História Dark Chains - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Gangster, Justin Bieber, Máfia
Visualizações 47
Palavras 4.279
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olaaaaaar!!! Olha quem voltou!
Finalmente, voltarei a postar todos os sábados!

Tradução do título: "Primeira Vez"

Tenham uma boa leitura ツ

Capítulo 7 - First Time


Fanfic / Fanfiction Dark Chains - Capítulo 7 - First Time

Narrador Point Of View

— O que você está fazendo aqui? — perguntou Justin, voltando a olhar para os papéis em sua mesa.

— Justin... Eu... — Hannah se aproximou de Bieber e o encarou nos olhos.

— Eu odeio quando enrolam, comigo o papo é reto. — esbravejou, irritado. — Desembucha logo, garota!

— Tá...

Hannah se aproximou do garoto e sentou em seu colo. Sem deixá-lo falar alguma coisa, ela o beijou. Ambos começaram um beijo lento que logo se tornou algo feroz e prazeroso. Quando a falta de ar chegou, eles se separaram e Bieber a olhou com dúvidas.

— Por que isso? — Hannah olhou para baixo, meio receosa de responder. Quando a coragem a preencheu, o respondeu olhando-o nos olhos.

— É um beijo de agradecimento. — quando viu a expressão confusa na face de Justin, continuou a falar — É que... Você me salvou hoje.

Bieber ficou calado por um tempo, tentando processar o que a garota havia falado. Mesmo sendo apenas um agradecimento, Justin ficou um pouco confuso... Talvez não com ele ou com ela, e sim, com seus sentimentos. Será possível ele começar a gostar de Hannah?

— Não costumo deixar inocentes morrerem — respondeu.

— Percebi. O que você fez hoje foi algo muito legal de sua parte — Bieber sorriu de um jeito forçado e tirou a menina de seu colo, levantando-se em seguida.

Justin foi em direção ao frigobar e pegou um copo, enchendo-o de whisky e bebericando-o em seguida. Hannah se aproximou do garoto e o abraçou por trás. 

— É por isso que quero te agradecer de um jeito bem melhor que um simples beijo.

A loira virou-se de frente para ele e atacou seus lábios, Justin retribuiu o beijo e a segurou pela cintura, enquanto fazia carinho em sua nuca.

Bieber a levou até um grande sofá que tinha ali e tirou sua camisa, fazendo a menina em sua frente parar de o beijar e admirar seu peitoral totalmente definido.

Hannah começou a beijar o abdômen de Justin e resolveu também tirar seu vestido. Já que não precisava de sutiã para usar aquele vestido, seus seios logo ficaram expostos a Bieber, que olhou admirado para os seios de Hannah. O garoto logo abocanhou um, enquanto massageava o outro.

— Porra, seus peitos são de outro mundo! — Ele falou, fazendo Hannah soltar uma risadinha.

A garota empurrou Justin, e o mesmo caiu de costas no grande sofá, ela desabotoou a calça jeans dele e encarou o enorme volume que havia em sua boxer. Hannah nunca fez isso antes, mas já tinha ideia de como era, então tinha certeza que  não pagaria tanto mico assim.

Ela colocou o pênis de Bieber para fora e passou sua língua pela cabecinha, logo abocanhando tudo de uma vez. Justin deixou escapar um gemido e Hannah acelerou ainda mais seus movimentos de vai e vem.

— E-eu v-vou... — Antes mesmo de Bieber completar a frase, seu sêmen preencheu a boca de Hannah, fazendo-a engolir tudo.

O dono dos olhos cor-de-mel empurrou a menina para trás e abriu suas pernas, passando suas mãos na parte íntima dela e sentindo a umidade.

— Está prontinha — sorriu malicioso.

— J-Justin — Hannah gaguejou, fazendo Bieber a olhar — E-eu sou...

— Eu sei — ele falou. — Não se preocupe, eu irei devagar — Ela assentiu.

Bieber correu rapidamente até a gaveta de sua mesa e pegou um pacotinho de camisinha. Ele colocou o preservativo, posicionou seu membro na entrada da vagina de Hannah e forçou-o para dentro.

— Se sentir dor, desconta nas minhas costas. — Hannah assentiu, já começando a arranhar as costas de Justin.

Quando seu pênis entrou por completo, esperou uns segundos para que Hannah se acostumasse. Quando dez segundos se passou, — porque é o tempo máximo que ele consegue esperar — começou a fazer os movimentos. Logo os gemidos de dor de Hannah transformaram-se em gemidos de prazer.

Hannah beijou o homem à sua frente com desejo, luxúria e tesão, enquanto acariciava suas costas, já que estava cheia de arranhões.

Ao mesmo tempo, sentiram o ápice chegando, Justin aumentou a velocidade de suas bombadas e beijou Hannah com mais prazer. Eles tiveram o ápice juntos e Justin diminuiu a velocidade. O corpo do garoto caiu em cima da menina e ela o abraçou.

— Caramba, isso foi muito bom! — Hannah vociferou e Bieber riu.

— É... Para a sua primeira vez, você não foi nada mal.

— Isso foi um elogio?

— Garanto que sim — a menina riu e beijou Bieber novamente.

Será que depois do que aconteceu neste escritório, o coração de pedra de Justin se permitirá se apaixonar?

Horas depois...

Justin Bieber Point Of View

Eu já não me reconhecia, faz pouco tempo que conheci essa garota e ela já estava revirando meus sentimentos. Tenho  que descobrir que fogo é esse que ela desperta dentro de mim antes que seja tarde demais.

Por mais que eu quisesse ficar lá no escritório com ela, repetindo a dose mais vezes, tive que sair porque ainda tem o carregamento para buscar, já são cinco horas.

— Tudo certo? — perguntei ao Christian. Ele sempre fica em casa, avisando as coisas para nós por pontos de escutas.

— Sim, os seguranças já estão prontos, pedi para Kenny separar os melhores para hoje — Kenny é o cara que organiza os homens para qualquer ocasião que for preciso.

— Cadê Chaz? — perguntei à Christian, Caitlin e Ryan, que deram de ombros.

— Tô aqui! — Chaz saiu da cozinha com uma maçã na mão.

— Não para de comer, hein, princesa! — Ryan gastou e Chaz o olhou irritado.

— Vamos logo, seus cuzões!

Christian sentou-se no sofá e pegou seu notebook, Chaz saiu da mansão acompanhado de Caitlin e foram para o estacionamento, enquanto eu e Ryan íamos atrás.

— Como foi ir para a cama, ops, sofá com a Hannah? — Ryan perguntou e eu arregalei os olhos.

— Como você sabe?

— Quando fui lá no escritório para falar com você, vi os dois pelados, conversando — riu.

— Você a viu pelada?

— Não, infelizmente você estava em cima dela. Mas, se eu visse, qual seria o problema? — me olhou.

— Nenhum — Menti. Eu sei que me incomodaria bastante se algum outro homem a visse pelada.

— Sei... — riu — Bieber, já imaginou como seria se você se apaixonasse por ela?

— Impossível, eu nunca me apaixono.

— E se isso mudasse?

— Nunca vai mudar, eu sou o Justin Bieber, o cara frio que nunca sente nada por ninguém.

— Ok, vou esperar você começar a gostar da Hannah para jogar na sua cara isso que acabou de falar para mim.

— Bora logo, porra! — Chaz, que estava dentro de seu carro, gritou.

— Vou entrar na minha ferrari porque quero, e não porque pediu!

— Não pedi, mandei.

— Tu manda apenas no teu cu — Ryan e Chaz riram.

Entrei na minha ferrari, liguei o motor e saí do estacionamento. Um dos seguranças abriram o portão da mansão, coloquei a escuta em meu ouvido e dei partida ao local da entrega do carregamento com Ryan, Chaz, Caitlin e alguns seguranças me acompanhando.

Enquanto estava na estrada, ao invés de pensar como me vingar da pessoa que fez aquilo na minha boate, fiquei pensando no que fiz horas atrás... Mais especificamente, em Hannah.

Nunca fiquei indeciso com uma garota antes, parece que as coisas estão mudando... E eu não quero isso. Não posso mudar a parte mais legal de ser um Justin Bieber, que é ter mulheres ao seu redor toda hora do dia. Não quero ficar preso à uma pessoa, por isso não vou deixar Hannah mudar as coisas.

Chegamos ao local do carregamento e meus seguranças se infiltraram atrás de algumas moitas de planta ou vestígios do antigo posto de gasolina, enquanto eu, Ryan, Caitlin e Chaz saímos de nossos carros e encostamos nos mesmos, esperando o sinal de Christian.

— Adoro uma adrenalina, mas o que aconteceu hoje foi nem um pouco legal. — Caitlin esbravejou.

— Pois é, o mais estranho é que o Drew falou que não ia bancar um de babá com a Hannah e acabou salvando ela — o filho da puta do Ryan falou e todos riram, até Christian que podia ouvir tudo pela escuta. — E foi ele que se ofereceu para salvar ela, nem deixou eu chamar os seguranças.

— Cala a boca, seu filho da puta!

— Será que o Justin Bieber está apaixonado? — Chaz falou e eu o encarei, com todos rindo novamente.

— Já vou avisando antecipadamente, quero ser a madrinha! — Caitlin falou e eu a encarei irritado.

— Dá pra pararem? Vou meter bala no cu de vocês!

— Calma, Bieber, não é todo dia que temos a oportunidade de te ver apaixonadinho — Ryan falou.

— Ryan, se você abrir o seu bico para falar qualquer outra merda, eu acabo com a tua vida. Você sabe que eu não tenho piedade.

— Tudo bem, tudo bem. — falou, ainda rindo — Mas eu tenho certeza que a Hannah vai sofrer, e muito, com você — Ryan, Chaz, Christian e Caitlin voltaram a rir.

— Eu vou acabar com vocês! — Quando ousei me aproximar deles, Christian me interrompeu na escuta, falando que o caminhão do carregamento estava logo à frente — Salvos pelo carregamento, seus filhos da puta. — eles riram e ficaram em suas posições.

Pouco tempo depois, avistamos o caminhão se aproximando com um coroa qualquer no volante. Olhei disfarçadamente para alguns seguranças que estavam atrás do antigo posto e eles assentiram silenciosamente, como se dissessem que estava tudo certo, estavam atentos a tudo que iria acontecer.

O caminhão parou em nossa frente e eu, Ryan, Chaz e Caitlin nos aproximamos, parei ao lado da porta do motorista e encarei o coroa que logo falou, nervoso:

— Tá tudo certinho aí, chefe.

— Acho bom mesmo — ele engoliu em seco e me encarou com o nervosismo percorrendo seu interior.

— Bieber, deve ter acontecido alguma coisa. — Christian falou no ponto em meu ouvido — Ele está muito nervoso para o meu gosto.

— Deve estar intimidado, afinal, eu sou o Justin Bieber. — falei enquanto caminhava até a parte de trás do caminhão.

Ryan abriu a parte de trás e tivemos uma surpresa... Uma péssima surpresa.

— Olá, Bieber.

Mikael, meu maior inimigo, estava na minha frente acompanhado de Frankie, seu braço direito, e seus seguranças. Agora entendi porquê o motorista estava tão nervoso, Mikael estava no caminhão ao invés das drogas. Merda.

— Está feliz em me ver? — Ele se aproximou e desceu do caminhão — É uma pena que as suas drogas não estejam aqui, mas não se preocupe, elas estão comigo... Bem guardadas, por sinal.

— Seu filho da puta! Eu vou acabar com você! — tentei avançar, mas Ryan e Chaz me seguraram e os seguranças de Mikael apontaram suas armas para mim.

— Calma, colega, mantenha a calma. Violência não leva a nada, vamos resolver tudo como sempre deveria ser... — Frankie falou, irônico.

— Cala a boca, seu verme!

— Magoou — Frankie riu.

— Mas, diz aí, gostou da nossa surpresinha na sua boate?

— Então foi você, seu filho da puta! Eu vou acabar com a tua raça! — peguei minha arma.

— Calma, calma! Sem armas, vamos resolver as contas mano a mano — Mikael falou. Então ele quer brigar? Então vamos brigar.

Avancei em cima de Mikael e acertei um soco em cheio em sua cara de filho da puta, avancei mais outro, outro, outro, outro e mais outro. Quando parei, reparei que escorria muito sangue de seu nariz, sem contar que havia um corte acima de sua sobrancelha. Mikael partiu para cima de mim, nos derrubando no chão, e acertou dois socos de uma vez em meu rosto. Tentei segurar suas mãos e, ao mesmo tempo, o soquei, chutei, fiz tudo o que pude. Reparei que Ryan e Frankie estavam do mesmo jeito que eu e Mikael, e Chaz, Caitlin e meus seguranças estavam em uma guerra contra os seguranças de Mikael. Empurrei Mikael contra o caminhão e soquei sua barriga, fazendo-o se curvar de dor, mas, assim que se recuperou, mirou um soco em meu nariz, o que o fez sangrar.

— Caralho, Justin! Fudeu! Fudeu! — Christian gritou na escuta e Ryan, Caitlin e Chaz olharam para mim.

— O que houve? — perguntei, ainda batendo em Mikael.

— Tem mais homens do Mikael chegando!

— Que?! Como assim?! — Caitlin perguntou

— Não dá tempo de explicar, apenas saiam daí!

Assim que Christian falou isso, mais carros de seguranças de Mikael apareceram e eles saíram de seus automóveis, começando a atirar contra meus homens.

— Porra! — esbravejei irritado — Recuar! Recuar!

Chaz, Caitlin, Ryan e eu entramos em nossos carros enquanto meus seguranças atiravam contra a equipe de Mikael. Pisei no acelerador e saí daquele lugar acompanhado dos caras e de Caitlin. Olhei para trás e vi meus seguranças entrando em seus carros e nos seguindo.

— Parece que ele pensou em tudo! — Chaz falou na escuta.

— Porra, se esses seguranças não tivessem chegado, nós conseguiríamos acabar com Mikael de uma vez por todas! — falou Caitlin.

— Na próxima a gente consegue! Aliás, temos que pensar na próxima estratégia a partir de hoje! — disse Christian.

— Galera, eu reparei numa coisa interessante. — Ryan falou e todos ficaram em silêncio para que ele prosseguisse — O Frankie estava com dente de ouro.

— Porra, Ryan, achei que fosse algo importante — Caitlin falou rindo e os outros riram também.

— A última que vez que o vi, ele não tinha esse dente de ouro — os garotos riram novamente.

— Bieber? Você está aí? — Caitlin perguntou.

— Pois é, não ouço sua voz desde que entrou no carro. O gato mordeu sua língua? — Hoje o Ryan estava para brincadeira, não é possível.

— Eu tô muito puto! — falei.

— Nós entendemos porque também estamos putos pra caralho, mas se anima aí, pô! Depois conseguimos outro carregamento.

— Não é isso, Chaz! — soquei o volante — Que se foda o carregamento, eu tô putão mesmo por causa do Mikael! Ele conseguiu me humilhar da pior maneira!

— Ele te humilhou? Nem percebi.

— Relaxa, irmão! Nós vamos conseguir acabar com esse filho da puta! — Ryan falou — Agora, tudo o que precisamos é de uma relaxada!

— Como? A boate do Bieber foi destruida — Caitlin falou.

— As vezes, vocês esquecem que eu sou o Justin Bieber e tenho várias boates espalhadas pelo país.

— Aé, esqueci que você tem a Bieber Night.

— Iremos apenas curtir esta noite, mas ainda temos um dia longo pela frente.

— Ué, tu não tava putão a um segundo atrás? — Chaz perguntou, rindo.

— Cala a boca, mané. — os garotos e Caitlin riram, inclusive eu.

Hannah Benson Point Of View

Acordei e não estava mais no escritório de Justin, já estava na minha cama, mas ele não. Aos poucos, fui me levantando e me direcionei ao banheiro. Fiz minhas necessidades matinais e tomei um longo e refrescante banho.

Ao terminar, vesti um shorts curtinho de ginástica, uma blusa larguinha e coloquei um tênis. Fiz um coque em meu cabelo e peguei meu celular, quero fazer uma caminhada.

Desci as escadas e encontrei Pattie indo em direção à cozinha, mas ela me viu e veio de encontro a mim.

— Bom dia, querida, dormiu bem?

— Bom dia, Pattie. Dormi bem sim — muito bem, por sinal.

— Que bom! Vai para algum lugar? — perguntou, estranhando eu estar de tênis dentro de casa.

— Eu vou fazer uma caminhada, fazia isso sempre no Canadá.

— Isso faz muito bem, adorava fazer caminhadas, mas, antes, você tem que tomar café. Vamos! — ela, literalmente, me puxou para a cozinha e encontramos uma senhora fazendo o café da manhã.

— Bom dia — falei àquela senhora.

— Bom dia, a senhorita deve ser a Hannah, não é? — Ela me perguntou e eu percebi que seu sotaque era diferente.

— Sim.

— Hannah, essa é a Jenna, a cozinheira da casa — Pattie nos apresentou — e, Jenna, essa é a Hannah, mas você já a conhece.

— Sim, a senhora já me falou bastante dessa linda menina — sorri.

No meio de muitas conversas, eu e Pattie tomamos nosso café da manhã. Eu estava com muita vontade de perguntar à ela onde estava Justin, mas estava com receio... Quer saber? Vou perguntar.

— Pattie, onde está Justin? — ela me encarou.

— Ele saiu.

— Saiu?... — tentei roubar mais informações. Pattie apenas me olhou novamente e suspirou.

— Bom, já que você sabe de tudo, não preciso esconder nada. — Assenti e ela prosseguiu — Justin saiu de madrugada com os meninos, precisou pegar um carregamento.

— Um carregamento de que? — ela ficou meio receosa de me responder, mas não adiantava desmentir, ela teria que me responder.

— Um... Um... Um carregamento de... Drogas.

— Aaah! — dei de ombros. Isso deve ser normal para traficantes.

Acho que estou me dando bem com essa vida mafiosa, sendo que o ocorrido da noite passada não foi muito divertido... O ocorrido da boate, claro, mas o que houve depois foi bem... Prazeroso.

Sorri com esses pensamentos e Pattie me perguntou o que havia acontecido, apenas disse que me lembrei de uma coisa e que tinha que fazer a minha caminhada. Ela apenas assentiu e eu me retirei.

Saí da mansão e reparei o olhar daqueles seguranças, como se estivessem me imaginando de quatro para eles. Que nojo.

Deixei de pensar nisso e passei pelo portão. Coloquei meu fone e começou a tocar "In The Name Of Love" de Martin Garrix com a Bebe Rexha.

Justin Bieber Point Of View

Chegamos na minha mansão e minha mãe logo veio em nossa direção.

— Queridos, vocês chegaram! — ela abraçou Ryan, Chaz e Caitlin, respectivamente.

— Oi para você também, mãe — falei enquanto ia em direção à cozinha, bebendo água na boca da garrafa.

— Oi, meu filho! — ela me abraçou — Como foi o negócio de vocês?

— Normal — fui indiferente, minha mãe não precisa saber de tudo o que ocorre. Sempre tento manter minha família longe desses assuntos.

— Ok, o importante é que você está bem — ela beijou minha bochecha e voltou para a sala, comigo a acompanhando.

— Aê, Drew, vou pra casa, tô cansadão.— Ryan falou.

— Também! Vamos, Caitlin? — agora foi a vez de Christian falar.

— Eu vou ficar aqui, quero falar com Hannah — Christian estranhou.

— Elas estão amiguinhas agora — falei.

— Milagres acontecem — Ryan falou e Christian deu de ombros.

— Já que vocês vão, eu vou também. — Chaz falou.

— Isso, suas pragas, vão para a casa de vocês! — Brinquei.

— Tá vendo, Pattie? — Ryan falou, também brincando — Tá vendo como seu filho nos trata? — minha mãe apenas riu e se despediu deles.

Eu e Ryan fizemos o nosso toque de mãos que fazemos desde quando éramos crianças e eles saíram da mansão.

— Pattie, cadê Hannah? — Caitlin perguntou.

— Faz um tempo que ela saiu.

— Saiu? — estranhei — Saiu para onde?

— Foi fazer uma caminhada, ela disse que sempre fazia isso no Canadá.

— Mas ela nem conhece Atlanta direito.

— Conhece mais ou menos. Antes de vir para cá, ela já estava morando em um hotel.

— Ok, me dê o número dela.

— Para que?

— Vou buscá-la. — minha mãe sorriu e me deu o número de Hannah. Não sei porquê ela está sorrindo tanto ultimamente.

— Vou com você — Caitlin disse e eu a interrompi.

— Nada disso, você fica — ela bufou e se jogou no sofá. 

Saí da mansão e entrei em minha ferrari novamente. Os seguranças abriram o portão para mim e eu saí na velocidade máxima. Peguei meu celular e liguei para o número de Hannah.

*Ligação*

"Alô?"

Ela estranhou por ter um número desconhecido a ligando.

"Onde você está?"

"Quem é?"

"Justin, porra!"

"Como conseguiu meu número?"

"Fala logo onde você está, porra!"

"Me responde primeiro!"

"Não."

"Então não vou falar onde estou."

Bufei. Garota complicada pra caralho.

"Minha mãe me deu, agora fala onde tu tá, merda!"

"Estou em frente ao shopping center."

"Ok, estou indo aí."

"Para quê?"

*Ligação encerrada*

Não respondi, apenas desliguei na sua cara.

Dirigi a toda velocidade, fazendo zigue-zague ao desviar dos carros da pista e, rapidamente, cheguei ao shopping center. Olhei para todos os lados, a fim de encontrá-la, e a vi conversando com um garoto que nunca vi na vida. Fui até lá e parei minha ferrari ao lado dos dois. Hannah me olhou e arregalou os olhos, depois voltou ao normal.

— Tô atrapalhando algo?

— Claro que não, Bieber.

— Quem é o amiguinho? — olhei pro viado a minha frente com indiferença e Hannah me encarou, me repreendendo.

— Ninguém — ela disse.

— Como assim "ninguém"? — o garoto perguntou — Eu sou o Marcos — ele estendeu sua mão para mim o cumprimentar, mas eu apenas falei:

— Entra logo, Hannah. — peguei um cigarro e o acendi — E, você, — olhei para o tal Marcos — vaza daqui! — Ele me olhou com medo e saiu correndo.

— Por que você fez isso?

— Entra no carro.

— Não!

— Entra no carro agora.

— Você não manda em mim. — a encarei com tédio e saí do carro — O que você está fazendo?

Peguei Hannah no colo e a coloquei no banco do passageiro, dando a volta no carro em seguida e entrando no mesmo.

— Por que você fez isso?

— Você faz perguntas demais — ela bufou.

— Estou perdendo a paciência, por que você fez aquilo com aquele garoto? E por que me colocou no carro a força?

— Primeiro, você não conhecesse ninguém de Atlanta, não sabe o que metade dessas pessoas "boazinhas" podem fazer, e esse tal de Marcos não tem cara de ser de confiança. Segundo, te coloquei no carro a força porque você não colabora comigo, e, ah, eu também não tenho muita paciência. E, terceiro, nem sei porquê estou fazendo isso, já que eu posso fazer o que quiser sem precisar dar satisfações para alguém. — Hannah revirou os olhos.

— Eu, realmente, não te entendo.

— Fica quietinha, fica? — ela me olhou e desviou seu olhar para a janela.

Avancei com meu carro para a pista novamente e comecei a dirigir até a mansão. Vale dizer que Hannah não parava de gritar, já que eu estava na velocidade máxima e o limite daquela rua era 60km.

— JUSTIN, VOCÊ QUER NOS MATAR?!

— Para de frescura — ri de sua cara de medo.

— Frescura?! Você ainda diz que eu tô com frescura?! Você é maluco! — ri mais ainda.

Avistei minha mansão logo a frente e meus seguranças já abriram o portão. Dei uma freada brusca assim que entramos no jardim e Hannah gritou.

— Você é completamente maluco! — ri.

— Vai se acostumando, gata.

— Sinceramente, Pattie é uma pessoa muito boa, não sei o que aconteceu para ter um filho assim como você.

— Vou encarar isso como um elogio — pisquei para ela.

Hannah saiu da minha ferrari e eu fiz o mesmo, jogando o cigarro fora. Entramos na mansão e encontramos ninguém na sala, ela foi para a cozinha e eu fui direto para o escritório. Preciso resolver coisas pendentes ao que aconteceu hoje — o que eu não gostei nem um pouco.

Peguei uma garrafa de whisky, dando um longo gole, em seguida, sentei-me em minha poltrona de couro ultraconfortável. Abri meu notebook e mexi nos meus documentos, resolvendo o esquema do próximo roubo que teremos. Fiquei a tarde toda dentro do escritório.

A noite chegou e eu subi para meu quarto para me arrumar. Tomei um banho refrescante, coloquei uma calça preta, uma regata branca e me posicionei em frente ao espelho para arrumar meu topete.

Hannah Benson Point Of View

Justin é louco, quase derrapou com o carro duas vezes pela velocidade. Assim que entramos na mansão, fui comer alguma coisa e ele foi para o escritório. Melhor assim. Comi uma maçã e subi para meu quarto, que foi invadido por Caitlin e ela começou a falar de moda — assunto que não me interessa nem um pouco, mas prestei atenção.

A noite chegou e ela disse que iria para uma boate do Bieber. Agora eu tenho total certeza de que ele é louco, a última boate foi destruída e ele ainda vai para outra?

— Caitlin, não vai, por favor! — pedi à ela pela milésima vez.

— Vem com a gente, Hannah.

— Claro que não! Você sabe o que aconteceu na última vez.

— Eu sei, mas essa vai ser diferente.

— Diferente como?

— O Bieber colocou proteção máxima.

— Como se isso fosse ajudar — ela bufou.

— Ok, vou lá me arrumar — Caitlin saiu do meu quarto, provavelmente foi para a sua casa, e eu me joguei na cama. Já sei que o tédio vai me dominar hoje.

Desci as escadas e fiquei na sala, resolvi assistir filme, já que ficaria sozinha, não que Pattie não fosse uma boa companhia, mas queria passar a noite com pessoas da minha idade que tenham assuntos de pessoas da minha idade.

Ouvi uma falação e vi Chaz, Chris e Ryan adentrando na sala. Eles se jogaram no sofá e Chris sentou-se ao meu lado, envolvendo-me em seus braços.

— Ué, estão namorando e eu não sabia? — Chaz perguntou, rindo, e eu joguei uma almofada em sua direção.

— Não, idiota! — ri — Somos apenas amigos.

— Ah, tá, entendi.

Perguntei ao Christian onde estava Caitlin e ele disse que, quando estava chegando na mansão, a encontrou indo para sua casa. Tentei o convencer de não ir para a boate, mas foi em vão.

— E aê, seus putos! — Justin desceu as escadas, completamente lindo, e cumprimentou os meninos.

— Partiu? — Chaz perguntou.

— Partiu! — eles comemoraram e eu fiquei boiando no meio deles.

— Ainda pretendem fazer essa maluquice?

— Fica tranquila aí, babe, não é porque aconteceu ontem que significa que vá acontecer hoje — Bieber falou e eu revirei os olhos.

— Com licença, senhor Bieber, — um segurança adentrou na sala, chamando a atenção de todos nós — tem um garoto  no portão querendo falar com Hannah.

— Comigo? — arqueei a sobrancelha.

— Qual o nome? — Justin perguntou, desconfiado.

— Luke.



Notas Finais


Caramba, o que será que Bieber vai fazer ao ver Luke? Afinal, ele está ali para descobrir seus reais sentimentos por Hannah. O que será que irá acontecer? Aguardem as cenas do próximo capítulo, hahahaha.

Até o próximo capítulo ツ (me viciei nesta carinha).


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...