História Filha das Ruas - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Visualizações 94
Palavras 3.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIIIIIIIIIIIIIIIII


BOINHA LEITURA

Capítulo 44 - Happy Birthday my girl


Luna

Abri os olhos pela terceira ou quarta vez naquela madrugada, o que me fez suspirar alto, eu estava irritada e ao mesmo tempo preocupada com tudo, confesso que estava com medo das palavras de Erick, e talvez, mas só talvez, acreditando nelas.

Mas uma coisa martelava de um jeito gritante em minha cabeça, me dizia ferozmente que Justin não seria capaz, para relevar tudo que escutei ontem, ignorar e seguir em frente.

Porém, minhas paranóias estavam saindo em primeiro lugar nessa corrida.

O que não era bom.

Contar para Justin ou ignorar e fingir que nunca ouvi nada?

Segunda opção, claro. ÓBVIO.

Armar outra guerra nessa casa seria covardia demais para uma pessoa do meu tamanho, e afinal, em matéria de esconder coisas de Justin eu tirava dez, não é mesmo?

- Ta sentindo alguma coisa?- Falando em Justin, o olhei, Justin permanecia de olho fechado, enquanto tateva a mão sobre meu corpo por cima das cobertas, com certeza procurando meu rosto, logo ele achou começando a acariciar o mesmo.- Por que está acordada?

- Não sei.- Sussurrei.- Apenas acordei.- Justin assentiu, pela primeira vez ele havia engolido uma explicação bosta minha, talvez efeito do sono. Logo sinto uma perna intrusa em cima das minhas, Justin praticamente rastejou até chegar em minha barriga, apenas para se deitar em cima, ri pelo nariz, passando meus dedos por entre seus fios loiros.

- E se a gente casar amanhã?- Arregalei meus olhos, começando a rir em seguida.- É sério palhaça.- O ouvi rindo também.

- Justin você é tão sonhador.- Sorri.- Mas eu acho uma boa idéia.

- Então vamos, nossa lua de mel vai ser no Ártico, e o nome dos nossos tri-gémeos vai ser, Justin jr, Janete e Julian.

- Eca.- Fiz careta.- Que horríveis Bieber, pra que tanto J?

- Quero que a letra inicial dos meu filhos seja a mesma que a minha, ou seja, J.- Sorriu de lado.- Na verdade, pensando bem, seria bonito colocar a minha e a sua.

- No mesmo bebê?

- Claro que não, não vamos ter só um filho.- Assenti.- Então cada um a gente coloca a inicial dos nossos nomes.

- Hmmm, Jorge e Leandra?

- Muito comuns.- Dei risada.

- Junessa e Leone.

- Enfeitados demais, se for menino, eu gosto de Jordan.- Sorri, eu havia gostado desse.

- Jordan, soa forte.- Sorri.- E se for menina?

- Daí você escolhe.- Me olhou.

- Olivia.- Justin franziu a testa.- Chamaríamos ela de Liv, tem um L.

- Eu nunca iria pensar nisso.- Se sentou na cama, ligando o abajur que ficava do seu lado.

- Isso por que você tem metade de um cérebro, a outra funciona apenas em emergências.- Pisquei, desligando o meu abajur, precisava dormir rápido, amanhã vou ver Jeremy e perguntar a ele sobre algumas coisas, já que Meg cancelou comigo para encontrar Antony, sim. Eu estava sacrificando minhas fofocas do dia para a alegria de Megory.

Acordei algumas horas depois, com Justin deitado em cima de mim enquanto mantida suas mãos entrelaçadas na minha cintura, como se eu fosse uma verdadeira boneca de pano, me lembro de ter o deixado falando sozinho ontem a noite, sobre suas faculdades, cursos e o quanto está feliz de terminar o estágio na E.C.O, logo após isso, lembro de mais nada.

Comecei a desenrolar Justin do meu corpo, quando finalmente consegui o vi suspirar e virar para o outro lado, agarrando um travesseiro. Me levantei devagar da cama, indo na ponta dos pés para o banheiro.

Quando saí não encontrei mais Justin na cama, apenas dei de ombros e segui para o closet, percebendo um embrulho de couro preto enorme, reparei que no fim dele havia um tecido prata, o que me deu uma vontade enorme de abrir aquilo, porém, Justin me interrompeu.

- Não pode.- Falou, enquanto me abraçava por trás.- Não estrague a surpresa.

- O que é?

- Surpresa.- Bufei, ouvi Justin rir, e logo sair do Closet, olhei para os lados e praticamente corri para perto da "sacola".- Fica longe do cabide Ezequiel.- Justin gritou do quarto, o que me fez revirar os olhos, "só uma olhadinha poxa", pensei.

Desisti rápido daquele embrulho no momento em que o Zíper não desceu, sentia que aquilo era macumba de Justin, então simplesmente soltei, indo vestir minha roupa.

Desci correndo as escadas, literalmente rodando assim que pisei na sala, procurando por Justin.

- Bieber?- Chamei, não obtendo resposta. Me direcionei para o corredor do escritório, parando na metade do mesmo assim que passei pela porta e vi mais um embrulho no meio do cômodo, mas aquele não estava em um cabide, ou seja, eu posso abrir?

Caminhei olhando para os lados, logo já estava perto daquele quadrado grande e colorido, meio impossível não notar esse troço, lona de circo perde pra esse papel se presente.

Encostei apenas o dedo na caixa, ouvindo Justin Gritar "parabéns" no meu ouvido, me fazendo responder com um tapa.

- Que susto mané.- Gritei, o vendo rir, Balancei a cabeça e o abracei forte, agradecendo baixinho.- Esse você pode abrir.- Falou sorrindo assim que me soltei dele.

Sorri abertamente, rasgando o embrulho sem dó, dentro dele havia uma caixa Vermelha enorme, escrito "Olá mamãe" Franzi minha testa e olhei para Justin, ele apenas indicou para mim continuar abrindo.

Foi o que fiz, puxei o grande laço Branco, vendo a caixa abrir sobre o chão, meus olhos se encheram de lágrimas assim que vim o pequeno filhote no meio dela, era um cachorrinho.

Me ajoelhei o pegando no colo, Justin logo fez o mesmo do meu lado, começando a passar a mão no bichinho.

- Poxa.- O olhei.- Obrigada.

- Feliz aniversário Ezequiel.- O beijei, com uma alegria enorme no peito.

- Olá Alasca.- Olhei para o cachorro, que já se encontrava dormindo no meu ombro.

- Alasca?- Justin franziu a testa.

- Ela é branca como a neve e os olhos são azuis como o céu.- O olhei.- Ela me lembra o Alasca.- Sorri.

- Você vai dominar o mundo Luna, escuta o que estou dizendo.- Deu risada, me fazendo o acompanhar.

[...]

- Tenho que sair, mas ela não deixa.- Reclamei, me encontrava jogada no sofá junto com Justin, havíamos acabado de tomar café, então deitamos pra assistir TV, mas o bebê deitado na minha barriga chamava mais atenção do que o desenho.

- Luna, Alasca ta dormindo, como assim ela não deixa.- Deu risada.

- Olha, a cara dela não me deixa sair.- Apontei.- Ela parece você.- Brinquei, começando a rir, peguei Alasca no colo e entreguei para Justin, me levantando em seguida do sofá.- Volto daqui duas horas.- Justin assentiu, sem tirar os olhos da cachorra, Revirei meus olhos ignorando aquilo, dei um beijo na testa de Justin e peguei o Skate, saindo rápido dali, quanto mais rápido eu saísse, mais rápido eu voltava pra apertar Alasca.

Justin

Eu tinha duas horas para organizar tudo, enfiar os convidados aqui dentro e planejar o resto. Sei que Luna tinha me pedido para não fazer uma festa, mas eu não podia deixar o aniversario dela passar em Branco, então vai ter festa sim, e se ela reclamar eu faço outra.

Sem ela saber, claro.

Coloquei Alasca em cima do sofá e chamei JB com um assobio.

- Olha aqui.- Apontei para Alasca.- Ta vendo essa bolinha de pelos branca, é sua irmãzinha mais nova, então trate de cuidar bem dela, escutou?- O cachorro apenas virou as costas e voltou para o lugar de onde veio.- Ta.

Peguei meu celular e digitei o número de Antony. Depois que expliquei tudo a ele comecei a ligar para as outras pessoas, todos que Luna já tinha tido contato, é claro.

Menos uma.

Assim que terminei as ligações fui ver a decoração, tudo iria rolar no Jardim dos fundos, então deixei nas mãos das empregadas e até dos seguranças do meu pai, todos ali faziam alguma coisa, uns limpava, outros colocava as mesas, outros a decoração, não tinha ninguém parado.

Após algumas horas, tudo estava pronto, e por incrível que pareça eu estava agradecendo muito a Luna por ter demorado, mesmo sabendo que ela só não havia chegado ainda por que Jeremy estava fazendo um ótimo trabalho em ser uma tia fofoqueira por um dia.

Eu já me encontrava vestido e com a máscara na mão, já ouvia o som de todos lá embaixo junto com a música clássica que tocava, encarei a chave que estava em cima da minha cama, em seguida a pegando e colocando no meu bolso, esse seria o meu toque final para essa noite, e eu planejava, torna-la inesquecível para nós dois.

Luna

Estava voltando com Jeremy para a mansão, ele havia saído mais cedo do que o normal e eu mais tarde do que planejava, de alguma forma nossa conversa tomou um rumo completamente longo.

Eu estava super animada com tudo que nós havíamos combinado, e com a ideia incrível que eu tinha em mente. Bert's iria ganhar uma empresa Alpha, o que iria me ajudar a gerenciar todas as lanchonetes da cidade do país e do mundo, aquilo era incrível.

Além das lanchonetes, Jeremy deu a ideia de uma transportadora para produtos feitos e criados por mim mesma, o que era ótimo, eu estava feliz com tudo aquilo, feliz em pensar que eu iria dar emprego a muita gente e além de não fechar a lanchonete, eu iria crescer, espalhar o nome de Marcel em todo lugar.

Eu espero que isso o orgulhe.

Me perdi tanto em pensamentos que não percebi que já estávamos na porta da casa, Jeremy disse que ia pegar algo no carro, então eu mesma abri a porta para entrar, me assustando com a quantidade se pessoas mascaradas naquele cômodo.

Logo que perceberam minha presença sorriram gritando "Surpresa", batendo palmas em seguida. Sorri o mais verdadeiro possível, procurando a vítima do primeiro assassinato da minha vida.

- Gostou.- Justin perguntou se aproximando, com um sorriso tão lindo que meus planos de acabar com ele sumiram, me fazendo sorrir de verdade.

Eu não vou mentir, gostei sim dessa produção toda, estava tudo tão lindo, as cores prata e Branco chamavam completamente atenção, as pessoas estavam todas bem vestidas, vestidos longos e ternos era o que mais se via, me encarei no reflexo de uma das jarras de ferro que circulavam por ali, vendo o quanto adequada eu estava para aquilo.

- Tenho uma surpresa.- Justin começou a me puxar para as escadas, logo estávamos na porta de seu quarto, abri rápido a porta, esperando mais um cachorro correr para mim, mas não foi bem isso que aconteceu.

Encarei em cima da cama, um vestido de seda prata, com algumas pedrinhas espalhadas pelo tecido, enquanto ao seu lado tinha uma máscara branca, também com pedras brilhantes sobre ela.

- É lindo.- O peguei.- Justin, obrigada, mesmo.- O olhei, que sorria completamente animado, aquilo me deixou realmente animada para tudo que estava lá embaixo. Corri para dentro do Closet e rapidamente me troquei, dando voltas e mais voltas de frente ao espelho, realmente me admirando dentro do vestido, peguei um dos poucos saltos que eu tinha mofando dentro daquele closet e coloquei, ele era delicado e Branco, não iria fugir do padrão que aquele vestido tinha, Fiz um coque frouxo porém arrumado logo depois fiz uma Make marcada, realçando meus olhos azuis, passei um batom vermelho sangue e finalmente coloquei a mascara, ficando satisfeita com o que eu estava vendo.

- Deveria soltar mais esse mulherão que tem dentro de você.- Justin se aproximou de mim, com um sorriso lindo no rosto.- Está tão linda.- O olhei através do espelho, sentindo minhas bochechas queimando.- Isso é um obrigado?- Assenti.

- Eu não reajo bem a elogios.- Dei risada.- Ele é realmente lindo.- Girei.- Simples do jeito que eu gosto.- Voltei a olhar para Justin.- Assim como você.

- Eu sou simples?- Me abraçou.

- Para mim é sim.- Sorri, ouvimos batidas na porta do Closet, vendo Antony e Meg passar por ela, cada um com uma caixinha média na mão.

- Feliz aniversário Lua.- Meg me abraçou, logo depois Antony fez o mesmo, encarando o vestido com atenção.

- Acho que esse foi o melhor trabalho que já fiz.- Sorriu satisfeito, suspirei surpresa.

- Você que fez?- Ele assentiu.- Uau Antony, achei que só gerenciava o ateliê.

- Mas é claro que não.- Deu risada.- Tenho minhas próprias peças por aí, e essa ficou tão linda, que entrará para a minha coleção de final de ano.- Sorriu.

- Vai fazer meu vestido de casamento.- Brinquei rindo.

- Se me pedir, faço um dos mais lindos para você.- Piscou sem jeito e saiu do closet, me fazendo perceber Meg ali, com os braços cruzados e a maior cara fechada.

- O que Megan? Pra que essa cara?

- Eu não queria estragar sua festa, ou o seu dia mas...- Suspirou.- Eu vi a Caroline conversando com um homem hoje, um homem que se chama Erick.- Arregalei meus olhos, sentando de imediato em uma das almofadas espalhadas ali.- Eles falavam sobre uma venda, sobre transporte e sobre a Argentina, não consegui ouvir mais nada, eles se afastaram.

- Tem certeza disso?

- Absoluta, e tenho certeza de outra coisa também.- Se aproximou.- Caroline sabe do seu dinheiro, e foi ela que contou a ele.

Eu havia passado todas as informações da tarde anterior para Meg enquanto voltava da empresa, chutamos várias teorias mas nenhum envolvia Caroline no meio, eu nunca quis que uma coisa não fizesse sentindo como agora.

O pior era que fazia.

- Não, impossível.- Me levantei.

- O que é impossível?- A voz de Justin soou atrás de nós, me fazendo encarar Meg praticamente implorando para que ela abrisse a boca.

- Algum presente ser melhor que o meu.- Falou rápido, assenti sorrindo para Justin, que deu risada. Ele havia acreditado.

- Tenho certeza que o meu ganha Megan.- Piscou para a loira, que deu risada, descendo junto com a gente todos aqueles degraus que davam acesso para a escada.

Eu tinha certeza que já havia se passado pelo menos três horas desde que eu sai do quarto com Justin, e todos ali ainda pareciam animados com a festa. Metade daquelas pessoas trabalhavam na E.C.O, pessoas que eu só havia dito "bom dia" ou "olá" e algumas eu só corri os olhos nas minhas poucas idas a empresa.

Estava concentrada em contar os andares do bolo, quando sinto alguém puxar meu vestido freneticamente, assim que olho para baixo meus olhos se acenderam, e um sorriso que mesmo eu não vendo, sabia que estava lindo surgiu no meu rosto.

- Hey Bela.- Me a baixei, pegando a garotinha loira e sorridente nos braços.

- Te achei princesa.- Apertou meu rosto, dei risada.

- Acho que a princesa de hoje é você, não acha?- Ela riu. Bela era realmente encantadora, tinha os olhos castanhos azulados que na luz ganhavam um brilho imenso, seu cabelo era da mesma cor do meu, porém mais ralinhos e curtos, ela usava um vestidinho rodado nude, com uma sapatilha da mesma cor nos pés, definitivamente uma princesa.- Agora me diz, por que me procurava?

- Queria saber se ainda tem a coroa que dei pra você.- Falou sem jeito, sorri de lado.

- Quer ela de volta?- Bela assentiu.- Vamos buscar.

Me encontrava literalmente caçando a bendita coroa no meio das minhas coisas, enquanto Bela permanecia imóvel sentada nas almofadas, pelo menos o corpo sim.

- Por que você mora em uma casa e não no Castelo?- Dei risada.

- Nos mudamos para conhecer um novo lugar.- Nem eu tava entendendo da onde que eu estava tirando tanta criatividade e mentira.- Achei.- Falei assim que encontrei a coroa prateada, fechei a gaveta e fui para onde Bela estava, entregando a coroa em suas mãos.- Sua coroa majestade.

- Isabela?- Alguém chamou do lado de fora.

- Aqui mamãe.- A menina respondeu sorridente, logo a mesma moça que eu havia visto no Aniversário da E.C.O entrou, vindo direto na direção da filha.

- Não faz mais isso Isabela.- A loira brigou, mas logo voltou a sua postura assim que me viu parada ao seu lado.- Feliz aniversário?- Deu uma risada sem graça, a puxei para um abraço desajeitado, tentando eliminar aquele clima pesado.

- Obrigada...

- Lydia, me chamo Lydia.- Sorriu.- E você é a Luna, ou melhor, a princesa da Bela.- Dei risada, olhando para a menina que ainda se mantia concentrada na coroa.

- Ela é encantadora, parabéns.- Lydia sorriu.

- Ela parece com você.- Franziu a testa, intercalando o olhar entre mim e Isabela.- Nossa.

- Bela, vem aqui.- A chamei para frente do espelho junto a mim, Isabela olhou para o seu reflexo e sorriu, começando a brincar com o contorno do rosto, aproveitei para prestar atenção em nós duas.

Isabela era um pequeno clone meu, com os traços menos marcados, mas mesmo assim a semelhança era nítida.

- Que coincidência.- Olhei para Lydia, que parecia estática no lugar.- Tudo bem?

- Posso te perguntar uma coisa?- Assenti, mostrando a ela uma das poltronas, ela logo sentou.- Onde estão seus pais?- Confesso que fui pega de surpresa.

- Eu não sei.- Dei de ombros.- Fui abandonada quando nasci, passei de mão em mão, até encontrar o homem que chamo de pai, talvez eu até seja órfã.- Dei de ombros novamente.

Eu-..Sinto muito.- Engoliu em seco, sorri, tentando mostrar a ela que eu já não me importava mais, o que era uma grande mentira, mas eu posso fazer o que? Exatamente, nada.

- Olha princesa.- Bela chamou, ela estava com um dos poucos saltos que eu tinha nos pés, tentando se equilibrar sorridente como se aquilo fosse a coisa mais legal do mundo.

- Tá uma verdadeira rainha filha.- Lydia falou animada, se levantando em seguida.- Luna eu gostaria muito de manter contato com você, minha filha te adora.- Sorriu.

Manter contato comigo? Eu poderia achar isso completamente estranho, dizer que ela estava usando Isabela para chegar até mim, para ter alguma informação ou tentar uma amizade com o dono da empresa, já que ela é funcionária de uma das filiais, porém, eu disse apenas isso.- Eu adoraria.- Sorri de lado.

Lydia pegou meu número, completamente sorridente, disse que iria marcar alguma coisa para nois duas e saiu com Isabela, que novamente me deu sua coroa prateada, dizendo que essa seria a garantia de ela me ver novamente, eu gostei de ouvir aquilo.

Bela poderia ser chamada de criança precoce, tinha apenas 5 anos e já sabia ler, falava pelo menos metade das palavras corretamente, as vezes comia um "r" ou um "l" mas isso a tornava mais fofa ao meu olhar.

Justin atravessou sorridente a porta do Closet, balançando uma chave em suas mãos, franzi a testa.

- Vou ganhar um carro?- Ele negou.- Uma moto?- E novamente.- UMA CASA?- Dei pulinhos, mas parei assim que Justin negou mais uma vez, rindo.

- Para de chutar que não tem nada haver com bem material.- Se aproximou, me puxando pela cintura deixando nossos corpos colados.

- Esse é o meu presente, para nós dois.- Sorriu de lado, colocando as chaves no meio dos meus peitos, dei risada.

- Nós dois?- Arrumei sua gravata.- E o que é?

- Arrume suas malas Ezequiel, nós vamos para Santorini.


Notas Finais


Parabéns Luna ❤

Apenas mais um capítulo e vocês estarão igualados com a turma do outro site, ok? Ok.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...