História Girl - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hansol, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Kun, Mark, RenJun, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Johnten, Jungwoo, Lucas, Smrookies, Taeten, Winkun, Yukhei, Yukwoo, Yuwin
Visualizações 41
Palavras 1.205
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Pansexualidade, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - S e v e n


Fanfic / Fanfiction Girl - Capítulo 8 - S e v e n

Yuta aparecera no dia seguinte, por pura insistência de Youngho, mas ainda com um grande receio do que falariam dele, porque ele tinha plena e grande certeza de que falariam pelo menos alguma coisa. Seu casaco azul cobria sua cabeça quase que completamente, Yukhei e Jaehyun ainda tentando convencer o garoto a tirá-lo enquanto os portões do colégio ainda não abriam. O japonês negou todas as vezes, e o grupo de amigos entrou na escola como um grupinho de populares chega no refeitório e esbarra na garota novata como se ela não estivesse aqui. No caso, não havia novatos e a única pessoa que eles esbarraram, eles pediram desculpas no mesmo instante.

Quando o primeiro olhar apareceu, Ten e Doyoung perceberam a tensão em Yuta, e eles seguraram as mãos do japonês como modo de deixar o garoto mais calmo. Mas o olhar não foi inteiramente para ele.

– E então mandaram o vídeo no grupo da escola, você precisava ver! – Uma garota disse para o garoto ao seu lado, provavelmente seu amigo. – Ele deu um belo de um soco no Hansol, e depois ele ainda apanhou de uma garota e... – Ela se calou quando viu que Ten estava bem ao seu lado.

E então eles perceberam. Yuta estava com medo dos olhares, mas eles não foram direcionados para ele.

– Ah meu Deus, não sou eu...

– Pois é. Sou eu. – Ten estava feliz e chocado. Não sabia se aquela atitude bombaria tanto pela escola, talvez por ele ter beijado Hansol, ou ter feito alguém ser suspenso sendo que quem deveria estar sendo suspenso era ele, mas ele ainda tinha a sua parte que estava feliz por não ter que fazer Yuta passar pelo preconceito alheio.

– Olha, pelo que eu ouvi falar – Youngho brotou ao lado deles, fazendo todos se questionarem se ele realmente havia se afastado em algum momento. – Hansol não veio hoje. Perdeu toda a moral que tinha por aqui, e Seulgi não se cansa de mostrar o vídeo por aí. Você não está bravo com ela, está? Porque ela disse que se você...

– Não, não estou. Mande ela continuar. – Ele sorriu, se sentindo um vilão de desenho animado por ter feito sua vingança. – É maravilhoso ver a moral de Hansol tão baixa.

– É legal para você, não é? Mas já perguntou se é legal para ele? – Uma voz que eles não conheciam foi ouvida logo atrás deles, e eles se viraram, vendo Jungwoo com a mochila e o cabelo caindo sobre os olhos. – O cara está sofrendo um puta de um hate nas redes sociais, vocês sabem o que é isso?

– Ele merece. Isso que recebe por não saber se comportar como uma pessoa. – Dessa vez, não foi Jaehyun ou Ten que rebateu. Foi Yukhei, e todos se assustaram com o chinês estar enfrentando seu "crush" de hétero.

– Meu Deus, vocês são podres.

– E você acha que ele é o quê? O cara se rebela, faz as meninas ficarem com fama de puta por culpa de boatos falsos, expõe um momento de privacidade de um garoto sem o consentimento dele e ainda faz ele sofrer cyberbullying, e é só ele receber um "viado" em um comentário de uma conta anônima no Twitter que é a gente que paga de ruim na história? Faça-me o favor, né Jungwoo? – Ele cruzou os braços e deu um passo a frente, ficando frente-a-frente com o garoto e sem nenhum medo de vacilar. A cena já estava chamando a atenção de algumas pessoas, que já estavam se amontoando ao redor. – Hansol não sabe se comportar como gente, e ele nunca vai saber o que...

– Ele não é assim! Porra, é tão difícil vocês entenderem? Ele não é assim porque ele quer! – Taeyong entrou ao lado de Jungwoo, aparentemente nervoso. – PORRA! Vocês são uns monstros, arruinaram a vida do garoto, e tudo por causa do amiguinho estranho de vocês que...

– Opa, opa, opa – Ten deu um passo a frente, indo na direção de Taeyong e o encarando nos olhos. Ele o encarou com ódio completo.

– O quê?! Vai me beijar também?

– Do que você o chamou? – Ele empurrou o ombro do garoto de cabelo rosa levemente, e ficou parecendo um policial tentando fazer um adolescente confessar o crime antes das consequências. – DO QUE VOCÊ O CHAMOU? FALE! FALE BEM NA FRENTE DELE, DO QUE VOCÊ O CHAMOU?

– ESTRANHO! PORQUE É ISSO QUE ELE É, O QUE ELE FAZ É!

O som do tapa foi ouvido no corredor inteiro. O silêncio era eminente, e Ten torcia para que ninguém mais aparecesse. O rosto de Taeyong havia virado com a força usada, ele estava em choque como os outros que viam a cena.

– Você nunca, NUNCA MAIS, chame ele assim. – O tailandês disse, apontando o dedo para o coreano. – E nunca use o seu argumento de merda de que o Hansol não era assim porque ele queria, porque ele era, sim. Existe algo chamado livre arbítrio e outro chamado caráter. Ele poderia ter calado a porra da boca que nem os seus outros amiguinhos, mas ele quis bancar o fodão e mexeu com a pessoa errada. Ele pode estar recebendo xingamentos em contas anônimas, mas ele nunca vai saber como é que pessoas como eu, como Jaehyun, como Yuta, se sentem.

Taeyong o encarava de olhos arregalados, e Ten nunca havia ficado tão nervoso. Suas pernas tremiam, e ele percebia que logo alguém iria aparecer por culpa da multidão e do silêncio.

– Ele nunca vai saber o que é ser tratado como estranho por todo mundo que você conhece, todo mundo que você confiava, ele nunca vai saber o que é apanhar na rua, ser tratado como se não estivesse ali, simplesmente por gostar, beijar, amar alguém do mesmo sexo. E se descobrir, é bom que ele aprenda a nunca mais fazer tudo que ele faz, toda a humilhação que ele faz as pessoas passarem por causa dele, por causa das palavras que ele fala. – Ele falava e ouviu passos, sabendo que ele iria se ferrar no momento em que vissem o rosto vermelho de Taeyong, com a marca de uma mão. – Porquê, Taeyong, você precisava pelo menos concordar que Hansol é um merda.

O silêncio reinou novamente, até o momento em que a inspetora cruzou o corredor, vendo a multidão com os dois garotos se encarando com ódio bem no centro.

– Os dois, pra diretoria, agora! – Ela disse, sem precisar gritar por culpa do silêncio. Aquilo ecoou, e Ten apenas soube encarar os amigos e dizer algumas palavras que apenas Yukhei conseguira entender. Enquanto todos iam para suas salas e esperavam para ver a conclusão que aquilo iria dar, ele e o coreano seguiam a mulher que andava rigidamente. Eles não se encaravam, nem ousavam em se encostas, apenas andavam lado a lado e ensaiavam o que diriam para se livrar da possível suspensão.

Naquele momento, Ten não sabia nem um pouco o que ele havia se tornado por pura raiva, por pura defesa das únicas pessoas que ele poderia chamar de "amigos". Ele havia dado um sermão nos idiotas, beijado Ji Hansol e agora havia dado um tapa no rosto de Lee Taeyong. O primeiro toque com intenções.

Bem, não havia sido muito agradável, mas ele esperava que os outros poderiam ser melhores.




Notas Finais


espero que tenham gostado <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...