História Eu Quero Você - Capítulo 10


Escrita por: ~ e ~Tokki2

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!jungkook, Especial 700 Seguidores, Fluffly, Jikook, Menção Namjin, Menção Taegi, Mpreg, Romance, Top!jimin
Visualizações 621
Palavras 1.562
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁ AMORINHAS!!!

Capítulo 10 - 09. Kwan chegou!


As horas, os dias, os meses se passavam tranquilamente. Eu estava frequentando mais a casa de Seokjin que a minha própria já que Kook intimava minha presença toda vez que acabava o plantão no hospital. Não que estivesse reclamando pois passar todo o tempo com meu namorado era extramamente satisfatório. Ver cada etapa e evolução da gravidez de pertinho era gratificante.

Quando chegou o dia do casamento de Jin e Namjoon, foi uma grande correria. Jeon ficou o tempo todo ao lado do primo, ajudando-o e dando apoio emocinal aquele ser pessimita o que fez com que nos vissemos somente na igreja. Ele estava maravilhoso naquela roupinha folgada e com seu barrigão. Bati uma, na verdade várias, fotos para guardar de lembrança. 

— Está tão lindo, meu amor. — disse e o selei assim que veio ficar ao meu lado. Sua família estava nos encarando, eu podia sentir.

— Obrigado, Ji. — sorriu lindamente. — Você também não está nada mal. Parece um galã de cinema. — rio, ele me acompanha.

— Você falou como sua avó.

— Eu percebi! Bem, já tem quase um mês que não sinto nada forte, tomara que não sinta hoje.

— É verdade. Sementinha, não faça o omma ficar sem capacidades hoje, está bem? — acaricio sua barriga. — Se você se comportar direitinho, te dou chocolate. — ele revirou os olhos. Jeon não gostava muito de chocolate e eu sempre insistia que o bebê amava. Todos irão ver quando Kwan nascer - ah, sim, Kook fez ultrassom e é um menininho - que tenho razão.

— Está nervoso no meio deles? — cochichei. Era a primeira vez que via sua família após o incidente. 

— Não. Não ligo para o que eles nem ninguém pensa. E você? 

— É assim comigo também. — sorrimos.

A música logo começou a tocar, Jin estava lindo, Nam também. Todo mundo estava com exceção ao pai do Jungkook, aquele ridículo. 

Foi uma cerimônia simples e bonita. Jungkook ficou chorando o tempo inteiro agarrado a mim. 

— Eu me emociono tanto... Sou um idiota, não é? — fungou.

— Não. É normal, a maioria das pessoas ficam assim. — ele deitou a cabeça no meu ombro. — Consegue imaginar nós dois, um dia, no lugar deles?

— Consigo! — sorriu em meio as lágrimas.

— Então guarde suas lágrimas para esse dia porque a emoção será ainda maior. 

Bem, a festa foi divertida mas nem na metade dela fomos embora porque meu fofuxo estava cansado. Eu o entendo, estar grávido às vezes não é fácil. Como de costume, fiz carinho nele até dormimos.

(...)

O grande dia chegou, não sei explicar o quanto estava nervoso! Jungkook está em trabalho de parto nesse momento e eu me encontro ansioso demais. Não sei o que é pior, estar lá dentro sendo cortado - com anestesia mas que mesmo assim você sente mexendo na sua barriga - ou aqui de fora esperando notícias. Que aflito! 

No fim tudo deu certo, fiquei aliviado ao saber que ambos estavam bem. Tive que esperar mais para então poder entrar no quarto. Trouxe uma câmera comigo e fotografava os mínimos detalhes até por onde passava. Kook estava com aparência cansada mas sorria alegre, fitando o bebê em seus braços. Essa foi a primeira foto que tirei dos dois.

— Hey. — disse baixo, aproximando sorridente. — Vim ver como vocês estão e também finalmente conhecer o sementinha. 

— Estamos bem. Diga oi. — falou segurando a mãozinha pequena. — Oi! — fez uma voz fina e infantil, sorrindo pra mim.

— Ele se parece com você. 

— Quer pegar? — assenti. 

— Kwan você é muito fofo. Me sinto feliz de conhecer você. Eu vou cuidar de você pra sempre. — quando vejo Kook está chorando.

— Amor, o que foi? Uhm? — acaricio seu rosto com a mão livre.

— Ah, como eu amo vocês dois! Eu estou tão feliz que não cabe dentro de mim. 

— Eu sei. — o selo. — É mais que emocionante. — ficamos um tempo abraçados, sorrindo para o bebê. Era estranho como um ser tão pequeno trazia tanta alegria somente por existir. 

— Trouxe meu celular? — apalpou meus bolsos. 

— Olha seu omma inventando desculpas pra pegar na minha bunda. 

— Jimin! — exclamou mas acabou rindo. — Você é um idiota. 

— Está no bolso da frente.

— Eba! Vamos tirar a nossa primeira selfie!

.

.

.

Foi complicado no início, eu tirei umas férias para poder ajudá-lo até o Jin voltar da viagem longa que fora com Namjoon. As coisas demoravam mas iam se encaixando aos poucos. E eu só via mais e mais o quanto ter um bebê era difícil, porém, a sensação de felicidade que ele trazia era impagável.

Quando o dono da casa voltou, saí das férias despreocupado pois Seokjin sabia mais do que ninguém como cuidar de um bebê e tinha certeza que auxiliaria Jeon no que fosse preciso. Passei a trabalhar um dia sim e um não. Às vezes ficava dois dias seguidos no hospital - cochilando sempre que possível - para poder ficar com meus dois amores por mais tempo. Fazer o que, a presença deles vicia. 

Eu estava pensando pedir para Jungkook ir morar comigo mas me sentia receoso. Ele mesmo disse que precisava da ajuda de alguém confiável pois tinha medo de cuidar do bebê sozinho. Onde estava tinha esse alguém, aprendia com ele como tudo funcionava, não podia tirá-lo de lá. Não por enquanto. Quem sabe daqui um tempo, quando Kook estiver confiante que pode cuidar do Kwan sozinho, faço tal proposta. Espero que quando o dia chegar, ele aceite.

Nesse exato momento estou aqui na casa do Kim dando mamadeira pro sementinha enquanto meu namorado descansava.

Por mais que eu fosse todo confiante, brincasse e tudo, no fundo tinha medo de não ser aceito como pai dessa criança. Insegurança é foda. Mas Kwan havia se apegado a mim numa rapidez incrível e eu me encontrava super feliz com isso, talvez foi um dos motivos da minha insegurança ter dado uma aliviada. 

— Jin?! A campainha! — exclamei mas aparece que ele não estava. Desci as escadas com cuidado e atendi a porta com o bebê nos braços. 

— O que faz aqui? — perguntei sério ao... acho que posso chamá-lo de inimigo. Ele sorri ao ver o bebê.

— Vim conhecê-lo.

— Sinto que não será possível. — sorrio falso.

— E quem é você pra me impedir? 

— Quem é, amor? — ele chega na porta. — O que faz aqui, Yoongi? Eu disse que não queria ver sua cara.

— Vim ver meu filho!

Seu filho? — olha por todo lado. — Não estou vendo filho seu por aqui. Se pensa estar se referindo ao bebê nos braços do meu namorado, saiba que cometeu um terrível engano. Ele é unicamente meu e do Jimin.

— Você não pode fazer isso, Jungkook. Eu sei que fui um idiota mas eu estava com um puta medo. Eu tenho meus direitos como pai e ninguém pode me tirar! — que babaca.

— Kwan não merece ficar ouvindo isso. — dou as costas, voltando pro quarto.


Pov's Jungkook


Encaro Min de braços cruzados.

— Eu sabia. Sabia que ia se arrepender e vir querer vê-lo. — balanço a cabeça negativamente. — Pode dizer o que quiser mas Kwan não pode ter três pais, pelo menos não no registro no qual ele já tem os dois.

— Entendo. Não estou querendo tirá-lo de vocês ou algo do tipo, só gostaria de vê-lo de vez em quando. Me sinto no direito disso. Por mais que tenha errado, você não pode me negar de querer estar presente. Kook, você tem um ótimo coração. Me perdoa. Eu realmente me arrependo, e muito, de ter te tratado daquela forma. Mas saiba que não tinha o porque querer te manter comigo, sei que não seria um bom pai e não conseguiria te ajudar com nada. Sei que não estou em posição de exigir o que é que seja, por isso, não o faço. Eu só desejo, só peço que, por favor, me permita estar com ele de vez em quando. Querendo ou não eu faço parte disso e agora reconheço. Bem... eu trouxe um presente. Se não quiser posso levá-lo de volta...

— Droga, Suga! — suspiro. — Me desculpa também pelas coisas que disse, eu estava frustado e a raiva tomou conta do momento. Eu nunca quis que fosse assim. Eu... não me importo que esteja com ele nem que venha o visitar. Como eu disse, Kwan já está registrado como meu e do Jimin o que te impede de ser reconhecido legalmente mas isso não te impede de ser um terceiro pai na vida dele. Farei com que ele entenda futuramente. Eu te perdoo e te dou uma segunda chance. 

— Obrigado. — sorri alivado. — Então... Posso entrar? 

— Claro. — ele me segue até o quarto onde encontramos Park. — Hey! — chamo sua atenção. 

— Ele dormiu. — se levanta da cama, o sorriso logo some ao ver Suga.

— Que bom, as cólicas estavam o atrapalhando, tadinho. 

— O que ele...?

— Deixei que entrasse. Nos conversamos e agora Yoongi tem uma segunda chance. 

— Hum.

— Posso pegá-lo? — assenti. — Tão bonitinho. Ele é a sua cara, Kookie. 

O tempo todo que ficamos conversando sobre o bebê, Jimin ficou dando sorrisos falsos e agindo estranho. Depois simplesmente pegou suas coisas e foi pro plantão. Certo, algo está errado. Ele está com ciúmes? 


Notas Finais


Kook fez certo perdoando Yoongi?

Oq vcs acham dos sentimentos de Jimin? Ciúmes, insegurança, ou os dois? Será q isso vai causar uma DR?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...