História De repente Acontece - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Anorexia, Comedia, Doramas, Eu Odeio Ela, Eu Odeio Ele, Passados, Romance, Segredo, Suspense
Visualizações 114
Palavras 1.763
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


GENTE ESSE CAP FICOU TIPO OOOOU!❤❤❤ ESPERO Q LEIAM INTEIRO POIS ISSO É IMPORTANTE HOUVIU ?? KSKSSKSKSKS


BEIJINHOS E A GAROTA DO CABELO ROSA TALVEZ EU POSTE AMANHÃ OU MAIS TARDE❤!

Capítulo 19 - Problemas!


Fanfic / Fanfiction De repente Acontece - Capítulo 19 - Problemas!

Nossas dúvidas são traidoras e

nos fazem perder o que, com frequência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar.

 

   INGRID:

Eu tinha terminado de pintar os cabelos.

- Adorei esse loiro mais claro! - Disse uma de minhas amigas.

- Sério mesmo? - Falei me olhando no espelho. - Você não acha que eu deveria sei lá fazer umas luzes?.

Ela balança a cabeça com um não e na mesma hora meu celular toca:

Eu: Alô?

Pai: AONDE VOCÊ ESTÁ GAROTA?!

Eu levo um grande susto no celular. Sinto minhas mãos gelar.

Eu: Eu disse que ia dormir na casa da...

Pai: VOLTE PARA CASA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL!

Em seguida papai desligou o celular em minha cara. Eu reviro os olhos e vou em direção a porta do quarto.

- Tenho que ir! - Falo rápida.

- Mais já?

- Infelizmente!.

Em seguida dou as costas do quarto grande e rosa indo para fora da casa de minha amiga.

Eu olho para o relógio em meu braço e arregalo os olhos. Eu saio correndo rapidamente e desesperada e quando chego em casa ouço uma gritaria:

– POR QUE SUA IRMÃ AINDA NÃO CHEGOU?

– Eu não sei papai, ela só disse que ia à casa de sua amiga!

– Aposto que está com aquele imbecil do Nathan!

Eu abro a porta com tudo.

– Pronto estou aqui! – Falo cruzando os braços e séria, mais isso não impedia de ter medo dele.

Papai estava com o terno todo amassado e com a cara suada e na hora que ele se aproximou consegui sentir o cheiro de bebida.

Engoli a seco e ele fala:

– Lily meu amor, vai para o quarto... Tenho que ter um papo muito sério com a sua irmã.

Lily tinha apenas 9 anos, mais era mais madura que eu se duvidar.

– O que você vai fazer com ela papai? – pergunta  Lily séria.

Meu pai olha para a minha irmã a dona daqueles cabelos dourados e olhos azuis e se aproxima com um sorrisinho falso:

– Olha Lily, o papai aqui não está com bom humor, então acho melhor você subir.

Deixo uma lágrima cair e me aproximo de Lily:

– Meu anjo sobe, não vai acontecer nada!. - Digo.

Ela olha pra mim preocupada mais faz o que eu mando. Em seguida que ela subiu, papai se aproximou de mim:

– Olha... Pintou o cabelo de Loiro mais claro?

Eu abaixo o olhar e ele continua:

– Sabe... Você está parecendo uma vadia com esse cabelo e esses trajes!

Ele se aproxima cada vez mais fazendo dessa vez eu sentir seu alito de bebida.

– Bebeu? – Pergunto.

Ele da uma gargalhada:

– Transou com o Nathan não é? – Pergunta ele ficando sério novamente.

Eu o encaro:

– E você se importa?... Até por que você não pode ver um rabo de saia não é?

Sinto um forte tapa ardente ser atingido em meu rosto me fazendo cair no chão em prantos.

Ele começa a dar gargalhadas e começa a tirar o cinto:

– Está na hora de brincar Ingrid!

Em seguida que ele tirou o cinto, ele começou a me bater.

 

P.O.V Lily:

Eu chorava enquanto via lá de cima papai batendo em Ingrid. Eu saio correndo descendo as escadas:

–Papai, papai para!  Está machucando a minha irmã!. – Eu gritava enquanto agarrava o seu terno, mais isso fez com que ele me empurrasse com força me fazendo cair no chão e ralar o joelho.

Meu pai batia com a cinta nas costas de Ingrid fazendo a sua camiseta rasgar e deixar a mostra o sangue em sua pele. Minhas lágrimas caiam muito, até que vejo o celular de minha irmã ser voado contra a escada. Graças a Deus ainda estava inteiro.

Eu sai correndo para pegar, quando acendo a tela de seu celular vou a procura de contatos: Eu precisava ligar para o Nathan urgentemente. Depois de alguns longos segundos cai em caixa postal, eu começo a chorar mais enquanto ouvia os gritos de Ingrid:

- Para! Está me machucando! Eu te odeio!

Ela se arrasta até uma parede sentada chorando enquanto olhava para o papai dizendo:

– VOCÊ MERECE UMA SURRA GAROTA!

Então ele pula em cima dela dando vários tapas em seu rosto. Eu arregalo os olhos e vejo o primeiro número que vi no celular, um tal de: Andrew.

Cliquei no número ainda chorando:

Andrew: Alô?

P.O.V Ingrid

– Me solta! Está me machucando!

Eu tentava falar mais eu estava fraca com os tapas e socos que ganhava. Papai foi sempre agressivo, e isso piorou quando mamãe fugiu de casa.

Depois de muitos minutos papai saiu de cima de mim e foi em direção a Lily que falava no celular, então eu reparei no que ela tinha acabado de fazer, tinha pedido ajuda para alguém:

- COM QUEM VOCÊ ESTÁ FALANDO LILY? - Gritou papai.

- Papai... Eu... Não....

Então vi aquele monstro empurrar a minha irmã muito forte no chão a fazendo chorar mais ainda. Eu tinha que criar forças pra defende-la.

– SUA CRIANÇA MIMADA! – Gritava papai enquanto Lily chorava.

Eu me levantei lentamente indo até aquele desgraçado e peguei um prato que estava na cozinha preste a quebrar em sua cabeça, e foi o que eu fiz.

Ele caiu no chão mais não desmaiou, só estava sangrando:

- Agora vocês vão ver! - disse ele mais bravo que o comum.

Eu corri o mais rápido que podia pegando na mão de Lily e saindo da porta de casa.

- Lily corre, Lily corre! – Eu grito pra minha irmã.

Ela para de correr e olha pra mim:

– Mais e você?

Papai se aproximava.

– Lily se você me ama vai embora! – Eu falo.

Ela arregala os olhos e sai correndo e eu me viro para o monstro do meu pai e sinto mais um tapa surgir em meu rosto me fazendo cair no chão.

Até que de repente alguém da um soco naquele homem brusco fazendo ele cair no chão. Então pude ver quem era: Andrew.

Lily estava chorando enquanto via a cena de Andrew socando nosso pai.

Eu também estava muito assustada com aquela cena:

– NUNCA MAIS... ENCOSTE...UM...DEDO...NELA... SEU DESGRAÇADO! – Dizia Andrew dando socos atrás de socos.

Então o idiota de meu pai desmaiou. Legal com mil socos ele desmaia e com um prato de vidro na cabeça não?.

Andrew me olha com um olhar furioso e vem em minha direção pegando em meu braço com delicadeza me ajudando a se levantar:

– Você está bem?.

Minhas lágrimas começam a surgir e então fiz algo que nunca imaginaria que iria fazer. Eu o abracei.

Ele passou as suas mãos sobre as minhas costas para fazer um carinho mais isso arrancou só um gemido de dor em mim.

Ele me encarou assustado e na mesma hora puxou o meu braço junto com o de Lily nos levando em direção ao carro de Priscila. Sim era o carro dela. Mais ele estava sozinho.

Andrew colocou Lily rapidamente no banco de trás colocando o cinto de segurança nela, e na mesma hora foi para o banco da frente acelerando o carro. Eu estava em seu lado chorando baixo, enquanto Lily fazia o mesmo.

Percorremos o caminho em um silêncio até que Lily comenta:

- Você é o que da minha irmã?

Andrew continua dirigindo mais responde:

– Um... Amigo!

Eu estava olhando para a rua sobre o vidro da janela. Não tinha quase ninguém na estrada o que era muito bom.

Até que eu olhei para Lily e reparo que ela também estava um pouco machucada.

– Lily... A sua perna!

Ela encara com aqueles olhinhos de cachorro abandonado.

– Isso não é nada Ingrid, papai fez bem pior com você!.

 Reparo o olhar de Andrew em mim, e me viro para frente voltando a olhar para a janela.

- Desde quando ele maltrata vocês? – Pergunta Andrew.

Eu o encaro sem resposta. Não queria falar daquele assunto. Até que Lily abre aquela boca grande:

- Desde que mamãe partiu!... Mamãe apanhava de papai e ai ela foi embora deixando a gente sozinha com ele, e toda a noite ele bebe e às vezes quando está muito estressado bate na Ingrid... Hoje ele bateu nela de cinta principalmente em suas costas que estão...

- Lily! Acho que já chega! – Interrompo minha irmã com os olhos marejados.

Reparo às mãos de Andrew apertar os volantes com raiva e seu olhar frio para a estrada.

 

P.O.V Nathan:

- Piolho abre a porta, por favor!

Ouvia choros e barulhos vindos do quarto, parecia que ela estava quebrando algo. Sinto mais preocupação vindo de mim:

- Samyra Foucher, agora é sério abre isso!.        

Ela abre a porta com tudo deixando eu ver a zona que seu quarto estava:

- O que quer Nathan? Será que posso ficar um pouco sozinha? – Diz ela fria.

Eu odiava ver a pirralha daquele estado!. Então a puxei para um longo abraço.

Minha mãe ainda estava no hospital resolvendo alguns problemas que a Sam tinha feito. Até por que ela bateu na mãe da Bonnie e isso estava errado apesar de Adélia ter sido uma bruxa desde o começo.

- Por que ela tinha que ir Nathan? Era só uma criança! – Falava ela entre soluços abafados em meus ombros.

Pelo pouco que conheci a mini-pirralha eu vi que ela era uma criança muito boazinha. Não merecia o que aconteceu ao contrário teria um futuro muito brilhante pela frente. Mais infelizmente as pessoas são o que são fazem maldade por diversão.

Sam parecia mesmo muito apegada a criança.

Eu a abracei mais forte, me afastando e pegando em seu queixo:

- Olha Sam... Eu acho que a Bonnie está em um lugar muito melhor tá bom...

- Eu nem pude me despedir dela! – Falava ela deixando as lágrimas caírem em seu rosto.

Confesso eu estava me sentindo muito mal também.

Passei meu polegar em suas lágrimas e continuei a falar:

- Eu não tenho palavras pra consolar alguém... Mais sei que não quero te ver triste por que se não eu fico perdido, eu... Por favor, Sam, a Bonnie ficaria tão feliz em te ver feliz! Faz isso por ela, não deixa a tristeza te abalar, você é uma garota incrível e... Além do mais...

Eu me aproximo dela enquanto a encarava:

- E além do mais quando eu estou perto de você, me sinto diferente.

Tiro meu olhar de seus olhos e passo a encarar a sua boca. Seu corpo estava colado junto com o meu me fazendo sentir a sua respiração abafada. Eu e ela ia se aproximando mais e mais... Até que quando estávamos preste a nos beijar ouço a porta do apartamento abrir.

Continua...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


E AI ACHARAM MEIO CHOCANTE????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...