História Dois lados de uma história-Mika- - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts
Visualizações 10
Palavras 2.383
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor



Capítulo 3 - Coreia, la vamos nós


Fanfic / Fanfiction Dois lados de uma história-Mika- - Capítulo 3 - Coreia, la vamos nós

Cheguei em casa por volta das 20:50. Eu estava morta por dentro. Meus músculos estavam completamente doloridos.

(...)

Estava além do 7 sono quando meu celular começa a tocar.

Ligação on


Jully: amigaaa


Mika: oque você quer? Eu estava quase dormindo


Jully: so queria saber como você esta


Mika: com sono e dor


Jully: Ta ta, ka. Entendi...tambem te amo


Mika: tchau


Ligação off


ela desliga, mas fica difícil voltar a dormir. “deve ser karma, só pode”. Fico olhando para cima pesando na vida, como quando eu era criança e meus pais brigavam. A diferença e que quando criança, o sono colaborava e dava as caras, mas agora ele está bravo comigo e não quer vir.
“porqueeeeeeeeeeeeeeeeeeee?”
 

(...)

meu despertador toca. 8:00. FACULDADEEEE NÃÃÃÃÃO. Me levanto rápido e vou até o banheiro. Eu corpo todo doía, estava exausta, mais não podia fazer muita coisa alem de tomar um remédio.
Depois de pronta pego um comprimido para dor muscular e coloco no bolso da calça.
Chegando perto da faculdade, um carro para do meu lado e buzina cm o vidro abaixado. Era Miguel.
“aaa vou murrar sua cara desgraçado”

Ele sorri jogando a franja para o lado.

Um calor percorre meu corpo todo.

Miguel: Mika, posso conversar com você mais tarde?

Mika: hurum...

Estava tão vidrada naqueles olhos azuis que nem percebo o que disse.
Ele sorri e estaciona o carro mais pra frente.
sigo meu caminho me xingando muito

Mika: aaa como eu me odeio puta merda eu vou me mat...

Gustavo: MIKINHAAAAA

Gustavo era meu amigo da faculdade. Ele ficava La em tempo integral, por isso éramos muito grudados. Quando alguma coisa dava errada em casa, o única lugar em que podia ficar era no quarto do Gustavo, que agora estava sendo ocupado pela Duda, outra doida que eu amo <3

Mika: oi peste

os braços do maior envolvem minha cintura logo depositando um beijo demorado em minha bochecha.

Gustavo: quue foi? Que cara xoxa é essa? Viu um fantasma?

Mika: foi um anjo do mal mesmo

Gustavo: credo, foi o Miguel?

Mika: certo

Gustavo: o que esse menino fez denovo com você?

Mika: machucou meu coraçãozinho

Gustavo: agora você vê..marmanja com quase 30 anos na cara tendo desilusões amorosas

Mika: me deixa coisinha

nos andamos rindo até a faculdade. Quando chegamos eu fui direto para meu armário organizar algumas coisas. Meus livros estavam entulhados, uns em cima dos outros, havia boletins colados na parede do armário e em cada canto do mesmo havia um cotoco de lápis. Estava um verdadeiro inferno, e tinha certeza de que ficaria mais ou menos 1 hora para arrumar aquela joça.
uma mão repousa em meu ombro e eu oho para a mesma. “puta....”. aqueles anéis e aquela pulseira de couro....

Mika: Miguel?

Miguel: podemos conversar?

Mika: claro.

Me levanto e começo a andar do lado dele. No começo era estranho. Ele não falava nada, só olhava para meu salto preto, que fazia um barulho alto quando em contato com o chão.

Miguel: Mika eu....peço desculpas por ontem.

Mika: hum?...a sim..

Miguel: é que eu não sabia o que falar. Estava um clima pesado e essa foi a primeira pergunta que veio na minha cabeça.

“ai meu deus...eu fui muito grossa. Mano me mata”

Mika: também peço desculpas..fui muito grossa e nem dei satisfações de nada.

Miguel: e-eu...queria te falar uma coisa...Mika...você...

Mika: eu?

Miguel: você é linda....

Mika: o-b-brigada...e-e-eu..

meu rosto já estava vermelho e não conseguia falar direito.

ele vira seu corpo contra o meu e coloca suas mão gélidas em meu rosto. Nós não trocamos olhares. Éramos muito tímidos para isso, e eu também não queria que ele me visse vermelha.

O maior começa a aproximar nossos lábios. A respiração quente e ofegante dele se misturava com a minha, fazendo com que relaxássemos em harmonia. Logo nossos lábios já estavam juntos.

O beijo dele era doce, calmo. Fazia você viajar. Seu perfume amadeirado deixava o clima muito “encantado”. Estava em um completo sonho, do qual eu não queria acordar.

 

2 meses depois.

 

Já era o dia a audição para a SM, e eu estava super nervosa.

Claudia: para de andar de um lado para o outro menina. Ta doida???

 

Eu dizia baixinho como iria me apresentar.

 

Mika: aju joh-eun, nae ileum-eun Mikaella, naneun daenseowa gasu. neoneun nae malgwa nae mo-eum-i mam-e deunda.

(muito prazer, eu me chamo Mikaella, sou dançarina e cantora. Espero que gostem dos meus paços e do meu vocal)

Sun Hee tinha me dito que essas palavras eram bem vistas e que poderia usar com traquilidade.
Era difícil me manter concentrada naquele momento, mais logo teria que ir fazer a audição, então teria que pelo menos tomar um calmante.

Claudia: Mikaella eu estou falando com você

Mika: eu estou muito nervosa mãe.

Claudia: Mika, senta aqui

Minha mãe puxa uma cadeira e coloca ela na sua frente, me obrigando a sentar.

Claudia: você se esforçou, vai conseguir passar.

Um pouco mais confiante, eu lhe dou um beijo na bochecha e vou até meu carro, que estava estacionado na esquina, logo dando a partida indo em direção ao lugar em que seriam feitas as audições.

Chego no prédio. Ele era enorme. Com certeza tinha uns 26/27 andares. (pra mim era muito ta?)
Respiro fundo e entro. Todos que estavam La pareciam super atarefados. Alguns homens vestidos de terno e gravata andavam de um lado para outro, carregando papeis, documentos e até caixas.
Vou andando “calmamente” até o elevador. Ele era lindo. Suas paredes eram de espelho, e de seus botões reluziam uma luz branca.

“to no céu e não sabia...Jeová oxum”

O elevador começa a subir,e como eu sou um pouco “doida’ eu contei quantos segundos demorariam até chegarmos no 18 andar. Foram 30 segundos.
As portas se abrem e uma sala branca é revelada a mim. Meninas de todos os estilos estavam presentes ali. Algumas conversavam sobre coisas aleatória, e outras foliavam livros de coreano.
Meu celular estava no bolso, e como estava sem nada pra fazer, descido mandar uma mensagem para a Jully,

 

WhatssApp on

 


estou indo fazer a audição agora. Me deseje sorte.

 

WhatssApp of

 

.
.          Estava esperando me chamarem. Em nenhum momento parei de mexer meu pé. O que poderia dar errado? TUDO!! Seja mais pessimista! Tudo vai dar certo Mika, você vai ver.

Um home que aparentava mais ou menos 30 anos anuncia meu nome com um sotaque fofo. me levanto e vou andando até a sala. Ela era toda branca, haviam 3 pessoas sentadas em bancos atras de uma mesa branca, ou seja, tudo ali era branco, exceto minha roupa e a roupa dos moços. Olho para todos eles e me curvo em 90 graus.

 

Mika: aju joh-eun, nae ileum-eun Mikaella, naneun daenseowa gasu. neoneun nae malgwa nae mo-eum-i mam-e deunda.

 

x1: você fala muito bem em coreano. Isso já um um ponto positivo

 

Mika: obrigado. 


x2: aprendeu sozinha? 


Mika: minha madrasta me ensinou.

 

x2: muito bom.

 

x1: o que vai apresentar pra nos hoje?

 

Mika: eu vou cantar, “eyes, nose, lips” e vou dançar “DNA”

 

x3: então vamos

 

DNA começa a tocar e eu começo a me aquecer. O ritmo começa a esquentar sinalizando que eu teria que começar a dançar. eles me olhavam cochichando um para o outro. Não sei o que era, mais estava me desconcentrando.

Foco Foco

Aqueles homens me olhavam estranhamente. De repente a música parou. Eu estava completamente perdida.

 

Mika: porque a música parou?

 

x1: Já vimos  necessário.

 

Eu fiquei sem entender nada, mais tinha a sensação de que não era coisa boa. Curvei-me perante os Jurados e sai da sala. As lágrimas já envaidam meus olhos e minha visão estava embaçada, meu corpo estava mole e meu coração parecia que não batia.

“Pedi a chance da minha vida.”

Me sentei na primeira cadeira  que vi e fiquei ali até para de soluçar. As meninas que ainda esperavam me olhavam assustadas. Estava completamente envergonha, então, me levantei rápido e entrei no elevador, que fecha as portas rapidamente. me sentei no chão do mesmo e comecei a chorar baixinho. Ninguém entrou no elevador, o que me deu mais liberdade para chorar. A porta se abre e eu me levanto rapidamente correndo até a saída. pego a chave do carro na minha bolsa e vou até o mesmo. Entro nele e logo dou a partida. Pensei inúmeras vezes em ligar para Jully, mais eram 11:00 da noite lá, e ela já deveria estar dormindo. . . .

Vou até a faculdade, mais fico do lado de fora da mesma me acalmando. O vento batia no meu rosto e fazia as lagrimas que escorriam secarem. Eu estava sozinha, meus amigos estavam estudando muito para se tornarem médicos, mais eu só levava isso como uma obrigação, e não como meu futuro. Meu futuro era a dança, mais meu pai não entendia, e isso me fazia chorar mais ainda. Minha mãe estava com câncer e não tinha dinheiro para tratar, quem nos ajudava era Sun Hee, que nunca negou nada a nós.

Ela sabia que não tinha condição financeira para pagar o tratamento, então ela ia me ajudar até me formar e conseguir um emprego. Me sentia culpada por ser uma inútil, que não tinha dinheiro nem pra pagar a conta e luz da casa em que vivia.

As horas foram passado, eu tinha ficado embaixo daquela mesma árvore chorando por mais ou menor 5 horas. Já estava anoitecendo e estava no mesmo lugar. Parada em baixo daquele ipê enorme chorando por ser culpada das coisas que aconteceram na minha família. A culpa era toda minha, e ninguém tirava isso da minha cabeça.

Uma voz rouco chama meu nome atrás de mim, e quando olho, vejo Miguel  olhando preocupado para mim.

 

Miguel: Mika, porque esta chorando?

 

Limpo minhas lágrimas rapidamente.

 

Miguel: Me diz Mika.

 

Mika: n-não é nada...

 

Miguel: você nem foi a aula, eu fiquei preocupado...

 

Mika: d-de-desculpa....

 

Miguel: vem

 

Ele estende a mão e me ajuda a levantar. Seus braços largos e musculosos envolvem minha cintura. Ele falava baixinho em meu ouvido para me acalmar.

 

Miguel: eu te levo para casa.

 

Seu dedão passa pela minha bochecha delicadamente, limpando a ultima lágrima que consegui segurar. Nós vamos andando até o carro dele. . . . Miguel me deixa na esquina de casa e vou caminhando até La. Quando chego, as luzes estavam apagadas e tinha um papel no vidro da porta “aviso de despejo” .As lagrimas que já tinham desaparecido voltam a tona, com mais força e com mais intensidade.

Cadê minha mãe?

pego meu celular tremendo e ligo pra Sun Hee

Ligação on

 

Sun Hee: Anjo

Mika: S-s-sun He-hee....fomos...f-f-fomos d-despejadas.

Sun Hee: sua mãe está aqui em casa.

Mika: estou indo par ai

Sun Hee: não venha. Ligaram da SM para seu pai..falando...(ela abaixa o tom de voz) falando que você não passou...

 

meus soluços aumentavam cada vez mais e mais. Até a vizinha do lado colocou a cabeça para fora da janela para ver o que estava acontecendo.

 

Sun Hee: depositei 20.000 na sua conta. Pega esse dinheiro e sai do país. Seu pai mandou caçarem você e trazerem sua cabeça...foge Mikaella

 

 Ligação off

 

Ela desliga o celular e eu coloco o mesmo no bolso. Pego uma pedra que tinha na varanda em torno das plantas e taco na janela que fica arregaçada. Pulo a janela e  vou para meu quarto. Coloco na mala só algumas roupas e carregador de celular. pego a mala e jogo pela janela, pulando em seguida. Arrasto a mala até o lado de fora.

“meu carro ta na faculdade, puta merda”

Vou até a esquina, e não demora muito para um taxi parar do meu lado

 

Mika: moço, me leva pro banco.

 

Ele assenta e abre a porta para eu entrar. . .
. Depois de ir para o banco e transformar todas as minhas economias e mais o dinheiro que a Sun Hee tinha me dado em Won (dinheiro coreano) vou até o aeroporto. A aquela hora não tinha mais vôo para Seul, teria que dormir no aeroporto e só embarcar no outro dia

 

no outro dia~~

 

Um vigilante vem me acordar na maior brutalidade

 

Vg: senhora, senhora acorda

 

Mika: SÃO 6:00 DA MANHÃ, VC TEM PROBLEMA SENHOR POLICIAL, NÃO TENHO ONDE DORMIR, ME DEIXA AQUI

 

Vg: poderia te expulsar

 

Mika: meto o processo em tu, quero quer quem vai ganhar.

 

O policial sai andando batendo os pés no chão de raiva, eu, por minha vez, me levanto com o cabelo todo bagunçado e vou comprar minha passagem . . . Chego em Seul em uma sexta feira, por volta das 8 da manha. Não sabia onde era a casa da Jully, então teria que ligar pra ela.    
 

Ligação on

 

Mika: Jully?

 

Jully: Que foi?

 

Mika: vem me buscar no aeroporto

 

Jully: No aeroporto? Mikaella você esta bêbada?]

 

Mika: Não

 

Jully: Mika, eu to em Seul

 

Mika: Eu também sua mula

 

Jully: EM SEUL? Como? Porque?

 

Mika: vem me buscar...quando chegar eu te explico tudo

 

Jully: Jura de dedinho?

 

Mika: juro juradinho

 

Ligação off  
.
.
.
Depois de um tempo esperando a Jully, um taxi se aproxima de mim. Jully sai correndo e me abraça fortemente, e eu retribuo com a mesma intensidade.

 

Jully: o que você esta fazendo aqui? Você quase me matou do coração

 

Mika: é que... não passei para a audição para a SM

 

Jully: É OQUE? VOCÊ DANÇA PRA CARALH-interrompida-

 

Eu coloco a mão na boca dela fazendo a mesma para de gritar

 

Mika: Nós estamos na coréia, aqui escândalo não é normal

 

Jully: desculpa...mais enfim, continua

 

Mika: então, ao invés deles ligarem para mim avisando, ele ligaram para o meu pai...e ele pediu para os capangas dele caçarem minha cabeça

 

Jully: caralho  caralho caralho caralho

 

Mika: e eu ainda fui despejada...

Jully: e sua mãe?

Mika: ta com a Sun Hee...ela me deus uns 20.000 e mandou eu fugir.

Jully: ta...você deve estar exausta. Vem..vamos pra casa

Ela da um sorriso meio e carinhoso para mim, o mesmo sorriso de quando eu chorava com por causa do Miguel, o mesmo sorriso de quando tomávamos sorvetes juntas. Era como se nada tivesse mudado. Mais do que eu, Jully estava feliz com minha presença, tenho certeza de que deveria estar se sentindo sozinha...mais agora que estamos juntas novamente vou poder matar as saudades da minha amiga.
 


Notas Finais


<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...