História Hi no Hana - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter, Naruto
Tags Fanfic, Fem!harry, Harry Potter, Naruto, Reencarnação
Visualizações 93
Palavras 5.663
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Crossover, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


~ Harry Potter e Naruto não me pertencem.

~ Essa é uma fanfic fem!Harry MdM reencarnação.

~ Não houve o massacre do clã Uchiha.

~ Foi o Sandaime que se sacrificou para selar a Kyuubi.

~ Kushina não morreu no ataque.

NOTA SUPER IMPORTANTE: Oi gente, eu ainda estou indecisa sobre quem será o par romântico da Tsubaki. Deixem nos comentários quem vocês preferem! =3

Capítulo 1 - Capítulo 1: Uma Flor Diferente


Toda a história tem um fim,

mas cada final

é um novo começo.

(Grande menina, pequena mulher)

oOoOoOoOo

 

Haruno Tsubaki em nada se parecia com sua irmã gêmea.

Haviam semelhanças, evidentemente, mas elas eram tão diferentes quanto o dia e a noite.

Haruno Sakura era bonita, talvez com uma beleza um pouco acima da média. Ela tinha longos cabelos rosa pink, que escorriam em uma cascata lisa e bem penteada até abaixo da linha de sua cintura. Ela tinha a pele clara, olhos verdes claros e um rosto bonito, mesmo quando levado em consideração que sua testa era maior do que a das demais pessoas. Vaidosa demais, sempre se preocupando com coisas fúteis como: maquiagens, roupas, acessórios, perfumes e meninos. Ela era inteligente, o que era facilmente identificado pelas suas boas notas na Academia Shinobi, mas sua proficiência acadêmica era rapidamente prejudicada, quando a questão se voltava para sua aptidão física. Ela era uma lenta, sua resistência não boa, seus reflexos e taijutsu era deficientes. Junto a isso, estava sua própria personalidade chamativa e, muitas vezes, inadequada. A forma como ela falava alto demais quanto não devia, ou não sabia como usar a etiqueta sutil e estava sempre contado vantagem e se exibindo. Atitude que tinha a piorar, quando Uchiha Sasuke estava por perto. Assim como muitas garotas, Sakura sonhava com o dia em que se casaria com o filho mais novo do líder do prestigiado Clã Uchiha. Sonhos que beiravam ao delírio, principalmente devido ao fato de que o jovem Uchiha nunca parecia notá-la.

Haruno Tsubaki era o oposto completo de sua irmã.

Enquanto Sakura era bonita, Tsubaki possuía uma beleza que superava muito a média e era uma promessa silenciosa de que se tornaria uma mulher de grande beleza. Seus cabelos não eram do mesmo tom rosa pink de sua irmã, mas de rosado mais suave e avermelhado, que lembrava a luz sutil das lanternas de verão. Seu rosto era angelical, com traços suaves e seus olhos eram de um verde muito mais intenso e brilhante, que lembravam as folhas das árvores de Konoha no verão. Tsubaki era vaidosa, mas não como a irmã. Do ponto de vista de qualquer shinobi na vila, e de seus professores na academia, Tsubaki era vaidosa como uma kunoichi. Ela tinha gastado todas as suas economias, logo no primeiro de academia, para renovar seu guarda-roupa, tornando-o não apenas bonito, mas prático para sua vida como um kunoichi. Ela era igualmente inteligente como sua irmã, porém sua inteligencia não era desfavorecida por suas habilidades físicas. Diferente de sua irmã, ela passava o tempo livre de seu dia treinando o máximo que podia, melhorando suas habilidade fí corria ao redor da vila todas as manhãs antes de ir para a academia e antes de voltar para casa no final do dia. Após as aulas, ela iria para um campo de treinamento vago, e iria se dedicar a treinar seus músculos, sua flexibilidade, seu controle de chakra e alguns jutsus base, assim como sua proficiência armas. Sua personalidade, também, em nada se parecia com a da irmã. Tsubaki nunca erguia a voz, sempre mantendo-a suave, apenas no volume correto. Nunca se exibia, mesmo quando era a melhor. Falava apenas o necessário, mas ainda assim, se fazia ouvir perfeitamente. Sua postura era impecável, mesmo para os anciões mais rigorosos, ela agia como uma verdadeira dama. E, acima de tudo o que lhe diferenciava de sua irmã, Haruno Tsubaki em momento algum tinha direcionado sua atenção para o jovem Uchiha.

Porém, havia um segredo sobre Haruno Tsubaki que ninguém sabia. Aquela não era sua primeira vida.

Tudo tinha começado com sonhos. Pequenos fragmentos de imagens difusas que emergiam de sua mente enquanto dormia. Foi na noite antes do seu sexto aniversário, apenas um ano antes dela ter de escolher se iria para a academia shinobi ou não, que Tsubaki se viu parada em meio a uma plataforma branca de frente para um homem coberto com um capuz preto.

O Shinigami-sama.

Foi nesse momento que ela recebeu de volta as lembranças e o poder de sua vida passada, como Jasmine Potter, a Menina-Que-Sobreviveu.

Foi difícil no começo, para que ela fosse capaz de não se deixar consumir pelas lembranças sombrias. O fator decisivo, no final, tinha sido o amor profundo que sua família sentia por ela. E, foi o desejo de se tornar forte naquele mundo, para protegê-los, que a fez decidir se tornar uma kunoichi.

O poder chamado magia, que tinha despertado junto com as lembranças, também era diferente e parecia interagir de uma forma única com seu chakra.

Aquele seria seu poder único, que passaria para seu filhos e netos... aquele seria seu kekkei genkai.

oOoOoOoOo

Foi no seu segundo ano na academia, vendo as várias brincadeiras feitas pelo filho do Yondaime, que Tsubaki teve uma ótima ideia para ajudar a treinar suas habilidades como kunoichi.

Ela não faria nada óbvio como Namikaze Naruto. Diferente do loiro, ela não tinha necessidade de chamar a atenção. O que ela queria era se tornar capaz de se infiltrar sem ser detectada. Essa era uma habilidade valiosa, e que precisava de muito tempo e dedicação para ser aperfeiçoada.

Foi por isso que ela começou devagar, infiltrando-se na casa de civis.

Primeiro, ela começaria com coisas como alterar o registro da água quente, para que ele desse defeito no meio do banho. Então ela começaria a mudar as coisas de lugar. Coisas pequenas, mas que seriam notadas. Um porta-retrato na parede... mudar a hora do despertador... esconder uma roupa ou sapato dentro do armário embaixo da pia.

Ela ficou assim por três meses. Os moradores não tinham suspeitado dela e nem de ninguém. Não verdade, muitos acreditavam estar com muita falta de sorte, esquecidos demais ou, até mesmo, acreditavam estar assombrados.

Com essas reações, Tsubaki tinha orgulho em afirmar que sua infiltração em casas civis era um grande sucesso.

Foi quando ela começou a se arriscar um pouco mais. Tsubaki começou a provocar genins.

Apesar de estarem no posto mais baixo da hierarquia shinobi, eles eram muito mais atentos e desconfiados do que civis. Alguns, mais paranoicos, até mesmo colocavam armadilhas por sua casa. Em casos assim, Tsubaki não tinha que apenas se infiltrar. Ela precisava desarmar as armadilhas com cuidado e, depois de terminar, ela tinha que montar as armadilhas outra vez.

Era muito mais difícil e, até mesmo, emocionante.

Tsubaki tinha dedicado cinco meses a essa fase. Cinco meses que tinha colocado todos os genins em um forte estado de insônia e paranoia. Tsubaki estava muito orgulhosa de si mesma.

Foi então que ela decidiu avançar para o próximo nível: chunins.

Esse era um nível muito mais difícil do que os outros. Mesmo seus professores na academia era atentos e um tanto paranoicos, o que tornava quase impossível para ela se aproximar e fazer suas 'brincadeiras'. Depois de três semanas de fracasso frustrante, Tsubaki aceitou o fato de que ela não poderia entrar na casa de um chunin, mesmo quando o dito chunin não estava, sem ser notada. Foi quando ela começou a usar com mais determinação as memórias e as habilidades de sua vida passada.

Como Jasmine Potter, ela tinha feito muitas coisas, entrado em muitos lugares sem ser notada. Verdade seja dita, a capa de invisibilidade era um recurso de ouro, mas não era apenas isso. Feitiços de desilusão e feitiço silencioso tinham sido grandes triunfos. Determinada, Tsubaki começou a se dedicar em criar jutsus baseadas nesses dois feitiços usando seu kekkei genkai junto ao seu chakra. Isso levou mais duas semanas e não tinha sido tão fácil quanto ela imaginava. No final, ela tinha conseguido. Ela tinha dois excelentes jutsus que auxiliavam sua habilidades de discrição e permitiam se infiltrar mais facilmente: Shitsubo no Jutsu e Chinmoku no Jutsu.

Quando ela conseguiu entrar na casa de um chunin, que estava tomando banho, desarmar suas armadilhas e revirar completamente o apartamento, rearmar as armadilhas e sair sem ser notada... Tsubaki quase não conseguia conter sua alegria. Aquela foi a primeira vez, depois de ver a forma como o chunin tinha corrido desesperado para a delegacia Uchiha gritando que um shinobi tinha invadido sua casa, que ela teve dificuldades em não se gabar de seu sucesso. Ver como o chunin afirmava, com tanta convicção, que um shinobi de, pelo menos, nível alto chunin, tinha conseguido invadir sua casa enquanto ele estava no banho, era uma grande massagem para seu ego como kunoichi.

Tsubaki sentia-se cada vez mais determinada a aperfeiçoar suas habilidades.

oOoOoOoOo

Tsubaki sorria abertamente, olhando satisfeita para o cronometro que ela usava para medir seu tempo de corrida.

Ela estava coberta de suor, uma fina camada de sujeira cobrindo seu qipao lilas, havia um pouco de terra em seu rosto e seus cabelos estavam um pouco bagunçados. Mas ela não parecia se importar com isso. Tudo o que ela se importava, naquele momento, era o tempo registrado em seu cronometro: 42min e 54s!

Como todas as manhãs, ela acordava duas horas mais cedo do que o restante de sua família, para fazer sua corrida matinal em volta da vila. No começo, eram cinco voltas, que demoravam quase que as duas horas completas, antes dela ter de correr ainda mais para voltar para casa e se preparar para a academia. Sua irmã sempre reclamava que ela chegava suja e fedendo, mas Tsubaki não poderia se importar menos. Velocidade e resistência eram fatores cruciais se você queria sobreviver sendo uma kunoichi. Agora, quase dois anos e meio, ela já tinha aumentado as volta em 15 e seu tempo tinha melhorado muito!

"Talvez seja hora de começar a usar pesos..." Pensou satisfeita, guardando o cronometro e correndo para casa. Ela queria chegar rápido para tomar um banho, antes que Sakura entrasse no banheiro. Kamisama sabia que sua irmã gastava horas dentro do banheiro.

Conforme ela se aproximava de sua rua, Tsubaki reduzia a sua velocidade, até que ela começou a andar tranquilamente. Um sorriso doce em seus lábios, enquanto cumprimentava os vizinhos e os logistas. Para qualquer um que não soubesse o que procurar, Tsubaki estava sendo apenas uma menina gentil e educada, parando para trocar pequenas amabilidades com seus vizinhos, oferecendo ajuda a velha senhora que vivia ao lado de sua casa, para carregar as pesadas sacolas de compras da feira. Porém, para um shinobi, era fácil detectar os olhares atentos e a postura firme que ela mantinha. Pequenos olhares analíticos sobre os civis, estudando-os por pequenos segundos, antes de descartar qualquer tipo de ameaça potencial. Chegando em sua casa, ela tomou outra postura comum para shinobis, mas que poderia ser considerada sem importância para civis. Ela se demorou um pouco na caixa de correios, apenas um par de segundos a mais do que o necessário, e o mesmo na entrada da porta, ao recolher o jornal. Pequenos segundos nos quais ela tinha se dedicado a procurar por sinais de armadilhas ou invasões.

Entrando em sua casa de forma silenciosa, ela se demorou um pouco, expandindo seus sentidos em busca de qualquer coisa anormal. Ela escutou a voz de sua mãe cantarolando na cozinha e o cheiro de misoshiru de cogumelos de sua mãe. Ela podia escutar o som do chuveiro do quarto de seu pai, assim como ela podia ouvir o leve ronco de sua irmã. Com um sorriso satisfeito ela retirou suas sandálias e anunciou sua chegada:

– Tadaima mama. – Falou, sua voz apenas alta o bastante para ser ouvida por sua mãe na cozinha.

– Okairi Tsubaki-chan. – Cumprimentou Mebuki, sorrindo ao ver a filha mais nova entrando na cozinha, estreitando um pouco os olhos ao ver a sujeira e o suor sobre ela e suas roupas, mas não comentou nada. Ela já tinha aceitado, mesmo que a contragosto, que Tsubaki, apesar de ser tão meiga e feminina, não iria hesitar em se sujar e estragar suas roupas quando o assunto era treinamento. – O café da manhã estará pronto daqui a pouco, querida. Se quiser ir tomar banho antes da sua irmã acordar, melhor ir agora, porque eu já estou indo acordá-la.

– Hai mama. – Respondeu, colocando a correspondência e o jornal sobre a mesa.

Mebuki sorriu, vendo a filha atravessar a sala em silêncio.

Era incrível como seus passos eram silenciosos e leves, não emitindo qualquer som sobre o piso de madeira. Mebuki sabia que ambas suas filhas eram lindas e se tornariam mulheres belas, mas suas personalidades eram tão opostas que, muitas vezes, ela se via pensando em como seriam no futuro. Ela e o marido vinham de um clã civil a tantas gerações, que nunca tinham pensado que suas meninas iriam querer ser parte da força shinobi. Mebuki tinha sido, compreensivelmente, preocupada. Ela tinha visto a pedra do memorial... durante meses, Mebuki tinha tido pesadelos com o nome de suas filhas escritos sobre aquela pedra. Foi por isso que, foi quase um alívio ver que Sakura não tinha mudado em nada ao começar a academia. Sua princesinha mais velha, tinha uma mentalidade que Mebuki podia entender com facilidade. Na verdade, era uma mentalidade que a própria Mebuki tinha tido em sua juventude. Sonhando com meninos e um casamento adequado. Então, talvez, isso significava que Sakura seria assim como ela... Ela se tornaria uma kunoichi e, não muito tempo demais, se casaria em um dos clãs renomados de Konoha. Talvez até mesmo o Clã Uchiha, como ela sabia que Sakura nutria uma paixão pelo filho mais novo do líder do clã. Era um alívio sem precedentes para ela.

Contudo... Tsubaki era diferente. Sua princesinha mais jovem era o sonho de toda a mãe. Calma, educada e recatada. Uma pequena dama perfeita, que teria feito todos os clã civis duelarem por uma oportunidade de casamento. Porém, diferente da irmã, quando Tsubaki começou na academia ela adquiriu vários hábitos novos. Nenhum que fosse prejudicial. Na verdade, eram hábitos muito saudáveis. Tsubaki acordava cedo, fazia vários exercícios físicos, inclusive passava quase uma hora a noite fazendo alongamentos. Ela também estava comendo mais durante as refeições, algo que Sakura tinha reduzido de forma preocupante. Tsubaki também tinha gastado todas as suas economias, mudando seu guarda-roupa e comprando várias armas.

Sua filha não tinha mudado o modo de pensar ou sua personalidade. Mas, a cada dia que se passava, Mebuki via menos a possibilidade de estar recebendo netos de Tsubaki. O que seria uma grande tristeza.

oOoOoOoOo

Tsubaki nem mesmo tinha terminado de fechar seu roupão, quando escutou alguém batendo com força na porta do banheiro.

– Tsubaki! Se aprece! Eu quero tomar o meu banho! – Ela escutou sua irma gritar impaciente, voltando a esmurrar a porta.

Tsubaki revirou os olhos. Não era ela que gastava quase uma hora inteira no banheiro.

Abrindo a porta, ela viu sua irmã parada com a mão erguida para continuar a bater na porta, vestindo seu pijama cor-de-rosa com ursinhos, o cabelo enrolado e preso com vários prendedores.

– Finalmente! Por que demorou tanto? – Perguntou a gêmea mais velha.

– Eu não demorei, neesan. Ao contrário de você, levo apenas 15 minutos no banho. – Respondeu tranquilamente, saindo do banheiro e caminhando em direção ao seu quarto.

– Hunf! Eu preciso de tempo para ficar perfeita para o meu Sasuke-kun! Diferente de você que nunca vai ter um namorado por ser tão ogra! – Gritou Sakura irritada, antes de se fechar no banheiro.

Tudo o que Tsubaki fez foi revirar os olhos.

Sua irmã sempre usava essa mesma frase, para tentar atingi-la. Nunca tinha funcionado. Por dois motivos simples: primeiro, Tsubaki pensava que era muito cedo para, sequer pensar em meninos, muito menos em namoro; segundo, elas estavam ingressando para o mundo shinobi, em vista de como as kunoichis mais velhas agiam, principalmente a esposa do Yondaime (que era a grande referência de Tsubaki como uma kunoichi deveria se portar), ela acreditava que um shinobi iria procurar força e habilidade em uma futura esposa, não apenas beleza.

Chegando em seu quarto, ela tirou o roupão e foi até sua estante de cosméticos, para começar a se arrumar. Ela podia não ser como antes irmã, mas Tsubaki era vaidosa como qualquer outra garota pré-adolescente. A diferença, era que ela comprava seus cremes, perfumes e maquiagens em uma loja especializada para kunoichis. Os cremes não tinham cheiro forte e sim um aroma de ervas suave. Eles também eram especiais, pois além de manterem a pele suave e macia, eles também evitavam o desenvolvimento de calos e cicatrizes. Algo assim não era apenas estético, mas também ajudava as kunoichis a se passarem por civis durante missões, quando necessário. Os perfumes eram igualmente discretos, com aromas suaves, que se misturavam com o ambiente. As maquiagens não eram muito diferentes das usadas pelas civis, só eram mais duráveis e não se desfaziam na água, nem ficavam pegajosas com o tempo.

Terminando de passar o brilho labial que tanto gostava e o kajal preto para destacar seus olhos, Tsubaki se virou para seu guarda-roupa. Ela pegou um conjunto de lingerie, uma calça legging azul escura, e um de seus qipao azul bebê. Depois de vestida, ela começou a guardar suas armas em lugares específico sob sua roupa, andes de amarrar as duas bolsas de kunais e shurikens em suas pernas.

Vestida e confortavelmente armada, ela se voltou para a última parte de seu ritual diário: seu cabelo.

Até três meses, ela tinha que usar o secador e a escova, gastando precisos 20 minutos nesse processo, para torná-los aceitáveis. Cansada, pela primeira vez ela fez algo 'fútil' com suas habilidades: criou um jutsu que secaria e escovaria seu cabelo, tornando-o macio e brilhante. Era isso, ou cortá-los para facilitar o cuidado... e Tsubaki se recusavam a cortá-los. Não por algo estúpido como sua irmã, que queria manter os cabelos longos porque, supostamente, Uchiha Sasuke gostava de meninas de cabelo longo. Seu motivo era a sua admiração pela esposa do Hokage.

Com dois selos rápidos e um pouco de chakra, seu cabelo estava perfeito.

Pegando sua mochila, ela saiu em direção a cozinha.

Ela sorriu ao ver seu pai sentado na ponta da mesa, lendo o jornal tranquilamente, enquanto sua mãe terminava de arrumar a mesa.

– Ohayo papa. – Cumprimentou com um sorriso, aproximando-se dele para lhe dar um beijo rápido na bochecha, antes de assumir seu lugar na segunda cadeira da direita.

– Ohayo pequena flor. – Respondeu Kizashi, sorrindo amoroso para a filha caçula. – Foi tudo bem durante sua corrida?

– Hai, consegui melhorar o meu temo em sete minutos. – Falou, sem conseguir evitar o tom de orgulho e satisfação que estava sentindo. – Estou pensando em acrescentar pesos agora.

Kizashi sorriu ao escutar a filha. Tsubaki era sempre tão empolgada quando o assunto era seu treinamento. Era verdade que, como pai, ele não gostava da ideia de ter suas meninas se arriscando nas fileiras shinobis, mas ele também sabia que era um ótimo futuro, se ambas se esforçassem. Além do mais, era considerado um orgulho e uma honra, ser capaz de proteger a vila. Quando jovem, Kizashi tinha pensado em entrar na academia, mas seu pai tinha sido contra. Ele era filho único, e seu pai não permitiria o fim da loja da família. Quando sua esposa engravidou, Kizashi tinha prometido para si mesmo não interferir nas escolhas de seus filhos. Ele ficaria feliz e apoiaria o caminho que escolhessem. Quando Sakura e Tsubaki escolheram a academia shinobi, ele engavetou os medos e as apoiou em suas escolhas. Se, mais tarde, elas decidissem por outro caminho, ele faria o mesmo.

– Pesos? Não vai ser muito para você lidar, querida? Você tem só 11 anos. – Comentou Mebuki, colocando entregando a tigela de arroz para a filha, enquanto colocava a tigela de misoshiru, a travessa de tamagoyaki e o prato com tempura de camarões e legumes em frente a filha.

– Daijoubu, eu vou começar apenas com algumas gramas nos braços e pernas, então vou aumentar devagar. Também vou tirar o peso à noite, assim não vou ficar sobrecarregada. – Garantiu, começando a comer devagar.

Tsubaki sempre fazia questão de ingerir o máximo de calorias possível, assim como não ficar mais do que três horas sem comer nada (Ela tinha barrinhas de okoshi em sua mochila). Sendo ainda jovem e com muito crescimento pela frente, sem mencionar todo o treinamento que fazia e o que ainda viria pela frente, ela sabia que não podia se dar ao luxo de comer pouco ou pular refeições. Comer pouco significava pouca energia, pouca energia significava menos força e resistência, menos força e resistência significa uma maior chance de morrer.

– Hn... Eu só queria que você fosse um pouco mais devagar às vezes. – Lamentou Mebuki com um suspiro, enquanto se sentava para comer seu próprio café. – Você sempre está tão focada e determinada. Tenho medo que, um dia, você exceda demais os seus limites.

– Daijoubu mama, eu prometo não exagerar. – Garantiu, querendo tranquilizar sua mãe.

Tsubaki entendia a preocupação.

Sua mãe era uma civil. Tinha sido uma civil toda a sua vida e sua única referência sobre a vida shinobi era algumas poucas história que voavam ao redor. Estando criando duas filhas que tinham decidido seguir o caminho shinobi era difícil, pelo simples fato de que Mebuki não sabia até onde elas deveriam estender seus limites físicos e mentais. Com Sakura era muito mais fácil, já que sua irmã não tinha mudado sua vida ou rotina, para se adaptar a sua escolha de vida. Assim, sempre que sua mãe lhe via se dedicando tanto ao treinamento e provocando seus limites... era apenas natural que ela se preocupasse com Tsubaki indo longe demais.

Tsubaki estava na metade de seu café, quando Sakura finalmente entrou na cozinha.

Involuntariamente, a Haruno mais nova enrugou o nariz com o forte perfume floral artificial da irmã. Era doce e enjoativo. Era impossível ter discrição com um cheiro como esse. Sakura seria encontrada facilmente por qualquer shinobi, mesmo se eles não tivessem o olfato mais sensível.

– Ohayo! – Exclamou Sakura animada, tomando seu lugar na mesa. – Mama, eu não quero o tempura e só três pedaços de tamagoyaki está bom. Ah, e não enche a tigela de arroz! – Falou rápido, quando viu sua mãe começar a servir seu prato.

Tsubaki franziu a testa, lançando um olhar de desaprovação silencioso para a pouca comida que a Haruno mais velha estava comendo. Sakura estava quase oito quilos abaixo do peso normal de uma criança de 11 anos. Isso não era nada saudável. Tsubaki sabia, pelas várias lembranças de Jasmine Potter, que a desnutrição poderia desencadear consequências graves no crescimento.

– Você deveria parar de fazer dieta, neesan. Não é saudável. – Comentou, mesmo sabendo que era inútil. – Mama, okawari onegai. – Pediu, estendendo a tigela de arroz e misoshiru vazias.

Mebuki sorriu, pegando as tigelas para enchê-las novamente.

– Eu não quero ficar gorda que nem você! Meu Sasuke-kun nunca olharia para mim se eu ficasse gorda! – Vociferou irritada, lançando um olhar desdenhoso para a quantidade grande comida que a mais nova estava comendo. – Logo, logo você vai estar mais gorda que o Chouji.

– Meninas sem discussões na mesa! – Interrompeu Mebuki, antes que as duas pudessem começar a brigar, entregando as tigelas cheias para a filha mais nova.

Sakura bufou irritada, enquanto Tsubaki apenas suspirou.

Ela estava muito preocupada com o futuro de sua irmã, se Sakura continuasse no caminho shinobi. Talvez, com alguma esperança, sua irmã amadureceria... ou ela poderia continuar como uma genin para sempre, fazendo missões rank-D.

Tsubaki poderia ter alguma esperança.

Ela terminou de comer, se levantando da mesa e murmurou um 'gochisousama', antes de andar até a geladeira pegando uma garrafa pequena de leite. Tsubaki tinha criado o hábito de beber três garrafas de leite por dia: uma antes de sua corrida matinal, uma após o café da manhã e uma antes de dormir. Ela bebeu o leite em quatro goles grandes, jogando a garrafa no lixo e se virando para pegar sua mochila.

– Ittekimasu. – Despediu-se, dando um beijo de despedida em seus pais antes de sair.

– Itteirashai!

Tsubaki estava saindo de casa, quando Sakura passou por ela correndo e gritando sua própria despedida.

oOoOoOoOo

– Muito bem turma, hoje teremos treino de taijutsu. – Anunciou Iruka, olhando para seus alunos com um sorriso amplo.

No momento em que o chunin tinha dito essas palavras, ele recebeu duas reações diversas: os meninos soltaram exclamações entusiasmadas, o que não era surpresa, sendo que o treino de taijutsu era a hora favorita da maioria dos meninos; já as meninas... Iruka quase suspirou ao escutar os gemidos de protestos. Ele realmente queria, uma única vez, se apresentar diante do Yondaime e dizer que o futuro das kunoichis da vila estava seguro. Com tudo, Iruka sabia que não seria assim tão fácil. Não enquanto 90% de suas alunas insistissem em fazer dieta! Que tipo de kunoichi faz dieta?

É claro que nem todas eram assim. Havia duas que ele tinha esperança de se tornarem ótimas kunoichis: Hyuuga Hinata e Haruno Tsubaki. A herdeira do clã Hyuuga era apenas um pouco tímida e insegura demais, mas ela tinha o talento para se tornar uma boa kunoichi no futuro. Já a Haruno mais nova... Iruka nunca tinha tido uma aula como ela. Talento, habilidade e determinação. Iruka, assim como muitos outros professores da academia, acreditavam que a menina era uma tensai e poderia ter se formado muito mais cedo do que os demais. Contudo, quando eles tinham proposto isto, logo depois de notarem o potencial da menina, para a surpresa de todos, Tsubaki tinha recusado, afirmando querer se formar na mesma turma de sua irmã.

Ignorando os protestos dos alunos, Iruka se aproximou de uma caixa, onde o nome dos alunos estavam escritos, para começar a sortear as duplas que se enfrentariam. Era mais justo dessa forma.

– A primeira luta será entre... Inuzuka Jun e Uchiha Satoshi. – Anunciou Iruka sorrindo, enquanto via os dois alunos se posicionarem para começar a prática.

– Aah... eu detesto as práticas de taijutsu. – Lamentou Sakura, no meio de seu grupo de amigas, que também eram o pequeno clube de fã de Uchiha Sasuke, que murmuraram de acordo.

Tsubaki revirou os olhos. Sim, ela sabia exatamente o porque sua irmã e aquelas garotas não gostavam das aulas das práticas de taijutsu. Prática significava se movimentar muito, suar e, consequentemente, se machucar e se sujar. Se havia uma coisa que as fangirl odiavam, era não estarem com uma aparência impecável. Optando por ignorar o grupo, ela voltou sua atenção para Hinata, que estava se remexendo muito nervosa ao seu lado.

Tsubaki não era do tipo que se misturava, ou interagia com todos da turma. Diferente da 'borboleta social', que era sua irmã, ela preferia se manter longe dos grupinhos formados na turma. Até, porque, ela não era uma fangirl. Talvez, por isso, a única garota que ela conseguia se dar bem, era Hinata.

A herdeira Hyuuga era uma menina realmente meiga, mas muito insegura sobre suas próprias habilidades. O peso da responsabilidade de liderar o clã no futuro, apenas contribuía para abalar ainda mais sua confiança. E, em momentos como aquele, quando tinham que mostrar suas habilidades na frente de todos, Hinata ficava ainda mais nervosa.

– Daijoubu Hinata-chan. Você tem treinado muito no último mês. Tenho certeza de que vai se sair bem. – Afirmou, tentando dar alguma confiança para a morena.

Hinata a olhou para a rosada ao seu lado, antes de lhe dar um sorriso nervoso.

– Hn... g-ganbaremasu... – murmurou, voltando seus olhos para os dois meninos lutando.

Tsubaki sorriu.

Quando Hinata superasse sua insegurança e nervosismo, ela seria uma kunoichi a ser temida.

Com esse pensamento, ela voltou sua atenção para a luta, tentando encontrar algumas ideias para seu próprio estilo de taijutsu. No começo do ano, ela tinha decidido que o estilo padrão da academia era muito limitado. Tsubaki sabia que ela não poderia depender do estilo simples da academia. Foi por isso que ela tinha começado visitar o dojo da aldeia, assistindo os shinobis mais velho treinando, para conseguir ideias para desenvolver seu próprio taijutsu.

A primeira luta terminou com Inuzuka Jun como vencedor. A segunda luta foi, para seu divertimento, entre Sakurai Nanami e Yamanaka Ino, duas fangirls. A luta que se seguiu foi uma verdadeira piada. As duas estavam mais preocupadas em se machucar e sujar suas roupas, do que realmente lutar. Quando Ino recebeu uma rasteira, caindo sobre uma possa de lama, a loira entrou em uma crise de choro e gritos sobre sua roupa destruída, para então saltar sobre Nanami. As duas garotas tinham rolado sobre o chão puxando o cabelo uma da outra, ao ponto de que Iruka foi obrigado a interferir e separar as duas, repreendendo a postura delas.

As lutas continuaram. Os meninos continuavam lutando com energia e força, porém quando acabavam emparelhados com uma das meninas fangirl, a luta nem mesmo começava, já que as meninas se rendiam quase que imediatamente. Enquanto as meninas continuavam a exibir nenhum tipo de habilidade.

Quando foi a vez de Hinata, Tsubaki sorriu e lhe desejou boa sorte. A adversária da morena era a própria irmã da rosada, Sakura. Tsubaki sabia que Hinata seria capaz de vencer. Sakura era terrível em taijutsu. Porém, a morena precisava ter confiança. Quando Hinata foi derrubada e imobilizada por Sakura, Tsubaki suspirou um tanto decepcionada. Hinata, realmente, precisava de um pouco mais de confiança.

– Haruno Tsubaki e Uchiha Sasuke! – Chamou Iruka, causando uma grande onda de sussurros.

Tsubaki gemeu internamente.

Ela podia sentir a aura raivosa das fangirls atrás de si.

Não era segredo para ninguém que ela era muito boa em taijutsu. No mês passado, ela tinha derrotado Inuzuka Kiba de uma forma quase que cruel. Em sua defesa, o garoto estava lhe irritando! Ele tinha passado todo o dia tentando convencê-la de que era uma ótima escolha de namorado. Então, se durante a prática, ela o tinha atingido mais de dez vezes entre as pernas e pressionado sua kunai sobre a região e ameaçado castrá-lo... bem, não era como se alguém pudesse culpá-la. Ela estava irritada!

Contudo, ela sabia que Uchiha Sasuke era o melhor entre os meninos no quesito taijutsu.

Não seria uma luta fácil.

Posicionando em frente a Sasuke, com uma distância de aproximadamente um metro e meio entre eles, ela assumiu sua posição. Ela podia ver o olhar firme e concentrado nos olhos negros. Sasuke não iria pegar leve. Ele sabia que ela era boa e não iria facilitar.

– Hajime!

Eles não hesitaram. Imediatamente, após as palavras de seu sensei, os dois avançaram um sobre o outro começando a luta. Sasuke era rápido, com um estilo firme, apesar de ainda incompleto. Ela sabia que aquele era o estilo próprio do clã Uchiha, e não o estilo básico da academia. Com um sorriso malicioso em seu rosto, ela decidiu arriscar alguns movimentos de seu próprio estilo em desenvolvimento. Bloqueando um chute que atingiria sua cabeça, Tsubaki saltou para o lado, girando seu corpo, prendendo suas pernas ao redor da cabeça de Sasuke, puxando-o de encontro ao chão.

Sasuke soltou um grito surpreso, quando seu corpo foi arremessado contra o chão, sentindo o peso de Tsubaki começar a afundar sobre ele. Ele não esperava algo assim. Todas as vezes que a Haruno mais nova tinha lutado, ela só usava os movimentos básicos da academia. Determinado a não perder, ele ergueu os braços, segurando-a pelas coxas, antes que ela pudesse imobilizá-lo e lançando-a para cima. Tsubaki não pareceu surpresa, já que ela recuperou facilmente o equilíbrio, caindo de pé. Aproveitando os poucos segundos de pausa, Sasuke se levantou do chão rápido, voltando a assumir sua postura de luta.

Olhos negros encararam os verdes com firmeza.

Um pequeno sorriso malicioso se formou em ambos os rostos.

Um segundo de silêncio, e ambos voltaram a avançar um sobre o outro.

Internamente, Sasuke estava feliz com a luta difícil. Ele já tinha lutado contra todos os garotos, mas nunca tinha enfrentado Tsubaki. De todas as garotas da academia, ele sabia que ela era a melhor e parecia ser a única capaz de se tornar uma kunoichi de verdade. Talvez, a única coisa que ele pensava que estava 'errado' em sua postura, era o fato de que ela mantinha o cabelo tão longo. Era contraproducente. Ele podia, facilmente, agarrar os fios rosa-avermelhados e puxá-los... se ele não soubesse a forma agressiva como ela agia quando seu cabelo era puxado. Pessoalmente, ele não queria terminar como Tachibana Fuuto... o garoto tinha desistido de se tornar um shinobi depois do que Tsubaki fez com ele.

Os dois tinham perdido a noção do tempo.

Tudo o que eles conseguiam se concentrar era nos golpes e movimentos que o outro fazia.

Sasuke ainda não sabia como ou quando exatamente, mas ele encontrou uma pequena abertura entre os golpes de Tsubaki. Tirando proveito da falha, ele avançou sobre ela, derrubando-a no chão e montando sobre ela, usando seu peso para imobilizá-la. Quando Tsubaki tentou agarrá-lo pela gola de sua camisa para inverter as posições, ele segurou-a pelos pulso e os prendeu sobre a cabeça com uma mão, enquanto a outra estava sobre o pescoço fino da garota, apertando-o, apenas tocando-o de leve.

Eles se encararam ofegantes.

Suor, poeira e terra cobrindo seus rostos.

A adrenalina da luta ainda estava correndo forte em seus corpos.

– Terminou! – Falou Iruka, vendo que os dois não estavam mais se movendo. – Bom trabalho Sasuke, Tsubaki.

Sasuke se levantou, saltando a rosada, antes de estender a mão para ajudá-la. Tsubaki olhou para a mão estendida, antes de sorrir e aceitá-la.

– Você é muito boa. – Comentou, enquanto voltavam para se juntar ao grupo de estudantes.

– Arigato, você também é muito bom, Uchiha-kun. – Respondeu com sinceridade. Sasuke era um ótimo adversário e, graças a pequena luta, ela tinha encontrado várias falhas que ela precisava melhorar em seu taijutsu, assim como algumas ideias para aperfeiçoá-lo.

Sasuke piscou, um pouco surpreso ao escutar o seu sobrenome, ao invés o irritante 'Sasuke-kun', pelo qual todas as meninas lhe chamavam. Ele olhou para a garota se afastar e ir em direção a herdeira Hyuuga, que a parabenizou pela luta.

"Muito menos irritante do que a irmã", pensou Sasuke com um meio sorriso, antes de se reunir com seus próprios amigos.

~~{Continua...}~~


Notas Finais


Oi galera,

Bem, espero que tenham gostado da fic. A ideia me venho depois de ler o 'Bau de Ideias Incompletas' da Misaki Eyva, onde ela escreveu e postou várias ideias que ele nunca seguiu a diante. Evidentemente, não é um 'plagio', já que eu só peguei a ideia base: fem!Harry reencarna no mundo de Naruto como a irmã gêmea de Sakura.

Eu ainda estou pensando em várias coisas para a fic e estou em dúvida sobre alguns pontos. E eu quero pedir ajuda a todos vocês. Como eu coloquei no início do capitulo, eu ainda não sei quem vai ser o par da Tsubaki. E, apesar da cena final, eu não resolvi se vai ser o Sasuke! A cena, assim como todo o capítulo, era só para ressaltar as diferenças entre Sakura e Tsubaki apesar de serem gêmeas. Por isso, eu quero saber de vocês: Quem seria melhor para ser o par romântico da Tsubaki?

Outra dúvida que eu estou tendo, é sobre o time genin da Tsubaki. O que vocês acham? Eu devo colocar ela no time 7 e botar a Sakura em outro, talvez colocá-la em um time com personagens OC, ou, talvez, botar ela em um dos outros time no lugar de algum outro personagem (nesse caso, que personagem eu devo substituir)?

Bem, por enquanto é isso gente!

Espero que todos tenham gostado da fic e estejam ansiosos por mais.

Beijinhos e até o próximo capítulo ;3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...