História Despertar - Damon Salvatore - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural, The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Abaddon, Balthazar, Bonnie Bennett, Camille O'Connell, Caroline Forbes, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Chuck Shurley, Crowley, Damon Salvatore, Davina Claire, Dean Winchester, Elena Gilbert, Elijah Mikaelson, Esther Mikaelson, Finn Mikaelson, Hayley Marshall, Hope Mikaelson, Jeremy Gilbert, Katherine Pierce, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Lilith, Lúcifer, Marcellus "Marcel" Gerard, Michael, Mikael Mikaelson, Personagens Originais, Rebekah Mikaelson, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester, Stefan Salvatore
Tags Anjos, Bruxas, Demonios, Humanos, Lobisomens, Monstros, Nephilins, Vampiros
Visualizações 28
Palavras 1.418
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Briga.


Fanfic / Fanfiction Despertar - Damon Salvatore - Capítulo 3 - Briga.

Kol me deixou em casa quando já era 11 horas da noite, eu já sabia que ouviria poucas e boas, mas eu não estava nem ai, não mais. Disquei a senha das duas portas e entrei no elevador, me encarei no espelho atrás de mim, meus cabelos pretos bagunçados, meus olhos azuis vazios, sem vida alguma, sem humanidade, apenas se via dor e sofrimento, abaixei a cabeça por alguns minutos e quando voltei, pude jurar que vi alguém, me virei encarando a porta do elevador aberta e sai, olhei tudo ao meu redor, meu coração acelerado, minha respiração presa, eu não estava literalmente assustada, porque eu não costumo ter medo de muitas coisas, mas aquilo me incomodava, porque eu não havia conseguido ver o rosto e havia sido pega de surpresa, mas eu descobriria, sim, eu ia.

Respirei fundo e me aproximei do meu apartamento, peguei as chaves que estavam na calça e abri, estava tudo escuro, liguei a luz e encarei o meu pai sentado no sofá, sério e irritado, meu irmão de 30 anos na frente dele, os dois me encararam na mesma hora, com olhares totalmente diferentes.

Leandro, no caso, o meu irmão mais velho, estava de braços cruzados e sério, mas o olhar dele me transmitia calma, como sempre foi, já o meu pai, Enzo, estava sério, irritado e aquilo me deixava de um jeito, de um modo, de uma maneira que ninguém conhecia, porque a raiva dele doía em mim e eu não conseguia mudar isso, eu nunca conseguia transformar aquele olhar dele em outra coisa, porque sempre seria raiva.

Meu pai se levantou do sofá com raiva e veio na minha direção, segurou o meu braço com força me puxando e literalmente me jogou no sofá, bati com o braço no ferro dele e gemi de dor, mas me sentei direito o encarando sem interesse. Ele ficou em pé e Leandro agora havia deixado de me encarar e olhava o chão.

Enzo- O que você acha que está tentando fazer da sua vida Elizabeth? - Perguntou quase gritando - Eu te trago para um lugar, tentando melhorar a sua vida e você age como antes? Você acha que vai conseguir ficar nessa para sempre? - Perguntou gritando e eu me irritei me levantando.

Liz- Melhorar a minha vida? Você me traz para o lugar que eu mais odeio no mundo e estava tentando melhorar a minha vida? - Perguntei e ele queria avançar em mim, mas como Leandro estava aqui, o pai do ano iria fingir, então lá vamos nós.

Enzo- Odeia? Você amava Mistic Falls, você nasceu aqui, viveu com seus irmãos aqui. - Disse indignado, era mentira, ele sabia tanto quanto ninguém que eu odiava Mistic Falls.

Liz- Sério? Vai se fazer de santo só porque Leo está aqui? Qual é. - Revirei os olhos.

Leandro- Vocês podiam tentar conversar como pessoas normais uma vez na vida? - Perguntou encarando meu pai que ficou quieto, eu me joguei no sofá de novo encarando a sacada, havia um corvo em cima do poste de luz, no qual eu fiz o favor de ficar observando. - Aonde você estava Liz? - Perguntou sério e eu deixei de encarar o corvo e encarei Leo.

Liz- Não é da sua conta, você não devia estar em casa? Cuidando da sua mulher? Trabalhando duro? Volta para a sua vidinha de merda e esquece esse problema aqui. - Respondi o olhando nos olhos e peguei a mochila passando pelos dois, subi as escadas e me tranquei no quarto.

Encostei a cabeça na porta, deixei a bolsa cair no chão, lágrimas começaram a cair, porque? Porque será que eu nunca mais conseguia? Porque ela teve que me abandonar? Me deixar nesse mundo estranho no qual eu não sei o que fazer... eu perco todos que estão ao meu redor, eu não consigo cuidar de ninguém, eu não consigo nada.

Ouvi batidas na porta e esperei ouvir alguém falar.

Leonardo- Liz, por favor, abre a porta, a gente precisa conversar. - Pediu e eu soltei um soluço, coloquei a mão na boca tampando, ele ouviu. - Por favor, eu não queria ter dito aquilo a você, Liz. - Pediu e eu me afastei indo para a sacada, me segurei nos ferros e deixei as lágrimas rolarem enquanto eu olhava as pessoas na rua.

Então o meu olhar passou novamente para o corvo, que agora não estava mais no poste de luz, estava na outra ponta dos ferros da minha sacada, me aproximei dele aos poucos depois de um tempo, ele ficou me observando, aproximei minha mão do seu pelo e ele quis me morder.

Liz- Se você me morder, eu despeno você e como você no jantar, está me ouvindo? - Briguei com ele e ele abaixou a cabeça, passei a mão no seu pelo. - O que está fazendo aqui? Quem é o seu dono? - Perguntei o observando e em seguida olhei para a lua cheia, o céu estava limpo, então encarei o corvo novamente e o espantei que voou gritando. 

Dei as costas aquela paisagem noturna e voltei para dentro do quarto tirando a blusa e jogando no chão, tirei as luvas as jogando em algum lugar e tirei os sapatos, andei até os comprimidos e peguei alguns, tomei e voltei para a cama me jogando nela, logo entrando no meu sono de bela adormecida.

Ouvi batidas repetidas, apertei meus olhos com raiva e me levantei, esbarrando nos sapatos e caindo no chão, belo jeito de acordar, revirei os olhos e andei até a porta a abrindo e encarei ainda piscando para acordar o cara alto, de cabelos pretos e olhos azuis na minha frente, no qual levantou uma sobrancelha e me encarou de cima abaixo, cerrei os olhos irritada e ele sorriu de lado.

- Se arrume logo, vou te levar para a escola. - Disse sério e debochado.

Liz- Quem você acha que é? - Perguntou séria, eu já tinha visto aquele rosto em algum lugar.

- Damon Salvatore, mas, no momento, Enzo e Leo mandaram eu vir te chamar para ir logo, temiam que levassem um soco na cara. - Disse e eu sorri debochada e dei as costas a ele fechando a porta em um estrondo.

Desabotoei a calça e a tirei, entrei no banheiro e me joguei debaixo do chuveiro de roupas intimas e tudo, passei um bom tempo lá embaixo e sai me enrolando com a toalha e enrolei outra nos meus cabelos molhados, sai do banheiro e ignorei o malandro deitado na minha cama, fui até o guarda roupa pegando uma lingerie, soltei a toalha e comecei a vesti-la, tirei a toalha dos meus cabelos a jogando no chão e peguei uma calça preta sem rasgões, vesti uma camiseta vermelha sangue de mangas longas e coloquei uma jaqueta preta de couro, peguei os saltos botas pretos os colocando e penteei meus cabelos encarando aquele vagabundo pelo espelho que me encarava admirado.

Liz- O que foi? - Perguntei e ele deu de ombros sorrindo, revirei os olhos pegando a mochila, peguei as luvas que estavam perto da porta as colocando, peguei meus fones e meu celular, os conectando, o cara já estava perto da porta, voltei indo até uma caixinha prata, peguei um colar com verbena e coloquei no pescoço, era lindo, havia ganhado de Kol, o cara me encarou de olhos cerrados e eu passei por ele com um sorriso debochado. - Não dessa vez. - Pisquei e desci as escadas com ele do meu lado.

Leandro e Enzo, junto de Pietro tomavam café, o cara foi falar com ele e eu aproveitei para me mandar, entrei no elevador e quando virei para trás revirei os olhos com ele escorado na porta.

Liz- Vai me seguir agora, é? Tem mais o que fazer não? - Perguntei cruzando os braços.

Damon- Tenho, mas prefiro observar você, por enquanto. - Respondeu sorrindo e eu empurrei ele quando a porta se abriu, ele foi até um carro e eu olhei ao redor, sorri debochada e corri até o outro lado da rua, abri a porta do carro preto esporte e encarei Kol sorrindo, ele deu a volta e passou pelo cara, no qual eu fiz o favor de mandar o dedo do meio enquanto colocava os óculos escuros, ele me encarou debochado e irritado, eu via isso nos olhos dele, me escorei no vidro e encarei Kol.

Kol- Vejo que já conhece os Salvatore. - Disse e eu dei de ombros.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...