História Entre segredos e mistérios. Vol1: Entre segredos (Pll) - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Tags Liars, Mistério, Pretty Little Liars, Segredos
Visualizações 1
Palavras 2.218
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense
Avisos: Bissexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Um capítulo que empolga! Os dois vilões que devemos respeitar surgem! O reencontro de Nicholas e Kelly.

Capítulo 7 - A madrasta e a médica


= CAPÍTULO 6 =

A MADRASTA E O MÉDICO

Nicholas voltou para casa antes que o pai chegasse. David chegou já a noite para jantar, quando chegou viu que seu filho dormia pensou apenas que teria que acordá-lo, David era um pai ingênuo e nunca nem sonharia na saída secreta de seu filho, nem nos planos que ele tinha com Rúbia.

David o acordou e juntos eles desceram as escadas , por hora Nicholas não notou nada de diferente, até que avistou uma mulher com vestido vermelho, loira e possuía lindos olhos azuis. Ela estava sentada no sofá com uma taça de champanhe na mão.

Ela os viu descer e levantou do sofá, apertou a mão do Nicholas e se apresentou:

- Prazer Nicholas, meu nome é Emma!

- Prazer Emma, você já me conhece então não é preciso com que me apresente- destacou Nicholas com uma face seria.

David logo ficou preocupado, como explicar ao filho que acabara de perder a mãe e um dos amigos que estava namorando uma outra pessoa, que já pretendia casar com Emma, que não esperou nem que descobrissem quem a havia assassinado. Tomando coragem contou a Nicholas:

- Essa é minha namorada

Nicholas olhou serenamente enraivado com o pai, estava preparado para dar um lindo discurso sobre tudo na frente de Emma, mas, não o fez, sabia que o pai deveria se sentir bem. A perda foi para os dois e cada qual tinha um jeito de lidar com a situação.

E aliás a pessoa com quem ele escolheu para ser a “madrasta” era muito bonita e merecia um certo respeito dado por Nicholas, ela fazia o pai feliz e tudo com quem um filho se importa é aquele que sempre está ao seu lado.

Ele sabia que o pai tinha passado muito mal nessas duas semanas, a morte da esposa, a mudança de cidade, teve que lidar com o sequestro do único filho ainda vivo. Nicholas imaginava tudo isso para ser lidado apenas com a companhia de um certo vazio. Ele precisava socializar com outras pessoas.

- O que vamos comer hoje? – perguntou Nicholas bem rápido querendo desviar o assunto.

Emma se provou uma ótima pessoa, eles jantaram juntos na bancada da cozinha, ela havia levado uma sobremesa muito deliciosa que fez Nicholas desejar lamber o prato. Estava dando apoio ao pai gostando dela e não precisaria ser falso pois realmente gostou madrasta mas, algo nela o incomodava.

Ela foi embora bem tarde naquele dia, eles passaram a noite toda juntos conversando sobre livros, jogos e outras coisas. O enteado ficou muito feliz ao descobrir que a madrasta possivelmente ensinaria literatura a ele na escola de Rosewood.

Ele acordou bem cedo no outro dia, cedo o bastante para tomar café com o pai, e ainda assistir o noticiário do dia. Ambos se arrependeram muito de assistir TV aquele dia. Uma notícia os deixou abalados, a causa de morte de Margareth tinha sido divulgada.

“ Hoje descobrimos uma possível causa da morte da dona de casa Margareth Drummond, ouve luta entre ela e o assassino, haviam cortes de vidro em todo o corpo da vítima, a causa da morte foi uma pancada na cabeça, ela não morreu enforcada...”

David desligou a televisão rapidamente, antes que seu filho começasse a chorar pela mãe que perdeu, tentou puxar assunto mas, depois daquilo ele ficou bem distante, ficou muito pensativo.

- Preciso ir trabalhar agora, sei que não anda saindo por que não conhece a cidade, prometo que vamos sair amanhã no meu dia de folga- instigava David rapidamente enquanto catava papéis que estavam jogados pela casa- não vá nem na padaria hoje, o resto de nossas coisas vão chegar aqui. O caminhão vai chegar ao meio dia- Ele se dirigiu a porta e a abriu- o dinheiro do seu almoço está em cima da estante de livros no seu quarto- ele saiu pela porta e Nicholas a trancou

Não demorou muito para dar o horário em que o caminhão chegaria, os entregadores deixaram tudo dentro da casa, na primeira volta com os móveis que faltavam, ele escutou alguém o chamando do outro lado da rua.

- Nicholas?- Gritou Kelly que estava do outro lado da rua- que bom que você está bem meu amor- falou ela ainda gritando, só que estava no meio da rua- que saudade, você me fez passar maus bocado- finalizou com um abraço bem apertado

A amizade entre os dois continuava, enquanto descarregavam o resto das coisas eles conversavam como na primeira vez, como se tivessem visto um ao outro nos últimos meses, como se nada tivesse acontecido.

- E o que você faz por aqui mesmo? – quis saber Nicholas

- Estava na casa do meu namorado, depois te apresento ele, não estou pronta para apresentá-lo ainda- afirmou Kelly

Kelly começou a conversar sobre o quão maravilhoso era Harry e como o amava, falou do colega de quarto que ele tinha, mas, em nenhum momento tinha dito que ele era o antigo professor e que era muito mais velho que ela. Sempre o curioso, Nicholas tocou no assunto que o interessava:

- Você já viu uma professora chamada Emma, ela ensina literatura!

- Sim, ela mora aqui do lado, é minha professora atual, ensina o Call também ou pelo menos ensinava.

Ela explicou coisa por coisa, do acontecimento com A.D, disse que não sabia o porque do Call ter sido internado, falou sobre a Chloe e que alguém queria que todos estivessem juntos, a mesma contou todos os acontecimentos daquele dia que tinha sido o pior da vida de Kelly.

- Sabe chegar no sanatório? Ou na casa da Emma? – perguntou Nicholas meio que tramando algo- me leve na casa da Emma e depois no sanatório

- E os entregadores?

- Esperamos eles acabarem

Ambos entraram e tomaram refrigerante, quando todas as coisa foram despachadas para dentro, ele assinou um papel afirmando o recebimento, tomou banho e saiu em direção a casa de Emma com Kelly, por mais que Nicholas tivesse simpatizado com ela, tinha que verificar algumas coisas.

Eles chegaram e bateram na porta como dizia o plano: eles chegariam e bateriam na porta para verificar se ela estava em casa, se estivesse, Kelly inventaria uma desculpa, se não estivesse eles invadiram a casa para achar qualquer coisa que a incriminasse. Depois de 5 minutos eles chegaram a conclusão que ela não estava em casa, Nicholas achou um clip e com ele arrombou a porta, eles entraram e fecharam a porta.

- Qual seu interesse nela? Se ela chegar vamos precisar de alguém para distraí-la, não?- perguntou Kelly no tom de medo, ela sempre sofria por algo em antecedência

- Ela está namorando com o meu pai e não precisa de ninguém dá para se esconder e sair rapidinho.

Começaram a procurar cuidadosamente por coisas, de cômodo em cômodo. As fotos eram muito chamativas então pararam para olhar todas elas, umas chamaram muito a atenção deles. Na foto ela segurava um bebê e em outra estava grávida e o homem que aparentemente era o pai, estava beijando a barriga grande que ela estava.

- Kelly vem ver isso!

- Ela tem um filho- surpreendeu-se Kelly- ela promete ser bem nova

Kelly retirou a foto do porta retrato e olhou o verso, nele dizia que ela tinha apenas 17 anos em 2017 o que diria que hoje ela tem 34 e o filho 17. Continuando eles foram para um dos quartos, o que provavelmente era o dela. Abririam todas as gavetas se a primeira não tivesse fechada a chave.

O som de um carro estacionando ecoou pela casa, e logo depois a porta se abriu.

- Não acredito que esqueci de trancar a porta- Especificou Emma indo até o quarto e colocando a bolsa em cima da cama- Daniels você tá aqui- falou andando até a sala, um vulto passou por suas costas até o guarda-roupa- tem alguém aí? Daniels?- Disse indo até a janela, olhou por ela e não viu ninguém, então abriu a bolsa e pegou um frasco- Tenho que esconder isso.

Emma pegou a chave que estava dentro do abajur e abriu a gaveta, colocou o frasco dentro da gaveta e se retirou do local fechando a porta do quarto, os garotos saíram de dentro do guarda-roupa:

- A chave tá no abajur- Disse Nicholas- pegue Kelly- imperativizou o mesmo

Ao pegar a chave eles abriram a gaveta e viram o frasco, era veneno para ratos, estava cheio, ainda não tinha sido usado, mas, foi uma pasta que Nicholas abriu que deixou tudo claro. A pasta tinha várias certidões de casamento, e de óbito. Todos os caras que ela casou morreram de uma forma ou de outra.

Eles arrumaram tudo como estava, tiraram algumas fotos nos celulares e colocaram a chave no mesmo lugar, pularam pela janela e foram até a porta de entrada, saindo pelo mesmo lugar no qual tinham chegado, mas, Emma viu enquanto eles saiam correndo.

Emma fechou a cortina, foi até a cozinha e pegou um martelo. Desceu até o porão com uma faca na mão direita e um martelo na esquerda, depois ela cortou o braço com a faca. Ela cortou-se duas vezes no braço esquerdo e quebrou o encanamento inundando assim toda a casa.

- Você não vai sair por cima Nicholas! O destino do David é outro – Sussurrou para si mesma

Nicholas e Kelly foram andando pelo centro da cidade, passando pelas lojas e comentando sobre o que os dois haviam acabado de ver, Kelly achava que o veneno era para ratos, já Nicholas achava que ela ia tomar e cometer suicídio por ser tão azarada a ponto de ter 3 maridos mortos.

- Realmente é muito azar- Falou Kelly rindo- casar 3 vezes, engravidar e todos os maridos dela morrerem? Tomara que não aconteça comigo

- Mas, e se... – Começou Nicholas a suspeitar- e se ela matou os 3 e pegou todo o dinheiro, e se fossem homens ricos?

- Não acho muito possível ela é muito gente boa não faria isso, vamos ao Welby falar com o Call

Eles chegaram no lugar mais sofrido é calmo que já haviam visto, o sanatório Welby. Era todo branco, os médicos vestiam branco e as pessoas também iam de branco.

- Será que o céu é tão branco quanto esse lugar? – perguntou Nicholas

- Eu acho que o céu é Azul- disse Victor de aproximando

- Victor- gritou baixinho Kelly correndo para abraçá-lo

Kelly explicou a situação à Victor que informou que o pai estava atendendo um paciente com o nome de Call Marin, e que poderia conseguir um passe para que eles pudessem conversar com ele.

- Meu pai acha que eles se envolvem melhor assistindo filmes, então essa hora ele deve estar acordado- afirmou Victor- quem é ele?- perguntou Victor a Kelly

- Esse é o meu amigo, Nicholas- apresentou Kelly- Nicholas esse é Victor, Victor esse é Nicholas

- Prazer- agradeceu Nicholas por conhecê-lo

Os 3 foram juntos até o quarto de Call que como o filho do doutor dissera estava assistindo filme, estava assistindo “A procura da felicidade”, Os amigos já tinha visto aquele filme juntos dezenas de vezes. Quando os dois se olharam, passou um flashback na cabeça de Nicholas. Uma lembrança do dia em que se conheceram.

Mylenna e Nicholas namoravam e o relacionamento tinha acabado naquele mesmo dia, Call foi tirar satisfações com ele sobre ter machucado a irmã que tanto amava, tinha ido por ódio e acabou ficando por amor.

- Mylenna não gosta de mim, Call. Ela gostava do Alec e não posso nutrir um sentimento que não existe, não nos conhecemos mas...

- Te entendo- interrompeu Call, e a partir desse dia eles se tornaram amigos

Uma amizade complexa, que não poderia ser quebrada nunca, Call se levantou da cama e correu para abraçar seu amigo, eles se abraçaram e quando Kelly percebeu eles estavam chorando.

- Que bom que está bem! Senti sua falta- disse Call, ainda chorando

- Eu também senti a sua- retribuiu Nicholas o afeto

- Quem autorizou isso? – Disse um homem de jaleco branco que entrou na sala e retirou Nicholas de dentro enquanto Call gritava para ele não ir, outro médico entrou e o segurou.

Pela semelhança era com certeza o pai de Victor, os mesmos cabelos castanhos e os olhos esverdeados, se não fosse pela altura e pelo porte físico do pai que era muito mais excessivo que indo filho, seriam gêmeos idênticos, seu nome estava no jaleco, o nome era Thomas Raveclock.

- Vou ligar para a mãe do garoto, enquanto isso vocês ficam aqui, e sobre o que fez Victor nós vamos resolver em casa.

- Certo- falou Victor com tristeza na voz

Thomas ligou para a Hanna que depois de uns 10 minutos apareceu no sanatório com Spencer:

- O que faz aqui Nicholas? – perguntou Spencer- não devia está aqui

- Spencer olhe para o seu lado direito- disse Hanna- ele voltou

  Spencer foi correndo até alguém que Kelly disse que se chamava Barry e o abraçou, Hanna teve uma séria conversa com os garotos e os perdoou, entendendo que Nicholas queria ver o amigo. Barry sussurrou algo no ouvido de Spencer, mas, não deu para escutar, Kelly percebeu que Victor mostrava uma feição raivosa enquanto olhava para os dois.


Notas Finais


Próximo capítulo quarta às 21:00 hs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...