História Destinos Cruzados - Capítulo 54


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Visualizações 92
Palavras 3.641
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Chegueeeeeeeeeeeeeei!
Preparadas pro último capítulo??? Eu confesso que não estou, mas elas merecem um final não é?
Peço desculpas por não ter respondido os comentários de vocês, mas to muito viciada em uma fic e to devorando ela, quando não, estou trabalhando, e aí o tempo passa e eu não respondo vocês. Mas prometo que vou responder!!!
Sem mais delongas, perdoem os erros, e nos vemos nas notas finais!!!

Capítulo 54 - Capítulo 53


1 mês depois...


Regina estava deitada no colo de Emma enquanto as duas assistiam a um canal de culinária que era exibido na TV. Era um lindo Sábado, o sol fazia-se presente, mas a temperatura não estava tão alta. Porém, depois de todas as emoções já vividas pelas duas nos últimos tempos, decidiram que todo e qualquer tempo livre seria dedicado à elas em sua maior parte. A morena estava de folga, havia dado plantão na madrugada de Sexta-feira e saído no final da tarde. Emma havia chegado a noite, trazendo uma enorme pizza. Naquele dia, estavam aproveitando para descansar, se preparar para mais uma semana, e para um jantar na nova casa de Zelena e Ruby, agora casadas. Quando o telefone tocou, Regina resmungou.


- Não quero atender, to muito concentrada naquele camarão. - falou sem tirar os olhos da TV. Emma sorriu.
- Então levanta a cabeça e me deixa atender.
- Nããããããão. - choramingou.
- Mas amor...
- Tá bem. - bufou, e a contra gosto levantou-se indo atender o telefone. - Alô?
- Sis, sou eu, saiu a sentença da nossa mãe. - a voz de Olívia disparou de uma só vez.
- E-e-e qual foi? - gaguejou.
- Cora foi condenada a 55 anos, sem direito a condicional. - o suspiro de Regina chamou a atenção de Emma.
- Acho... - suspirou novamente. - Acho que é o suficiente.
- Não pensa em ir vê-la? - Olívia soltou depois de uns segundos em silêncio.
- Não, eu já disse, ela morreu pra mim. - seu tom frio deixava claro a mágoa que sentia.
- Te entendo sis... Bom, vou ligar pro papai e contar. Se cuida ok?
- Pode deixar, você também. 
- Te amo.
- Também amo você.


Assim que desligou, Regina voltou para o sofá e deitou-se novamente no colo de Emma. A loira nada disse, imaginava do que se tratava a ligação pelas palavras da noiva, e sabia também que aquele ainda não era um assunto fácil pra morena. Iniciou uma carícia nos cabelos bagunçados de Regina e voltou a focar sua atenção na TV.


- 55 anos. - Regina disse depois de uns minutos em silêncio. Emma a olhou.
- A justiça foi feita. - limitou-se a dizer recebendo um aceno de cabeça de Regina concordando com ela. - Você tá bem com isso?
- Sim, ela merece cada dia naquele lugar... - seus olhos ainda estavam cravados na TV.


Emma olhou a noiva por alguns minutos, pensando se deveria dizer algo mais, mas por não saber o que falar preferiu ficar em silêncio. O resto da tarde permaneceram da mesma maneira, mas Regina tinha um semblante mais tranquilo, e menos pensativo. Quando a noite já caia, tomaram banho e se trocaram, seguindo em seguida para o jantar. Ruby as recebeu logo no primeiro toque da campainha.


- Hey! Entrem, entrem! - beijou as bochechas das duas mulheres. - Zel já vem, está acabando de se arrumar.
- Que casa linda Rubs! - Emma falou sorridente observando todo o ambiente.
- Obrigada, venham, vou levar vocês até a sala.


Ruby conduziu as duas amigas até a sala da casa, e serviu uma bebida para ambas. As três mulheres conversavam animadamente quando Zelena apareceu.


- Até que enfim vocês resolveram tirar um precioso tempo pra visitar as amigas! - fingiu aborrecimento.
- Oi pra você também Zelena. - Regina sorriu abraçando a amiga.
- Você é uma péssima amiga e madrinha de casamento sabia? - retribuiu o abraço sorrindo.
- Mas você segue me amando. - deu de ombros ganhando um tapa da amiga.
- Pare de se achar. - deu lingua. - Vamos, vou mostrar a casa pra vocês.


Zelena conduziu as amigas por cada canto da casa. Mostrou a grande e espaçosa cozinha, o quarto de hóspedes, onde fez uma brincadeira dizendo que em tempos de brigas elas teriam abrigo ali, a sala de jantar que era ao lado da sala de estar, e a suíte do casal que era muito bem decorada. Ao fim do passeio, a amiga conduziu todas para o jardim, onde uma mesa havia sido montada na beira da piscina.


- Uau, isso tudo é pra nós? - Emma quem perguntou.
- Você anda convivendo muito com a Regina sabia? - Zelena brincou. - Nós só queríamos estrear essa área, nada mais. - deu de ombros fazendo Emma rir.
- Você nos ama Zelena, admita! - Regina implicou.
- Vai à merda Regina Mills.


Em meio a gargalhadas, as quatro mulheres engataram uma nova conversa, enquanto bebiam à beira da piscina. Zelena e Ruby contavam sobre a lua de mel, e a decisão repentina de se casarem e planejarem tudo tão rápido. Emma e Regina ouviam e comentavam quando achavam necessário.


- Vocês não acharam que tomaram a decisão de casar rápido demais? - Regina perguntou encarando as duas mulheres.
- Não existe tempo certo quando se tem certeza do amor, já te falei isso. - Zelena respondeu sorridente.
- Faz sentido...
- E vocês? Quando vão parar de se enrolarem? - Ruby questionou.
- Não estamos nos enrolando. - Emma protestou.
- Não mesmo, estamos apenas planejando. - Regina sorriu olhando para a loira. Zelena percebeu a troca de olhares.
- O que estão escondendo?
- Nada. - Regina deu de ombros.
- Eu te conheço Regina, o que vocês estão aprontando?
- Já disse que nada! E a comida? Eu estou com fome sabia? - desviou o assunto.


Zelena lembrou-se então do jantar, esquecendo-se do assunto antes debatido. Regina olhou para Emma que lhe sorriu, todo o planejamento delas estava a salvo. Em meio a garfadas, bebidas, brindes e gargalhadas, a noite de celebração seguiu, reafirmando a amizade das quatro mulheres.


-x-


Dezembro finalmente chegou, trazendo consigo o Natal, o primeiro de Emma e Regina juntas, o primeiro sem Cora Mills. As famílias resolveram se unir, e na noite do dia 24, a casa de David e Mary Margareth estava cheia. Regina e Emma chegaram naquela manhã devido aos trabalhos, mas desde que pisaram na pequena Storybrooke, seus pensamentos eram invadidos por memórias de cada momento ali vivido. Zelena e Ruby chegaram no dia anterior e estavam hospedadas na casa de Granny, assim como Henry Mills, com quem a velha senhora havia começado a sair, para desespero de Ruby. Olívia e Nick chegaram a tarde, já que o homem havia ficado preso no trabalho por conta de um caso de última hora. Neal corria pela casa fugindo de Emma, que lhe perseguia em busca de cosquinhas. Regina estava recostada ao batente da porta da cozinha observando aquela cena e permitindo-se sonhar. Mary, Granny e Olívia terminavam as últimas guloseimas na cozinha, enquanto Ruby e Zelena terminavam de arrumar a mesa. David, Henry e Nick conversavam e bebiam na varanda da grande casa. Neal finalmente se cansou, mas não se renderia à irmã, correu até Regina escondendo-se atrás da morena.


- Me ajuda Tia Gina! Me ajuda! -agarrava as pernas da morena.
- O que houve príncipe? - Regina agachou-se fingindo não saber do que se tratava.
- A Emma quer me fazer cosquinha!
- É mesmo? - Regina lançou um olhar para Emma que sorriu. - E você quer que eu te proteja? - o menino confirmou com a cabeça. - Tudo bem, não vou deixar o bicho papão Emma te pegar.


Emma observava os dois com atenção, adorava o jeito e o carinho que Regina tinha com seu irmão, aquilo a encantava de uma maneira indescritível. Quando a morena se pôs de pé novamente, Emma começou a se aproximar lentamente dos dois.


- Quer dizer que agora você tem uma salvadora Neal? - Emma dizia e caminhava lentamente.
- A tia Gina não vai deixar você me pegar. - o menino deu lingua para a irmã.
- É mesmo? É verdade isso tia Gina? - encarou a noiva.
- Sim senhora. - fingiu seriedade.
- Então... - deu mais um passo ficando a 2 passos da morena e do irmão. - Acho que serei obrigada... - deu mais um passo, ficando a apenas 1. - A PEGAR OS DOIS!


Em um movimento rápido, Emma agarrou Regina e o irmão, fazendo cócegas nos dois que se contorciam de rir.


- Tá bem, tá bem, eu me rendo! - Neal gritou.
- Então me diz, quem é a melhor irmã do mundo? - Emma provocou.
- Você! - o menino sorriu, saltando nos braços da loira.
- Bom garoto! - beijou o topo da cabeça do menino, colocando-o no chão em seguida. - Que tal roubarmos uma rabanada? - piscou para o pequeno que saiu correndo em direção à cozinha. Emma sorriu da cena. - Quer dizer que você é a salvadora do pequeno príncipe? - Emma virou-se para Regina puxando-a pela cintura.
- Tentei ao menos... - deu de ombros sorrindo.
- Você tem muito jeito com ele sabia? - beijou o pescoço da noiva.
- Você não fica atrás... - sussurrou entorpecida pela carícia da loira.
- Já pensou que um dia será um filho nosso? - deu um selinho rápido em Regina.
- Filho nosso... - repetiu tentando assimilar as palavras.
- Sim, você não pensa nisso?
- Penso, penso muito! - sorriu largamente para Emma. - Um dia, será um filho nosso...


-x-


Na tarde do dia 25, Emma e Regina foram dar uma volta pela cidade. Resolveram juntas retornar a todos os lugares marcantes de sua história. Foram até o resort, voltaram até o terraço, caminharam na praia, e finalmente chegaram ao Granny's. Escolheram o mesmo que há quase um ano atrás haviam escolhido, e conversavam animadas sobre essa nova experiência que estavam vivendo. Quando se preparavam para deixar o local, a porta do estabelecimento se abriu, e para a surpresa de ambas as mulheres Killian entrou, acompanhado de Tinker. Emma enrijeceu em seu lugar, enquanto Regina mantinha os olhos fixos no homem. Killian avistou as duas mulheres sentadas, e deu um sorriso com o canto dos lábios. Cochichou algo no ouvido de Tinker, que se dirigiu à uma mesa, enquanto ele caminhava em direção as duas mulheres.


- Ora ora, quem é vivo sempre aparece não é mesmo? - sorriu. - Como vai Swan?
- Por que não volta pra sua namorada? - Regina levantou-se encarando o homem. Killian sorriu.
- Calma nervosinha, eu vim em paz... Pode não parecer mas eu sou um novo homem. - apontou para Tinker que acabara de desviar os olhos para o cardápio.
- Bom pra você. - Regina deu um passo na direção do homem. - Se era só isso... - indicou a saída.


Killian sorria, olhando de Emma para Regina. Encarou a morena pela última última vez concordando com sua última frase. O homem girou nos próprios calcanhares deixando o local, mas parou antes mesmo de começar a caminhar.


- Na verdade... - virou-se novamente para as duas mulheres. - Tem mais uma coisa. - Regina fechou o semblante, enquanto Emma permanecia em silêncio. - Espero que vocês sejam realmente felizes, vocês se merecem mesmo, são parecidas... - deu de ombros. - É isso.


Sem que qualquer uma pudesse responder, Killian virou-se e se dirigiu à sua mesa, sentando-se ao lado de Tinker. Quando Anna, a garçonete, chegou para receber o pagamento da consumação das duas, Regina ainda resmungava sobre a presença do homem.


- É muita cara de pau dele vir até aqui, só pode ser provocação. 
- Na verdade... - Anna se intrometeu. - ele realmente mudou.
- Como assim? - Emma indagou curiosa.
- Quando ele saiu da cadeia, saiu pior do que entrou, gritava que se vingaria pra quem quisesse ouvir, mas então... - suspirou. - Tinker engravidou. Killian vai ser pai.
- Pai? - Regina perguntou incrédula.
- Pois é, e parece que isso colocou um pouco de juízo na cabeça dele. Ele arranjou emprego, alugou um lugar onde vive com ela, e tem ficado como bobo sempre que fala do filho.
- Mas, cade a barriga dela? - Anna sorriu da pergunta de Regina.
- Ela ainda está de 4 meses, tá bem disfarçada, mas já existe o suficiente pra que Killian se transforme.


Regina e Emma direcionaram seus olhares para a mesa de Killian que sorria para Tinker ao seu lado enquanto acariciava a barriga da mulher. As duas agradeceram a Anna pelos serviços, e saíram do local olhando para Killian uma última vez...


-x-


Era Maio, Emma e Regina haviam tirado férias juntas e viajavam pela Grécia. Naquela tarde, cada uma estava em seu próprio mundo, toda a história das duas passava em suas mentes como um filme, um romance, uma poesia. No alto de uma bela construção, aos pés da imensidão do mar azul, as duas se encaravam de mãos dadas, enquanto um homem proferia palavras sobre diversidade e companheirismo. O mundo ao redor parecia não existir, naquele momento eram apenas, Emma e Regina ali, naquele lugar paradisíaco. Quando a voz do homem tornou-se um completo vazio, as mulheres pareceram acordar de seus devaneios.


- Sorry. - Regina desculpou-se.
- Você aceita Emma Swan como sua companheira? - o homem perguntou.
- Pra todo o sempre. - respondeu com um lindo sorriso nos lábios.
- E você Emma, aceita Regina Mills como sua companheira?
- Aceito hoje, e todos os dias daqui pra frente. - Emma retribuiu o sorriso.
- Então, pelos poderes a mim concedidos eu as declaro casadas.


As das mulheres alargaram seus sorrisos. Não havia aplausos, nem chuva de rosas ou arroz, eram apenas elas e a imensidão do mar. Regina selou seus lábios aos de Emma em um beijo carinhoso e cheio de cumplicidade. Afastaram-se e se encararam percebendo o que tinham acabado de fazer.


- Então nós casamos mesmo? - Emma perguntou ainda sem acreditar.
- Sim meu amor, agora nós somos casadas. - Regina sorriu.
- As pessoas vão nos matar quando descobrirem. - sorriu.
- Eu sei, eu te disse que as pessoas não iriam gostar, mas na verdade só uma opinião me interessa... - segurou a loira pela cintura. - O que você achou Senhora Swan Mills? - Emma sorriu ao ouvir seu novo nome.
- Eu amei, não imagino nada mais incrível que isso. - selou seus lábios aos da esposa.
- Então que se dane a opinião dos outros!
- Que se dane a opinião dos outros! - repetiu sorrindo.
- Vem, tem mais uma surpresa pra você. - Regina puxou Emma pela mão e as duas, agora casadas, deixaram aquele local onde um grande passo para ambas havia sido dado.


-x-


- Seus olhos estão bem fechados Emma? - Regina perguntou guiando a esposa pelo longo corredor.
- Sim.
- Não vale espiar.
- Não estou espiando amor, juro.
- Ok... só mais um pouquinho e... - Regina parou de frente para uma grande porta de madeira. - Chegamos.


A morena retirou a mão dos olhos de Emma e abriu a porta. A loira ainda mantinha os olhos fechados aguardando que Regina lhe dissesse para abrir os olhos. Regina puxou Emma pelas mãos para dentro, fechou a porta atrás de ambas e parou ao lado da esposa.


- Ok, já pode abrir.


Emma abriu os olhos lentamente. Reconheceu um quarto de hotel, muito semelhante ao quarto em que estavam hospedadas. A sua frente havia uma grande cama coberta de pétalas de rosas brancas e vermelhas. Ao fundo uma grande parede de vidro mostrava o imenso mar que lhes brindava com sua beleza azulada. Emma encarou Regina sem entender.


- Gostou? - perguntou sem confiança.
- Regina eu... eu... eu nem sei o que dizer... É lindo! - sorriu.


Regina sorriu em resposta e a pegou pela mão.


- Eu queria que nossa primeira vez como esposas fosse especial, então pedi pra trocar de quarto e organizei uma coisa especial pra nós.
- É perfeito! - Emma sorria bobamente observando cada detalhe.
- Que bom que gostou meu amor. - Regina a abraçou ppor trás distribuindo beijos pelo ombro da loira.
- Eu não gostei, eu amei! - acariciou as mãos da morena que repousavam em sua cintura.
- Eu te amo. - sussurrou após morder o lóbulo da orelha da esposa.
- Eu também te amo. - virou-se selando seus lábios aos da morena.


Regina retribuiu aquele gesto, e tratou de rapidamente aprofundar o beijo. Ainda agarrada ao corpo de Emma, guiou a loira até o pé da cama, onde a sentou.


- Eu quero que tudo seja perfeito meu amor... - sussurrou.


Regina puxou Emma pela mão, retirando delicadamente o vestido branco de renda que a loira usava. Jogou a peça ali perto, e empurrou o corpo de Emma novamente em direção à cama. A loira rastejou para o meio da mesma, e Regina engatinhou subindo no corpo da fotógrafa. As mãos de Emma vagaram diretamente para os seios da morena, apertando suavemente ambos. Regina gemeu sem deixar de olhar para Emma. Regina retirou o próprio vestido branco de seda, e jogou para perto do de Emma. Nenhuma das duas usara sutiã, e agora com as línguas travando uma batalha por espaço, os seios das duas se chocavam, fazendo com que ambas gemessem. 


- Eu te amo tanto. - Emma sussurrou quando o ar se fez necessário.
- Me ame. - Regina pediu.
 
Emma girou os corpos ficando agora por cima. Começou a beijar a orelha de Regina, descendo os lábios por todo o corpo da morena. O rastro dos beijos fazia o corpo da médica incendiar, e quando Emma alcançou a calcinha de Regina, a morena arqueou o corpo querendo mais contato. Emma sorriu, era incrível ver como o corpo de Regina respondia a seus toques. Retirou a peça que cobria o corpo da esposa, e com a ponta da língua lambeu os lábios de seu sexo já umidecido. Regina agarrou os lençóis e gemeu mais alto. Emma sorriu, e com os dedos, deu o espaço que precisava para aprofundar suas carícias. Introduziu sua língua, fazendo movimentos de vai e vem sentindo Regina rebolar em sua boca sedenta por mais contato. Emma afastou a boca, lambeu um dos dedos e introduziu na morena. Regina a olhava suplicante e Emma compreendeu o que a morena queria. Um segundo dedo foi introduzido, e os lábios voltaram a brincar naquela região. Cada vez mais intensamente, Emma provocava as reações de Regina, e não demorou para que um gemido mais alto fosse ouvido, e os dedos e lábios de Swan se lambuzassem do gozo de sua esposa. 


- Puta... que... pariu... - falou ainda ofegante pelo orgasmo que tivera.


Emma engatinhou pelo corpo de Regina e selou seus lábios aos dela, fazendo com que sentisse o próprio gosto. Regina mordeu o lábio inferior da loira, e quando a mesma se distraiu observando Regina, a morena girou seus corpos e inverteu suas posições. 


- Minha vez de brincar. - sorriu sacana, fazendo Emma morder o próprio lábio.
- Sou toda sua Senhora Swan Mills.


Regina esticou o braço pegando o champangne que repousava em um balde cheio de gelo. a morena deixou a garrafa de lado, e pegou uma das pedras sólidas, passando a mesma pelo corpo quente da loira. Emma gritou com aquele choque de sensações. Regina não se intimidou, subiu a pedra da panturrilha em direção aos seios de Emma, onde rodeou as auréolas provocando uma reação instantânea no corpo de Swan. A respiração ofegante entregava que os objetivos de Regina estavam sendo alcançados. A morena direcionou a pedra para o sexo de Emma, introduzindo a pedra jpa um pouco derretida no sexo da loira. A sensação de prazer foi instantânea novamente, e o gemido de Emma soava como música para Regina. Com um sorriso nos lábios, a morena pegou a garrafa de champagne, abriu, e jogou um pouco sobre o corpo de Emma. A loira ficou curiosa com aquilo, e apoiou seu corpo nos cotovelos encarando a esposa. Regina iniciou então uma retirada de todo o líquido dali, usando apenas a boca, e quando a mesma atingiu o sexo de Emma, a loira deixou que seu corpo tombasse novamente na cama. A lingua quente da morena entrou em contato com o sexo gelado da loira, e Emma gritou de prazer. A médica lambeu e chupou o quanto pôde aquela região, fazendo a loira se contorcer enlouquecida implorando por mais. Regina a obedeceu, e quando deu a terceira estocada com seus dois dedos, Emma gozou, fazendo a morena rir incrédula de que a loira tivesse ido tão rapidamente.


- Já? - brincou aconchegando-se aos braços fortes de Emma.
- Você queria o que? Isso não se faz Regina Swan Mills. - sorriu selando os lábios aos da morena.
- Swan Mills... - repetiu pensativa. - até nossos nomes soam bem juntos.
- Fazer o que se temos química até nisso. - gargalhou junto de Regina.


A morena sentou-se puxando Emma consigo. A encarou por alguns segundos, e pegou duas taças ao lado da cama.


- Vamos fazer um brinde.
- E a que vamos brindar? - Emma perguntou sorridente.
- A você, a mim, a nós, ao nosso casamento, as nossas vidas, mas principalmente... - serviu as taças dando uma à Emma. - agradecer pelos nossos destinos terem se cruzado. - Emma sorriu.


O toque das taças, os sorrisos nos lábios, a felicidade no peito. A vida é realmente recheada de suspresas, imprevistos, e cabe a cada um de nós aproveitar tudo que ela nos oferece. Duas vidas separadas pela distância, pelas diferenças, mas que o destino fez questão que se cruzassem. Emma e Regina eram a imagem da felicidade, do amor, e da alegria. Dois caminhos que foram traçados em rotas diferentes, mas que colidiram e propagaram o amor e o respeito acima de tudo. E que agora, juntas, começavam a trilhar uma nova história: a história da família Swan Mills...

 

FIM
 


Notas Finais


Bom gente, eu sei que venho dizendo que esse seria o último capítulo, maaaaaaas, decidi fazer um epílogo, que será postado na próxima Terça.
Enquanto isso, o que acharam do nosso "ultimo" capítulo???
Nos vemos na Terça, e essa semana respondo vocês ok?
Beijoooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...