História Game Over - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Amor Doce, Armin, Comedia, Game Over, Romance, Shoujo
Visualizações 149
Palavras 2.063
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Harem, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


~~~Kon'nichiwa Floquinhos~~~

~>A autora-chan se ferrou na parede pq a parede tinha pedras e um rodapé com pedrinhas... Sabe aquelas paredes de pedrinhas? Então, foi ai que a autora foi se sentar e passou o pulso nas pedras na hora arranhou até um pouco da mão, mas o pulso se arranjou mais com um arranhão mais profundo. Porém, estou bem.

~>Minhas amigas descobriram essa fic e duas delas são viciadas, então abraços mesmo que eu dê todo santo dia para elas mas... Abraços Duda e Kiandy.

~>A autora tá fazendo o Spin-off do Gerald então se acalmem pq vai demorar para sair ainda mais por causa da prova... Não foi uma nota ruim pq toda a sala tirou ... 0... 1 ... 2... 3 no máximo apenas minha amiga 5 e minha irmã deu uma olhada antes de ir para a casinha dela e pelo jeito tbm tirei algo perto de 5.

~>O problema é... Será anulado essa prova por um motivo ai... Então, teremos outra coisa para fazer então... Rezem mesmo para eu conseguir passar.

~>Notas para a pessoa que desenhou e eu peguei no pai das imagens e dos burros Google.

🎲🎲🎲Boa Leitura🎲🎲🎲

Capítulo 34 - Surprises


Fanfic / Fanfiction Game Over - Capítulo 34 - Surprises

                       Game Over

Enter

França, Paris

Casa dos gêmeos

Quarta-feira 21 de fevereiro

Estava quente e ao mesmo tempo frio, sentia algo se movimentando sobre a área da minha bochecha. Puxei o ar forte sentindo um cheiro agradável, reconfortante que passava uma aura de proteção imensa.

Abri meus olhos devagarzinho me acostumando com o fato de que teria que acordar, esperei minha visão se clarear e revelar que estava deitada sobre o peito do Armin enquanto uma de suas mãos mexia no celular e a outra que estava por baixo de mim fazia carinho no meu rosto tirando o cabelo na minha bochecha.

Me levantei devagar e me sentei sobre as minhas pernas e meu rosto estava quente, tão quente... Acho que esse é um sinal que eu estava corada.

-Porque levantou? Se sente mal? - Ele perguntou e logo uma maré e memórias me veio sobre a noite anterior.

Memórias da noite do baile, da saída dele a do parque e também de quando estava tão sonolenta que Armin teve que me ajudar a andar até seu quarto e .... Trocar minha roupa colocando em minha uma de suas blusas largas por que as outras dele quase serviam em mim por causa da diferença de tamanho.

Fiz careta ao sentir minha cabeça doer como se tivesse um martelo batendo nela, levei minhas mãos até ela fazendo uma careta.

-Está com enxaqueca? - Armin se levantou e eu assenti com a cabeça ainda me sentindo quente. - Hm... Me deixe ver algo. - Ele retirou minhas mãos da testa e aproximou as nossas testas e isso me fez lembrar do beijo que demos depois de ter aceito o pedido de namoro.

-Então está tímida em... - Ele sorriu e eu fechei os olhos. - Você fica sexy quando está acabando de acordar. - Sua voz meio rouca me fez arrepiar e logo senti seus lábios nos meus e abri meus olhos e o vi fazer o mesmo e eu fechei rapidamente.

Nos afastamos do longo selinho e ele me abraçou fortemente.

-Armin... Minha cabeça. - Falei baixinho perto do ouvido dele e ele beijou minha cabeça.- Okay, vou pedir minha mãe um remédio para você. - Ele se afastou e se levantou, decidi ir acompanhar mas ele me olhou de cima a baixo.

Virei minha cabeça em dúvida e ele sorriu e mordeu o lábio, me puxou pela cintura me assustando e mordeu o lóbulo da minha orelha me fazendo sentir uma fraqueza e arrepios tão fortes que poderiam chegar a vertigens.

-Você andando com apenas minha blusa sensualizando pela casa, tem certeza que quer descer? - Ele beijou meu pescoço e eu me senti nervosa.

-Acho que ficarei aqui. - Falei e ele riu me soltando. - Volto já, fica a vontade no meu santuário. - Ele disse saindo pela porta me deixando em pé no quarto.

Soltei o ar me sentando no chão botando as mãos no rosto.

Ai meu Deus, minha mãe vai me matar ela disse para não namorar até eu fazer a faculdade... O que eu faço?! E pior eu bebi bebida alcoólica, mesmo não querendo... Eu... Bebi!

Eu beijei o Armin... O Armin...

Ela vai me matar... Talvez ela me coloque de volta no armário por meses, me tire da cidade me mate... Ahhhh

-Cheguei cunhada! - Pulei com o susto pro lado e vi Alexy entrar vestindo uma blusa de mangá longa rosa com a estampa de unicórnio e uma calça longa jeans. Olhei para ele que se aproximou e se sentou na cama. - Vocês dois, deitaram e rolaram hoje né? - Ele riu travesso.

-C-como? - Perguntei e Alexy riu da minha cara.

-Estou brincando cunhada, mas olha quero uma sobrinha de olho rosa igual ao da minha lente. - Alexy sorriu de orelha a orelha e eu o encarei. - Okay, você está séria demais aconteceu algo?

-Talvez eu tenha cavado meu túmulo. - Falei me levantando. - Eu me apaixonei e minha mãe vai me matar. - Disse me levantando e sentando na beirada da cama ao lado dele.

-Que? Como assim? A Delanay não seria capaz disso, seria? - O Alexy indagou e eu recebi a injeção de memória.

-Espera, eu... Pensei que a Rosângela era minha mãe. - Suspirei e baguncei meus cabelos. - Droga... De dor de cabeça. - Reclamei e ele riu.

-Chegamos na hora certa. - Olhei para porta onde Victoria entrava sorrindo com uma bandeja. - Aqui está querida, comprei esse remédio para o Alexy e por vias das dúvidas guardei ele antes de dar o comprimido para uma das suas amigas e do Alexy. - Disse ela sorrindo e me colocando o copo na mão junto do comprimido.

Peguei o copo com água e o comprimido e tomei o remédio.

-Agora você vai ficar melhor. - Ela falou sorrindo. - Fique deitada ai que vou levar as coisas e fique a vontade a casa é sua.- Disse ela saindo pela porta.

-Okay, Alexy vaza. - Falou Armin pulando na cama e colocado a mão na minha cintura como se me chamasse.

-Que? Mas, eu preciso saber como foi a noite de vocês e tenho babados para falar com a minha cunhada. - Pronunciou Alexy com a cara revoltada. - Vocês podem se pegar depois. - Meu rosto queimou.

-A Serena acordou com enxaqueca não acho que ela vai aguentar ouvir e conversar Alexy. - Falou Armin fazendo Alexy olhando para Armin e depois para mim que sorri sem jeito. Onde fui amarrar meu cavalo. - Okay, mais tarde eu quero a nossa conversa com detalhes. - Alexy piscou o olho quando se retirava do quarto.

-Paz, novamente. - Falou Armin se sentando e abraçando por detrás. - Por que não se deita comigo e jogamos no meu ps vita. - Ele sussurrou no meu ouvido e mordeu o lóbulo da minha orelha.

-É... - Aquilo era constrangedor então olhei para o quarto e sobre a escrivaninha vi uma jaula. - Você tem um bicho de estimação aqui? - Falo com dificuldade.

-Tenho um furão chamado Rocket. - Ele disse me abraçando mais forte. - Mas, você não respondeu minha pergunta então vou considerar como um sim. - Senti meu corpo ser puxado e virado e novamente estava deitada.

Minhas pernas nuas estavam entrelaçadas com as do Armin e nossos corpos colados e ele sorria me abraçando.

-Você fica tão fofa corada. - Ele disse sorrindo depois e eu me senti ainda mais nervosa. - Você tá tão calada o que foi? Não me ama mais.

-Eu te amo. - Falei meio como espontâneo e ele corou e subiu sua mão que estava nos meus ombros para meu rosto e me puxou para um beijo.

Diferente da primeira vez eu estava mais calma e o beijo foi mais ardente e digamos que estava tentando pegar o jeito, mas Armin ainda me deixava insegura e confusa.

-Até que você aprende rápido. - Ele sorriu enquanto eu ficava com o rosto em chamas.

[...]

Estava tudo tranquilo aquela tarde, Serena estava no momento jogando com os gêmeos na sala vestindo não só a blusa de seu namorado juntamente de uma calça do mesmo que foi achada com custo para que ela usasse e não andasse "sensualizando" como Armin mencionará para ela.

-Cansei! - Falou ela caindo no chão cansada por tanto dançar. - Somos dois. - Falou Armin caindo ao seu lado.

-Que isso! Levantem-se! É difícil eu achar um jogo que me agrade e eu ainda não dancei madona. - Reclamou Alexy fazendo Armin cair para trás ao mesmo tempo que a campainha toca.

Enquanto eles conversavam Victoria abriu a porta revelando-se Delanay e Gerald com semblantes preocupados e tristes.

Conversaram e chamaram Serena.

-Ah, Delanay. - Sorriu ela respirando com dificuldade. - Eu vou pegar minhas coisas e já... - Serena para de falar ao ver o rosto de seus parentes e de Victoria.

-Que caras são essas? Quem morreu? - Indagou o Alexy ao chegar perto da porta junto de Armin que colocou suas mãos nos ombros de Serena.

-Meninos. - Chamou Victoria os meninos para que se afastassem.

-Filha, desculpa. - Disse Delanay com lágrimas nos rostos. - O-o que aconteceu? - Gaguejando e assustada.

-A Rosângela... Conseguiu fazer com que por enquanto sua guarda fique com ela e juntamente da liberdade temporária dela. - Ela começou a chorar e Serena ficou sem chão.

Seu coração pesou tanto que à fez cair de joelhos no chão e começar a chorar.

Ela estava com medo, não queria voltar... Se sentiu abandonada mesmo com as palavras de confortos e um abraço de seu irmão mais velho.

Os gêmeos após saberem ficaram irados, porém a pedidos da sua mãe não se revoltaram pelo momento delicado.

Após alguns segundos, Serena continuava no chão sentada em suas pernas sem levantar sua cabeça deixando seus cabelos negros ondulados e cacheados cair sobre suas bochechas molhadas e frias.

-E-eles já estão aqui para te levar. - As palavras de Delanay fizeram Serena tremer de medo com que poderia acontecer após pisar no portão da casa.

-E-eu não quero ir... Eu tenho direito de decidir! - Serena olhou para cima com as lágrimas escorrendo sobre suas bochechas e tentou manter o controle de sua sanidade.

-A Rosângela fez um jogo falando que você não tinha condições mentais para escolher o que fazer. - Falou Gerald limpando os olhos cheio de orelhas.

-N-não... - Isso foi o que ela falou antes de ser ajudada a levantar por Delanay.

Armin não aguentou correu e puxou Serena dos braços da mãe à abraçando.

-Eu não vou deixar que levem ela para aquela mulher! Vocês não tão vendo que ela está tremendo de medo?! Isso é... MALUQUICE! - Irritado o gamer exclamou indignado uma palavra alta que não fosse um palavrão.

-Cara, para se você fazer isso a guarda da Serena pode ficar para sempre com a Rosângela.- Falou Gerald levantando e essa foi a vez de Armin soltar a namorada devagar e entregar para os familiares.

Todos estavam arrasados Armin tinha seu coração saindo pela boca e ao mesmo tempo na palma de sua mão. Serena, já estava começando a pensar no que poderia vir e pensou que nunca mais veria as pessoas que a trataram com tanto amor e carinho.

No portão o carro preto se destacava brilhoso por esta lustrado que até o guarda da polícia fazia questão de passar várias vezes um paninho, já do lado a assistente social com a prancheta vestido uma saia lápis preto olhava pra todos pelo óculos retangulares cinza.

-Eu não vou. - Falou Serena recuando para trás limpando os olhos. - Não sou maluca, e sei bem que se for para minha antiga casa não voltarei. - Disse ela um pouco segura de si.

-Okay, a sua verdadeira mãe disse que poderia haver a hesitação por isso... - Exclamando a palavra verdadeira ferindo Delanay a mulher de coque estralou os dedos e o policial não escutou, então ela estralou mais uma vez... E nada...

-GUARDA! - Gritou ela e o guarda pigarralhou e olhou para todos.

A assistente sem paciência apontou para a menina com a mão e o homem entendendo foi andando e quando ele chegava perto os três meninos se puseram na frente de Serena.

-Vocês não vão levar minha irmã. - Disse Gerald bravo. - Minha namorada. - Serena corou nesse momento enquanto ficava supressa com a ação dos meninos. - Minha cunhada na qual nem botei os papos em dias. - Disse Alexy sorrindo para ela.

-Garotos! Saíam da frente. - Falou Delanay e a pose dos três se perderam facilmente ao ver a cara das mais velhas furiosa.

O homem segurou o braço de Serena na qual se debateu e tentou socar o homem.

-Parados. - Nesse exato momento um homem de terno super elegante de cabelos castanhos quase negros e olhos misteriosos e cor cinza disse fazendo todos encará-lo.

-Quem é você? - Perguntou a assistente.

-Detetive Arthur Freeling. - Disse ele sério.- Ou como conhecido por essa Lady... - Serena piscou os olhos ao perceber a voz grossa e o apelido que se encaixavam ao de um velho conhecido.

-Não pode ser - Sussurrou ela.

-Seven. E vocês dois estão presos. - Disse ele sorrindo de lado pegando dois pares de algemas prateadas e colocando perto do rosto.

Saved Complete



Notas Finais


~~~Paused~~~

~>As duas amigas minhas que estão acompanhando sabem que eu pensei em algo bem maluco... Elas até ficaram com medo da minha risada 😂 Magina... Eu sou um doce de pessoa, não?

~>Hoje é aniversário da tia Chino! Coincidência eu ter tido uma ideia que assustou duas leitoras, não?

~>Que seja... Espero que continue gostando. #EstamosQuaseCom200Favoritos!

Exit✔


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...