História Darkness - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug)
Visualizações 40
Palavras 967
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!
Boa leitura.

Capítulo 1 - Ultimo beijo


Eu sentia a escuridão cada vez mais próxima, eu ouvia cada vez mais baixo o que diziam, a dor ia embora aos poucos, tudo se tornava tão mais simples, por um momento eu vi Chat em minha frente, ele parecia tão preocupado, sua boca se mexia, mas eu não ouvia nada além de sussurros incompreensíveis.

Usei minhas ultimas forças para levar minha mão até seu rosto, eu sorri, tudo estava tão pacífico, ele estava tão bonito, mais do que já é habitualmente. Cada traço do seu rosto, eu tentava me concentrar neles, seus olhos verdes pareciam alarmados, seus cabelos loiros desarrumados, havia um corte em sua testa, o sangue escorria lentamente formando uma trilha até seu queixo, passei meu polegar em sua bochecha para cortar o caminho do sangue, sua boca se mexia constantemente, ela tinha um corte pequeno no lábio inferior, ele mesmo tinha o feito, percebi que quando ele fica nervoso sempre morte seu lábio, eu ri baixinho o que lhe chamou a atenção, ele olhava fundo em meus olhos, sentia que podia ver até minha alma, e que eu conseguia ver a dele.

—Chat...—Eu sussurrei me concentrando ao máximo nele, naquele momento não havia ninguém além de nós para mim.

—Não se preocupe M'lady, tudo vai acabar bem, quando você menos esperar vamos estão juntos correndo atrás de bandidos pelas ruas de Paris!—Ele sorriu esperançoso e sentia sua mão acariciar meus cabelos.

Eu comecei a recuperar minhas forças aos poucos, foi quando senti o chão tremer, e percebi que estávamos embaixo de um prédio abandonado, senti uma dor enorme em meu abdômen, olhei para meu corpo e percebi que um pedaço de ferro atravessou meu corpo, eu estava completamente ensanguentada, minha cabeça estava apoiada no colo de Chat, vi várias pessoas que também se escondiam ali, foi então que me lembrei, Hawk Moth tinha um exercito de akumatizados, lembro de ataca-lo e cair, então tudo ficou tão confuso. Aos poucos eu tentei me mexer pra tirar o pedaço de ferro, mas isso me proporcionou uma dor imensa, segurei meu grito de dor em minha garganta.

—Chat, você precisa tirar essas pessoas daqui e vencer o Hawk Moth.—eu disse fraca, minha voz saia quase como um sussurro.

—Não! Eu não vou deixar você sozinha, e eu não sou forte o suficiente pra detê-lo, se nem você conseguiu, como eu conseguiria?

—Com meu Miraculous, usando os dois você vai conseguir vence-lo.

—Eu não vou usar seu Miraculous! Ele é seu, é você quem deve usa-lo, apenas não se mexa muito enquanto eu penso em um jeito de tirar você daqui.

—Você precisa ir, eu ficarei bem, eu prometo.

Eu tirei meus brincos e coloquei mas mãos dele, seu olha sobre mim estava estático, sua boca se abria e se fechava várias vezes, senti os olhares de todos que ali se encontravam, eu sorri para ele desajeitada, eu estava tão exausta novamente.

—Marinette...?

—Me desculpe por te decepcionar... —eu dei uma risada sem graça-- Mas agora não temos muito tempo para comentar isso, certo?

—Eu-

—Vá agora Chat!—eu gritei e ele concordou relutante.

Ele estava levantando apreensivo repousando minha cabeça cuidadosamente no chão, quando se ajoelhou ao meu lado novamente, e se aproximou de meu ouvido.

—Eu sou o Adrien.

Senti meu coração acelerar, sem palavras eu apenas o vi sair, guiando todas aquelas pessoas por um caminho seguro para longe daqui. Eu já não raciocinava direito novamente, havia me forçado demais para isso. Lutei para ficar acordada, mas quanto mais eu tentava, mas a dor me tomava para si, comecei a me deixar levar, buscando um alivio momentâneo. A cada vez que eu piscava, demorava mais para abrir os olhos novamente, eu via por uma janela quebrada daquele prédio, vários akumatizados rondando o lugar, sentia o impacto do que eu julgava ser a luta do Chat Noir contra o Hawk Moth, o chão tremia, a estrutura do prédio parecia cada vez mais fraca, mas eu já não temia que caísse em mim.

Quanto mais o tempo passava, mas eu me deixava adormecer, pela primeira vez eu me senti tão confortável em meio a escuridão que me abraçava lentamente, num abraço gelado e eterno.Eu sabia que deveria lutar contra, com todas as minhas forças, mas o problema era que eu já não tinha forças. Chegou um momento que eu já não sentia nada, estava me dando por vencida, me entregando de vez ao que o vazio oferecia...

—Marinette!—eu ouvi ao fundo o que parecia ser o meu companheiro, eu quis responder, mas não consegui.

Foi nesse momento que me encontrei numa lugar diferente, era tudo branco, eu tava inteira e perfeita, não sentia mais nenhuma dor, e finalmente aparentava ter minha consciência de volta, eu segui andando em linha reta, quando ouvi novamente.

—Marinette!—dessa vez era mais alto, olhei para trás e vi Chat, sorri para ele.

—Oh, eu adoraria ficar com você aqui, mas, eu tenho que ir...

—Não! Você não pode, volte para mim, por favor!—quanto mais ele se aproximava mais eu me sentia perdida.

—Eu não posso.—dei um passo para trás.

—Por favor, não me deixe agora...

Ele parecia chorar, foi quando eu percebi que ele estava se destransformando, vi Chat Noir se transformar em Adrien lentamente, e então me lembrei de tudo o que estava acontecendo, me aproximei dele e coloquei minhas mãos em seu rosto, limpei as lágrimas que escorriam por sua bochecha com meus polegares, foi então que senti ele se aproximar rapidamente para me dar um beijo, seus lábios macios tocaram os meus como num sopro, fui puxada bruscamente para longe dele eram como se correntes estivessem me puxando, só pude olha-lo enquanto eu era arrastada de volta para os braços da escuridão.

O ultimo beijo, seria mesmo o beijo da morte?
 


Notas Finais


Gostou? Comente, favorite e compartilhe com seus amigos!
Aceito de braços abertos dicas de como melhorar e críticas construtivas :D
Caso tenha gostado, tenho mais alguns oneshots e algumas fanfics! Se puder vá lá e dê uma olhadinha, talvez não se arrependa <3
Obrigada por ter lido e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...