História Fortuna - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Camus de Aquário, Miro de Escorpião, Personagens Originais
Visualizações 21
Palavras 2.177
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


BOM DIA!!! Olha só quem voltou com uma nova One-Shot? Exatamente, eu, a escritora mais preguiçosa para escrever long fics do mundo. Yay! Acho que minha vocação é para One-Shot, estou começando a pensar sobre isso. Consigo fazer uma produção boa de One-shots, mas, quando chega a hora de desenvolver uma Long-Fic, começo a ficar cansada, taco o foda-se e vou escrever outra coisa... Posso transformar isso em uma cadeia de produção! Vai ser tipo a Revolução. Industrial do modo de escrita. Olha que beleza?
Brincadeiras a parte, peço sinceras desculpas pelos atrasos das outras fanfics, mas é que agora, com a faculdade e o trabalho as coisas ficam realmente mais complicadas, já estou satisfeita comigo pro não ter parado de escrever e continuar postando mesmo que sejam essas fics curtinhas kkkkk.

Para quem acompanha Mundos Distintos, eu peço um pouco mais de paciência, por que, além de mim, nossa queria Wild/ClioHelicon, está passando por um momento de mudanças na vida, chamado vestibulares, e preciso que todos sejam compreensivos, uma vez que nossa vida se estende além da internet e fanfics. Assim como todos, temos nossos problemas, nossas mudanças e precisamos de todo o apoio possível para isso, okay?
Para quem acompanha For Nikê, relaxa essa alma, tem capítulo novo sendo assado, vou precisar de um pouco mais de tempo para editar e finalizar, mas já está sendo bolado aqui na minha cabecinha ruiva, certo?

A fanfic de hoje é em homenagem à um cavaleiro que não tenho muito costume de desenvolver, mas já li tanta fanfic boa com ele que chega até me dar arrepios. Ui, viadas, é bom demais!
O Capítulo foi betado pela minha mana, Aisha Andris (uma vez que é impossível citar o Shakinha sem falar da minha Aisha), e é um presente para todas que gostam de ver o Milo de um jeitinho diferente, e para minha maninha amada, Clio Helicon, que está afundada em provas do colegial e nos vestibulares da vida(hahahahahaha, já passei dessa, agora só me deprimo com as provas da facul, os trabalhos da facul, OS SEMINÁRIOS, AS REDAÇÕES AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH, EU QUERO TERMINAR ISSO LOGO).
As personagens, Anusha e Lakshmi são personagens originais, e espero poder colocá-las em mais lugares se possível, afinal, eu amei as duas mais do que poderia imaginar. Queria roubar a Anusha pra mim! kkkkkkk

Desejo à todos uma boa leitura, e que o cosmo de vocês nunca se apague.

Capítulo Betado por Aisha Andris

Cavaleiros do Zodíaco pertence ao Kurumada e a tia Toei

(PARA DE CAGAR OS TRAÇOS DOS CAVALEIROS)

Divirtam-se <3



Beijos da Mena <3

Capítulo 1 - Especiarias da Índia


Fanfic / Fanfiction Fortuna - Capítulo 1 - Especiarias da Índia


 

 

A música calma e de fundo sensual combinava perfeitamente com a pouca luminosidade, o aroma adocicado de morangos e canela, e os movimentos graciosos da serva. Lakshmi era algo que realmente devia ser visto dançando, porém, o único que se deleitava com a visão era – e sempre seria – Milo.

Desde o momento em que pusera os olhos naquela serva, tão diferente das mulheres com quem costumava se deitar, jurou para si que a teria em seu leito. Mas, não foi tão fácil como imaginou que seria.

Lakshmi era de uma família indiana muito rígida que havia se mudado para Rodório ao saber de Shaka, o Buda Reencarnado (como era dito nos templos), e, para servir a ele, veio à Grécia. Assim, ela fazia-se muito quieta, reservada e tímida, dirigindo poucas palavras ao cavaleiro, e, quando dirigia, era apenas para perguntar sobre coisas da casa.

Muitos meses de olhares, flertes “inocentes” e conversas durante o preparo das refeições foram necessários para que, finalmente, Lakshmi aceitasse um jantar com o cavaleiro, e, mesmo assim, ouviu muito da mãe, Indira, e do pai, Kishan, que nada concordavam com aquela proximidade da filha com um homem de má reputação como Milo.

Mas, Escorpião tinha um álibi muito bom na casa de Lakshmi, um álibi que conquistara apenas com boas conversas e risadas, e esse álibi era Anusha, a irmã mais velha de sua serva.

Anusha, mesmo sendo criada na mesma família, tinha um senso de liberdade e gosto pela aventura. Ela era muito parecida com Aiolos quando se tratava de ir contra algumas expectativas, a mulher era uma quebradora de barreiras.

Anusha trabalhou apenas três meses com Shaka, depois disso, foi chamada por Athena, ou melhor, por Saori Kido, para que juntas abrissem um novo hospital no Santuário, um hospital que atendesse desde os cavaleiros, amazonas e aspirantes até os habitantes de Rodório. Como recém-formada psicóloga, Anusha ganhou o comando da área designada aos tratamentos psicológicos do Santuário, por indicação de Shaka, que enxergava o potencial da ex-serva e grande amiga de debates, e, por conta disso, conseguiu colocar a irmã para trabalhar no Santuário.

Ela dizia que seria uma boa forma de a irmã conseguir alguma autonomia e dinheiro para a faculdade, e, para a felicidade dos pais, ficar perto de Shaka... A única coisa que a mais velha não contava, é que Lakshmi iria para Escorpião, já que Virgem já tinha a insubstituível Aisha, a serva e namorada do cavaleiro.

Enfim, com a ajuda da amiga, Milo conseguira levar a caçula da família para um restaurante dançante em Athenas, é claro que com a presença de Anusha e de Camus, para que os dois mais responsáveis, como a própria senhora Indira dissera, tomassem conta dos outros.

Não foi preciso dizer que Anusha tirou Camus de circulação em menos de cinco minutos, e deixou os pombinhos sozinhos. Não antes de ameaçar veementemente ao cavaleiro de Escorpião, jurando por Deus que arrancaria a alma dele com os dentes se magoasse a irmã.

“E não vai ser só a alma, Milo de Escorpião. Magoe minha Lakshmi e eu juro que transformo o que tem no meio dessas lindas pernas em nada! Eu mesma corto fora o seu pau e fatio em pedacinhos. Entendeu?” E finalizou tudo com um sorriso amável, obrigando-o a concordar, sabendo que, com ela, ele realmente deveria ter o máximo de cuidado.

O jantar seguiu-se dessa forma, Milo e Lakshmi comiam um delicioso churrasco, acompanhado de pão sírio e molho de ervas, enquanto Camus e Anusha dançavam no salão, e, pela primeira vez em tempos, Aquário gargalhou ao ouvir as brincadeiras da sagitariana.

Assim, naquele ambiente de diversão, Lakshmi e seu cavaleiro trocaram o primeiro beijo de muitos, e, a cada dia que se passava, os dois ficavam mais próximos, e Milo sentiu que sua relação com a serva estava ficando mais séria do que jamais poderia imaginar.

Tentou colocar na cabeça que fazia tudo aquilo para poder usufruir do corpo dela mais tarde, porém, passou a perceber mudanças significativas em seu próprio modo de pensar e agir. Como na vez em que levou crisântemos de todas as cores possíveis para Lakshmi em um lindo buquê, e de como se sentiu quando ela sorriu e o beijou para agradecer.

Seu coração encheu-se de um sentimento novo quando aquilo aconteceu, e, para ele, a confusão só aumentou. Assim, viu-se obrigado a subir até Aquário para conversar com Camus, para ver se conseguia se livrar de toda aquela dúvida.

“Camus!” gritou ele ao chegar ao décimo primeiro templo. “Camus, preciso conversar com você! É importante”.

Sem receber nenhuma resposta imediata, o loiro enveredou-se pelo templo, chegando até a área privativa e tomando rumo pelo corredor até encontrar a porta do quarto do melhor amigo, estranhando ao vê-la entreaberta. Se tinha uma coisa que Camus não suportava, era a porta batendo por conta do vento, por isso, tinha como costume fechá-la sempre que se encontrava em um cômodo.

“Oh, petit morveux.”(1) Ouviu os sussurros e risadinhas dentro do quarto, erguendo uma das sobrancelhas antes de espalmar as mãos na porta.

“Você fica tão sexy quando fala francês!” a voz da companhia de Camus era incrivelmente familiar ao escorpiano, que continuou a olhar, curioso como era.

A cena era perturbadora para os olhos do Escorpião. Via seu melhor amigo, com quem fora criado e considerava quase uma entidade assexuada por nunca vê-lo acompanhado de nenhuma figura feminina ou masculina, nu em pelo debruçado sobre uma mulher com belas pernas – Milo ressaltou mentalmente – com a cabeça baixa, beijando-a sensualmente.

Em um movimento rápido, ele abriu a porta, fazendo-a bater contra a parede, e, para seu terror, quando os dois se ergueram por conta do susto, a imagem de Anusha descabelada, com a boca inchada e o corpo sem qualquer tipo de tecido que o impedisse de vê-la completamente nua, apareceu em seu campo de visão.

 “MON DIEU, MILO, ENLOUQUECEU?” gritou Camus.

“Por lorde Ganesha(2)!” completou Anusha, puxando o lençol para cobrir seus seios fartos, desnudos e avermelhados.

“MEUS OLHOS! AHHHHHH” fechando rapidamente os orbes azuis, ele dramatizou, como se a visão dos dois amigos transando fosse algo realmente absurdo. “Anusha! Como... O quê? POR QUÊ?” novamente, ele abriu os olhos, virando-se de costas para dar alguma privacidade à moça.

“Por Shiva(3), Milo, foi você quem entrou feito um búfalo no quarto!” volveu a morena, bufando.

“Desculpa! Eu precisava falar com o Camus!” exclamou ele, como uma criança mimada.

“Olha, é melhor o assunto ser muito bom, senão eu juro que te coloco em um esquife de gelo pelo resto da sua vida!” retorquiu o francês, carregando ainda mais no sotaque por estar nervoso.

Praticamente pulando da cama para colocar as calças, sendo fitado por Anusha, que sorria abertamente, negava levemente com a cabeça.

“Eu volto logo, mon ange.” Ditou o ruivo, beijando a testa da indiana, para depois passar a mão por seus macios e sedosos cabelos negros.

“Vou fazer alguma coisa para a gente comer.” Volveu ela, roubando mais um selinho do cavaleiro. Puxando-o pelo queixo, a mulher levou os lábios até o ouvido direito de Camus, sussurrando baixinho. “E, quem sabe, eu te sirvo uma sobremesa diferente acompanhada com mel e amêndoas?”

“Vai ser uma reunião rápida.” Garantiu Camus, fingindo-se de sério, para depois sorrir e seguir até o amigo.

É claro que, ao chegarem ao escritório, Camus deu uns bons petelecos em Milo, xingou-o em francês e depois gritou o quanto ele era um maldito intrometido quando queria. No entanto, logo depois disso, ele fez questão de ouvir tudo o que o amigo tinha a dizer.

E o grego tinha muito a dizer. Contou ao amigo sobre os sentimentos que nutria por Lakshmi e como tudo aquilo o deixava confuso, mas muito, muito realizado por dentro.

“Outro dia me peguei pensando em como ela estaria... Foi do nada, lá na arena, enquanto treinávamos”. Comentou o loiro, suspirando. “E, toda vez que eu a vejo no quarto penteando os cabelos, eu penso em como ela fica linda com eles soltos, jogados na pele oliva...” o olhar sonhador dizia tudo que Camus precisava saber para responder.

“Milo, você está apaixonado por ela!” concluiu o ruivo, negando levemente com a cabeça ao ver os olhos azuis do loiro se arregalarem. “Você já sentiu seu coração disparar quando ela está por perto?”

“Sim”. Concordou

“As mãos suam? Sente como se fosse entrar em batalha?”

“Algo muito parecido”

“Então, meu amigo, sinto muito. Assine o óbito de sua vida boêmia, porque você encontrou a mulher que vai te tirar dela.” E Camus serviu à Milo uma taça de vinho, pegando outra para si.

“Meu Deus, Camus...” em um gole só, Escorpião entornou o vinho, recebendo um sorriso sarcástico do aquariano. “Eu estou apaixonado!”

“E precisou de ajuda para dizer isso!” destilando um pouco de seu mau humor por ter sua diversão interrompida, Camus também bebeu um pouco do vinho. “Era só isso? Posso voltar para sua cunhada?”

“Cunhada... É verdade, o que você tem com a minha cunhada?” erguendo-se e ativando o lado grego, cheio de ciúmes familiar, Milo questionou o melhor amigo, vendo-o parecer desacreditado.

“O sexo você interrompeu. Mas, além ele, estamos juntos.” Volveu o francês, deixando sua taça sobre a mesa de mogno. “Recomendo que assuma isso para Lakshmi, peça a mão dela para a família, e se case. Caso contrário, vai perdê-la, e bem rápido”.

“Como assim?”

“Anusha me disse que eles estão planejando casá-la. Vão voltar para a Índia e fazer o primeiro contato com o noivo.” Camus respirou fundo. “O noivo era para Anusha, mas ela se recusou quando entrou na faculdade, por isso vão passar para Lakshmi. Então, meu amigo, é melhor você correr.”

“Eu vou, Camus! Nunca senti nada assim...”.

E, realmente, Milo cumpriu sua palavra. Deixando-se levar pelos sentimentos, seguiu até sua casa, onde encontrou Lakshmi sentada na sala, lendo um livro qualquer. Foi até ela, pegou-a nos braços e a girou no ar, ouvindo-a dar alguns gritinhos e risadas, para depois beijá-la ardentemente.

Declarou-se com todas as palavras, vendo-a chorar lágrimas grossas e cheias de emoção. Ouviu quando ela declarou-se de volta, dizendo que nunca ninguém havia mexido com seu coração, e que Milo fora o primeiro a receber sua afeição.

Naquela noite, Escorpião foi até a casa de Lakshmi, onde ouviu, além dos xingamentos de Kishan, os agradecimentos e bênçãos de Indira, que estava mais do que feliz por a filha estar se casando, mesmo que não fosse com um indiano. Bem, ao menos seria com um Cavaleiro de Ouro, com posses e posição de destaque.

Anusha, estranhamente, não estava na casa. Pelo que Dona Indira dissera, ela estava de plantão na Clínica, e só voltaria na manhã seguinte... É, naquele momento ele sentiu pena da indiana por acreditar que a filha estaria mesmo trabalhando... Bem, ela estava trabalhando... Em Camus.

~

Quatro meses depois, lá estava ela, dançando sensualmente para o marido, sorrindo aquele sorriso sincero e meigo de sempre, balançando os quadris largos, enquanto suas mãos executavam os complicados movimentos que ela aprendera ainda quando criança, como deveria ser com todas as meninas indianas.

O quarto estava com a luz tênue das velas aromatizadas, com as paredes enfeitadas com tecidos coloridos e o chão abarrotado de almofadas, onde Milo estava deitado de lado, com a cabeça apoiada na mão esquerda e o braço enterrado em uma das almofadas, fitando fixamente a esposa.

Sorria ao vê-la lindamente trajada no sári azul-celeste, com detalhes dourados e as pulseiras de ouro. Os cabelos presos em um coque enfeitado, com o bindi – a marca vermelha que recebera de Shaka, o responsável por seu casamento com Milo – foram decorados com uma joia combinando com os adereços.

As mãos e os pés foram pintados com desenhos de hena, tudo feito com muito cuidado por Anusha, sempre muito solícita em ajudar o casal. Não era segredo para ninguém que ela adorava o cunhado, e fazia de tudo para que o casamento entre ele e a irmãzinha desse certo.

- Você é linda. – sentenciou o cavaleiro, estendendo a mão livre, no que a esposa prontamente a pegou, indo se sentar próxima a ele. – E eu sou o homem mais sortudo da Terra por tê-la comigo.

- Eu também sou sortuda por tê-lo! – volveu Lakshmi, segurando o rosto de Milo entre as mãos, acariciando-o com amor.

- Eu te amo.

- Eu te amo.

E, com toda a cumplicidade que dividiam, Milo e Lakshmi amaram-se com toda a devoção e ardência de seus sentimentos, deixando de lado qualquer vergonha ou timidez, principalmente por parte da mulher, para que seus corpos se unissem de maneira perfeita e luxuriosa.

Para Milo, aqueles eram os melhores momentos de seu dia, os pequenos momentos que tinha com ela, sua deusa da fortuna. Para Lakshmi, sua família agora ia além de seu pai, sua mãe e sua irmã, sua família agora também era Milo, e, logo, o bebê que nasceria de seu ventre.

Não tinha ainda contado ao marido, porém, depois da noite de amor, com toda certeza daria o melhor presente que Milo poderia pedir.

 

Fim


Notas Finais


(1) "Oh, petit morveux.” - Traduzindo o francês (do qual eu faço apenas algumas palavras e ainda preciso do Google Tradutor para me safar), "Oh, sua danadinha".

(2) Lorde Ganesha (VALEU WIKIPÉDIA (>^.^)>: Ganesha, Ganexa, Ganesa, Ganesh ou (em sânscrito: गणेश, ou श्रीगणेश, quando usado para distinguir status de "senhor") é um dos mais conhecidos e venerados deuses do hinduísmo. Ele é o primeiro filho de Shiva e Parvati, e o esposo de Buddhi (também chamada Riddhi) e Siddhi. Ele é chamado também de Vinayaka em Kannada, Malayalam e Marathi, Vinayagar e Pillayar em tâmil, e Vinayakudu em Telugu. Ga simboliza Buddhi (intelecto) e Na simboliza Vijnana (sabedoria). Ganesha é considerado removedor de obstáculos, proporcionador do sucesso e da fartura, mestre do intelecto, da sabedoria e chefe do exército celestial, e por isso também, esta divindade é encontrada sempre na porta de todos os templos hindus e na porta das casas dos hindus como o protetor. Ele é representado como uma divindade amarela ou vermelha, com uma grande barriga, quatro braços e a cabeça de elefante com uma única presa, montado em um rato. É, habitualmente, representado sentado, com uma perna levantada e curvada por cima da outra. Em geral, antepõe-se, ao seu nome, o título Hindu de reespeito Shri ou Sri.
Ganesha é o símbolo das soluções lógicas e deve ser interpretado como tal. Seu corpo é humano enquanto que a cabeça é de um elefante; ao mesmo tempo, seu transporte (vahana) é um rato. Desta forma, Ganesha representa uma solução lógica para os problemas: é o "Destruidor de Obstáculos". Sua consorte é Buddhi (um sinônimo de "mente") e ele é adorado junto de Lakshmi (a deusa da abundância) pelos mercadores e homens de negócio. O culto de Ganesha é amplamente difundido, mesmo fora da Índia. Seus devotos são chamados Ganapatyas.

(3) Shiva (Novamente, valeu wikipédia (~^.^)~: Xiva,Siva ou Civa (grafado Shiva em várias línguas europeias) é um dos principais deuses do hinduísmo, que juntamente com Brama e Vixnu forma a trimúrti, a trindade divina hindu. É chamado de "o Destruidor"' (ou "o Transformador") e é conhecido como o auspicioso, o propício, amável, o benigno e o benevolente.
Uma das duas principais linhas gerais do hinduísmo é chamada de xivaísmo, em referência ao deus.
Na tradição hindu, Xiva é o destruidor, que destrói para construir algo novo, motivo pelo qual muitos o chamam de "renovador" ou "transformador". As primeiras representações surgiram no período Neolítico (em torno de 4 000 a.C.) na forma de Pashupati, o "Senhor dos Animais". A criação do ioga, prática que produz transformação física, mental e emocional, portanto intimamente ligada à transformação, é atribuída a ele.
Xiva é o deus supremo (Mahadeva), o meditante (Shankara) e o benevolente, onde reside toda a alegria (Shambo ou Shambhu).

Tá vendo? Tia Mena é cultura pura!
Espero que tenham gostado e se divertido tanto quanto eu, eu ri litros escrevendo essa história! Fiquem a vontade para mandar comentários, críticas, ou carinho, okay? EU SOU SÓ UM NENÉM, PRECISO DE AMOR KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Amo vcs e até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...