História Helpless Rabbit - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Ambre, Armin, Castiel, Dakota, Debrah, Dimitry, Kentin, Leigh, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya
Tags Amor, Beijos, Castiel, Comedia, Drama, Professora, Romance
Visualizações 38
Palavras 629
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Josei, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá leitores, informo que haverá descrições pesadas neste capitulo.
Sem mais delongas, boa leitura.

Capítulo 16 - This is my game baby


Fanfic / Fanfiction Helpless Rabbit - Capítulo 16 - This is my game baby

Com Alícia em meu  colo, coloquei ela no banco de passageiro e passei o cinto envolta de seu corpo.

Sua pele branca parecia totalmente iluminada, com o luar e isso estava me irritando. Por sorte eu havia ido de carro. Dirigi diretamente para o apartamento, e como não tinha acesso ao seu cartão de liberação da porta, á deixei no sofá deitada.

Joguei meu casaco em algum canto do apartamento, e fiquei observando aquela ruiva dormir. Eu não sabia por qual motivo eu me sentia vidrado na sua aparecia, e na sua pele, eu me sentia no direito de tentar resolver tudo que eu já havia feito por ela.

- Pare de me olhar. – Ela cochichou baixo, me fazendo soltar uma gargalhada abafada.

- Ué, para quem estava desmaiada. – Brinque, ajudando ela a se sentar no sofá.

- Minha cabeça está girando muito.

- Você é fraca para bebida Alícia.

Reprendi à ruiva em minha frente, que apenas fez um gesto que soava um “vai se foder”.

- Pretendo voltar para minha casa.

- Nem por cima do meu cadáver, você nem consegue ficar em pé, quem dirá andar até lá. Você vai ficar aí. – Praticamente deitei, ela no sofá.

Eu acabei ficando por cima dela, sua face automaticamente corou.

Alícia Pov’s

Eu não sabia como reagir, e nem como manter minhas forças. Seu peso era absurdamente mais do que o meu, e ele se equilibrando no braço do sofá para não me machucar.

Parecia que sua casa estava cada vez mais quente, me fazendo sentir meu rosto torna uma tonalidade avermelhada. Seus olhos vidrados no meu, fazia meu coração disparar e mordiscar meus lábios foi a alternativa para aliviar o calor sob mim.

- Não faça assim.

Sua voz causou um arrepio por toda a extremidade do meu corpo, me fazendo arfar.

- Assim como?

Provoquei-o, e o mesmo agarrou meus lábios.

Não foram lentas, as coisas estavam violentas, enlacei minhas pernas em sua cintura, e ele me puxou para colo, nossas línguas se misturavam em questões de minutos, e o calor parecia abafar cada vez mais.

Comecei arranhar suas costas, e ele sorriu maliciosamente, e deu uma leve mordiscada em meus lábios me fazendo soltar um gemido. Suas mãos agora desciam para minhas coxas, apertavam com muita ferocidade, fazendo eu quero sentir cada vez mais daquela situação alarmante do momento. Seu membro já estava totalmente rígido em sua calça e aquilo só me atiçou mais, comecei a brincar com minhas unhas em sua barriga.

- Você tem certeza que quer continuar?

Ele nos separou, porém minha resposta foi montar em cima dele. Eu depositei vários beijos na extensão de seu pescoço e fui descendo seguindo o caminho daquela perdição insaciável, o homem dos cabelos ruivos suspirava, e delirava enquanto eu passava por cima da calça minha mão, seu membro provavelmente já estava latejando querendo saltar daquele jeans surrados.

Abri o zíper de sua calça e ele colaborou, jogando em algum lugar do apartamento, aquela box branca, ressaltava a felicidade do meu desejo de toda noite. Retirei aquele leve tecido, deixando ele amostra, e comecei a passar a mão por toda a extensão de sua intimidade, ele pulsava e sussurrava um “Porra, Alícia”, porém eu apenas queria me divertir. Coloquei minha boca, e passei minha língua por toda extensão de seu membro.

- Vou gozar.

Ele disse, então apenas retirei minha boca, e comecei aumentar a velocidade da minha mão em sua intimidade, então foi tomada por um liquido branco.

Peguei o papel que tinha em uma das mesas de centro, e então levantei. Mesmo desnorteada, eu tinha que mostrar que nesse jogo, eu jamais perderia.

- Dá próxima vez, quem sabe você aguente mais.

Soltei a frase, e me retirei de seu apartamento e entrei no meu.


Notas Finais


Então meus queridos habitantes do planeta terra, o que vocês acharam deste capitulo?
Favor não esqueçam de favoritar, lá em cima e comentar aqui em baixo. (Isso ajuda muito a eu saber o que vocês pensam sobre a historia.)
Beijinhos de luzes Neon.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...