História Destinos Traçados - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Hermione Granger, Severo Snape
Tags Harry Potter, Hermione Granger, Severo Snape, Sevione, Snamione, Snanger
Visualizações 125
Palavras 2.274
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello people!!
Espero que não tenham morrido de curiosidade, demorei um pouco mas já estou aqui com o capítulo 4!! *pulinhos de animação*
Espero que gostem :3
(PS:Preciso avisar que haverão beijinhos roubados...haha')

Capítulo 4 - Preciso que grite


Fanfic / Fanfiction Destinos Traçados - Capítulo 4 - Preciso que grite

O local onde desaparataram, era estranho aos olhos de Hermione, embora Snape já o tivesse visto dezenas de vezes. Era um local sombrio e levemente escuro, e ainda que aquilo a assustasse um pouco, a garota só pensava em Harry.

— Onde estamos? Professor, precisamos ajudar o Harry!

A voz de Hermione indicava o quanto a garota achava que o dever de ajudar Harry era algo óbvio.

— Bellatrix vai vir e vai chamar o Lorde das Trevas... Preciso que fique em silêncio, não diga nada a ele.... Ele pode ser muito temperamental, eu não me perdoaria se ele lhe fizesse... Algum mal.

O homem mais velho praticamente ignorou o que a garota disse. O que lhe importava agora era mantê-la a salvo, uma vez que estava em um antro de maldade. No local onde dezenas de pessoas já imploraram pela morte, ao serem submetidas a uma pequena "conversa" com o Lorde.

— Esqueça o Potter, nenhum daqueles incompetentes vai ser capaz de machucá-lo de verdade.

Ele achou por bem completar a frase, quando notou que a garota estava um tanto chateada e assustada.
Qualquer um que prestasse uma certa atenção na garota, perceberia em seus olhos o medo estampado. Não que fosse algo comum, poucos haviam vistos garota dessa forma, mas ainda que ela tentasse, não conseguia esconder seu temor dessa vez.

— O que... O que eu... Oh Merlin....

A voz da garota vacilava. Ela não era capaz de completar a frase por completa.
Antes que Snape pudesse tentar passar qualquer tipo de segurança para Hermione, Bellatrix e os outros comensais desaparataram na sala, fazendo com que o Mestre em poções voltasse a segurar Hermione, passando o braço ao redor de seu pescoço.

— Finalmente chegaram! — Snape exclamou, em um tom relativamente estressado. — Vou levar ela lá para baixo, prendê-la em uma das celas...

— Não Snape! — a voz de Draco ecoou pela sala, e um sorriso malicioso surgiu nos lábios do garoto. — Deixe-a comigo... Eu a levo lá para baixo...

Os olhos de Draco já estavam cheios de luxuria e focados na garota temerosa presa pelo braço de Snape.

— Não precisa Draco, eu posso fazer isso... Por que você e seu pai não chamam o Lorde? Ele vai querer saber as novidades.

A voz do professor soou fria enquanto ele olhava o garoto. Ele sentia nojo e repulsa ao olhar aquele sorriso pervertido que o loiro tinha nos lábios. Era lógico o que ele queria com a garota, e Snape jamais permitiria isso.

— Severo... Tenho plena consciência de que o Draco pode dar conta de sua ex colega... — agora era a vez de Lucio interferir na conversa, com sorrio de canto um pouco maldoso surgindo em seus lábios, enquanto colocava a mão sobre o ombro de Draco. — Deixe a garota com ele...

Snape arqueou uma sobrancelha o olhando, enquanto sentia o nojo aumentar, juntamente com sua raiva. Forçou então um fraco riso falso e passou a mão sobre o braço de Hermione de uma forma maliciosa.

— Acho que não entendeu Lucio... Eu posso cuidar disso! — a voz de Snape era ainda mais fria agora, e um olhar um pouco malicioso surgiu em sua face.

Lucio e Draco realmente eram dois tarados, e o professor precisaria ficar de olho na jovem enquanto estivessem nesse lugar. Sem esperar qualquer resposta, Snape e se virou, indo para os fundos com Hermione.
Desceu as escadas e entrou com ela em um dos cativeiros imundos que havia ali, logo soltando o pescoço da jovem e fechando a porta com a varinha que já estava em suas mãos.

— Eu... Preciso que grite. Como se eu estivesse.... — ele não foi capaz de terminar a frase, e deixou para a garota a tarefa de completá-la mentalmente. — Não é garantia que vai tirar eles de cima de você, mas por enquanto é o que temos, então Grite!

Hermione sentia seu coração bater acelerado, e sua respiração estava totalmente descompassada. Por mais que ela tentasse, nada saía por seus lábios.

— Srta. Granger, por favor... — Snape murmurou frio e se aproximou segurando em seus braços e os apertando um pouco, porém sem essa intenção realmente. — Eu não vou poder te proteger se o Draco vier até aqui, não seja burra! Grite!

A jovem tenta se afastar, mas ele segurava o braço dela, mantendo-a bem próxima. Ela não conseguia emitir som algum, ainda que separasse os lábios e tentasse desesperadamente dizer algo.

— Por que esse medo de mim?? — ele começava a se irritar. — Acredita mesmo que eu machucaria você? Eu já entendi que gosta do Potter, senhorita mas se você não gritar e não sair parecer que eu estuprei você, você vai ter um problema sério com Lucio e aquele maldito filho dele!

Em meio ao que dizia, a mão do homem foi apertando o braço da garota, sem que ele mesmo notasse, e alguma fios de seu cabelo de desarrumaram, entrando em frente à seu rosto.
Hermione o olhava assustada ainda, mas um pouco surpresa pelo que ele havia dito. A forma como ele falava, demonstrava algo estranho, talvez ciúmes, mas aquilo não fazia muito sentido.

— Eu... Não tenho medo... — foi a primeira coisa concreta que ela conseguiu dizer. — Não do senhor... — ela ainda tentava firmar as palavras, quando resolveu completar a frase. — E eu não gosto do Harry da forma que imagina...

Alguns instantes de um silêncio embaraçoso se seguiram, e um suspiro audível deixou os lábios da mais nova, que achou por bem começar a gritar, para que isso tudo acabasse logo.

— Me solta!! Tira as mãos de mim!! — ela falava em voz alta, em meio aos gritos que dava.

Quando ela começa a gritar, Snape se vira de costas para a garota, pensando a respeito do que ela havia dito. Não tinha certeza se o que ela falava era real, e não sabia ao certo como agir diante de tudo o que estava acontecendo.

— Acha que estou mentindo, não é? — a garota sussurrou, em uma das pausas que fazia entre os gritos.

Ela procurava pausar bastante os gritos, ficando longos minutos em silêncio, a fim de não parecer que aquilo era falso.

— Não é da sua conta o que eu acho... — o professor murmurou em seu tom frio de sempre e continuou de costas para ela, apertando a manga roupa como se aquilo o distraísse. — Você e ele se merecem. Passaram a vida toda sendo apegados nada normal. E eu sou um homem adulto, não tenho absolutamente nada haver com isso.

As palavras de Snape eram a mais pura mentira. Cada frase que saía de sua boca o fazia querer vomitar. Ele sabia que havia realmente acabado tendo algum tipo de sentimento por aquela menina e agora se encontrava em uma crise horrível de ciúmes adolescente.

— Se quisesse saber, eu contaria que o Harry praticamente me agarrou aquele dia... — ela disse, e deu de ombros. — Mas tudo certo... — disse sorrindo ironicamente. — O senhor é um homem adulto. — fez uma breve pausa. — Quando quiser saber algo, pergunte, ao invés de tirar conclusões.

Já era ridiculamente infantil aquela crise que ele estava tendo, e agora, ela estava seguindo naquela "discussão", que os fazia parecer um casal adolescente e inseguro no comecinho de um namoro.
Finalmente ele se virou. As palavra dela haviam tido efeito, e ela estava, tecnicamente satisfeita por isso. Odiava "conversar com as costas" de alguém.
Uma sobrancelha de Snape se arqueou enquanto ele a olhava. Parecia ponderar as palavras.

— Ele forçou você? Vamos me diga, ele forçou você aquilo? — ele não conseguia deixar de se sentir aliviado ao saber que ela não o beijou por querer, mas só de imaginar Harry forçando a garota àquilo, já se imaginava cortando a cabeça do garoto.

Um suspiro baixo deixou os lábios de Hermione, enquanto ela pensava em como explicaria aquilo tudo, de forma a não causar confusão entre eles.

— Bem... Eu estava discutindo com ele, na cozinha... — fez uma breve pausa, talvez para esperar o professor acompanhar a linha de raciocínio que ela seguia. — Ele caiu em cima de mim, e me beijou... — ela pararia por aqui, mas resolveu prosseguir. — Eu estava embaixo dele, não tinha como sair, pelo peso do corpo dele...

Ela não foi capaz de sustentar o olhar profundo do professor, e acabou desviando o olhar para o chão.

— E você... Por acaso gostou? — ele não pôde se conter, e acabou por perguntar.

— Ele é apenas meu amigo... — um sorriso leve brotou nos lábios da jovem quando ela voltou a olhar para o professor.

Ambos se lembraram de onde estavam, quando a voz de Lucio foi audível, gritando por Snape, e o pedindo para que subisse.

— Fique quieta aqui, ouviu? — disse ele, olhando para a garota.

Virou-se, após o aceno de cabeça dela, e saiu da cela, deixando-a sozinha com seus pensamentos na escuridão. Hermione revirou os olhos, dando uns passos em direção a parede mais próxima.

— Como se eu pudesse ir a algum lugar...

Um suspiro audível deixou os lábios da garota, e ela se sentiu em um canto qualquer da sala escura em que estava.
Sentia seu coração apertado, só em pensar que Harry poderia estar com problemas. Estava preocupada com todos, e sentia-se impotente.

Provavelmente já haviam se passado algumas horas, ela não sabia ao certo, já que não haviam relógios ou qualquer forma de ver o sol lá fora.
Suspirou, apoiando a cabeça nos joelhos, e abraçou as pernas, sentindo-se um tanto chateada, e preocupada. Ela sabia que precisava sair dali, e tinha que ser rápido.

— Hermione?

A voz de Draco, chamando o nome dela, tirou-a dos pensamentos que mantinha, e a fez levantar-se, assustada, vendo ele já dentro da cela, e tendo trancado novamente a porta.

— O que você quer? — falou ríspida.

Um sorriso malicioso surgiu nos lábios de Draco, enquanto ele observava a garota.

— Eu ouvi você e Snape... Ele disse que você é muito boa...

Hermione sentiu nojo, vendo Draco morder o lábio inferior, já começando a tirar o blazer enquanto a olhava. Snape não o havia dito nada realmente, porém, o loiro queria ter o que achava que Snape havia tido mais cedo.

— Então... — ele umedeceu os lábios com a ponta da língua.

A sobrancelha de Hermione se arqueou, enquanto observava o garoto, e ela deu um passos para trás.

— Não ouse, Malfoy.

Falou, levantando uma das mãos, fazendo sinal para ele ficar parado.

— E porque não? Desde que vi você a primeira vez foi sempre o que eu quis... Você é marrenta e consegue ser ousada como deveria... Sem contar que com o passar dos anos você ficou muito.... Gostosa! — a luxúria era visível nos olhos do garoto enquanto ele falava. — Relaxa vai, eu sei que você me quer, se relaxar vai ser melhor do que com o velho do Snape... — enquanto falava, ele abria os botões da camisa. — Como ele não furou o seu olho com aquele nariz todo? Ele pelo menos tirou a capa? Ele não parece nunca tirar aquilo, deve ter um cheiro repugnante...

Hermione ignorava totalmente o que o garoto falava. Estava apenas preocupada em se manter longe dele, para que ele não a tocasse.

— Por que não? Sério que você vai perguntar o por que eu não quero? — a jovem falou, como se isso fosse óbvio. — Cala a sua boca, Malfoy, e não ouse me tocar... — ela sentia vontade de dizer que nada havia acontecido ali, mas sabia que não podia. — Você é ridículo.

Draco fechou a cara, perdendo a paciência com aquilo. Em poucos passos longos, chegou até a garota, e a empurrou contra a parede, fazendo com que ela soltasse um grito relativamente alto.
Logo ele começou a beijá-la a força, antes que ela pudesse reagir, e prende os braços dela para trás das costas da mesma. Em um momento de desespero, Hermione morde com força os lábios de Draco, o que faz o garoto separar-se dela, mas sem deixar de segurá-la. Levantando a mão direita, dispôs um forte tapa no rosto da menina.

— Não me obrigue a enfeitiçar você para ficar parada! — ele disse irritado.

Arrastou a garota até a cama velha que tinha por ali, e jogou-a de bruços, já começando a abrir a própria calça. Hermione já se desesperava, quando ouviu o barulho do zíper, provocado quando Draco abria a calça.

No "último segundo", o barulho da porta da cela foi ouvido, e alguém entrou no espaço, vendo aquela cena repugnante.
Snape pigarreou tentando manter a máxima calma para não matá-lo ali mesmo, e viu o garoto o olhar assustado fechando o zíper.

— O que planejava fazer Draco? — o tom do mais velho era suave e letal.

— Professor.... An... E-u... Eu só queria me divertir um pouco... — o loiro dizia meio nervoso já sabendo do que Snape era capaz de fazer quando estava irritado.

— Tire isso da sua mente... Já disse e vou repetir, EU cuido dela... — a expressão do homem era nula, é seu tom de voz, frio. — Acho melhor ir acompanhar seu pai na busca pelo Potter antes que o Lord resolva... Puni-lo.

Severo observava o garoto com desdém enquanto ele fechava a camisa, e saía andando. Um suspiro audível deixou os lábios do homem, e ele logo deixa a bandeja no chão, e vai até Hermione, que ainda estava deitada na cama, sem se mover, com medo.

— Está tudo bem?

A jovem se levantou, ficando sentada na cama, quando ele se aproximou dela, e lhe olhou, com um sorriso leve surgindo nos lábios.

— Agora está... Obrigada.

O professor novamente pegou a bandeja, e se sentou ao lado da garota.

— Não vou deixar quem toquem em você... — ele fez uma pausa, dando a bandeja para ela. — Coma... Enquanto não tem ninguém aqui pra te proibir... — mais uma pausa se seguiu. — Precisamos conversar.


Notas Finais


E ai, galera? O que acharam?
Tá bem, tá bem... Eu sei que não fiz muito avanço com o capítulo, mas acredito que fanfics são feitas para serem saboreadas vagarosamente, a fim de aproveitar cada sensação vivida juntamente com o personagem...
Espero realmente que tenham gostado, e desculpem o susto do "quase estupro". Quero que se tranquilizem e leiam sem medo, pois se e quando tivermos cenas mais explícitas, avisarei nas notas iniciais...
Enfim, comentem ai. Digam o que acharam, e tals...

Até a próxima, babys!!
Beijinhos da Srta. Jeeh Snape :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...