão, eu vou pegar as minhas coisas e a de Joe e vazar daquela casa, sair de perto de você. 

— PORRA, VOCÊ NÃO VÊ QUE ISSO NÃO CABE A VOCÊ? QUE A PORRA DO MUNDO NÃO GIRA AO SEU FAVOR? – ele berra se levantando também. 

— E gira em torno de você o mundo? Você não vê, que esse sonho de ver um filho crescer, só vai magoar outra pessoa? – não vou chorar, não vou chorar. 

— Que outra pessoa? Você? A, faça-me o favor, você já é bem grandinha. – isso só pode ser brincadeira. 

— O SEU FILHO. A porra do seu filho, o NOSSO filho – eu não aguento toda a pressão e desabo colocando a mão no rosto. 

— Chloe, eu... 

— Não, cala boca. – o interrompida – Cala essa maldita boca, eu estou de saco cheio. Você não pode fazer isso. Não é por mim, é pelo meu, nosso menino. Imagina como ele vai ficar, ao saber que o pai herói dele, vai ter outro bebê com a mulher que NÃO é a mãe dele. 

— Chloe, não adianta fazer esse jogo emocional, não cola comigo. – revira os olhos – Joe vai ter que aceitar que vai ter um irmão. Ele já entende muitas coisas, é só contar com jeitinho. 

— Jeitinho? Você tem certeza? – dou uma risada seca em meio as lágrimas – Você nem o conhece direito... 

— Claro que não conheço, você não me deixou fazer isso... – ele me corta. Juro que pude ouvir o meu coração, recentemente curado, se quebrar em pedaços minúsculos novamente. 

— A, então é isso? Você vai acompanhar a gravidez dela, o crescimento da criança... Você tem certeza que quer isso? – seco meu rosto. 

— Sim Chloe, eu quero. – fala me fazendo prender a respiração. Ok, isso doeu mais que um tiro. 

— Ok, me leva embora daqui. Agora! – digo respirando fundo. 

— Mas eu ainda quero casar com você... Eu quero nossa familia junta. Chloe. Eu quero você e nosso muleque nessa nova experiência comigo. – solto a risada mais debochada que consigo. 

— A é? E como você acha que Joe e eu vamos fazer isso, me diz – eu nem o deixo falar e junto minhas mãos de forma debochada – A, já sei! Vamos colocar a mão na barriga dela para sentir o bebê, eu vou comprar a primeira roupa do enchoval dela. 

— Não é assim também – misericórdia, que ranço que estou pegando da voz dele. 

— A não? Sinto muito, Justin. Mas nem meu filho, nem eu somos obrigados a passar por essa humilhação. – digo. 

–Vamos embora, vamos conversar depois, como dois adultos e de cabeça fria. – diz, dando um fim temporário a conversa. 

Ele pega em minha mão na intensão de me guiar, mas eu solto a mesma com brutalidade, fazendo com que ele me olhe e suspire fundo,  logo saindo em minha frente. 

Assim que chegamos no carro, entro batendo a porta com brutalidadede o fazendo bufar. Mas não dou a mínima. Ele liga o carro saindo dali em ré a maior parte do caminho. Quando chegamos na parte asfaltada ele acelera o carro acho que na intenção de que eu fale algo, mas apenas encosto a cabeca no vidro e fico observando os borrões de lá de fora. 

Quando chegamos na mansão, saio do carro quase correndo entrando na mesma a encontrando uma zona: Joe chorando, Chaz tentando consolá-lo e as duas putas só olhando. Observo bem Megan e vejo que sim, tem um volume em sua barriga um pouco amostra. 

— Mamãe... O papai vai ter um bebê com a bruxa. – ele fala fazendo meu corpo tremer e olhar em direção a Megan novamente. 

— Quem te... Te falou isso? – Justin pergunta e Joe o rosto, saindo de perto de Chaz e vindo até mim, abraçando minhas pernas. 

— Fala pra mamãe... Quem te falou isso? – falo passando a mão em seus cabelos, sentindo meu filho soluçar. 

— A bruxa e sua amiga feia... – olho diretamente para Megan com o meu pior olhar. 

— Fazer o que? É a verdade, já estava deixando-o avisado que o meu filho e de Justin vai ser o mais lindo e mais amado do mundo. 

— Chaz... – olho para ele que cem até mim pegando Joe, que faz um escândalo. Mas eu na verdade sinto tanta raiva que só vou para cima dela, vendo-a se encolher. Mas alguém, ou melhor, Justin me puxa pela cintura me impedindo. 

— Você não vai bater nela... Não com o meu filho dentro da barriga dela. – ele fala fazendo meus olhos encherem de água. 

Não digo uma palavra sequer, apenas vou até Chales pegando Joe de seu colo, e começo ir até a escadaria. Mas não, sem antes me virar para trás e dizer: 

— Faça um bom proveito da sua nova família feliz. 



Notas Finais


Teeeensooooo.
Desculpem qualquer erro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...