História Harry Potter Reescrevendo a história - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alastor Moody, Alvo Dumbledore, Harry Potter, Hermione Granger, Lord Voldemort, Merlin, Neville Longbottom, Personagens Originais, Ronald Weasley, Severo Snape, Sirius Black
Tags Harry Potter Reescrevendo
Visualizações 93
Palavras 3.886
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O que acharam?
Será que Harry ficará com Fleur, ou será que ficará com outra garota?
E Rony, com quem ficará?
É o que veremos a seguir

Capítulo 3 - O Baile


Harry estava tendo os melhores dias de sua vida, tanto que por algum tempo esqueceu-se dos motivos para seu retorno ao passado, esse esquecimento tinha nome e sobrenome, Fleur Delacour, a bela francesinha que vinha roubando todos os pensamentos do garoto, e isso de fato era algo que não agradava em nada Hermione, que estava claramente evitando o Harry. Como aconteceu nos últimos três dias, Fleur veio esperar o Harry na frente da entrada da sala comunal da Grifinória, a fofoca sobre o relacionamento dos dois já havia ultrapassado os portões do castelo, para a tristeza de Harry, ele foi manchete no Projeta Diário, ele e Fleur foram chamados do casal do século, e para piorar Harry havia recebido um monte de cartas de garotas reclamando por ele estar namorando e algumas cartas toda em francês, que ele guardou para mostrar pra Fleur.

Harry saiu da sala comunal e deu de cara com a bela loira, que sorrio de maneira feliz por vê-lo e logo o abraçou, jogando seus braços ao redor do pescoço do garoto, um carinhoso e doce beijo se formou, causou suspiros as garotas que passavam pelo o corredor.

 “Mon amour, senti saudades” Fleur falou em um tom todo dengoso, ela agora tinha pegado o habito de chamá-lo assim, Harry descobriu que era meu amor em francês.

“Eu também” Harry falou com sinceridade, ele estava começando a se apaixonar, e morria de medo desse sentimento. “A onde vamos?”

“Me leve para um local a onde a gente possa ter muita privacidade” ela falou toda animada “Quero te mostrar uma coisa que eu fiz!”.

Por alguns segundos Harry pensou no local, ai lembrou-se do lugar perfeito, a sala precisa, ele sorrio e saiu andando puxando Fleur pela a mão. Enquanto se aproximava da sala e já começava a imaginar o que queria, só que sua imaginação foi bem longe, quando abriu a porta seu queixo caiu e seu rosto ficou vermelho de vergonha, a sala precisa estava parecendo um quarto de hotel, como cama redonda e pétalas de rosas no chão, Fleur olhou o lugar e um sorrisinho se formou.

“Você preparou esse quarto?” ela perguntou “O que pensas em fazer comigo? É mais novo e já pensa nisso?”.

Harry não sabia a onde enfiar a cabeça, estava realmente morto de vergonha, por um momento desejou que a sala precisa não fosse tão magnífica, então Fleur sorrio, seu sorriso era tão belo conto o conta de passarinhos, em seguida ela o abraçou e beijou seus lábios, logo foi aprofundando o beijo, antes de Harry percebeu eles já estavam em um intenso e quente beijo, e com um empurrãozinho Fleur o derrubou na cama, ela engatinhou pelo o corpo do garoto e se sentou em seu colo, Harry deitado na cama ficava apenas observando a perfeição da garota, sem acreditar se aquilo realmente estava acontecendo, ele sentia se corpo se aquecer e arder em desejo.

“Não iremos fazer aquilo” Fleur sussurrava “Mas isso não impede da gente se divertir um pouco” Então ela se curvou e beijou o garoto novamente, descendo seus beijos até seu queixo a onde a bela francesa mordeu com um pouco mais de força, ela continuou descendo seus beijos pelo o pescoço do garoto, isso causou deliciosos e intensos arrepios ao Harry, já Fleur ia desabotoando os botões da camisa dele, com um sorrisinho cheio de travesso ela começou a beijar o peitoral do moreno, dando leves mordidas. “Hum... cheiroso” ela dizia fazendo um leve movimento com o quadril que fez Harry arrepiar inteiro “Um dia vamos perder nossas virgindades juntos, é uma promessa?”.

“Uma promessa!” Harry dizia com segurança “Então o que queria me mostrar?”.

Fleur parecia animada, ela saiu de cima dele, isso o deixou chateado, então para evitar demonstrar toda sua empolgação que estava bem aparente, ele se sentou na cama e colocou um travesseiro por cima do colo, Fleur observou aquilo e fingiu não ter visto nada, ela se virou ficando de costas para ele, então começou a subir seu vestido, Harry não podia acreditar no que estava acontecendo, ela subiu o vestido até sua bunda ficar totalmente a mostra, Harry nunca antes nem no seu futuro tinha visto a bunda de uma garota pessoalmente, então ele ficou meio que hipnotizado, ela usava uma calcinha comportada da mesma cor do vestido, seu bumbum era redondinho e durinho, tinha o tamanho perfeito para o corpo da garota.

“Dá para parar de olhar minha bunda?” Fleur dizia em um falso tom irritado “É aqui em cima” Ela apontava uma pequena tatuagem que ficava mais a cima, no comecinho da calcinha, ela até afastou a calcinha para ele poder ver melhor, na tatuagem um coraçãozinho com as letras H&F.

“É de verdade?” o garoto perguntou.

“Feita por magia!” ela respondia em um tom sorridente “Apago quando eu quiser, então gostou?”.

“Linda!” ele dizia, em seguida fez algo meio que impensado, colocou a mão no bumbum dela e deu um beijinho na tatuagem.

Fleur fez um som estranho com esse contato, tal som motivou ainda mais o garoto, que colocou as duas mãos na bunda dela e a puxou para seu colo novamente, Fleur já sentou agarrando o garoto, o beijando de forma intensa, os dois estavam aproveitando ao máximo do beijo, e o limite do permitido e do não permitido estava começando a não existir, as mãos do garoto estavam começando a fazer traçados mais íntimos provocando sentimentos intensos e baixos gemidos a garota, foi nesse momento que ela resistiu à tentação e se afastou dele, já com os lábios sem cor devido às chupões que o moreno deu nela, ela sentiu suas pernas bem bambas e seu corpo demonstrava seu desejo deixando a área mais intima dela bem úmida tamanha umidade a deixava completamente envergonhada.

“Por hoje chega!” ela dizia.

Harry entendia que não era mais permitido tentar nada, isso não o deixou triste, na realidade ela ainda estava em êxtase, nunca tinha tido um momento tão intimo com nenhuma garota, com Fleur ele pode conhecer mais sobre seu corpo e sobre o corpo de sua parceira, ele ainda podia sentir o calor do corpo dela nas pontas de seus dedos.

“Então, poderia traduzir essa carta?” ele dizia tentando mudar o rumo das coisas notou que Fleur ainda estava com o rosto bem corado e havia se sentado bem longe dele, ficou com medo dela ter ficado com raiva da ousadia dele.

“Claro Mon amour” ele dizia lançando um sorriso doce para ele.

Então pegou a carta das mãos dele e começou a ler, então deu uma leve gargalhada e rasgou a carta, Harry não entendeu por que ela fez isso, ou por que riu daquela maneira.

“O que estava escrito?” ele perguntou.

“Xingamentos” ela respondeu “Parece que tenho alguns fãs na França, e um deles odiou saber que estou namorando”.

“Hum você estar namorando é?” Harry dizia em um tom divertido.

Fleur voltou a ficar super corada “Estou esperando você pedir!” ela dizia bem baixinho.

Harry resolveu brincar um pouco e ficou calado, passou um minuto, dois minutos, no terceiro minuto apenas sentiu o travesseiro bater contra seu rosto com força.

“Se acha que pode ficar me alisando, me beijando e fazendo essas coisas safadas comigo sem precisar namorar você estar muito enganado” Fleur dizia em um tom alto, estava super nervosa “Não sou qualquer uma!”.

Harry soltou uma leve gargalhada e a abraçou, deitando-se juntos na cama, ele por cima dela, ela com os olhos marejados, ele alisou a face da bela garota e deu um leve selinho nos lábios dela.

“Estava brincando” Harry dizia “Quer namorar comigo?”.

“Não” ela respondia ainda emburradinha, em seguida virava o rosto sem querer olhar nos olhos do garoto.

“Se acha que pode ficar me alisando, me beijando e fazendo essas coisas safadas comigo sem precisar namorar você estar muito enganada” Harry repetiu exatamente o que ela disse, só que em um tom amistoso “Então trate de aceitar!”.

“Só por que você insistiu demais” Fleur disse antes de lhe roubar um delicioso beijo “Sei que morreria se eu falasse não!”.

Então Harry fez cócegas nela até a coitada ter um ataque de risos, depois já vendo que estava muito tarde, os dois foram para seus devidos dormitórios, ambos completamente apaixonados, e isso era algo que não foi planejado pelo o Harry.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Harry dormiu rapidamente, sonhando a noite inteira com certa garota francesa que estava lhe roubando todos os suspiros, quando acordou ele não se assustou em ver o seu amado elfo domestico, na realidade ele estava feliz, Dobby estava vivo, Harry se lembrou de que Dobby o acordará naquela época com presentes, isso encheu o coração do garoto de alegria, ele jurou não permiti que Dobby morresse. Após abrir todos seus presentes, Harry percebeu que muitas coisas haviam mudado, ele ainda havia ganhado o livro intitulado Os Times de Quadribol da Grã-Bretanha e da Irlanda da Hermione, só que dessa vez o livro veio com um pequeno bilhete, que dizia assim: Desculpe por ter te evitado, não estava preparada para te ver com uma namorada, não se preocupe, serei sempre sua melhor amiga! E Harry não entendeu os motivos de seu coração ter repudiado a parte de ser sempre melhores amigos, por dentro algo gritava para Harry, dizendo que ele não queria Hermione apenas como sua amiga, só que o garoto achou que aquilo era apenas sua imaginação, e logo esqueceu esse pensamento quando abriu uma caixa prateada com dourada, ele viu um belo porta retrato já com uma foto nele, na foto Harry e Fleur se beijavam e dançavam, ele se arrepiou ao perceber que a foto lembrava demais a foto de seus pais, então para esquecer esse pensamento ele pegou o bilhete que sua namorada havia mandado junto com o porta retrato, e leu:

Ontem foi a melhor noite de minha vida, Je t'aime.

Harry e Rony se encontraram com Hermione na sala comunal e desceram juntos para tomar o café da manhã. Hermione havia voltado à normal, ou tentava muito parecer normal. Os três passaram a maior parte da manhã na Torre da Grifinória, talvez por que Fleur e Lorayne haviam dito que só encontraria os dois na hora do baile, na torre todos se divertiam com os presentes recebidos, depois voltaram ao Salão Principal para um almoço magnífico, que incluía no mínimo uns cem perus e pudins de Natal e montanhas de Bolachas Mágicas de Cribbage. Os garotos saíram para os jardins à tarde, a neve estava intocada, exceto pelas valas fundas feitas pelos estudantes de Durmstrang e Beauxbatons a caminho do castelo. Hermione preferiu assistir à batalha de bolas de neve de Harry com os Weasley, em vez de tomar parte nela e, às cinco horas, disse que ia subir para se preparar para o baile.

“Quê, você precisa de três horas?” perguntou Rony, olhando para ela incrédulo e pagando por esse lapso de concentração: uma enorme bola, atirada por Jorge, atingiu-o com força do lado da cabeça. “Com quem é que você vai?” gritou ele para Hermione, mas a garota apenas acenou e desapareceu pela escada de acesso ao castelo.

Não houve o chá de Natal àquela tarde porque o baile incluía um banquete, de modo que às sete horas, quando ficou difícil fazer pontaria direito, os garotos abandonaram a batalha de bolas de neve e marcharam de volta ao salão comunal. A Mulher Gorda estava sentada em sua moldura com a amiga Violeta do andar de baixo, as duas extremamente tontas, caixas vazias de bombons recheados de licor amontoadas sob o quadro.

“Lutas de Covil é isso aí!” riu-se ela quando os garotos disseram a senha, e ela girou o quadro para frente para deixá-los passar. Harry, Rony, Simas, Dino e Neville trocaram a roupa por vestes a rigor no dormitório, todos se sentindo muito constrangidos, menos Rony, que estava maravilhado com suas vestes a rigor.

“Harry obrigado, você me salvou” ele dizia quase chorando “Imagine se tivesse que ir com aquele vestido?”.

“Você iria passar a maior vergonha de sua vida” Harry falou sorrindo “Agora vamos todos nos divertir!”.

"Eu ainda não consigo entender como foi que vocês dois ficaram com as garotas mais bonitas da Beauxbatons” murmurou Dino.

"Magnetismo animal" disse Rony todo animadinho.

O salão comunal estava com um ar estranho, cheio de gente usando diferentes cores em lugar da massa negra de sempre. Então Rony e Harry saíram do salão comunal, já que seus pares eram de outra escola, eles marcaram de se encontrar no saguão de entrada.

O saguão de entrada também estava apinhado de estudantes, todos andando por ali à espera que dessem oito horas, quando as portas para o Salão Principal seriam abertas. As pessoas que iam encontrar pares de outras Casas procuravam atravessar a aglomeração, tentando localizar uns aos outros. Fleur esperava Harry ao pé da escada. Estava realmente muito bonita com um belo vestido cinza-prateado que ficava um pouco colado ao corpo, deixando a beleza perfeita do corpo da garota ainda mais a mostra, Harry se aproximou dela a cumprimentado com um carinhoso selinho nos lábios.

“Você... hum perfeita” ele falou meio sem graça.

“Me arrumei pra você” ela dizia em um tom apaixonado.

“A onde estar Lorayne?” Rony perguntou.

“Já vem” Fleur respondia “Ela fez um penteado e depois achou que você não ia gostar e estar fazendo outro” Fleur sorria “Cuide dela, é minha melhor amiga e parece apaixonada por você”.

“Pode deixar” Rony dizia animado.

Um grupo de alunos da Sonserina vinha subindo as escadas do seu salão comunal na masmorra. Malfoy à frente; usava vestes de veludo negro com a gola alta, que na opinião de Harry o faziam parecer um padre. Pansy Parkinson estava agarrada ao braço de Malfoy, com vestes rosa-claro cheias de babadinhos. Crabbe e Goyle vinham de verde, pareciam pedregulhos cobertos de limo e nenhum dos dois, Harry ficou satisfeito de constatar, conseguira encontrar um par. As portas de carvalho da entrada se abriram e todos se viraram para olhar os alunos de Durmstrang entrarem com o Professor Karkaroff. Krum vinha à frente da delegação, acompanhado por uma garota bonita, de vestes azuis, que Harry sabia que era a Hermione, que estava linda como nunca, ele tentou ficar algum tempo olhando a Hermione, mas um beliscão da Fleur o fez desviar olhar. Então olhou por cima das cabeças do grupo, ele viu que a área do gramado logo à entrada do castelo fora transformada em uma espécie de gruta cheia de luzes encantadas — ou seja, centenas de fadinhas vivas encontravam-se sentadas nas roseiras que tinham sido conjuradas ali e esvoaçavam sobre as estátuas que pareciam representar Papai Noel e suas renas. Então a voz da Professora Minerva McGonagall chamou:

“Campeões aqui, por favor!”

“Rony te vejo lá dentro!” Harry falou para o amigo.

“Ron” era a primeira vez que Fleur o chamava assim “Sua musa chegou!”.

Harry e Fleur observaram Rony ir quase que correndo na direção da bela Lorayne, que o esperava todo sorridente vestida com um belo e longo vestido verde-oliva.

A professora McGonagall, que trajava vestes a rigor de tartan vermelho, e enfeitara a aba do chapéu com uma guirlanda bem feiosa de cardos — a flor nacional da Escócia —, mandou-os esperar a um lado das portas, enquanto os demais entravam. Eles deviam entrar no Salão Principal em cortejo, quando os outros estudantes se sentassem. Diferente do que Harry se lembrava, Cedrico e Cho pararam mais próximos às portas. Agora próximo da Hermione ele podia observá-la sem ser notado pela a Fleur, Hermione estava bonita como Harry se lembrava, o moreno sabia que Hermione fizera alguma coisa com os cabelos, não estavam mais lanzudos, mas lisos e brilhantes e enrolados num elegante nó na nuca. Estava usando vestes feitas de um tecido etéreo azul-pervinca, ela sorria um sorriso um pouco nervoso, a única diferença era que ela estava evitando olhar para o Harry e Fleur, Harry se lembrou dele mesmo, quando evitava olhar para Cho. Quando as portas do Salão Principal se abriram, o fã-clube da Fleur passou lançando olhares assassinos ao Harry, que nem ligou apenas sorrio. Pansy Parkinson boquiabriu-se ao passar com Malfoy, e foi engraçado para Harry observar Malfoy incapaz de encontrar uma ofensa para atirar a Hermione pela a segunda vez. Rony, porém, passou direto por ela sem sequer olhar, ele estava muito entretido conversando com Lorayne. Depois que estavam todos sentados no salão, a Professora Minerva mandou os campeões e seus pares formarem um cortejo, de dois em dois, e a seguiram. Os garotos obedeceram e todos no salão aplaudiram, quando eles entraram e se dirigiram a uma grande mesa redonda no fundo do salão, onde estavam sentados os juízes. As paredes do salão estavam cobertas de gelo prateado e cintilante, com centenas de guirlandas de visco e azevinho cruzando o teto escuro salpicado de estrelas. As mesas das Casas haviam desaparecido; em lugar delas havia umas cem mesinhas iluminadas com lanternas, que acomodavam cada uma, doze pessoas. Harry estava seguro de si, diferente da primeira vez que quase caiu uma centena de vezes, e foi preciso Parvati o conduzir o tempo todo, agora era ele que estava conduzindo, conduzindo uma verdadeira deusa, a garota mais bonita que havia lá.

Dumbledore sorriu feliz quando os campeões se aproximaram da mesa principal. Ludo Bagman, esta noite de vestes pretas, com grandes estrelas amarelas, batia palmas com tanto entusiasmo quanto qualquer estudante e Madame Maxime, que trocara o uniforme costumeiro de cetim negro por um vestido rodado de seda dourada, os aplaudia educadamente. Mas algumas coisas não havia mudado o Sr. Crouch não estava presente, a quinta cadeira à mesa estava ocupada por Percy Weasley. Quando os campeões e seus pares chegaram à mesa, Percy puxou uma cadeira vazia ao seu lado, olhando significativamente para Harry. Harry sabia que Percy queria que ele se sentasse ali, mas não iria estragar seu baile escutando o chato do Percy.

Harry se sentou próximo da Hermione, isso fez Fleur o lançar um olhar extremamente ciumento, tal olhar que o garoto fez que não viu para continuar tendo o baile perfeito, em seguida ele olhou o cardápio e pediu algo totalmente diferente que pediu na primeira vez, enquanto comia observava Vítor Krum conversar com Hermione, Harry não deixou de rir pela a segunda vez do comentário de Dumbledore, só que agora ele sabia que o velho diretor estava falando da sala precisa.

“Fleur seu sotaque diminuiu demais!” Harry comentava, ele percebeu isso após escutar Krum conversar com seu pesado sotaque.

“Eu tipo que o deixava ainda mais pesado” a garota confessava “Agora eu seu lado eu to forçando para diminuir o sotaque e não aumentá-lo, sabe estou adorando Hogwarts!”.

Por essa Harry não esperava, no seu passado a garota passou o jantar inteiro comparando Hogwarts com Beauxbatons, hoje ela estava dizendo que estava adorando Hogwarts, para o garoto essa foi à prova que o passado realmente era mudável, e isso o deixou ainda mais animado. Quando toda a comida fora consumida, Dumbledore se levantou e pediu aos estudantes que fizessem o mesmo. Então, a um aceno de sua varinha, as mesas se encostaram às paredes, deixando o salão vazio, em seguida ele conjurou uma plataforma ao longo da parede direita. Sobre ela foram colocados uma bateria, alguns violões, um alaúde, um violoncelo e algumas gaitas de foles. As Esquisitonas subiram, então, no palco sob aplausos delirantemente entusiásticos, eram todas extremamente cabeludas, trajavam vestes negras que haviam sido artisticamente rasgadas. Harry percebeu que as lanternas de todas as outras mesas tinham se apagado, então se levantou tendo o braço seguro por Fleur, que parecia super animada. As Esquisitonas tocaram uma música lenta e triste, Harry entrou na pista de dança bem iluminada, ele sorriu de forma animada para Simas e Dino que acenaram para ele entre risinhos, em seguida Harry passou seu braço ao redor da cintura da Fleur enquanto usava o outro braço para alcançar a mão dela, segurando-a de forma carinhosa. Eles dançavam, e para muitos era o casal que dançava melhor ali, parecia que estavam flutuando sobre a pista de dança, Fleur com aquele sorriso belo na face, sem conseguir tirar os olhos do Harry, não demorou para os outros se juntar aos campeões, de modo que os campeões deixaram de ser o centro das atenções. Neville e Gina dançavam próximos a ele, Harry percebeu que não sentia um pingo de ciúmes dela, para piorar, ele estava sentindo ciúmes era da Hermione, que dançava mais junto com Krum do que ele se lembrava. Já Dumbledore valsava com Madame Maxime. Ficava tão pequeno junto a ela que a ponta do seu chapéu cônico mal roçava o queixo da bruxa, no entanto, Madame Máxime se movia graciosamente para uma mulher daquele tamanho. Harry ouviu a última nota trêmula da gaita de foles. As Esquisitonas pararam de tocar, os aplausos encheram mais uma vez o Salão Principal, só que dessa vez ele não foi se sentar, ele não iria estragar seu primeiro baile pela a segunda vez, em vez disso ele esperou ansioso, queria dançar a noite inteira com a Fleur.

“Cara que show!” Rony dizia se aproximando do casal, ele estava de mãos dadas com a Lorayne. “Vamos dançar até não nós aguentarmos em pé?”

“Com certeza!” Harry dizia todo animado.

“Seu namorado é animado em!” Fleur dizia para Lorayne, Harry percebeu que ela só disse isso para descobrir se Rony e Lorayne estavam namorando.

“Você não viu nada ainda” Lorayne dizia em um tom descontraído lançando uma piscadela em seguida.

“Sou um vulcão!” Rony dizia empolgado.

“Menos!” Lorayne o repreendia.

As Esquisitonas começarem uma nova música, que era muito mais movimentada, que fez o casal de amigos pularem animados e começar a dançar, um segundo depois Hermione e Krum se juntou ao grupo, lógico que Harry e Hermione trocaram alguns olhares, olhares que não foram percebidos por Krum e Fleur. Os três casais dançaram animados todos as musicas, eram as pessoas mais animadas do baile, eles paravam apenas para beber imensas canecas de cerveja amanteigada e já voltavam para a curtição total! Mas para o fim do baile, Rony um pouco alterado devido à cerveja, quase ficou pelado enquanto fazia um strip-tease, isso quase matou o Harry de tanto rir, a cena ficou ainda mais engraçada quando Lorayne decidiu interromper e correu atrás do Ruivo com o paletó dele na mão. Então o baile acabou e eles foram os últimos a sair, enquanto Harry ia para a sala comunal da Grifinória com Rony e Hermione, ele ficou lembrando do seu baile em seu passado, e o comparou com esse, viu que essa tinha sido umas dez mil vezes melhor que o outro, tal pensamento o deixou animado, se ele conseguisse mudar todas as coisas igual mudou seu baile, ele com certeza teria um futuro bem melhor que aquele banhado de dor e sangue, esse pensamento fez o coração do jovem moreno acelerar ainda mais, o fez perceber que tinha muitas oportunidades para fazer tudo dar certo.

“Foi legal” Rony dizia ainda meio bêbado.

“Sim, foi sim” Harry respondeu animado.

“Foi, só que podia ter sido ainda melhor!” Hermione dizia lançando um olhar intenso a Harry.

“O que disse?” Rony perguntou.

“Nada não!” Hermione respondeu ficando corada “Você fica ainda mais chato bêbado!”.

“Harry” Rony dizia em um tom choroso “Briga com ela vai!”.


Notas Finais


Parece que o Rony arrumou um par, isso é bom né gente


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...