História Forbidden love - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Personagens Originais, Shawn Mendes
Tags Amigos, Amor, Atração, Brigas, Cameron Dallas, Colegial, Desejo, Família, Irmãos, Lucy Hale, Meio-irmãos, Namoro, Proibido, Revelaçoes, Romance, Sexo, Shawn, Shawn Mendes
Visualizações 115
Palavras 5.459
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI MEU AMORES !!! Sei que demorei, mil perdões por isso. Estava passando por uma correria aqui e estava sem muito tempo para escrever.

QUERIA AGRADECER MUITO PELAS 5 MIL VISUALIZAÇÕES. VOCÊS SÃO INCRÍVEIS.

Nesse capítulo vocês vão ver um lado diferente da Alana, hahaha.

Depois que eu terminei de escrever esse capítulo percebi que estou fazendo eles serem muito safados, acho que terei que parar um pouco com isso KKK

Espero que vocês gostem e boa leitura. Até as notas finais.

Capítulo 22 - Detention


Fanfic / Fanfiction Forbidden love - Capítulo 22 - Detention


POV ALANA

- Chegaremos em vinte minutos. - A professora grita do lado do motorista.

A viajem deu uma atrasada porque no meio do caminho furou um pneu e tivemos que parar, não tinha nada por perto então tiveram que chamar ajuda e demoraram muito tempo e com isso perdemos algumas horas.

- Vou ligar para o John ok? - Shawn vira pra trás e fala. 

- Pra que? O Cam disse que nos daria uma carona. - Pergunto confusa.

- Não vai dar mais. - Fala seco. 

- Não vou? - Vejo o moreno questionar confuso também.

- Não. Não vai. - Shawn diz já pegando o celular nas mãos. Nem eu e nem Cameron falemos mais nada. Decido deixar ele quieto porque pelo visto algo estava lhe incomodando.

Em menos de meia hora já estávamos na frente do colégio, avistei o carro de papai a alguns metros. Chamei Shawn e fomos em direção ao mesmo.

- Chegaram tarde né? Mary está no seu quarto ok? - Papai fala dando a partida. Já se passava das onze da noite, possivelmente já estavam todos deitados.

- Ouve um problema com o ônibus. - Shawn fala no banco da frente.

- O pneu furou. - Completo a resposta de Shawn.

Durante todo o caminho papai foi perguntando como foi o acampamento. Chegamos em casa e dava pra ver pelo lado de fora que não tinha nenhuma luz acesa.

- Querida peguei roupa pra você dormir e coloquei no quarto de Shawn pra você não precisar entrar no seu ok? - Karen sussurra assim que entramos, ela estava na sala esperando. Quase nem consigo ouvir o que ela fala de tão baixo. 

- Eu já vou dormir, tô morrendo de sono. - Shawn reclama e já vai andando em direção às escadas. 

- Bom então eu também vou. - Vou atrás de Shawn. Ainda não estou acreditando que me colocaram pra dormir com ele.

- Que calor do inferno. - Shawn reclama assim que eu entro no quarto fechando a porta logo atrás de mim. Olho pra Shawn e ele tira a camiseta. 

- Vou tomar banho. - Falo rápido pegando a minha roupa que estava em cima da cama. Entro no banheiro o mais rápido possível. Sei que já tinha visto Shawn dessa forma milhares de vezes, mas não conseguia me acostumar com ele. O seu corpo era tão perfeito que toda vez que eu lhe olhava tinha vontade de lhe acariciar por inteiro. 

Estava muito calor mesmo então aproveito pra tomar um banho bem gelado. Não demorei muito porque já estava tarde, sai do box me enrolando na toalha e pego a roupa que Karen escolheu pra mim. 

- Jura? - Me surpreendo ao perceber que ela escolheu a minha Camisola preta de renda. Ela era quase transparente, usava ela em dias bem quente exatamente como hoje. Porém ninguém nunca me via usando elas. Aliás isso era uma questão estranha, não sei porque eu sempre comprava as Camisolas mais bonitas e mais provocativas sendo que ninguém a veria. Pelo menos não por enquanto. 

Visto aquele pequeno lindo pedaço de pano e tomo coragem pra sair do banheiro. 

- Wow! - Shawn fala assim que me vê.

- O que foi? - Pergunto com medo de ser algo sobre a minha roupa já sentido minhas bochechas queimarem.

- Você demorou, tem mais gente querendo tomar banho sabia? - Ele diz já indo para o banheiro passando rápido por mim. Me viro pra trás para lhe ver e me culpo amargamente por isso, ele ainda não tinha entrado no banheiro e estava de costas pra mim. Eu tinha uma tara enorme por costas quando se tratava de Shawn então, nem se fala. 

- Se eu soubesse teria demorado mais. - Grito pois ele já tinha a fechado a porta. Olho para a cama improvisada feita ao lado da de Shawn.

Sorrio ao observar aquela cena. Eu e Shawn dormindo no mesmo quarto, brigando por um banheiro. Chegava a ser engraçado. Não sei quanto tempo fiquei ali em pé parada no meio do quarto, só percebi que devo ter demorado quando o barulho da porta do banheiro abrindo me tira do transe.

- Tá fazendo o que? - Escuto a voz de Shawn atrás de mim e me viro para lhe olhar.


PUTA MERDA SHAWN.



Ele estava com a toalha enrolada na cintura, com o cabelo bagunçado e molhando deixando algumas gotas pingarem no seu peito e escorrerem pelo seu abdômen até chegar na barra da toalha em sua cintura.

- Me empresta? - Ele sorriu esticando a mão em minha direção, pegando a toalha que ainda estava em minhas mãos, nem tinha percebido que ainda estava a segurando. Ele leva a toalha até a cabeça e começa a secar o cabelo. DEUS. Não conseguia achar palavras para descrever como era ver aquele cena, só sei dizer que o meio das minhas pernas já estava pulsando. 

- Posso dormir na sua cama? - Pergunto rápido tentando prender a minha atenção em uma conversa porque seria melhor do que apenas ficar olhando para ele.

Melhor não, mais seguro sim.

- Quer dormir comigo na minha cama? - ele parou de mexer a toalha e me olha com um sorriso safado nos lábios. Merda, não foi isso que eu quis dizer. 

- Não ponha palavras na minha boca. Quero dormir na sua cama, não quero que você esteja nela durando esse acontecimento. - Tentei soar convivente, caminho até a cama me sentando na beirada e volto a olha pra ele que ainda mantinha um sorriso nos lábios. 

- Não vou deixar de dormir na minha cama só porque você quer.

- Eu sou praticamente uma visita no seu quarto, tenho prioridade. Você dormi no chão.

- Só não vou perder tempo discutindo isso porque estou com muito sono, quase não dormi durante o acampamento, então você pode ficar com a cama. - Ele caminha até o guarda roupa abre a gaveta pegando uma cueca e depois uma bermuda na porta do meio, jogas as duas peças sobre a cama.

- Ei. - quase grito quando vejo suas mãos indo para o nó da toalha em sua cintura. - Você vai trocar de roupa assim? Existe um banheiro logo ali sabia? 

- Esse é o meu quarto, eu troco de roupa aonde eu quiser. Se não quer ver, vira de costas. - Ele sorri, leva suas mãos na cintura mas não desfaz o nó, desvio meus olhos de suas mãos para o seu rosto e ele me olhava atento ainda sorrindo. - Você não ia virar não é? - Ele ri mais ainda.

- Não seja idiota. - Falo lhe dando as costas olhando para o outro lado do quarto. Eu não sei o que estava acontecendo, mas acredito realmente que ele tinha razão. 

- Terminei. - Sinto sua respiração contra o meu pescoço e logo depois um beijo rápido no mesmo. Arrepio. Sem falar mais nada ele caminha até a cama improvisada e se deita na mesma.

- Abusado. -Murmuro indo me deitar também. 

Os minutos passavam e eu só virava de um lado para o outro, mas nada de pegar no sono. Olhei no despertador ao lado da cama, já marcava 00:52

- O que foi Alana? - Shawn pergunta.

- Não estou conseguindo dormir. - Falo baixo. 

- Então tenta mais. - Ele diz impaciente e o silêncio volta a tomar conta do quarto. Me viro mais umas duas ou três vezes até escutar novamente a voz dele. - Qual o problema? - Ele se sentou para me olhar. 

- Você vai achar estranho, mas vou falar do mesmo jeito... Não consigo dormir sem ter algo atrás de mim. - Deduzi que ele estava com uma expressão confusa e já me apressei para explicar. - Por exemplo, uma parede ou uma pessoa. Se eu dormi com as costas virada pro nada tenho a sensação de que algo vai me puxar, sei lá. - Falando em voz alta soa pior do que na minha cabeça. 

- Você tá dizendo que para conseguir dormir tem que ter a cama encostada na parede ou alguém tem que dormir com você pra você ficar de costas pra ela? - Ele falou as palavras pausadamente como quem estivesse analisando a situação. 

- Exatamente. - Bufo irritada de barriga pra cima. 

- Você é estranha. - Ele diz e e eu apenas concordo. Realmente essa minha lógica era bem estranha mesmo. - Isso é resultado dos filmes de terror que você assiste. - Com a pouca iluminação vejo ele se levantar do chão e vir pra minha cama, que no caso era a dele. 

- O que você tá fazendo? - o questiono. 

- Você não consegue dormir sozinha na cama e eu estou morrendo do sono e necessito dormir, então vou juntar o útil ao agradável. - Fala ainda parado ao lado da cama. - Vou dormir com você. - Ele se deita ao meu lado.

- Você não tá pensando que fiz isso pra você dormir aqui né? - Pergunto me virando de frente pra ele, mesmo não conseguir ver mais nada por estar escuro.

- Eu não estava pensando isso até agora Alana. - Pelo seu tom de voz ele estava sorrindo.

- Então continua não pensando ok? 

- Vai dormir Alana. - Ele me faz virar para o outro lado, assim ficando de costas pra ele.

Já me arrependi de ter falado que estava com dificuldade pra dormir porque agora tinha piorado. Parece que aos poucos ele foi chegando cada vez mais perto. Sua respiração já batia no meu pescoço.

Então quando eu menos esperava senti o peso de sua mão sobre a minha cintura, tranquei o ar no mesmo instante. Ele se aproximou mais a ponto de eu sentir o calor do seu peito nu atrás do meu corpo. Em questão de segundos já estávamos na típica "conchinha".

Não conseguia afastar ele, até porque a sensação estava sendo maravilhosa. Ter ele assim tão perto e não lhe afastar era uma coisa tão leve, queria que fosse sempre assim tão fácil. Decidi fingir que estava dormindo e não falar nada e também não fazer nada para lhe impedir. E então foi assim que eu adormeci. Dormi nos braços de Shawn.





[...]





Assim que abro os olhos e vejo o teto percebo não ser o meu quarto pois o meu tinha várias estrelinhas coladas acima da cama. Rolo se olhos ao redor até parar com eles em cima da figura perfeita ao meu lado. 

Agora me lembro que dormi no quarto de Shawn. 

Ele estava de barriga pra cima com um braço atrás da cabeça e o outro esticado ao lado do corpo, a coberta estava baixa deixando assim todo o seu peitoral a mostra e até um pouco da barra de sua bermuda. Me viro pra ele e continuo o observando, aquele cabelo bagunçado, as bochechas levante rosadas e os lábios bem vermelhos. 

Aah esse lábios... Como eu estava sentindo falta deles. Algo que não deveria sentir, mas estava.

O seu peito subia e descia de forma calma, sua boca estava entreaberta assim soltando um pouco de ar entre os lábios. Ele estava tão lindo. Como alguém podia já acordar assim? Ou melhor, dormir assim, de uma forma tão magnífica. Ele não precisava fazer força nenhuma pra ser tão perfeito, era algo inevitável pra ele. 

Me aproximo mais do seu corpo, tranco até a respiração ao ver ele se remexer um pouco e fechar os lábios, mas ainda dormia. Eu precisava levantar pra me arrumar para ir a escola, porém não conseguia parar de lhe olhar. 

Dou uma espiada no despertador ao lado da cama e estava marcado 6:30. Ainda tinha um tempo. Volto minha atenção a Shawn e sem nem pensar muito eu levo minha mão até seu rosto o acariciando de leve, vou descendo a mão aos poucos assim passando pelo pescoço e tocando o seu peito. Ele estava tão quente, chego um pouco mais perto assim já tocando o seu braço com o meu corpo. Continuo acariciando o seu corpo, minha respiração falhava e no momento eu já soltava suspiros só em lhe ver assim. 

SHAWN MENDES É UM PUTA DE UM HOMEM GOSTOSO.

Eu dedilhava o seu corpo bem definido sem nenhum pudor, como eu estava fazendo aquilo meu Deus? Minha intimidade pulsava de uma força agoniante, arrastava as pernas uma na outra afim de aliviar um pouco a sensação. A minha mão continua descendo mas um suspiro pesado saindo da boca de Shawn me faz retirar a mão com rapidez. Ele estava novamente com a boca entreaberta e os olhos fechados, parecia estarem sendo fechados com força mas logo relaxou, talvez ele estivesse tendo um sonho. 

Eu tinha consciência de que aquilo era errado mas era uma coisa que eu não sabia se iria voltar a acontecer. Dormir no quarto dele foi algo certo, não foi a gente que quis, me mandaram pra cá. Agora dormir na mesma cama que ele, foi total escolha nossa. E uma escolha um tanto quanto errada. 

Não sei o que estava acontecendo comigo só sei que eu precisava tocar ele, e assim o faço. Levo minha mão de volta até seu corpo e no mesmo instante aquela sensação mais em baixo volta a aparecer. Os meus dedos já estavam chegando na barra na bermuda quando eu decido olhar pro rosto dele. Seu peito estava subindo e descendo cada vez mais rápido, suas bochechas estavam mais vermelhas e seus lábios mais abertos, acho que não tinha mais dúvidas de que ele estava sentindo algo, mas isso não foi o suficiente pra me fazer parar.

Ao alcançar o coss da sua bermuda eu suspiro pensando se devo continuar a fazer algo. Porra ele estava dormindo, que merda eu achava que estava fazendo? Ignoro a parte racional de mim e sou movida apenas pelo desejo que no momento estava tomando conta já. Adentro a ponta dos meus dedos em sua bermuda, apenas abaixo do coss e faço movimentos de uma lateral até a outra do seu corpo. Ele se remexe mais uma vez mas isso não me incomoda. Não tinha coragem para adentra sua cueca então decidi só ficar dessa forma mesmo, porém queira ir mais a fundo que aquilo. Deixo minha mão ir mais pra dentro e então já consigo sentir o seu membro por cima da cueca, muito duro e ereto por sinal.

Tiro a mão no mesmo segundo e me levanto da cama assustada com o que eu tinha feito. Praticamente corro até o banheiro, sem nem me preocupar em pegar uma roupa, coloco a água no mais gelada possível. Sinto um choque térmico no momento em que meu corpo quente entra em contato com a água fria. Mas eu estava precisando daquilo.





POV SHAWN




Abro os olhos assim que escuto a porta do banheiro ser fechada com força e segundos depois o barulho do registro e a água caindo. Ainda não estou acreditando no que aconteceu. Alana estava mesmo me tocando? Ou quase né, porque ela fez tudo e no fim não fez nada. Me excitou e saiu correndo. 

Enquanto ela passava a mão em mim a única coisa que eu conseguia pensar era no jeito que ela estava vestida. Ontem à noite quando vi ela com aquela camisola, eu fiquei maluco. Minha mãe deveria achar que eu tinha um ótimo autocontrole ou queria testar ele.

O jeito como ela me olhou, ela me desejava, eu sei disso. E o que ela fez hoje de manhã só comprova ainda mais esse meu pensamento. Ela tenta fugir mas não consegue. 

Porra será que ela não sabe o quanto foi difícil ver ela naqueles míseros panos, dormir ao lado dela e ainda por cima abraçado a ela. Eu não sei se ela deixou aquilo ou se já estava dormindo, só sei que aquilo só me deixou com  mais vontade de te – lá pra mim. Ela estava ali nos meus braços, colada ao meu corpo, em vários momentos tive que me afastar um pouco com medo de ela estar acordada e notar algum volume em sua parte traseira. Posso admitir que dormi muito pouco essa noite. 

Me levanto da cama ainda sentindo um certo incomodo pelo meu pau ainda estar duro, minha única vontade era de arrombar a porta daquele maldito banheiro, pegar a garota morena que me fazia perder a razão e a foder em mil maneiras diferentes, ali em baixo do chuveiro mesmo. 

Caminho até a porta do banheiro encostando a testa na madeira tentando me acalmar um pouco, mas no fim não foi isso que aconteceu. Ao me aproximar da porta eu pude ouvir alguns sons como se fossem... gemidos? Era isso mesmo? Alana estava gemendo. 

Não posso acreditar que ela estava se aliviando no chuveiro depois de ter me tocado daquela forma. Ela estava se tocando durante o banho pensando em mim. 

- Porra Alana, não faz isso... - Murmuro baixo com uma voz arrastada e rouca. Os seus gemidos estavam ficando mais rápidos e um pouco mais altos. Aquilo era algo enlouquecedor. Aperto meu pênis com a mão ainda por cima da bermuda mas aquilo não estava sendo o suficiente. Ela não parava de gemer, podia jurar ter escutado o meu nome e aquilo foi a gota d’gua. Coloco minha mão por dentro da cueca e começo a me masturbar ali mesmo, escorado na porta do banheiro escutando a minha meia irmã gemer enquanto tomava banho. 

- Caralho... - Resmungo no momento em que minha mente começa a imaginar como ela estaria nesse momento, imaginar como seria ver ela fazer tal ato na minha frente. Okay que se ela estivesse na minha frente não precisaria estar fazendo aquilo sozinha mas só de pensar em ver ela se tocando enquanto pensava em mim já me deixava cada vez mais duro.
Quando escutei o registro fechar voltei pra cama e fingi ainda estar dormindo.




POV ALANA




Não sei o que deu em mim, mas estava sentindo algo muito forte, minha intimidade ainda pulsava só de lembrar do Shawn daquela forma, então fiz uma coisa pela primeira vez. Me toquei pensando nele. 

É eu sei, tenho namorado e isso não é certo mas foi algo mais forte do que eu, quase inevitável. Não sabia que eu era capaz de me proporcionar prazer dessa forma, mas tenho certeza que só estava conseguindo esse resultado por estar pensando em Shawn, deitado na cama, sem camisa e excitado apenas por eu estar passando a mão nele. Talvez aquilo fez ele ter algum sonho até, não era normal ter aquela reação acho. Tentei ao máximo segurar os gemidos, quase sussurrava. Ele ainda estava dormindo então isso não era problema. 

Após alguns longos minutos eu finalmente saiu do chuveiro, me enrolo na toalha e me preparo para sair do quarto. Por sorte Shawn ainda estava deitado e eu consegui ir para o meu quarto sem nem ele perceber. 

- Desculpa tia eu precisava vir aqui pegar uma roupa para o colégio, no quarto do Shawn só tem as roupas que usei na viajem. - Falo entrando no meu quarto vendo a minha tia penetrar os cabelos loiros em frente ao espelho.

- E você saiu assim do quarto dele? De toalha? - Ela questiona com um sorriso nos lábios.

- Não tive escolha, fui tomar banho e esqueci da roupa. -  Tento rir mas minha tia continua com a mesma expressão no rosto. - O que foi? 

- Senta aqui, me diz uma coisa. - Ela senta na cama batendo no colchão ao seu lado para que eu fizesse o mesmo, e assim fiz. - Rola alguma coisa entre vocês né? - Uma crise de tosses me atinge.

- Ficou maluca? A mãe dele é casada com meu pai. 

- Ixi, péssima desculpa querida. - Ela diz balançando a cabeça negativamente. 

- Vou pra escola que é o melhor que eu faço. - Falo pegando uma muda de roupa qualquer de dentro do guarda roupa e indo me trocar no banheiro a ignorando totalmente depois disso. 






[...]






- Com licença professora. - A inspetora bate na porta da sala antes mesmo de completar dez minutos de aula. - A diretora está chamando Shawn e Alana na sua sala agora. 

Ah meu Deus, confusão em plena segunda feira eu não aguento. 

Eu e Shawn troquemos olhares e nos levantamos sem falar nenhuma palavra. Saímos da sala e fomos seguindo a inspetora, mesmo a gente já sabendo o caminho ela fez questão de nos levar, talvez estava com medo de darmos o cano e fugir.

- O que você acha que é? - Pergunto baixo só para ele escutar.

- Bah, esqueci a minha bola de cristal em casa hoje, que merda ein. - Ele fala usando a ironia com uma cara de desapontado.

- Ah que engraçado, dormiu com o bozo hoje? - Pergunto revirando os olhos. 

- Não não, dormi com você mesmo. - Ele sorriu de forma provocante. Idiota. 

Já estávamos da porta da diretoria ou seja, eu não poderia responder mais nada. 

- Obrigada senhorita Carter. - A diretora agradece a inspetora que se retira da sala no mesmo instante. - Sentem - se os dois. - Ordena ela, e assim fazemos sem questionar. 

- Aconteceu alguma coisa? - Pergunto. Estava curiosa já. 

- Aconteceu sim, fiquei sabendo que vocês dois conseguiram escapar do trabalho escolar durante o acampamento. - Ela entrelaça os dedos em cima da mesa nos olhando com atenção.

- Não foi bem assim, a gente se perdeu. - Shawn se explica. Isso era mentira, ele fez a gente se perder porque saiu da trilha. 


- Não interessa o que aconteceu. A professora pediu para punir vocês de alguma forma. - Ela parecia pensar. 

- O que? Punir? A gente não fez nada. - Tento argumentar mas pelo jeito ela já tinha uma decisão formada.

- Vocês vão ficar na detenção hoje até as três. - Ela falava calma. O QUE?

- ATÉ AS TRÊS? - Questiono com um tom um pouco mais alto do que o esperado.

- Sim senhorita Alana, algum problema com a minha decisão? - Ela arqueia a sobrancelha.

- Não, claro que não. - Shawn responde por mim e aperta um pouco meu braço, levei como um conselho para não falar mais nada. 

- E além disso, vocês vão fazer parte do grupo de teatro na próxima apresentação. - Ela diz mexendo em alguns papéis em cima da mesa. 

- Espera aí, como assim? Eu não vou fazer teatro, eu tenho treino de lacrosse. O jogo é em alguns dias. - Shawn se levanta da cadeira enquanto fala. Uai, cadê o autocontrole agora?

- Qual a peça? - Pergunto ignorando Shawn. 


- Pelo que me falaram é Romeu e Julieta. Vocês podem fazer o casal protagonista. - Oi? Como assim?

- Nem fodendo. - Shawn diz e logo arregala os olhos fitando a diretora em sua frente balançando a cabeça em sinal de negação. 

- Se você não quer atuar tudo bem, mas terá que ajudar atrás das câmeras. Vou procurar outro voluntário para o papel principal. Pra você tudo bem Alana?

- Sim. - Shawn já tinha dado show demais nessa sala, eu que não iria fazer cena também. E além do mais, qual o problema em fazer uma peça besta qualquer? 

- Podem voltar pra sala e assim que terminar as aulas vão para a cantina almoçar e depois direto para a sala da detenção. - Ela diz em tom autoritário. - Podem sair. - Aponta para a porta.

Já do lado de fora da sala.

- Ficou maluco, queria que ela aumentasse o castigo? - Questiono irritada.

- Ah porque você não falou nada né. - ele revira os olhos.

- Custava aceitar fazer a peça? - Pergunto parando de andar.

- Você está querendo contracenar uma peça romântica comigo? - Ele provoca mais uma vez. Esse rapaz não cansa? 

- Mendes, para com isso. Somos irmãos, acha mesmo que ela colocaria a gente como casal? Falou aquilo pra assustar, não é nem louca. 






[...]





O último sinal bate avisando que as aulas de hoje haviam chegado ao fim.

- Vamos? - Escuto a voz de Jos ao meu lado, subo o olhar para lhe ver e então percebo que Kath e Cam também estavam com ele. Quando foi que começamos a andar junto ein? No intervalo eles não se desgrudaram.

- A gente tem que ficar na detenção. - Shawn fala. Até agora nós não tínhamos contado o que tinha acontecido na diretoria e nem sobre o nosso castigo. 

- Porque? - Kath pergunta. 

- Punição pelo perdido que a gente deu na trilha durante o acampamento. - Reviro os olhos. - E ainda vamos ter que fazer parte da próxima peça do teatro. - Agora já estamos caminhando para fora da sala. 

- Epa, só quem vai participar disso vai ser você. Eu vou enrolar fingindo que faço algo atrás das curtidas e tá tudo certo. - Todos nós ignoramos o comentário de Shawn porque 90% das coisas que ele falava era desnecessário.

- Ah, agora eu entendi. - Cameron fala mais consigo mesmo do que com nós que estávamos ao seu lado. 

- Entendeu o que? - Jos pergunta.

- A senhora Gilbert veio falar comigo para ver se eu poderia participar da peça. Não iria topar mas se você vai fazer também, acho que vou aceitar sim. - Sra. Gilbert era a professora de teatro. 





[...]







14:07


- Vou ter que receber os pais de um aluno. Fiquem aqui. Volto para liberar vocês as três. - A diretora diz se levantando da cadeira e saindo pela porta branca da sala da detenção. 

Ela disse que iria cuidar da gente pessoalmente. Ela nunca fica com os alunos na detenção, sempre manda a inspetora, algum professor ou até mesmo a psicóloga, mas nunca ela mesma. Algo me diz que na cabeça dela o que a gente fez deve ter sido muito sério. 

Eu não sei se fizeram de propósito ou foi coincidência, mas apenas eu e Shawn estávamos naquela sala. Todo dia sempre tem alguém que fica depois do horário por ter feito algo errado, porque logo hoje ninguém quis meter o louco?

- O que você tá fazendo? - Pergunto quando Shawn junta sua mochila do chão e tira seu celular do bolso pequeno. 

- Estou pegando meu celular oras. - Fala óbvio.

- Isso eu percebi. Mas ela disse que não podia. 

- Quem vê você falando assim até pensa que é toda certinha né?

- Ah cala a boca. - Reclamo também indo pegar meu celular. Tinha que falar com o Fill, tentei durante os intervalos mas ele não atendeu as minhas ligações, deveria estar muito ocupado com algo no trabalho, então agora iria mandar um SMS pra ele avisando que ainda estava na escola e lhe contar o porque disso.


"Fill, fiquei na detenção hoje, longa história depois te conto. Tem como você passar lá em casa hoje pra gente conversar?" 


As coisas estavam começando a ficar muito confusas e eu tinha que tomar alguma atitude em relação a isso. Não demorou muito ele me respondeu.


"Detenção? Porque? Que horas você vai estar liberada? Eu passo aí pra te pegar e a gente pode ir tomar um sorvete ou se preferir vamos direto pra sua casa."


Porque ele tem que ser sempre tão atencioso? Isso fode com a minha cabeça, só me deixa mais culpada ainda.


"Não precisa não, o Shawn também ficou na detenção, então eu vou embora com ele. Você está trabalhando não poderia vir me buscar de qualquer forma." 


A resposta chega mais rápido do que a última fez.


"Você e Shawn na detenção? Acho que coincidência não é né?
E respondendo o seu comentário, Eu iria pedir pra sair mais cedo."



"Depois eu te explico. Beijo"


Mando a última mensagem pondo fim aquela conversa, não estava afim de aturar uma crise de ciúmes ainda mais por celular. Por mais que ele estivesse certo em sentir ciúmes do Shawn eu sempre achava isso desnecessário. Bufo colocando o celular de lado. 

- Problemas com o príncipe encantando? - Shawn pergunta em tom de deboche. 

- Me erra Shawn - Resmungo sem lhe olhar.

Os minutos se arrastavam naquela sala, Shawn parecia estar se divertindo vendo a minha agonia de ficar ali dentro, pra ele era muito comum já que estava ali com muita frequência. Demorou mas finalmente a porta se abre e a senhora Campell passa por ela, isso era sinal de que? Sim, estávamos liberados. 





[...]




- Da próxima vez eu deixo você se perder sozinho, não vou mais levar bronca por sua causa. - Entro em casa em meio a um discussão com o Shawn o que não era nenhuma surpresa. Durante o caminho todo ele veio colocando a culpa em mim por tudo o que aconteceu. 

- Pois faça isso. Se você não tivesse ido atrás de mim eu não teria me perdido, você que me distraiu. 

- Já começaram? - Papai perguntou. 

- Eu não fiz nada, quem fez foi ele. - Tento me justificar. 

- Não interessa quem fez, eu quero entender o que vocês dois estavam fazendo na detenção. - Karen fala em tom autoritário. Gente que isso? Nunca tinha visto essa mulher nervosa não.

- Mais puxão de orelha? Sério mesmo? - Shawn reclama. 

- Longa história Karen. - Falo sem animo me jogando no sofá e Shawn faz o mesmo. 

- Acho bom vocês começarem a falar então porque eles estavam histéricos aqui. - Tia Mary fala com muito mais paciência do que os outro dois seres ali presentes.


Creio que ela estava exagerando um pouco mas eles realmente não estavam com uma cara muito boa. Então assim lá fomos nós contar tudo o que aconteceu durante o acampamento, quando cheguemos na parte que fiquemos horas perdidos e sozinhos eu percebi olhares maliciosos da minha tia. O que essa mulher tinha na cabeça meu Deus? 

Depois de tudo ter sido explicado até eles começaram a achar a punição um pouco exagerada mas já não tinha nada a ser feito mesmo. 







[...]





- Vocês estão piores que seus pais. - Tia Mary reclama. Desde o final da conversa com meu pai e Karen nós nos encontrávamos jogados no sofá sem fazer nada. - Levantem daí e vamos fazer algo. 

Antes que eu pudesse responder o meu celular toca. No visor marcava o nome de Fill.


~ Ligação On ~

- Oi. - Falo meio sem jeito pelo fato de Shawn estar ao meu lado me olhando fixamente.

- Não vou conseguir passar aí hoje. - Ele fala direto. Parecia meio nervoso.

- Porque não? 

- Seu pai não veio trabalhar agora a tarde. Acho que você sabe, porque ele ficou pra falar com você. - Ah maldita detenção.

- Ah é verdade sim, me desculpa por fazer ele te dar mais trabalho. - Sorrio mesmo sabendo que ele não veria.

- Tudo bem, quer que eu vá amanhã? - Ele pergunta. 

- Sim. Seria bom se você viesse amanhã sim, quero falar com você. - Falo um pouco mais baixo, já estava me irritando com os olhares sobre mim.

- Tudo bem amor. Eu vou desligar. Eu te amo. - Gelei.

- Bom resto de trabalho, Beijo. - Não me sentia nem um pouco a vontade de falar "eu te amo" pra ele. Talvez porque eu não amasse mesmo. 

~ Ligação Off ~


- Da pra vocês pararem com isso? - Pergunto.

- Era o príncipe encantado? - Shawn fala com desdém. 

- Cena de ciúmes agora não, pelo amor de Deus. Vamos fazer algo interessante. - Mary fala afundando a cara em uma almofada. 

- Que ciúmes sua louca? - Shawn intercala os olhares entre mim e minha tia. 

- Vamos assistir filme? - Falo a primeira coisa que me vem na mente. Queria sair daquele assunto.

Tia Mary da de ombros concordando. 

Será que eu deixava tão na cara assim? pra até ela que acabou de chegar aqui em casa conseguir perceber? Será que Karen não desconfiava de nada? E meu pai? Ah meu Deus. Se um dia eles se quer desconfiarem de algo eu não sei o que serão capaz de fazer. Tia Mary aqui parece que só sabe complicar ainda mais a minha situação. 

Tantas coisas estavam passando pela minha cabeça.


O que aconteceu no acampamento... O que eu fiz hoje de manhã... Esse sentimento que estava começando a me sufocar... Dormir no mesmo quarto que Shawn... A conversa que eu precisava ter com Felipe.

A minha cabeça não parava e eu não estava achando respostas e nem soluções para o que se passava dentro dela.
 


Notas Finais


E aí gente? O que acharam?

Fiquei sabendo que tem gente que gosta do Fill e cheguei a mudar alguns planos que eu tinha pra ele, mas nada certo ainda hahahah.

Já adianto que os momentos mais "hots" vão diminuir um pouco. Até porque acho que tá de mais, em qualquer momento eles querem se pegar MDS.

Comentem o que acharam, isso é muito importante pra mim. Até o próximo capítulo. AMO VOCÊS ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...