História Foi Tudo Uma Aposta - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aposta, Drama, Inocencia, Romance
Visualizações 76
Palavras 831
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Capítulo 1


POV EMMA

 

Me chamo Emma Collins, tenho 18 anos — faço 19 em algumas semanas — curso a minha tão almejada faculdade de Medicina e sou considerada a nerd estranha.

 

 Tenho longos cabelos castanhos, olhos também castanhos, não sou baixa nem alta e tenho um corpo proporcional ao meu tamanho. Me visto sempre com roupas de tamanho maior, porque nunca me senti bem com aquele tipo de roupa que as meninas da faculdade usam. Parece até que estão usando calcinha em vez de short. 

 

— Emma, acorde querida. — Minha mãe fala da porta.

 

— Já vou mãe. — Digo levantando da cama com os olhos quase fechados.

 

— O seu pai e eu já vamos indo para o trabalho. Faça o café, dê banho no seu irmão e leve-o à escola. — Ela fala e logo em seguida sai fechando a porta atrás de si, me deixando sozinha no meu quarto.

 

Meus pais são donos de uma grande empresa de aparelhos hospitalares que abastece os hospitais mais sofisticados do país. Todo dia eles saem para trabalhar bem cedo e quando acordo me arrumo e vou cuidar do meu irmão. Ele tem 4 anos e é o meu bem mais precioso. Sabe quando você sente que seu mundo vai desmoronar, mas quando olha para o lado ver algo que o impulsiona a se levantar e à seguir em frente? 

 

Bem, é isso que o meu irmão me faz sentir. Arthur é o meu porto seguro, com um sorriso dele tudo pra mim se ilumina.

 

Tomo banho, visto uma blusa folgada com uma calça jeans clara e calço o meu all star branco. Prendo o cabelo em um coque, coloco os meus óculos e vou acordar o meu pirralhinho.

 

— Arthur, acorda. Já está na hora de ir para o colégio. — Falo enquanto faço cocegas no seu pé.

 

— Deixa eu dumi mais um poquinho, mana. — Ele fala coçando os olhinhos. 

 

— Nada disso, mocinho. Vamos já tomar banho. — Digo pegando ele nos braços e o jogando sobre o ombro, o que o faz soltar uma risada gostosa.

 

Dou banho nele e o deixo assistindo desenho enquanto vou preparar o café.

 

POV GUSTTAVO

 

Me chamo Gusttavo, tenho 19 anos e sou o cara mais gostoso daquela droga de faculdade. Odeio ter que acordar cedo todo dia e ir fazer uma coisa que eu não gosto. Faço Medicina por conta do meu pai, que quer que eu seja o diretor perfeito do hospital da minha família, mas o que eu gostaria mesmo de cursar era Direito, porque se têm uma coisa que eu sei fazer é direito e digo isso em todos os sentidos.

 

Tenho todas as mulheres que eu quero rastejando aos meus pés. Todo dia uma mulher diferente faz uma visitinha à minha cama, mas nunca repito a dose. Para quê eu vou querer repetir? Que eu saiba figurinha repetida não preenche álbum, não é mesmo? Bom, sou Gusttavo Lutter e faço qualquer uma se apaixonar por mim, porque se têm um cara mais gostoso e irresistível do que eu tenho certeza que ainda está para nascer. 

 

— Te levanta garoto, a única coisa que faz é ir para a faculdade e ainda não está nem aí. — Meu pai grita da porta do meu quarto.

 

— Sabe que eu odeio ter que fazer Medicina. Quantas vezes eu vou ter que dizer que eu quero fazer Direito?— Digo indo pegar uma roupa para vestir.

 

— Pode falar o quanto quiser, eu já disse que enquanto você for sustentado por mim você vai fazer o que eu quiser. — Sua voz estava carregada de arrogância e isso não era novidade para mim, já que ele fazia questão de passar na minha cara, sempre que tinha oportunidade, o seu maldito dinheiro.

 

— Quando eu me encher disso tudo — Digo abrindo os braços e olhando ao meu redor — Eu vou dar o fora daqui e nunca mais vou olhar na tua cara.

 

— E por que já não foi? Ah já sei, porque você é um imprestável que não sabe fazer nada de útil, então precisa do meu dinheiro para bancar as suas noitadas. — Seus gritos apesar de serem costumeiros me assustaram devido ao meu estado matinal.

 

— Você sabe muito bem que se eu já não dei o fora daqui foi por causa da minha mãe e da Manu, que sempre me pedem para não fazer isso. — Levanto a voz e abaixo no mesmo instante, quando vejo o seu rosto se contrair.

 

— Já está avisado, se veste e vai para faculdade agora. — Diz batendo a porta com força.

 

— QUE ÓDIO!!! — Grito jogando a primeira coisa que vejo contra a parede.

 

Entro no banheiro e tomo um banho rápido, visto a roupa que eu tinha separado e procuro meu celular. E adivinhem, a coisa que eu havia jogado era o bendito celular.

 

— Droga, droga, droga... Agora vou ter que comprar um celular novo.

 

Passo perfume e vou rumo à faculdade ver as gostosas de lá, pois é a única coisa que me anima para eu ter que enfrentar aquela chatice todos os dias.


Notas Finais


Oi amores, está aí o primeiro capítulo. Não coloquei fotos, pois acho melhor que vocês imaginem eles como quiserem. Se gostar já sabe, deixa o seu voto e comenta aí. Se não comenta do mesmo jeito assim saberei o que devo mudar e o que devo melhorar. Sugestões, idéias, críticas construtivas, tudo está valendo.
o capítulo foi curto mas prometo que adiante irei fazer maiores

Beijos e até o próximo...

Xoxo :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...