História Herdeiros do amanhã. (Interativa) - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~Lhdf31

Visualizações 43
Palavras 1.475
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Oi gente, olha que rapidinho que saiu.


Perdoem ele estar curto, mas não queria deixar uma leitura maçante.

Capítulo 16 - Capitulo 6


Capitulo 6

-- Marina, tenta não destruir tudo dessa vez. – Vinicios comentou.

-- Idiota. – Ela respondeu indo em direção a arena.

-- Da licença meu povo! Eu to carregada de bichos e quero passar. – A nanica da diretora entrou segurando algumas gaiolas e coleiras trazendo alguns animais para dentro da arena.

-- Eu já tinha te me esquecido dos nossos pobres bichinhos! – Falou Sophie se levantando.

-- Quieta! Venham apenas quando eu chamar. – Ela pega um caderno e começa a chamar. -  Eglas Demetria Perrota, pegue o seu gato por favor.

-- Malfoy! – Ela pega o gatinho nos braços e o mesmo começa a ronrronar. – Que foi? Ninguém nunca leu Harry Potter?

-- Some com esse gato daqui menina! – Ela disse pegando uma gaiola enorme com um leopardo dentro. – Franklin Radamé Nilo. Tinha que ser um bicho tão chato. – Ela aponta para a enorme gaiola.

-- Mas eles são fofinhos. – O garoto respondeu.

-- Agora Alexia Flores. Mas que saco, outro gato. Pega logo esse infeliz. – A diretora taca a gaiola com o bichano na ruiva que já se levantara. – Noah Hussian. Ohn, uma cobra. Pega ela aqui flor. – A diretora estende a cobra aparentemente coral para a loira de olhos azuis.

-- Milly, aí esta você. – A garota falou pegando a cobra e colocando-a no ombro.

-- Agora Canneo, só isso é seu nome? Ok, né? Pega esse gaio azul logo. – Ela estende uma gaiola dourada com um pequeno pássaro dentro para o garoto de cabelos prateados e olhos violetas. – Agora.... Zaiko Denki. Olha garoto, eu deveria te punir, mas sua cachorrinha é tão fofinha. – A diretora diz abraçando a cachorrinha até quase sufoca-la. – Cuide bem dela ouviu. – Disse estendendo a cadelinha para o dono de cabelos levemente alaranjados.

-- A diretora ama cachorros, eu não sei por que. – Raph fala pegando seu dragão do meio da bicharada.

-- Ordem de chamada, e não sei se vou tira-lo do castigo senhor Costa. Mas a sua irmã, a sua quimera está na minha sala, vá buscá-la depois do horário de aula.

 

-- Uou, uma quimera? – Miguel falou bem surpreso.

 

-- Sim, eu tenho uma quimera. – Respondeu Marina colocando a sua franja sobre o rosto

-- Kira Smirnov, pegue a sua raposinha. Mas que coisa mais fofinha, é uma bela espécie canídea. – A professora falou acariciando os pelos da raposa vermelha.

 

-- Bonnie? Onde você estve? – Ela pegou a raposa no colo e foi se sentar.

 

-- Bom, foi isso cambada. Agora só amanhã que chega novo carregamento. – A diretora falou indo e se sentando na única cadeira de madeira que tinha.

 

-- Mas e os nossos animais? – Selíne reclamou.

 

-- Só amanhã. Agora, vamos continuar a aula?

 

-- S-sim senhora! – O professor fez uma pequena reverência e voltou a aula. – Bo-bom, agora Nicolas e Marina.

 

Marina entra na arena e rapidamente prende a sua franja e mostra um de seus olho azuis se tornando negro. Marina cria então um tridente de gelo e se prepara para desferir seu primeiro ataque ao estomago do rapaz, mas sem sucesso, pois o mesmo se defendeu usando sua espada, Raidon.

 

Marina segue com uma sequência de ataques de vários ângulos diferentes, até que ela atinge o ponto cego do rapaz, a parte de trás de sua perna esquerda. Para não cair no chão, Nicolas começa a flutuar, pouco acima do solo.

 

O rapaz então lança um raio contra a garota que leva apenas uma pequena faísca.

 

Marina cria um enorme tsunami que quase afoga o rapaz, mas ele começa a flutuar mais alto e aproveita que a mesma está na água e lança um descarga elétrica no liquido.

 

Depois de se recuperar do enorme choque graças a água, ela cria inúmeras estacas de gelo e começa a atacar Nicolas, que é atingido no peito e cai na água morto.

 

-- A vitória é de Marina! – O professor falou. – Agora, cuidem do Nico e... EU FALEI PARA SE CONTROLAR MARINA! – O professor parecia com raiva.

 

-- Calma, todos estamos aqui para aprender, e foi uma batalha muito boa. – A professora disse enquanto fazia Nicolas flutuar até uma das macas.

 

-- Bo-bom, como desejar. – O professor se encolheu um pouco. – Agora, Iasmim e Kira.

 

-- Agora você vai ver sua russa idiota. – Iasmim sussurrou ao ouvido de Kira e depois indo até onde lutariam. – Devo começar? – Iasmim riu com cara de deboche.

 

-- Eu de você não me subestimaria. – Kira disse preparando sua katana.

 

-- Então, se é assim, permita-me começar. – Iasmim gera um arco do ar e de repente uma flecha em chamas aparece.

 

Kira tenta acertar Iasmim com sua katana, mas Iasmim começa a dar pulinhos como se estivesse voando. Antes que Kira percebesse, Iasmim atira um flecha bem nas costas dela.

 

Kira atira uma bola de fogo condensada fazendo Iasmim cair e errar sua flecha. Ela se levanta e gera uma pequena carruagem dourada guiada por pegasos e atira uma saraivada de flechas contra Kira, que corre em alta velocidade escapando de algumas.

 

Iasmim vai até um parte da arena onde batia sol e prepara uma espécie de esfera e lança contra Kira jogando-a do outro lado da arena.

 

-- Você não era a russa bonzona? Cadê seu poder agora? – Iasmim disse chutando o estomago dela enquanto recitava alguma cantiga em grego que faz com que Kira desmaie.

 

-- Certo, a vitória claramente é da Iasmim. Ninfas, cuidem da Kira por favor? – o professor diz riscando algo em sua prancheta. – Muito bem... – Ele é interrompido pelo sinal. – Bom, prosseguiremos na próxima aula então, não se esqueçam, hoje teremos queimada.

 

-- Aaa.... queimada não professor, é chato. É tipo uma aula de batalha em conjunto. – Violeta reclamou.

 

-- Não se preocupem, agora vocês vão almoçar, afinal, precisaram de forças para aguentar as aulas do Téo. – O professor riu.

 

-- Matemática, montaria, e ainda esportes no mesmo dia? Eu odeio  terças-feiras. – Violeta emburrou a cara.

 

Quando todos iam se levantar, parte dos alunos deu um passo para trás, indo para longe de Luiz.

 

-- Qual é gente, que medo todo é esse? – Sophie encarava-os com raiva e preocupação.

 

-- Depois eu te explico... Na mesa. – Raph disse sendo seguido pelo Rubi grudado nas costas dele feito gato assustado.

 

 

Mesa de Poseidon...

 

-- Agora explique-se Raphael Costa. – Sophie disse se sentando ao lado dela. Luiz os encarava a distância.

 

-- Bom, ta vendo aquele monte de palavra flutuando na cabeça dele? – Ele disse recebendo um aceno de cabeça como resposta. – Aquilo quer dizer que ele será mais um oráculo.

 

-- Como  assim oráculo? – Heroínne se intrometeu pois também queria saber.

 

-- Bom, temos quatro oráculos se contarmos com ele. A Zafira, Zaika e a Iriko. E agora, temos ele. – Raph disse colocando uma colher de macarrão na boca.

 

-- E qual o problema em ele ser um oráculo? Isso não é bom? – Sophie perguntou cada vez mais confusa.

 

-- Jamais! – Raph exclamou cuspindo um pouco de macarrão. – Os oráculos só prevêem as tragédias. E, além do mais, eles normalmente acabam sendo o alvo mais fácil para os monstros. Vários semideuses já morreram para salvar um oráculo. Eles são adorados apenas por terem a benção dos deuses. Eu não suporto ter que me sacrificar por uma criança mimada. E além do mais, a Laura, ela morreu para salvar um oráculo que traiu a todos nós. – Raph começou a chorar. – Desde sempre, os oráculos só trouxeram mal a escola heróis do amanhã. Ele não será diferente. A  única que eu realmente confio é a Zafira, ela é a única que está conosco antes do incidente daquele ano.

 

-- Mas foi algo tão grave assim? – Heroíne questinou.

 

-- Foi sim, agora chega de perguntas ao meu irmão, o Rubi vai ficar com os olhos inchados de tanto encarar vocês. – Marina diz se sentando entre Sophie e Raph, enquanto isso, Rubi piscava lentamente.

 

 

 

Algum lugar ao norte de Los Angeles...

 

Um homem de cabelos curtos e castanhos se aproximava de um beco usando uma blusa com seu capuz.

 

-- Como vai Alair, contatou nossa amiguinha? – Uma voz rouca como se estivesse muito distante podia ser ouvida de um buraco no chão.

 

-- Sim senhor.

 

-- Tivemos algum progresso? – A voz falou com um ar um pouco irritado, como se estivesse esperando a séculos.

 

-- N-não meu senhor. Mas ela disse que estamos quase lá. Ela já fez contato com a Helena, e parece que o oráculo e o filho de Hera estarão chegando hoje. – Respondeu abaixando cada vez mais a voz.

 

-- Então prossiga com o combinado.

 

-- Mas o senhor disse que...

 

-- Calado! Primeiro eu quero o que eles me prometeram, depois cuidarei do que necessita.

 

-- Sim senhor.

 

 

 

 

De volta a escola heróis do amanhã...

 

A diretora Luna caminhava calmamente, até ouvir um leve estrondo.

 

-- Essa não, acho que o veremos antes do esperado. – Ela disse com cara de medo.

 

 

Continua...


Notas Finais


Quem será esse vilão?

O que a diretora está escondendo?

Qual o resultado da reunião?

Desculpem o capitulo curto, mas comentem o que acharam, já que isso me incentiva bastante


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...