História Dear Future - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Dallas, Hayes Grier, Jack & Jack, Matthew Espinosa, Nash Grier, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Personagens Cameron Dallas, Hayes Grier, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Matthew Espinosa, Nash Grier, Personagens Originais, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Tags Cameron Dallas, Drama, Hayes Grier, Jack And Jack, Nash Grier, Revelaçao, Romance, Shawn Mendes, Violencia
Visualizações 89
Palavras 2.855
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Famí­lia, Festa, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiiii pessoaaas! Tudo bem?
COMENTEM O QUE ACHARÃO PFVR, PASSEI A TARDE INTEIRA ESCREVENDO HAHAHA

Espero que gostem

bj bj

Capítulo 19 - No promisses


Fanfic / Fanfiction Dear Future - Capítulo 19 - No promisses

- Se você estiver em coma alcoólico eu faço seu dever de casa por um mês – ouvi uma voz feminina e aos poucos consegui identificar, era a Isa. Abri os olhos com dificuldade e tudo estava embaçado - graças à Deus você acordou! – ela pulou na minha cama e me abraçou

- Eu não sou surda, Isabella – falei esfregando os olhos

- É bom você sentir na pele pra nunca mais beber aquela merda – ela fez cara de brava e do nada começou a revirar sua bolsa – toma – ela disse me entregando um comprimido. Peguei a água que estava no meu criado mudo e engoli o remédio.

- Você salva vidas, sabia? – falei abraçando meu travesseiro, em seguida o colocando no colo. Olhei para o lado e no outro criado mudo havia uma bombinha. Isso não é um bom sinal.

- Não foi só você que precisou – ela riu e eu franzi o cenho

- Como assim?

- Hm... o Shawn tomou um porre depois que você saiu – Isa disse séria

- Ah... – torci a boca. Não era a resposta que eu esperava ouvir. Se bem que o Shawn deve ter mudado suas brincadeiras e preferiu afogar as mágoas nas bebidas ao invés de matar pessoas.

- Mas na casa dele

- O que? – perguntei sem entender. Qual o sentido de ir em uma festa muito foda e beber quando chegar em casa? Exatamente, não tem sentido.

- O Cameron foi pra casa do Shawn depois da festa e eles beberam muito. Se não fosse a Anne estar mais plena, ninguém teria voltado pra casa porque a maioria caiu lá.

- Que bom pra ele – falei sem esboçar expressão alguma. Acho que ela entendeu que eu não queria conversar sobre o Shawn e se posicionou melhor na cama.

- Você não lembra de nada da festa? – Ela perguntou

- Lembro de ter bebido uma coisa muito forte que queimava a garganta  e... eu caí várias vezes – falei rindo e ela encarou o teto, como se estivesse com os pensamentos bem longe dali.

- Caiu mesmo... – ela sorriu e fez uma cara maliciosa

- O que eu fiz? – perguntei arqueando as sobrancelhas

- Então... – ela prolongou a palavra – muita coisa!

- Fala logo, Isabella! – senti minha cabeça girando só de pensar na noite passada, mas até onde eu me lembro eu não fiz nada tão “grave” assim.

- E aí, sunshine?! – Anne entrou no quarto bem feliz com um pedaço de bolo de chocolate nas mãos, mas desmanchou o sorriso ao ver a minha cara. Não sei se é por eu estar horrível ou pela minha preocupação mesmo. – contou pra ela? – Anne perguntou pra Isa

- Contar o que? – perguntei preocupada

Anne respirou fundo e me entregou o bolo. Dei uma garfada e comi um pedaço. Estava muito duro mas eu sou muito humilde e vou fingir que ficou bom.

- Gostou?

- Claro! – exclamei – tirando a parte de que ficou muito duro, o gosto ficou bom – sorri e ela deu um sorrisinho de canto. Ai cara, a Anne é muito fofa pra ser minha prima. – agora desembuchem, por favor – pedi olhando para as duas

- O Johnson viu você entrando em um quarto com o Nash, maaas não demorou muito pra você sair e voltar para a pista de dança. Se você quiser saber o que aconteceu... só lembrando, querida – Isa disse colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha

- Só? – perguntei e elas ficaram paradas me olhando – não me olhem assim! Eu não fiz nada de mais, eu lembro um pouco disso – falei tentando me lembrar dos detalhes

- Tem mais – Isa disse se ajeitando na cama – depois que você já estava bem louca, o Nash ficou em cima de uma mesa e... você meio que...

- Você lambeu ele – Anne falou de uma vez e eu arregalei os olhos

- Anne! – Isa à repreendeu

- É o que? – praticamente gritei – mas... mas... eu... – eu não conseguia falar direito. Só de pensar no Nash já me da vontade de vomitar.

- Você jogou bebida no abdômen gostoso dele e tomou tudinho, só não desceu mais porque a gente te tirou de lá à tempo – Isa disse e eu estava olhando para o nada, incrédula.

Eu não acredito que eu fiz isso. Podia ser qualquer pessoa do mundo, menos o Nash!

- Ai, Deus... – falei mordendo o lábio inferior de nervosa

- Agora não adianta chamar Deus, Eliza – Anne falou rindo e eu tive vontade de fuzilar ela com o olhar. Mas ela ta certa. Ahhh odeio isso!

- O que eu faço agora? – eu disse tapando o rosto com as mãos e resmungando alguma coisa que nem eu entendi bem.

- Agora já tá feito – Isa falou roubando um pedaço do meu bolo e eu bati na mão dela – ai!

- Como eu pude? – perguntei para mim mesma em voz alta – eu sou uma merda mesmo

- O Nash é um escroto, se afasta dele e pronto – Isa falou

Se fosse tão fácil assim...

- Elizabeth, promete pra mim que nunca mais vai beber Everclear! – Anne disse com a voz firme, fiquei até com medo, era raro ver ela brava – essa bebida é proibida nos Estados Unidos e você podia ter morrido!

- Prometo – falei sem graça

- Você usou muito essa maravilha aqui, ontem – Isa disse pegando minha bombinha e analisando-a e em seguida foi em direção à porta – se cuida – ela sorriu de boca fechada e saiu do quarto

- A mamãe não está sabendo disso, mas se você fizer merda de novo eu conto – Anne disse como se fosse aquelas garotinhas mimadas, mas ela estava bem séria. Ela andou até a porta mas parou e voltou – Eliza, não adianta descontar os problemas na bebida... o que tiver que acontecer vai acontecer, tá? – ela disse e eu assenti

Mais uma festa desperdiçada por idiotice. Mais uma vez eu tentei me sentir bem através das bebidas, colocando minha vida em risco e ganhando apenas mais problemas e uma felicidade momentânea.

Não adianta, nada vai conseguir preencher uma ferida que só tem cura com um tipo de tratamento.

O pior de tudo é que esse tratamento tem nome e sobrenome.

(...)

- Não entendo...– falei ao vê-lo sentando do meu lado na minha cama.

- Essa é a vida, baixinha – Shawn disse com a cabeça erguida, olhando para o nada – eu não sou muito fã de ser chamado de assassino, mas é a vida, não tem como contrariar

- Me faz um favor? – perguntei atraindo a atenção visual dele – me conta o que aconteceu... por favor! - ele respirou fundo e voltou a olhar para a frente.

- Como eu posso falar sobre algo que eu não sei? – ele disse me deixando confusa

- Como assim?

- É que... eu não sei. Podem ter colocado qualquer coisa na minha bebida, até veneno

- Shawn! – falei batendo na mão dele. Ele segurou a minha mão e começou a trilhar linhas imaginárias que iam da palma até a ponta dos dedos, aquilo me causou um arrepio longo. Eu estava sentindo ele, mas do nada ele parou.

- Eu não posso machucar você – Shawn disse tapando o rosto com as mãos

- Mas você não precisa me machucar – falei me virando para ele

- Não sou eu, Elizabeth – ele suspirou – eu não posso impedir nada!

- Shawn, não desiste de mim – falei já sentindo meus olhos marejados

- Dá pra você se decidir? – ele perguntou fixando seus olhos em mim

As palavras começaram a desaparecer da minha mente, eu não conseguia falar absolutamente nada, nem um “A”. Shawn se ajeitou na cama e fez um sinal com a cabeça, indicando que eu fosse para perto dele e eu olhei para ele. Depois de pensar um pouco me arrastei para perto dele e encostei minha cabeça no seu peito, descansando uma mão na barriga dele.

Shawn envolveu seus braços no meu corpo e me puxou mais para si mesmo, eu podia sentir perfeitamente cada batida do seu coração e aquilo me fez sorrir.

- ELIZABETH, ACORDA LOGO! – Abri os olhos assustada e a Mia estava sentada na minha cama, me dando tapas leves na cara

- O que foi porra? – Esfreguei os olhos e senti um aperto no peito, e a minha respiração ficou descontrolada. Aquilo foi só um sonho. Já se passaram duas semanas e eu não falei com o Shawn desde o dia da festa. Estava sendo bem difícil ver ele quase todos os dias e o pior é que eu sentia falta de falar com ele ou até xingar ele... mas eu não podia.

- Vamos sair – ela disse correndo para o meu closet – AGORA! – ela gritou me fazendo fechar os olhos e rolar na cama. Como eu sou um gênio eu caí junto com os cobertores.

Parabéns, Elizabeth!

Eu senti uma dorzinha no braço, mas continuei deitada, os meus cobertores tem alguma ligação magnética comigo, impressionante!

- O que você ta fazendo no chão? – Mia disse parada na minha frente, com algumas peças de roupa nas mãos – a gente vai se atrasar

- Eu não to afim de sair hoje, Mia – falei fechando os olhos e senti uma coisa macia batendo no meu rosto, abri os olhos e a Mia tinha me jogado um travesseiro

- Você falou a mesma coisa ontem, antes de ontem e enfim... você tem que viver meu amor! – ela disse colocando minhas roupas em cima da cama – vai, se veste que o Cam vem nos buscar daqui a pouco e... ah! Coloca umas peças de roupa, toalha, óculos de sol e protetor solar na mochila.

Ãhn?

- Aonde nós vamos? – perguntei franzindo o cenho

- Acampar

- Ah não... – estendi a última palavra e a Mia respirou fundo – eu odeio insetos!

- Você acha que eu gosto? – ela arqueou as sobrancelhas – eu to pouco me fudendo pros insetos!

Isso é estranho, Mia odeia insetos, exceto joaninhas, inclusive ela tinha uma de “estimação” quando era pequena. Ela trancou aquele inseto dentro de um pote mas esqueceu de furar para entrar ar e.... nem preciso falar o que aconteceu depois, né?

- Ah, já entendi, tem um inseto que você gosta mais – falei fazendo uma expressão maliciosa e ela revirou os olhos

Decidi me levantar e vestir a roupa de uma vez. Geralmente, acampamentos costumam ser extremamente relaxantes e eu preciso disso.

A saia jeans que a Mia escolheu combinou perfeitamente com a blusa branca, calcei um chinelo mesmo e coloquei algumas coisas básicas dentro da mochila. Em seguida, fiz uma maquiagem muito básica e coloquei um pouco do meu perfume favorito.

Andei até o carro do Cam, que estava muito puto com a demora e entrei no carro.

- Pensei que você tivesse morrido – Cameron falou bagunçando o cabelo e eu fechei a porta

- Queria – falei cruzando os braços e me encostando no banco

- Cala a boca, Elizabeth! – Mia disse sentando do meu lado e colocando algumas bolsas no chão – você tem que se divertir e eu não quero ouvir mais nenhuma reclamação ouviu? – ela disse arqueando as sobrancelhas

- Ta bom, mãe – falei rindo

Acabei dormindo mais uma vez e quando eu acordei eu estava deitada no ombro da Mia e nós já estávamos chegando. Olhei pela janela e avistei algumas barracas e comida em cima das mesas de madeira.

Sai do carro e várias pessoas apareceram, peguei algumas coisas do porta mala mas estava sendo bem difícil. O Hayes, que eu não via já fazia um tempo apareceu e segurou a caixa da barraca antes que caisse no chão.

- Onde você estava? – perguntei

- Eu passei um tempo na casa da minha mãe – ele sorriu e eu fiquei confusa, os pais dele e do Nash são separados?

- Ah, pensei que ela morasse por aqui – falei tentando não parecer indelicada e peguei minha mochila de dentro do carro

- Meus pais são separados – ele falou bem tranquilo – Nash nunca falou sobre isso com você? – eu neguei com a cabeça e ele coçou a nuca – é que... ele ainda não aprendeu a lidar muito bem com isso sabe? – assenti

Ele nunca tinha me contado sobre isso... será que isso explica o motivo por ele ser tão... possessivo?

- EI! – Uma voz extremamente alta invadiu meus ouvidos e eu senti duas mãos na minha cintura, fazendo com que eu me assustasse e desse um grito fino. Me virei para a pessoa e dei de cara com o Peter

- Que susto caralho! – falei colocando a mão no rosto e todo mundo riu

- Você veio!!! – Isa e Anne correram até mim e me abraçaram – Só a Mia pra te tirar de casa, hein – Anne disse e eu sorri

- Vamos fazer uma fogueira? – Sammy sugeriu

- Daqui a pouco já vai escurecer então... acho que sim – uma garota que eu não conhecia falou. Seus cabelos castanhos brilhavam tanto no sol que eu pensei em perguntar qual shampoo ela usava.

- Eu quero comer – falei indo em direção à mesa que estava cheia de comida, tudo porcaria, mas eu não to nem aí.

- Eu também – a tal garota morena me seguiu

- Me alcança o chocolate, por favor?

- Claro – entreguei a barra de chocolate ao leite pra ela

- Você é a Elizabeth, não é?

- Sim e você? – perguntei servindo um copo de suco

- Alice, prazer – ela sorriu e eu fiz o mesmo. Os meninos começaram a correr e pular e falar coisas idiotas. Alice olhou para mim sem entender e nós rimos – eles são sempre assim?

- Sempre... – falei tomando um gole do suco

- Qual deles é seu namorado? – ela perguntou e eu quase me engasguei – meu Deus, você tá bem?

- To – falei tossindo – é que... nenhum deles é meu namorado e... – antes que eu pudesse terminar de falar, o Shawn apareceu do meio do mato e olhou para mim. Aquele olhar de “Eu não deveria ter vindo” sabe?

- Tudo bem , eu entendi – Alice disse olhando para o Shawn e eu desviei o olhar para a comida e peguei uma fatia de sanduiche – vocês namoraram por quanto tempo?

- Na verdade a gente nem começou...

(...)

- Vai mais pro lado, Mia – falei me sentando dentro da barraca e senti minha respiração falhando. Lugares fechados me dão falta de ar

- Não posso fazer nada se a Anne tem bunda grande – ela arqueou as sobrancelhas e a Anne revirou os olhos

- Você tá bem? – Anne perguntou ligando a lanterna e colocando a luz na minha cara

- Eu só to um pouco tonta...

- Você não quer ir dormir na cabana de madeira? – Mia perguntou – É da Alice

- Será que ela não vai se importar? – perguntei franzindo o cenho

- Claro que não, ela tem um sono muito pesado, nem vai ver você – ela disse em um tom estranho

- Tem certeza? – perguntei olhando para as duas e elas assentiram

- Ta bom – peguei meu travesseiro e a lanterna e me levantei, elas estavam se olhando de uma maneira diferente, o que me deixou desconfiada, mas eu preciso mesmo tomar um ar.

Assim que abri a barraca senti um vento muito frio se chocando com o meu rosto. Abracei a mim mesma e corri para a cabana. Abri a porta com cautela mas mesmo assim não evitou que a porta fizesse barulho.

Liguei a lanterna e iluminei tudo ao meu redor. Andei devagar até o quarto e haviam velas acessas, dando uma pequena visão do lugar. Desliguei a luz, semicerrei os olhos e avistei a Alice deitada na cama, não dava para ver o rosto dela, ela estava com o corpo inteiro coberto.

Me aproximei com cuidado para não tocar em nada e assim que fui subir na cama, acabei batendo o dedinho do pé bem na ponta da cama. Fiz uma careta de dor e consegui conter um grito, mas mesmo assim acho que eu acordei ela. Ela se mecheu e eu me sentei na cama silenciosamente, acabei batendo com a perna na lanterna e ela ligou, quase tudo ficou iluminado. Fiquei paralisada ao ver o seu olhar no meu.

Shawn estava tão surpreso quanto eu, e nós ficamos um tempo parados, até que ele levantou a coberta e fez um sinal para que eu fosse para ali.

Hesitei um pouco mas aquele perfume masculino era extremamente convincente. Me arrastei para baixo da coberta e descansei minha cabeça no peito do Shawn, exatamente igual ao meu sonho. Senti as mãos dele envolvendo minha cintura e sua respiração quente estava bem na minha testa, me fazendo estremecer, ainda bem que estava frio e eu tenho uma desculpa.

Eu estava sentindo cada batida do seu coração, desta vez de verdade, e aquilo me fez sorrir.

- Desculpa, baixinha – Shawn falou com a voz rouca de sono e eu fiquei um tempo sem responder, tentando processar tudo aquilo

- Desculpa também, Mendes – falei olhando para ele – eu prometo que...

- Não, Eliza, sem promessas – ele me interrompeu – eu sei as consequências delas

Shawn me puxou ainda mais para si e eu sorri com aquilo e apaguei a lanterna.


Notas Finais


Galera, muito obrigadaaa pelos favs quase nunca agradeço!! Aaa divulguem a fanfic pros amigos de vcs, quanto mais leitores melhor <3

Bj Bj


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...